Corpo humano

estrutura material do organismo humano

O corpo humano é a estrutura do ser humano. É composto por trilhões de células, a unidade fundamental da vida, que juntas são responsáveis pela formação de tecidos que protegem o organismo do mundo exterior, e vários outros que são responsáveis pela formação das cavidades internas. As células se agrupam e formam os órgãos, que são coleções estruturadas de células com funções específicas. Os órgãos estão interligados um ao outro e fazem partes de sistemas específicos, os quais mantém a manutenção da constituição física humana. Também é constituído por cerca de 60% de água e vários elementos, aproximadamente 25 quilogramas de um humano com 70 quilogramas, são células não humanas ou material celular, um dos quais são os ossos, que são responsáveis por suportar e proteger as estruturas internas mais importantes. A combinação de todos os fatores permite que o organismo garanta a homeostase, que é o estado de equilíbrio.

Corpos humanos de adultos: feminino (esquerdo) e masculino (direito) fotografados nas perspectivas ventral (acima) e dorsal (abaixo). Pelos púbicos, corporais e faciais de ocorrência natural foram removidos deliberadamente para mostrar a anatomia.

Na anatomia básica é formado pela cabeça, pescoço, tronco (que incluem o tórax e abdômen), braços e mãos, pernas e pés.[1]

O estudo do corpo humano envolve: a anatomia, fisiologia, histologia e embriologia. O corpo varia anatomicamente de maneiras conhecidas. A fisiologia estuda os sistemas e órgãos do corpo humano e suas funções. Muitos sistemas e mecanismos interagem para manter a homeostase, com níveis seguros de substâncias como açúcar e oxigênio no sangue.[2]

ComposiçãoEditar

Elementos do corpo humano em massa. Os oligoelementos têm menos de 1% combinados (e cada um menos que 0,1%).[3]
  Elemento Símbolo Porcentagem (%) de massa Refs.
Oxigênio O 65 [3][4][5]
Carbono C 18,5
Hidrogênio H 9,5
Nitrogênio N 3,3
Cálcio Ca 1,5
Fósforo P 1
Potássio K 0,4
Enxofre S 0,3
Sódio Na 0,2
Cloro Cl 0,2
Magnésio Mg 0,1
Oligoelementos 0,1

O corpo humano é composto por vários elementos e quatro destes desempenham papéis fundamentais, pois são responsáveis por aproximadamente 95,2% da massa corporal de um humano, sendo eles: hidrogênio, oxigênio, carbono e nitrogênio. O restante dessa massa é formado por vários outros elementos que são encontrados em quantidades menores, tais como: cálcio, fósforo, potássio, sódio, cloro, magnésio, enxofre e micronutrientes (dos quais alguns, de acordo com evidências, são necessários para a vida).[3][6][7][8][9]

Nem todos os elementos encontrados em pequenas quantias são importantes para o corpo,[10] sendo alguns considerados simples contaminantes que não possuem funções fundamentais, tal como o césio,[11] enquanto outros são toxinas ativas dependendo da quantidade, como o mercúrio.[12][13][14] Em humanos, o arsênio é tóxico e seu níveis em alimentos precisam ser monitorados a fim de reduzir ou eliminar sua digestão.[15][13] O organismo de um humano contém pelo menos traços detectáveis de 60 elementos químicos, sendo 25 destes analisados a desempenhar um papel positivo na saúde e vida.[8]

Quatro elementos são responsáveis pela constituição da maioria do peso de um humano, são eles: o carbono, nitrogênio, oxigênio e hidrogênio.[5] O hidrogênio (9,5% da massa corporal)[14] mantém a estrutura hidratada, além de estar presente em 90% da composição de todos os átomos e, é encontrado nos carboidratos, proteínas, amidos e lipídios que são necessários à dieta humana. Está presente no trifosfato de adenosina (ATP),[16] que é a principal molécula transportadora de energia.[17] O oxigênio (responsável por 65% da massa corporal)[5] é importante para as células visto que necessitam do oxigênio para funcionarem, elas usam a substância principalmente para a produção de energia vinda dos alimentos.[18] É transportado dos pulmões para os microrganismos através do sangue, sendo necessário ao metabolismo,[19] é responsável por inúmeras reações bioquímicas intracelulares.[20] Percentualmente a maior parte do elemento químico no corpo está na água que é uma das moléculas mais importantes para à vida.[6]

Constituindo 18,5% da massa corporal,[5] o carbono é um elemento tetravalente, ou seja ele pode se relacionar a quatro outros elementos químicos,[21] sendo assim ele faz ligações estáveis com outros átomos, que é uns dos motivos que fazem ele de um átomo fundamental, os carboidratos, gorduras e proteínas são variados exemplos de moléculas compostas pelo elemento.[22] O nitrogênio, sendo 3,3% do peso,[4] é alguns dos responsáveis pela composição dos aminoácidos que constituem as proteínas.[23] Sendo também um dos componentes dos ácidos nucléicos que compõem o DNA e RNA.[24]

O cálcio, fósforo e enxofre são os elementos minerais mais abundantes do corpo.[25] O cálcio é necessário para manter os ossos resistentes e realizar várias funções vitais, quase toda a substância é armazenada nos ossos e dentes, onde sustenta a estrutura. É necessário para os músculos se moverem, o funcionamento dos músculos, além de ajudar os vasos sanguíneos movimentar o sangue.[26] O fósforo, assim como o cálcio, auxilia o desenvolvimento dos ossos e desempenha funções nos ácidos nucleicos e nas membranas celulares, ajudando o corpo a produzir energia e na produção de trifosfato de adenosina (ATP), que está relacionado à forma que o corpo usa carboidratos e gorduras.[27][28] O enxofre é importante para múltiplas funções, compondo e recompondo o DNA, promovendo a proteção de seus microrganismos contra danificações.[29] Além disso, o enxofre é responsável por desempenhar papeis importantes na síntese de intermediários metabólicos importantes, como a glutationa um aminoácido indispensável encontrado nas proteínas.[25]

A composição do corpo humano além do nível atômico pode ser vista em escala molecular e celular.[30] As moléculas são a reunião de dois ou mais átomos,[31] e são exemplos de moléculas: a água (H2O), glicose (C6H12O6) e nitrogênio (N2).[32] A água um dos nutrientes críticos, cuja a ausência leva à óbito, compõe entre 75% (em bebês) e 55% (em idosos) da massa corporal de um humano.[33] As uniões das moléculas formam as células[34] que são as unidades fundamentais e, são elas que mantém o corpo vivo.[35] Existem trilhões dessas partículas vivas que possuem estruturas e funções diversas.[36] As células se agrupam e formam os tecidos que compõem estruturas com funções especificas, como os órgãos.[37]

CélulasEditar

O corpo contém trilhões de células, a unidade fundamental da vida.[38] Na maturidade, existem cerca de 30-37[39][40] trilhões de células no corpo, uma estimativa obtida pela totalização do número de células de todos os órgãos do corpo e tipos de células. O corpo também hospeda aproximadamente o mesmo número de células não humanas,[41] bem como organismos multicelulares que residem no trato gastrointestinal e na pele.[42] Nem todas as partes do corpo são feitas de células. As células ficam em uma matriz extracelular que consiste em proteínas como o colágeno, rodeado por fluidos extracelulares. Dos 70 kg de um corpo humano médio, quase 25 kg são células não humanas ou material não celular, como ossos e tecidos conjuntivos.

