Abrir menu principal
Enoque
Nome hebraico ou grego חֲנוֹךְ
Pais Caim
Filhos Irade
Anos de vida Não informa
Livros Gênesis Cap. 4
Portal Bíblia

Enoque é um personagem bíblico do Antigo Testamento, mencionado no livro de Gênesis como o filho do Caim. Em Gênesis temos dois personagens com o nome Enoque, um é o filho de Caim (Gênesis - Capítulo 4, Versículo 17) e o outro é o filho Enoque de Jarede, bisavô de Noé (Gênesis - Capítulo 5, Versículo 18).

Na BíbliaEditar

Segundo a Bíblia, após ter matado o seu irmão Abel, Caim fugiu com uma mulher anônima para a terra de Nod, à leste do Éden, com a qual teria tido um filho com o nome de Enoque. Prossegue o texto bíblico dizendo que Caim chegou a edificar uma cidade dando o nome de seu filho Enoque ao lugar. O outro personagem citado logo após em Gênesis 5:18 E viveu Járede cento e sessenta e dois anos e gerou a Enoque. Logo, podemos entender que no contexto biblico as duas famílias nomearam em períodos diferentes com um nome igual, porém este Enoque (filho de Jarede) não teve correlação com o outro. Jarede filho de Maalalel gerou a Enoque, e Metusalém filho de Enoque gerou Lameque. E daí prossegue a história que deve ser lida com atenção, pois parece confusa, mas a mesma deixa claro as diferenças das gerações e tempos ocorridos. O famoso Enoque, que Deus tomou para si, era descendente de Sete. A descendência de Adão, de acordo com o estilo e modus operandi dos narradores bíblicos, contam a descendência de Adão por Sete, seu ramo espiritual.

O hebraico do texto bíblico é ambíguo em Gênesis 4:17, não ficando claro se Enoque construiu uma cidade ou se Caim construiu uma cidade e deu-lhe o nome de seu filho Enoque.[1]

Na tradiçãoEditar

Segundo uma tradição samaritana, Enoque está enterrado sob o Monte Ebal.[2]

Referências

  1. Byron, John (2011). Cain and Abel in Text and Tradition: Jewish and Christian Interpretations of the First Sibling Rivalry. [S.l.]: Brill. p. 124. ISBN 90-04-19252-2 
  2. Gaster, Moses, ed. (1927). The Asatir. Londres: The Royal Asiatic Society. p. 208