Diferenças entre edições de "Mononucleose infecciosa"

1 001 bytes adicionados ,  05h02min de 18 de dezembro de 2018
m
sem resumo de edição
m
{{Info/Patologia
{{mais-notas|data=abril de 2010}}
| Nome = Mononucleose infecciosa
[[Ficheiro:Lymphadanopathy.JPG|thumb|right|[[Linfadenopatia|Nódulos linfáticos inchados]] causados por mononucleose.]]
| Sinónimos = Doença do beijo, febre glandular, doença de Pfeiffer, doença de Filatov<ref name="wni1811">{{WhoNamedIt|synd|1811|Filatov's disease}}</ref>
A '''mononucleose infecciosa''' ou '''febre glandular''' é a principal apresentação clínica do [[vírus]] [[Epstein-Barr]] (EBV), um [[herpesviridae|gama-herpesvírus]], definida pela tríade febre, faringite e linfadenopatia cervical, em conjunto com o aumento de [[linfócito]]s atípicos na circulação. A transmissão normalmente ocorre pela saliva, e o EBV tem sido chamado de "doença do beijo".<ref>{{citar web |url= http://www.jped.com.br/conteudo/99-75-S115/port_print.htm |título=Mononucleose Infecciosa |acessodata=25/04/2015 |autor=Luiza Helena Falleiros R. Carvalho |ano=1999 |publicado=Jornal de Pediatria }}</ref>
| Imagem = Lymphadanopathy.JPG
| Legenda = [[linfadenopatia|Aumento de volume dos gânglios linfáticos]] no pescoço de uma pessoa com mononucleose infecciosa
| Especialidade = [[Infectologia]]
| Sintomas = [[Febre]], garganta inflamada, [[linfadenopatia|aumento de volume dos gânglios linfáticos]] no pescoço, [[fadiga]]<ref name=CDC2014Eb/>
| Complicações = Inflamação do [[fígado]] ou do [[baço]]<ref name=CDC2014Mono/>
| Início =
| Duração = 2–4 semanas<ref name=CDC2014Eb/>
| Causas = [[Vírus Epstein–Barr]] (VEB) geralmente transmitido pela [[saliva]]<ref name=CDC2014Eb/>
| Riscos =
| Diagnóstico = Baseado nos sintomas e [[análises ao sangue]]<ref name=CDC2014Mono/>
| Diferencial =
| Prevenção =
| Tratamento = Beber bastantes líquidos, repouso, [[analgésico]]s como o [[paracetamol]] e [[ibuprofeno]]<ref name=CDC2014Eb/><ref name=Eb2016/>
| Medicação =
| Prognóstico =
| Frequência = 45 por {{formatnum:100000}} pessoas/ano (EUA)<ref name=Ty2016/>
| Mortes =
}}
==<!-- ProgressãoDefinição e sintomas ==-->
'''Mononucleose infecciosa''' ('''MI''') é uma [[infeção]] geralmente causada pelo [[vírus Epstein–Barr]] (VEB).<ref name=CDC2014Eb>{{citar web|url= https://www.cdc.gov/epstein-barr/about-ebv.html |título= About Epstein-Barr Virus (EBV) |data=7 de janeiro de 2014 |obra= CDC |acessodata=10 de agosto de 2016 |urlmorta= não|arquivourl= https://web.archive.org/web/20160808045418/http://www.cdc.gov/epstein-barr/about-ebv.html |arquivodata=8 de agosto de 2016 |df= }}</ref><ref name=CDC2014Mono/> A maior parte das pessoas é infetada pelo vírus durante a infância, idade em que a doença causa poucos ou nenhuns sintomas.<ref name=CDC2014Eb/> Quando o vírus é contraído no início da idade adulta, a infeção causa frequentemente [[febre]], [[inflamação da garganta]], [[linfadenopatia|aumento de volume dos gânglios linfáticos]] do pescoço e [[fadiga]].<ref name=CDC2014Eb/> A maior parte das pessoas recupera em duas a quatro semanas, embora a fadiga possa permanecer durante meses.