GenomaEditar

 Ver artigo principal: Genoma

As células do corpo funcionam por causa do DNA. O DNA fica dentro do núcleo de uma célula, as partes do DNA são copiadas e enviadas ao corpo da célula via RNA.[43] O RNA é então usado para criar proteínas que formam a base das células, sua atividade e seus produtos. As proteínas ditam a função celular e a expressão gênica, uma célula é capaz de se autorregular pela quantidade de proteínas produzidas.[44] No entanto, nem todas as células têm DNA; algumas células, como os glóbulos vermelhos maduros, perdem o núcleo à medida que amadurecem.[45]

TecidosEditar

O corpo humano consiste em muitas categorias de tecidos, definidos como células que atuam com uma função especializada.[46] O estudo dos tecidos é denominado histologia e geralmente ocorre com um microscópio. O corpo consiste em quatro tipos principais de tecidos; células de revestimento (epitélios), tecido conjuntivo, tecido nervoso e tecido muscular.[47]

As células que se encontram em superfícies expostas ao mundo exterior ou trato gastrointestinal (epitélio) ou cavidades internas (endotélio) vêm em várias formas e formas; de camadas únicas de células planas a células com pequenos cílios como nos pulmões, para células como colunas que revestem o estômago. As células endoteliais são células que revestem as cavidades internas, incluindo vasos sanguíneos e glândulas. As células de revestimento regulam o que pode ou não passar por elas, protegem as estruturas internas e funcionam como superfícies sensoriais.[47]

ÓrgãosEditar

 Ver artigo principal: Órgão (anatomia)

Os órgãos são formados por tecidos, ou seja, por coleções de células estruturadas que mesmo não sendo idênticas trabalham entre si.[48] Por exemplo, o coração é composto principalmente por cardiomiócitos e pelo tecido conjuntivo.[49] Os órgãos são considerados estruturas de extrema importância,[50] e o corpo humano possui cinco órgãos vitais: cérebro, coração, pulmões, fígado e rins, sem os quais não é possível a sobrevivência do organismo,[51] pois caso algum deles pare de funcionar o óbito é a consequência se não houver intervenção médica de urgência.[52]

 
Cavidades: 1. Craniana 2. Torácica 3. Abdominal 4. Pélvica 5. Ventral 6. Abdominopélvica 7. Dorsal a. Mediastino superior b. Canal vertebral c. Cavidade pleural d. Cavidade pericárdica dentro do mediastino e. Diafragma

Na maioria das vezes os órgãos estão localizados em cavidades internas,[50] com exceção da pele que é considerada a maior estrutura do organismo,[53] e as cavidades são subdividas em dorsal e ventral, dentro destas estão localizados os órgãos internos. Para fins de pesquisa e localizações mais exatas, as cavidades dorsal e ventral são também subdivididas: a dorsal em cavidade craniana (onde está localizado o cérebro) e canal vertebral (no qual passa a medula espinhal, que é o prolongamento do sistema nervoso central); a ventral em: cavidade torácica (localidade em que o coração e pulmões, as partes torácicas dos grandes vasos e outras estruturas importantes estão), e a abdominopélvica que é dividida em cavidade abdominal (onde está o estômago, fígado, vesícula biliar, baço, pâncreas, intestino delgado e grosso, glândulas suprarrenais e rins) e pélvica (região em que se situam os órgãos reprodutivos e também o reto, bexiga e uretra).[54][55][56]

O corpo é formado por múltiplos órgãos que fazem partes de sistemas, os quais são formados pela reunião de estruturas que realizam funções especificas dentro do corpo. Cada órgão possui um papel dentro do corpo,[57] por exemplo o coração faz parte do sistema circulatório e sua função é bombear o sangue,[58] enquanto o estômago pertence ao sistema digestivo e sua função é realizar a digestão química e mecânica dos alimentos, de modo que transforma o bolo alimentar em quimo para que posteriormente a digestão seja continuada no intestino delgado.[59][60] Os órgãos vestigiais não possuem funções específicas e vitais e, são resultado das adaptações evolutivas acometidas pelo ser humano. Essas estruturas já tiveram alguma função principal anteriormente, mas com a evolução, suas funcionalidades foram modificadas e deixaram de exercer sua função principal anterior. O melhor exemplo de um órgão vestigial é o apêndice cecal, que é uma pequena extensão tubular do intestino grosso, e constitui vestígio de um órgão redundante que nas espécies ancestrais tinha funções digestivas, mas com as modificações dessa estrutura a sua função foi modificada e na modernidade é relacionada com a proteção da população de bactérias que habita e interfere no bom funcionamento do sistema digestivo.[61][62][63]

A palavra órgão advém do latim organum[64] e do grego órganon, que em tradução literal significa "instrumento",[65] e somente no século XVII o termo começou a ser usado para fins anatômicos.[66] Aproximadamente há quatro mil anos atrás nas regiões da Mesopotâmia e do Antigo Egito, a população já estava fazendo investigações acerca da descoberta de melhores informações sobre o corpo, e para isso tentaram descrever o básico da vida, relacionando ideias errôneas da função do fígado e dos outros órgãos (constantemente tentavam explicar a função dessas estruturas em relação à "alma" do ser humano).[67]

SistemasEditar

 Ver artigo principal: Sistema (biologia)
No sentido horário a partir do canto superior esquerdo: o sistema tegumentar, esquelético (locomotor), nervoso ,cardiovascular, endócrino e muscular (locomotor).
No sentido horário a partir do canto superior esquerdo: o sistema linfático, respiratório, urinário, reprodutor (feminino/masculino) e digestivo.

Os órgãos do corpo estão associadas frequentemente em sistemas, os quais são a reunião de estruturas que cooperam entre si para realizar funções complexas e consideráveis dentro do organismo. Existem vários sistemas que são necessários para a sobrevivência da espécie,[68] cada um tendo funções diferentes, e portanto, papéis exclusivos para desempenhar na fisiologia.[69] São eles: o circulatório (dividido em dois outros sistemas para fins de pesquisa: cardiovascular, responsável por transportar nutrientes e oxigênio para todas as células através do sangue e o linfático que recolhe as impurezas e conduz os glóbulos brancos e vários outros, através da linfa),[70] digestivo (onde acontece a transformação dos alimentos em nutrientes e, a eliminação do não necessário através das fezes), endócrino (faz a regulação e administração das funções do corpo através de glândulas, que produzem e liberam hormônios), imunológico (defende o organismo da invasão de patógenos), tegumentar (protege do mundo exterior, regula a temperatura corporal e é responsável pela sensibilidade), locomotor ou musculoesquelético (fornece a estrutura e locomoção, também é dividido em dois outros sistemas que são o muscular e esquelético),[71] nervoso (centro de controle do corpo, incumbido pela transmissão de sinais), reprodutor (garante a descendência da espécie através dos gametas, que posteriormente pós fertilização transformará em um embrião no útero), respiratório (traz oxigênio do ar para o organismo) e urinário (filtra o sangue e remove as toxinas e resíduos, transformando em urina).[72][73]

Alguns órgãos do corpo têm múltiplas funções e fazem partes de mais de um sistema, enquanto outros apresentam somente uma função para tal.[72] Por exemplo: o timo faz parte do sistema linfático e imunológico,[74] os ovários integram o reprodutor e endócrino,[75] a faringe pertence ao respiratório e digestivo.[76]

Os sistemas interagem efetivamente entre si, essas interações possuem regras básicas, ou seja latentes à complexa reorganização hierárquica em redes fisiológicas com transições entre estados fisiológicos. A saúde e os estados fisiológicos diferentes surgem de interações em rede entre sistemas complexos de vários componentes não lineares. Os médicos tradicionalmente focam em um único sistema, por exemplo: os cardiologistas examinam o coração e consideram os sinais do ECG; neurologistas trabalham com o cérebro e utilizam sinais de ressonância magnética e ondas cerebrais EEG. Entretanto, o organismo é uma rede integrada, os quais os sistemas formados por várias estruturas fazem contato continuamente através de vários procedimentos por meio de várias respostas adquiridas e em diferentes escalas temporais para aperfeiçoar e coordenar sua função. Essas interações são essenciais para manter a saúde e gerar estados fisiológicos distintos, tal como a vigília e sono, sono leve e profundo, consciência e inconsciência. A modificação ou a interrupção das comunicações dos órgãos podem levar a disfunção de sistemas individuais ou ao colapso de todo o organismo, por exemplo: febre, hipertensão e falência de múltiplos órgãos, mas, apesar da importância para a cognição das funções fisiológicas básicas, há escassez sobre a natureza das interações dinâmicas entre diversos sistemas e seu papel coletivo como uma rede integrada de saúde.[77]

O vocábulo "sistema" vem do grego, e é originário de SYNÍSTANAI que é a junção de SYN, que significa "reunião ou conjunto" e HÍSTANAI, em tradução literal "levar exercer", sendo assim a palavra SYNISTANAI retrata "levar exercer em conjunto". Com base nessa palavra surgiu SYSTEMA, significando a "associação de diferentes partes".[78][79]

Sistema circulatórioEditar

 
Diagrama do coração humano
 Ver artigo principal: Sistema circulatório

O sistema circulatório consiste no coração e vasos sanguíneos (artérias, veias e capilares). O coração impulsiona a circulação do sangue, que serve como um "sistema de transporte" para transferir oxigênio, combustível, nutrientes, produtos residuais, células imunológicas e moléculas de sinalização (ou seja, hormônios) de uma parte do corpo para outra. Os caminhos da circulação sanguínea dentro do corpo humano podem ser divididos em dois circuitos: o circuito pulmonar, que bombeia sangue para os pulmões para receber oxigênio e deixar dióxido de carbono e o circuito sistêmico, que transporta o sangue do coração para o resto do corpo. O sangue consiste em um fluido que transporta as células na circulação, incluindo algumas que se movem dos tecidos para os vasos sanguíneos e vice-versa, assim como o baço e a medula óssea.[80][81][82]

 
Diagrama do sistema digestivo (em inglês)

Sistema digestivoEditar

 Ver artigo principal: Sistema digestivo

O sistema digestivo consiste na boca, incluindo a língua e os dentes, esófago, estômago, (trato gastrointestinal, intestinos, e reto), bem como o fígado, pâncreas, vesícula biliar, e glândulas salivares. Ele converte os alimentos em moléculas pequenas, nutricionais e não tóxicas para distribuição e absorção pelo corpo. Essas moléculas assumem a forma de proteínas (que são quebradas em aminoácidos), gorduras, vitaminas e minerais (os últimos dos quais são principalmente iônicos em vez de moleculares). Depois de ser engolido, o alimento se move pelo trato gastrointestinal por meio da peristalse: a expansão e contração sistemáticas dos músculos para empurrar o alimento de uma área para outra.[83][84]

A digestão começa na boca, que mastiga os alimentos em pedaços menores para facilitar a digestão. Em seguida, é engolido e passa pelo esôfago até o estômago. No estômago, o alimento é misturado aos ácidos gástricos para permitir a extração de nutrientes. O que resta é chamado de quimo; ele então se move para o intestino delgado, que absorve os nutrientes e a água do quimo. O que sobra segue para o intestino grosso, onde é seco para formar fezes; estes são então armazenados no reto até que sejam expelidos através do ânus.[84]

Sistema endócrinoEditar

 Ver artigo principal: Sistema endócrino

O sistema endócrino consiste nas principais glândulas endócrinas: hipófise, tireóide, supra-renais, pâncreas, paratireoides e gônadas, mas quase todos os órgãos e tecidos também produzem hormônios endócrinos específicos. Os hormônios endócrinos servem como sinais de um sistema do corpo para outro em relação a uma enorme variedade de condições, resultando em uma variedade de mudanças de função.[85]

 
Um neutrófilo (amarelo) envolve uma bactéria de antraz (laranja), numa imagem obtida através de microscópio eletrónico de varrimento.

Sistema imunológicoEditar

 Ver artigo principal: Sistema imunitário

O sistema imunológico consiste em células brancas do sangue, o timo, os gânglios linfáticos e os canais linfáticos, que também fazem parte do sistema linfático. O sistema imunológico fornece um mecanismo para o corpo distinguir suas próprias células e tecidos de células e substâncias externas e neutralizar ou destruir as últimas usando proteínas especializadas, como anticorpos, citocinas e receptores do tipo-toll, entre muitos outros.[86]

Sistema tegumentarEditar

 Ver artigo principal: Sistema tegumentar

O sistema tegumentar consiste na cobertura do corpo (a pele), incluindo cabelos e unhas, bem como outras estruturas funcionalmente importantes, como as glândulas sudoríparas e as glândulas sebáceas. A pele fornece contenção, estrutura e proteção para outros órgãos e serve como uma importante interface sensorial com o mundo exterior.[87][88]

Sistema linfáticoEditar

 Ver artigo principal: Sistema linfático

O sistema linfático extrai, transporta e metaboliza a linfa, o fluido encontrado entre as células. O sistema linfático é semelhante ao sistema circulatório em termos de estrutura e função mais básica, que é; transportar um fluido corporal.[89]

 
Página de um livro de anatomia humana mostrando o sistema locomotor

Sistema locomotorEditar

 Ver artigo principal: Sistema locomotor

O sistema locomotor consiste no esqueleto humano (que inclui ossos, ligamentos, tendões e cartilagem) e músculos. Dá estrutura básica ao corpo e capacidade de movimento. Além de seu papel estrutural, os ossos maiores do corpo contêm a medula óssea, o local de produção das células sanguíneas. Além disso, todos os ossos são os principais locais de armazenamento de cálcio e fosfato. Este sistema pode ser dividido entre sistema muscular e esquelético.[90]

 
Diagrama do sistema nervoso humano

Sistema nervosoEditar

 Ver artigo principal: Sistema nervoso

O sistema nervoso consiste em neurônios e células gliais do corpo, que juntos formam os nervos, gânglios e massa cinzenta que, por sua vez, formam o cérebro e estruturas relacionadas. O cérebro é o órgão do pensamento, emoção, memória e processamento sensorial; serve a muitos aspectos da comunicação e controla vários sistemas e funções. Os sentidos consistem em visão, audição, paladar, olfato e tato. Os olhos, ouvidos, língua, nariz e pele, reúnem informações sobre o ambiente do corpo.[91]

De uma perspectiva estrutural, o sistema nervoso é normalmente subdividido em duas partes componentes: o sistema nervoso central (SNC), composto pelo cérebro e pela medula espinhal; e o sistema nervoso periférico (SNP), composto pelos nervos e gânglios fora do cérebro e da medula espinhal. O SNC é o principal responsável por organizar o movimento, processar informações sensoriais, pensamento, memória, cognição e outras funções semelhantes.[92] Ainda é uma questão de debate se o SNC dá origem direta à consciência.[93] O sistema nervoso periférico (SNP), é o principal responsável por reunir informações com os neurônios sensoriais e dirigir os movimentos do corpo com os neurônios motores.[92]

De uma perspectiva funcional, o sistema nervoso é novamente dividido em duas partes componentes: o sistema nervoso somático (SNS) e o sistema nervoso autônomo (SNA). O SNS está envolvido em funções voluntárias, como fala e processos sensoriais. O SNA está envolvido em processos involuntários, como a digestão e a regulação da pressão arterial.[94]

O sistema nervoso está sujeito a muitas doenças diferentes. Na epilepsia, a atividade elétrica anormal no cérebro pode causar convulsões. Na esclerose múltipla, o sistema imunológico ataca os revestimentos nervosos, prejudicando a capacidade dos nervos de transmitir sinais. A esclerose lateral amiotrófica (ELA), também conhecida como doença de Lou Gehrig, é uma doença do neurônio motor que reduz gradualmente os movimentos dos pacientes. Existem também muitas outras doenças do sistema nervoso.[92]

Sistema reprodutorEditar

 Ver artigo principal: Aparelho reprodutor

O sistema reprodutor consiste nas gônadas e nos órgãos sexuais internos e externos. O sistema reprodutivo produz gametas em cada sexo, um mecanismo para sua combinação e, na mulher, um ambiente nutridor para os primeiros 9 meses de desenvolvimento do bebê.[95]

Sistema respiratórioEditar

 Ver artigo principal: Sistema respiratório

O sistema respiratório consiste no nariz, nasofaringe, traqueia e pulmões. Ele traz oxigênio do ar e excreta dióxido de carbono e água de volta ao ar. Primeiro, o ar é puxado pela traqueia para os pulmões pelo diafragma empurrando para baixo, o que cria um vácuo. O ar é brevemente armazenado dentro de pequenos sacos conhecidos como alvéolos, antes de ser expelido dos pulmões quando o diafragma se contrai novamente. Cada alvéolo é cercado por capilares que transportam sangue desoxigenado, que absorve o oxigênio do ar para a corrente sanguínea.[96][97]

 
Ilustração do sistema respiratório

Para que o sistema respiratório funcione adequadamente, deve haver o mínimo possível de impedimentos ao movimento do ar dentro dos pulmões. A inflamação dos pulmões e o excesso de muco são fontes comuns de dificuldades respiratórias.[97] Na asma, o sistema respiratório está persistentemente inflamado, causando sibilância e/ou falta de ar. A pneumonia ocorre por infecção dos alvéolos e pode ser causada por tuberculose. O enfisema, geralmente resultado do tabagismo, é causado por danos às conexões entre os alvéolos.[98]

Sistema urinárioEditar

 Ver artigo principal: Aparelho urinário

O sistema urinário consiste nos rins, ureteres, bexiga e uretra. Ele remove materiais tóxicos do sangue para produzir urina, que carrega uma variedade de moléculas de resíduos e excesso de íons e água para fora do corpo.[99]

AnatomiaEditar

 Ver artigos principais: Anatomia humana e Anatomia
 
Anatomia humana de um corpo masculino (em inglês)

A anatomia humana é o estudo da forma e do formato do corpo humano. O corpo humano tem quatro membros (dois braços e duas pernas), uma cabeça e um pescoço que se conectam ao torso. A forma do corpo é determinada por um esqueleto forte feito de osso e cartilagem, cercado por gordura, músculos, tecido conjuntivo, órgãos e outras estruturas. A coluna vertebral na parte posterior do esqueleto que envolve a medula espinhal, que é uma coleção de fibras nervosas que conectam o cérebro ao resto do corpo. Nervos conectam a medula espinhal e o cérebro ao resto do corpo. Todos os principais ossos, músculos e nervos do corpo são nomeados, com exceção de variações anatômicas, como ossos sesamóides e músculos acessórios.[100]

Os vasos sanguíneos transportam sangue por todo o corpo, que se move por causa das batidas do coração. Vênulas e veias coletam o sangue com baixo teor de oxigênio dos tecidos do corpo. Estes se agrupam em veias progressivamente maiores até atingirem as duas maiores veias do corpo, a veia cava superior e inferior, que drena o sangue para o lado direito do coração. A partir daqui, o sangue é bombeado para os pulmões, onde recebe oxigênio e é drenado de volta para o lado esquerdo do coração, aonde é bombeado para a maior artéria do corpo, a aorta e, em seguida, artérias e arteríolas progressivamente menores até atingir o tecido. Aqui, o sangue passa de pequenas artérias para os capilares, depois para pequenas veias e o processo começa novamente. O sangue transporta oxigênio, produtos residuais e hormônios de um lugar para outro no corpo. O sangue é filtrado nos rins e no fígado.[100]

O corpo consiste em várias cavidades corporais, áreas separadas que abrigam diferentes sistemas de órgãos. O cérebro e o sistema nervoso central residem em uma área protegida do resto do corpo pela barreira hematoencefálica. Os pulmões ficam na cavidade pleural. Os intestinos, o fígado e o baço ficam na cavidade abdominal.[100]

Altura, peso, forma e outras proporções corporais variam individualmente e com a idade e o sexo. A forma do corpo é influenciada pela distribuição dos músculos e tecido adiposo.[100]

FisiologiaEditar

 Ver artigos principais: Fisiologia humana e Fisiologia

A fisiologia humana é o estudo de como o corpo humano funciona. Isso inclui as funções mecânicas, físicas, bioelétricas e bioquímicas de humanos com boa saúde, desde os órgãos até as células que os compõem. O corpo humano consiste em muitos sistemas de órgãos em interação. Eles interagem para manter a homeostase, mantendo o corpo em um estado estável com níveis seguros de substâncias como açúcar e oxigênio no sangue.[101]

Cada sistema contribui para a homeostase, de si mesmo, de outros sistemas e de todo o corpo. Alguns sistemas combinados são chamados de nomes conjuntos, por exemplo, o sistema nervoso e o sistema endócrino funcionam juntos como o sistema neuroendócrino. O sistema nervoso recebe informações do corpo e as transmite ao cérebro por meio de impulsos nervosos e neurotransmissores. Ao mesmo tempo, o sistema endócrino libera hormônios, que ajudam a regular a pressão arterial e o volume. Juntos, esses sistemas regulam o ambiente interno do corpo, mantendo o fluxo sanguíneo, postura, suprimento de energia, temperatura e equilíbrio ácido (pH).[101]

DesenvolvimentoEditar

 
Bebê sendo carregado

O desenvolvimento do corpo humano é o processo de crescimento até a maturidade. O processo começa com a fertilização, onde um óvulo liberado do ovário de uma mulher é penetrado pelo esperma. O óvulo então se aloja no útero, onde um embrião e, posteriormente, o feto se desenvolvem até o nascimento. O crescimento e o desenvolvimento ocorrem após o nascimento e incluem o desenvolvimento físico e psicológico, influenciado por fatores genéticos, hormonais, ambientais e outros. O desenvolvimento e o crescimento continuam ao longo da vida, desde a infância, adolescência e desde a idade adulta até a velhice, e são referidos como o processo de envelhecimento.[102]

Sociedade e culturaEditar

Estudo profissionalEditar

 
Estudo anatômico de Leonardo da Vinci.

Os profissionais de saúde aprendem sobre o corpo humano por meio de ilustrações, modelos e demonstrações. Além disso, estudantes de medicina ganham experiência prática, por exemplo, por dissecação de cadáveres. A anatomia humana, a fisiologia e a bioquímica são ciências médicas básicas, geralmente ensinadas a estudantes de medicina no primeiro ano da faculdade de medicina.[103][104][105]

RepresentaçãoEditar

 Ver artigos principais: Nu artístico e Desenho anatómico

A anatomia tem servido às artes visuais desde os tempos da Grécia Antiga, quando o escultor Policleto do século V a.C. escreveu seu cânon sobre as proporções ideais do nu masculino.[106] No renascimento italiano, artistas como: Piero della Francesca (c. 1415–1492) em diante, incluindo Leonardo da Vinci (1452–1519) e seu colaborador Luca Pacioli (c. 1447–1517), aprenderam e escreveram sobre as regras da arte, incluindo a perspectiva visual e as proporções do corpo humano.[107]

FilosofiaEditar

A palavra corpo é uma das mais ricas da língua portuguesa.[108] O corpo sempre foi objeto de curiosidade por ser uma engrenagem misteriosa. Esse fato levou com que cada área do conhecimento humano apresentasse possíveis definições para o corpo como seu objeto de estudo.[109]

Platão definiu o homem composto de corpo e alma. A teoria filosófica de Platão baseia-se fundamentalmente na cisão entre dois mundos: o inteligível da alma e o sensível do corpo. O pensamento platônico é essencial para a compreensão de toda uma linhagem filosófica que valoriza o mundo inteligível em detrimento do sensível. A alma é detentora da sabedoria e o corpo é a prisão quando a alma é dominada por ele, quando é incapaz de regrar os desejos e as tendências do mundo sensível.[110][111]

Foucault concebeu o corpo como o lugar de todas as interdições. Todas as regras sociais tendem a construir um corpo pelo aspecto de múltiplas determinações.[112] Já para Lacan, o corpo é o espelho da mente e diz muito sobre nós mesmos.[113] Para Nietzsche, só existe o corpo que somos; o vivido e este é mais surpreendente do que a alma de outrora.[114]

Para Michel de Certeau, o corpo encontra-se como o lugar de cristalização de todas as interdições e também o lugar de todas as liberdades.[115] Georges Bataille definiu o corpo como uma coisa vil, submissa e servil tal como uma pedra ou um bocado de madeira.[116]

Para René Descartes, cuja filosofia originou o sistema do cartesianismo, o corpo enquanto organismo é uma máquina, em contraste à mente, e essa separação é conhecida como dualismo mente-corpo. Baruch Espinoza também dividia a definição de corpo e mente, mas os considerava em seu monismo como contínuos de uma mesma substância.[117][118]

Para Gilles Deleuze, um corpo pode ser controlável, já que a ele pode se atribuir sentidos lógicos. Afirmou este filósofo que somos "máquinas desejantes". Em sua teoria, ao discorrer sobre corpos-linguagem disse que o corpo "é linguagem porque pode ocultar a palavra e encobri-la". A descrição do corpo é psicomotora não é psíquica, é uma união entre psiquismo e motricidade.[119]

Merleau-Ponty aludiu que o corpo é espelho de outro corpo.[120] Sobre a metamorfose do corpo, Paul Valéry propôs o problema dos três corpos: o próprio corpo; o corpo reflexo, ponto narciso, inflexão que se relaciona com o entorno, do visto, do que vê e o corpo que é justamente os espaços insondáveis, tanto pela visão como pelo tato, função, fisiologia e funcionamento, universo microscópico, líquidos, liquefação.[121][122]

FenomenologiaEditar

A partir dos anos 70, a body art passou a incluir o corpo enquanto sujeito do espetáculo e da forma artística em si. Com o impulso tecnológico, a partir dos anos 90, ocorreu uma maior auto-apropriação pelo artista do seu corpo e do corpo de outrem como sujeito e objeto da experiência estética. Todos os dias a televisão está estampando dentro de nossas casas "vinhetas" e aberturas de novelas com efeito digital, mostrando performances corporais: o simulacro do corpo.[123]

História da anatomiaEditar

 Ver artigo principal: História da anatomia
 
Duas páginas opostas de texto com xilogravuras de figuras masculinas e femininas nuas, na Epítome de Andreas Vesalius, 1543.

Na Grécia Antiga, o Corpus Hippocraticum descreveu a anatomia do esqueleto e dos músculos.[124] O médico do século II Cláudio Galeno compilou o conhecimento clássico da anatomia em um texto que foi usado durante a Idade Média.[125] Na Renascença, Andreas Vesalius (1514–1564) foi o pioneiro no estudo moderno da anatomia humana por dissecação, escrevendo o influente livro De humani corporis fabrica.[126][127] A anatomia avançou ainda mais com a invenção do microscópio e o estudo da estrutura celular de tecidos e órgãos.[128] A anatomia moderna usa técnicas como ressonância magnética, tomografia computadorizada, fluoroscopia e ultrassom para estudar o corpo em detalhes sem precedentes.[129]

História da fisiologiaEditar

 Ver artigo principal: Fisiologia

O estudo da fisiologia humana começou com Hipócrates na Grécia Antiga, por volta de 420 a.C., e com Aristóteles (384-322 a.C.), que aplicou o pensamento crítico e a ênfase na relação entre estrutura e função.[130] Galeno (126–199) foi o primeiro a usar experimentos para sondar as funções do corpo. O termo fisiologia foi introduzido pelo médico francês Jean Fernel (1497–1558).[131] No século XVII, William Harvey (1578-1657) descreveu o sistema circulatório, sendo pioneiro na combinação de observação próxima com experimentos cuidadosos.[132] No século XIX, o conhecimento fisiológico começou a se acumular em um ritmo rápido com a teoria celular de Matthias Schleiden e Theodor Schwann em 1838, de que os organismos são feitos de células.[133] Claude Bernard (1813–1878) criou o conceito de milieu intérieur (ambiente interno), que Walter Cannon (1871–1945) mais tarde disse que era regulado para um estado estacionário na homeostase. No século XX, os fisiologistas Knut Schmidt-Nielsen e George Bartholomew ampliaram seus estudos para a fisiologia comparada e a ecofisiologia.[134] Mais recentemente, a fisiologia evolutiva tornou-se uma subdisciplina distinta.[135]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Divisão do Corpo». Aula de Anatomia. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  2. «Introdução ao corpo humano - Fundamentos». Manual MSD Versão Saúde para a Família. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  3. a b c Ph. D., Biomedical Sciences; B. A., Physics and Mathematics. «Human Body Composition as Elements and Compounds». ThoughtCo (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  4. a b «Elements That Keep Us Alive Also Give Color to Fireworks» (em inglês). NIH National Institute of General Medical Sciences. Consultado em 23 de março de 2021 
  5. a b c d «Elementos químicos do corpo humano». Universidade Estadual do Arizona. Consultado em 26 de março de 2021 
  6. a b Schirber, Michael (16 de abril de 2009). «The Chemistry of Life: The Human Body». livescience.com (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2021 
  7. Zoroddu, Maria Antonietta; Aaseth, Jan; Crisponi, Guido; Medici, Serenella; Peana, Massimiliano; Nurchi, Valeria Marina (1 de junho de 2019). «The essential metals for humans: a brief overview». Journal of Inorganic Biochemistry (em inglês): 120–129. ISSN 0162-0134. doi:10.1016/j.jinorgbio.2019.03.013. Consultado em 1 de abril de 2021 
  8. a b The elements of life and medicines 2015.
  9. Diet and Health: Implications for Reducing Chronic Disease Risk. Washington (DC): National Academies Press (US). 1989. ISBN 0-309-03994-0 
  10. «The essential elements». Science Learning Hub (em inglês). Universidade de Waikato. Consultado em 1 de abril de 2021 
  11. Melnikov, Petr; Zanoni, Lourdes Zélia (junho de 2010). «Clinical effects of cesium intake». Biological Trace Element Research (1-3): 1–9. ISSN 1559-0720. PMID 19655100. doi:10.1007/s12011-009-8486-7. Consultado em 1 de abril de 2021 
  12. «Mercury and health». www.who.int (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2021 
  13. a b Whitfield, John B.; Dy, Veronica; McQuilty, Robert; Zhu, Gu; Heath, Andrew C.; Montgomery, Grant W.; Martin, Nicholas G. (junho de 2010). «Genetic Effects on Toxic and Essential Elements in Humans: Arsenic, Cadmium, Copper, Lead, Mercury, Selenium, and Zinc in Erythrocytes». Environmental Health Perspectives (6): 776–782. ISSN 0091-6765. PMC 2898853 . PMID 20053595. doi:10.1289/ehp.0901541. Consultado em 4 de abril de 2021 
  14. a b «Which Elements Are in the Human Body?». ThoughtCo (em inglês). Consultado em 4 de abril de 2021 
  15. Nutrition, Center for Food Safety and Applied (5 de agosto de 2020). «Arsenic in Food and Dietary Supplements». FDA (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2021 
  16. «What is the function of hydrogen in the human body?». Jagranjosh.com (em inglês). Jagran Prakashan Limited. 26 de outubro de 2017. Consultado em 8 de abril de 2021 
  17. Dunn, Jacob; Grider, Michael H. (2021). «Physiology, Adenosine Triphosphate». Treasure Island (FL): StatPearls Publishing (em inglês). PMID 31985968. Consultado em 8 de abril de 2021 
  18. «Oxygen, Carbon Dioxide, and Energy». www.ck12.org. Fundação CK-12. Consultado em 8 de abril de 2021 
  19. What does blood do? (em inglês). Alemanha: Institute for Quality and Efficiency in Health Care (IQWiG). 29 de agosto de 2019 
  20. Nakazawa, Michael S.; Keith, Brian; Simon, M. Celeste (23 de setembro de 2016). «Oxygen Availability and Metabolic Adaptations». Nature reviews. Cancer (10): 663–673. ISSN 1474-175X. PMC 5546320 . PMID 27658636. doi:10.1038/nrc.2016.84. Consultado em 8 de abril de 2021 
  21. «Carbon: Always Tetravalent and Often Tetrahedral». Chemistry LibreTexts (em inglês). 17 de junho de 2016. Consultado em 12 de abril de 2021 
  22. «Significance of Carbon». Biology LibreTexts (em inglês). 7 de setembro de 2016. Consultado em 12 de abril de 2021 
  23. Protein and Amino Acids (em inglês). Washington (DC): National Academies Press (US). 1989 
  24. Lodish, Harvey; Berk, Arnold; Zipursky, S. Lawrence; Matsudaira, Paul; Baltimore, David; Darnell, James (2000). «Structure of Nucleic Acids». Molecular Cell Biology. 4th edition (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2021 
  25. a b Are we getting enough sulfur in our diet? 2007.
  26. «Office of Dietary Supplements - Calcium». ods.od.nih.gov (em inglês). NIH Office of Dietary Supplements. Consultado em 4 de abril de 2021 
  27. «How Your Body Uses Phosphorus». Healthline (em inglês). 21 de novembro de 2014. Consultado em 4 de abril de 2021 
  28. «Phosphorus in diet». medlineplus.gov (em inglês). MedlinePlus. Consultado em 4 de abril de 2021 
  29. Ingenbleek, Yves; Kimura, Hideo (julho de 2013). «Nutritional essentiality of sulfur in health and disease». Nutrition Reviews (7): 413–432. ISSN 1753-4887. PMID 23815141. doi:10.1111/nure.12050. Consultado em 4 de abril de 2021 
  30. Müller, M. J. (novembro de 2013). «From BMI to functional body composition». European Journal of Clinical Nutrition (em inglês) (11): 1119–1121. ISSN 1476-5640. doi:10.1038/ejcn.2013.174. Consultado em 12 de abril de 2021 
  31. «IUPAC - molecule (M04002)». goldbook.iupac.org. União Internacional de Física Pura e Aplicada. doi:10.1351/goldbook.m04002. Consultado em 12 de abril de 2021 
  32. Helmenstine, Anne Marie. «Definition and Examples of a Molecule». ThoughtCo (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2021 
  33. Popkin, Barry M.; D’Anci, Kristen E.; Rosenberg, Irwin H. (agosto de 2010). «Water, Hydration and Health». Nutrition reviews (8): 439–458. ISSN 0029-6643. PMC 2908954 . PMID 20646222. doi:10.1111/j.1753-4887.2010.00304.x. Consultado em 12 de abril de 2021 
  34. Alberts, Bruce; Johnson, Alexander; Lewis, Julian; Raff, Martin; Roberts, Keith; Walter, Peter (2002). «The Chemical Components of a Cell». Molecular Biology of the Cell. 4th edition (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2021 
  35. «Cells as the Basic Unit of Life». Biology LibreTexts (em inglês). 5 de julho de 2018. Consultado em 12 de abril de 2021 
  36. Hatano, Akiko; Chiba, Hirokazu; Moesa, Harry Amri; Taniguchi, Takeaki; Nagaie, Satoshi; Yamanegi, Koji; Takai-Igarashi, Takako; Tanaka, Hiroshi; Fujibuchi, Wataru (29 de outubro de 2011). «CELLPEDIA: a repository for human cell information for cell studies and differentiation analyses». Database: The Journal of Biological Databases and Curation. ISSN 1758-0463. PMC 3204613 . PMID 22039163. doi:10.1093/database/bar046. Consultado em 12 de abril de 2021 
  37. Lodish, Harvey; Berk, Arnold; Zipursky, S. Lawrence; Matsudaira, Paul; Baltimore, David; Darnell, James (2000). «Cells into Tissues». Molecular Cell Biology. 4th edition (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2021 
  38. «The Cells in Your Body - Science NetLinks». sciencenetlinks.com. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  39. Sender, Ron; Fuchs, Shai; Milo, Ron (agosto de 2016). «Revised Estimates for the Number of Human and Bacteria Cells in the Body». PLoS biology (8): e1002533. ISSN 1545-7885. PMC 4991899 . PMID 27541692. doi:10.1371/journal.pbio.1002533. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  40. Bianconi, Eva; Piovesan, Allison; Facchin, Federica; Beraudi, Alina; Casadei, Raffaella; Frabetti, Flavia; Vitale, Lorenza; Pelleri, Maria Chiara; Tassani, Simone (novembro de 2013). «An estimation of the number of cells in the human body». Annals of Human Biology (6): 463–471. ISSN 1464-5033. PMID 23829164. doi:10.3109/03014460.2013.807878. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  41. Sender, Ron; Fuchs, Shai; Milo, Ron (19 de agosto de 2016). «Revised Estimates for the Number of Human and Bacteria Cells in the Body». PLoS Biology (8). ISSN 1544-9173. PMC 4991899 . PMID 27541692. doi:10.1371/journal.pbio.1002533. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  42. Fredricks, D. N. (dezembro de 2001). «Microbial ecology of human skin in health and disease». The Journal of Investigative Dermatology. Symposium Proceedings (3): 167–169. ISSN 1087-0024. PMID 11924822. doi:10.1046/j.0022-202x.2001.00039.x. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  43. Ganong's review of medical physiology, 2016, p. 16
  44. «Gene Expression | Learn Science at Scitable». web.archive.org. 31 de outubro de 2010. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  45. «Células do sangue: quais são, funções, características». Mundo Educação. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  46. «Tissue | Definition of Tissue by Oxford Dictionary on Lexico.com also meaning of Tissue». Lexico Dictionaries | English (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  47. a b Gray's Anatomy, 2008, p. 27
  48. «What are the organs of the human body?». bbc.co.uk (em inglês). BBC Bitesize. Consultado em 1 de março de 2021 
  49. Arackal et al. 2021, Microscopy Light.
  50. a b «Internal body organs». www.education.vic.gov.au (em inglês). Victoria State Government of Australia. Consultado em 1 de março de 2021 
  51. Rettner, Rachael (março de 2016). «The Human Body: Anatomy, Facts & Functions». livescience.com (em inglês). Consultado em 1 de março de 2021 
  52. «Human Organs and Organ Systems». Biology LibreTexts (em inglês). 21 de dezembro de 2018. Consultado em 1 de março de 2021 
  53. Hoffman MD, Matthew. «The Skin (Human Anatomy): Picture, Definition, Function, and Skin Conditions». webmd.com (em inglês). WebMD. Consultado em 1 de março de 2021 
  54. «Body Cavities». Medicine LibreTexts (em inglês). 18 de julho de 2018. Consultado em 1 de março de 2021 
  55. «Anatomical Terminology». training.seer.cancer.gov. NIH National Cancer Institute. Consultado em 1 de março de 2021 
  56. Anatomy and Physiology 2013, p. 27.
  57. Anatomy and Physiology 2013, p. 11.
  58. Arackal et al. 2021, Function.
  59. Paxton, Steve; Peckham, Michelle; Knibbs, Adele (2003). «The Leeds Histology Guide». Universidade de Leeds. The Histology Guide (em inglês). Consultado em 1 de março de 2021 
  60. «Anatomy and physiology of the stomach». www.cancer.ca (em inglês). Canadian Cancer Society. Consultado em 1 de março de 2021 
  61. Smith, H. F.; Fisher, R. E.; Everett, M. L.; Thomas, A. D.; Randal Bollinger, R.; Parker, W. (outubro de 2009). «Comparative anatomy and phylogenetic distribution of the mammalian cecal appendix». Journal of Evolutionary Biology (em inglês) (10): 1984–1999. doi:10.1111/j.1420-9101.2009.01809.x. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  62. Oliveto, Paloma (21 de março de 2012). «Partes do corpo que são vestígios da evolução não são tão inúteis assim». Estado de Minas. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  63. «Vestigial organs». Science Oxford (em inglês). 17 de julho de 2015. Consultado em 1 de março de 2021 
  64. «órgão». dicionario.priberam.org. Dicionário Priberam. Consultado em 4 de março de 2021 
  65. «Definição de "órgão"». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 4 de março de 2021 
  66. «Origem da palavra Órgão». Dicionário Etimológico. Consultado em 3 de março de 2021 
  67. «História da Anatomia». mcv.ufes.br. Universidade Federal do Espírito Santo. Consultado em 4 de março de 2021 
  68. «Understanding the 11 Body Organ Systems». verywellhealth.com (em inglês). Verywell. Consultado em 16 de março de 2021 
  69. Anatomy and Physiology 2013, p. 14.
  70. Circulation Research 2016.
  71. «Overview of the Musculoskeletal System». Medicine LibreTexts (em inglês). 19 de julho de 2018. Consultado em 16 de março de 2021 
  72. a b «Human Organs and Organ Systems - Advanced». www.ck12.org. CK-12 Foundation. 17 de agosto de 2016. Consultado em 16 de março de 2021 
  73. «Organ Systems and Organs». toxtutor.nlm.nih.gov. National Library of Medicine - NIH. Consultado em 16 de março de 2021 
  74. Bradford, Alina (maio de 2018). «Thymus: Facts, Function & Diseases». livescience.com (em inglês). Consultado em 21 de março de 2021 
  75. «An Overview of the Ovaries». EndocrineWeb (em inglês). Remedy Health Media. Consultado em 21 de março de 2021 
  76. «Pharynx». training.seer.cancer.gov. NIH National Cancer Institute. Consultado em 21 de março de 2021 
  77. Network Physiology: How Organ Systems Dynamically Interact 2015.
  78. «Etimologia de "sistema"». Gramática. 23 de janeiro de 2015. Consultado em 16 de março de 2021 
  79. «Sistema». Origem do Conceito. Consultado em 16 de março de 2021 
  80. «Cardiovascular System / Introduction to the Cardiovascular System». web.archive.org. 2 de fevereiro de 2007. Consultado em 11 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2007 
  81. Human biology and health. Anthea Maton 1st ed ed. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice Hall. 1993. OCLC 32308337 
  82. «The circulatory system review (article)». Khan Academy (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  83. «Your Digestive System & How it Works | NIDDK». National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  84. a b «Your Digestive System & How it Works | NIDDK». National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  85. Services, Department of Health & Human. «Hormonal (endocrine) system». www.betterhealth.vic.gov.au (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  86. October 2018, Kim Ann Zimmermann-Live Science Contributor 17. «Immune System: Diseases, Disorders & Function». livescience.com (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  87. «MeSH Browser». meshb.nlm.nih.gov. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  88. Elaine Nicpon Marieb (2007). Human anatomy & physiology. Internet Archive. [S.l.]: Pearson Benjamin Cummings 
  89. February 2018, Kim Ann Zimmermann-Live Science Contributor 21. «Lymphatic System: Facts, Functions & Diseases». livescience.com (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  90. Moore, Keith L. (2010). Clinically oriented anatomy. Arthur F., II Dalley, A. M. R. Agur 6th ed ed. Philadelphia: Wolters Kluwer Health/Lippincott Williams & Wilkins. OCLC 216940468 
  91. The Columbia encyclopedia. Paul Lagassé, Columbia University 6th ed ed. New York: Columbia University Press. 2000. OCLC 43599122 
  92. a b c February 2018, Kim Ann Zimmermann-Live Science Contributor 14. «Nervous System: Facts, Function & Diseases». livescience.com (em inglês). Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  93. Quora. «How Does The Human Brain Create Consciousness?». Forbes (em inglês). Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  94. «Visual Guide to Your Nervous System». WebMD (em inglês). Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  95. «Reproductive System/ Introduction to the Reproductive System». Epidemiology and End Results (SEER) Program. Consultado em 13 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2007 
  96. Human biology and health. Anthea Maton 3rd ed ed. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice Hall. 1997. OCLC 37998513 
  97. a b «Respiratory System». WebMD (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  98. «Lung Diseases Overview». WebMD (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  99. March 2018, Kim Ann Zimmermann-Live Science Contributor 07. «Urinary System: Facts, Functions & Diseases». livescience.com (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  100. a b c d «Gray, Henry. 1918. Anatomy of the Human Body». www.bartleby.com. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  101. a b «Physiological Society». Consultado em 13 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2007 
  102. «Human body - Basic form and development». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  103. «Introduction. Gray, Henry. 1918. Anatomy of the Human Body.». www.bartleby.com. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  104. Gray's anatomy : the anatomical basis of clinical practice. Henry Gray, Susan Standring, Harold Ellis, B. K. B. Berkovitz Thirty-ninth edition ed. Edinburgh: [s.n.] 2005. OCLC 57143745 
  105. Gray's anatomy : the anatomical basis of clinical practice. Henry Gray, Susan Standring, Harold Ellis, B. K. B. Berkovitz Thirty-ninth edition ed. Edinburgh: [s.n.] 2005. OCLC 57143745 
  106. Stewart, Andrew (novembro de 1978). «The canon of Polykleitos: a question of evidence». The Journal of Hellenic Studies (em inglês): 122–131. ISSN 0075-4269. doi:10.2307/630196. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  107. «Geometry in Art & Architecture Unit 14». www.dartmouth.edu. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  108. «Definição do substantivo "corpo"». dicionario.priberam.org. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  109. «Curiosidades sobre o corpo humano». COC by Pearson. Sistema COC de Educação e Comunicação. 14 de junho de 2019. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  110. Araújo, Hugo Filgueiras de (4 de junho de 2009). «A dualidade corpo/alma, no Fédon, de Platão». repositorio.ufpb.br (em bretão). Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  111. Dumont, Adilson; Preto, Édison Luis de Oliveira (dezembro de 2005). «A visão filosófica do corpo». Escritos sobre Educação (2): 7–11. ISSN 1677-9843. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  112. Silveira, Fernando de Almeida; Furlan, Reinaldo (2003). «Body and soul in Foucault: Assumptions for a methodology of psychology». Psicologia USP (3): 171–194. ISSN 0103-6564. doi:10.1590/S0103-65642003000300012. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  113. Cukiert, Michele; Priszkulnik, Léia (janeiro de 2002). «Considerações sobre eu e o corpo em Lacan». Estudos de Psicologia (Natal) (1): 143–149. ISSN 1413-294X. doi:10.1590/S1413-294X2002000100014. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  114. Trindade, Rafael (27 de fevereiro de 2019). «Nietzsche - o que pode o corpo? • Razão Inadequada». Razão Inadequada. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  115. DE MORI, G. L; BUARQUE, V. (29 de dezembro de 2016). «Corpos ditos pelo outro: Uma leitura de Michel de Certeau». HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 14, n. 44: p. 1538-1564. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  116. disse, Wesley Peres (12 de setembro de 2013). «Georges Bataille, o pensador do corpo». Revista Cult. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  117. Morrison, John. (2018). Spinoza on Mind, Body, and Numerical Identity.
  118. Matson, Wallace I. (1 de outubro de 1971). «Spinoza's Theory of Mind». The Monist (em inglês). 55 (4): 567–578. ISSN 0026-9662. doi:10.5840/monist197155424 
  119. Barbosa, Mariana de Toledo; Barbosa, Mariana de Toledo (setembro de 2018). «UM CORPO QUE EXPERIMENTA E AVALIA: A ÉTICA EM DELEUZE À LUZ DA "GRANDE IDENTIDADE" SPINOZA-NIETZSCHE». Kriterion: Revista de Filosofia (141): 867–890. ISSN 0100-512X. doi:10.1590/0100-512x2018n14112mtb. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  120. Santos, Francisco de Assis Bezerra dos (1 de junho de 2016). «O corpo como espelho do outro: interlocuções entre Merleau-Ponty e Lacan». repositorio.ufpb.br. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  121. Rea, Silvana (agosto de 2016). «De corpo e pele». Ide (61): 137–147. ISSN 0101-3106. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  122. Valery, Paul; Feitosa, tradução de Charles (26 de março de 2012). «06. Filosofia da Dança». O Percevejo Online (2). ISSN 2176-7017. doi:10.9789/2176-7017.2011.v3i2.%p. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  123. «Performance: um fenômeno de arte- corpo-comunicação» (PDF). www.e-publicacoes.uerj.br 
  124. Gillispie, Charles Coulston (1972). «ed. VI». Nova Iorque: Charles Scribner's Sons. Dictionary of Scientific Biography: 419-427. ISBN 978-0684101170 
  125. «Galen | Biography, Achievements, & Facts». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  126. «Turning The Pages Online: Book Menu». wayback.archive-it.org. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  127. «ingentaconnect Andreas Vesalius (1514-1567)». web.archive.org. 5 de novembro de 2011. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  128. «anatomy | Definition, History, & Biology». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  129. «Anatomical Imaging». McGraw Hill Higher Education. 3 de março de 2016. Consultado em 13 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  130. Fell, Stanley C.; Pearson, F. Griffith (novembro de 2007). «Historical perspectives of thoracic anatomy». Thoracic Surgery Clinics (4): 443–448, v. ISSN 1547-4127. PMID 18271159. doi:10.1016/j.thorsurg.2006.12.001. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  131. «Introduction to physiology: History, biological systems, and branches». www.medicalnewstoday.com (em inglês). 13 de outubro de 2017. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  132. Tyler, H. Richard (1 de setembro de 2004). «Soul made flesh - The discovery of the brain — and how it changed the world». Journal of Clinical Investigation (5). 604 páginas. ISSN 0021-9738. PMC 514597 . doi:10.1172/JCI22882. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  133. «Introduction to physiology: History, biological systems, and branches». www.medicalnewstoday.com (em inglês). 13 de outubro de 2017. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  134. New directions in ecological physiology. Martin E. Feder. Cambridge [Cambridgeshire]: Cambridge University Press. 1987. OCLC 16581822 
  135. Garland, T.; Carter, P. A. (1994). «Evolutionary physiology». Annual Review of Physiology: 579–621. ISSN 0066-4278. PMID 8010752. doi:10.1146/annurev.ph.56.030194.003051. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Definições no Wikcionário
  Categoria no Commons
  Base de dados no Wikidata