<ref name=CDC2014Eb/> Entre as possíveis complicações estão o aumento de volume do [[fígado]] ou do [[baço]]<ref name=CDC2014Mono/> e, em menos de 1% dos casos, ruptura do baço.<ref>{{citar livro|último1 =Handin|primeiro1 =Robert I.|último2 =Lux|primeiro2 =Samuel E.|último3 =Stossel|primeiro3 =Thomas P.|título=Blood: Principles and Practice of Hematology|data=2003|publicado=Lippincott Williams & Wilkins|isbn=9780781719933|página=641|url=https://books.google.com/books?id=H85dwxYTKLwC&pg=PA641|língua=en|urlmorta= não|arquivourl=https://web.archive.org/web/20170911003200/https://books.google.com/books?id=H85dwxYTKLwC&pg=PA641|arquivodata=2017-09-11|df=}}</ref>
 
<!-- Causa e diagnóstico -->
EBV possui [[genoma]] de [[DNA]] bicatenar (dupla hélice), e multiplica-se no [[núcleo celular]] da célula-hóspede, estando implicado na patogenese de alguns [[cancro (tumor)|cancêres]] relativamente raros. Ele reconhece o receptor para o componente C3d do [[complemento]] e portanto só atinge células com essa proteína membranar. Este vírus infecta principalmente os linfócitos B do [[sistema imunitário]] e as células epiteliais da [[mucosa]] do nariz e [[faringe]]. A sua predilecção pelos linfócitos e outras células "mononucleares" (em contraste com outras células imunitárias denominadas polimorfonucleares) foi usada para o nome da doença. Têm a capacidade de causar infecção lítica de multiplicação rápida que destrói as células mas também infecção latente de multiplicação lenta que preserva a célula, originando estado de portador crónico. O vírus pode ser reactivado em casos de imunodeficiência como suceda na [[síndrome da imuno-deficiência adquirida]] (SIDA/AIDS).
A mononucleose é geralmente causada pelo vírus Epstein–Barr, um vírus da família [[Herpesviridae|família dos vírus do herpes]] também denominado ''vírus do herpes humano 4''.<ref name=CDC2014Mono/> No entanto, pode também ser causada por outros vírus.<ref name=CDC2014Mono>{{citar web|título=About Infectious Mononucleosis|url=https://www.cdc.gov/epstein-barr/about-mono.html|website=CDC|acessodata=10 de agosto de 2016|data=7 de janeiro de 2014|urlmorta= não|arquivourl=https://web.archive.org/web/20160808052404/http://www.cdc.gov/epstein-barr/about-mono.html|arquivodata=8 de agosto de 2016|df=}}</ref> A principal forma de transmissão é pela [[saliva]], embora em casos raros possa ser transmitida pelo [[sémen]] ou pelo [[sangue]].<ref name=CDC2014Eb/> A transmissão pode ocorrer pelo contacto com objectos infetados, como copos ou escovas de dentes.<ref name=CDC2014Eb/> As pessoas infetadas são capazes de transmitir a doença semanas antes dos sintomas se manifestarem.<ref name=CDC2014Eb/> O diagnóstico de mononucleose é suspeito com base nos sintomas e pode ser confirmado com [[análises ao sangue]] para deteção de [[anticorpo]]s específicos.<ref name=CDC2014Mono/> Outro achado comum é o [[Linfocitose|aumento do número de linfócitos no sangue]], dos quais mais de 10% são atípicos.<ref name=CDC2014Mono/><ref name=JAMA2016/> O teste monospot não é recomendado para utilização geral por ser pouco fiável.<ref name=CDC2014Diag>{{citar web|título=Epstein-Barr Virus and Infectious Mononucleosis Laboratory Testing|url=https://www.cdc.gov/epstein-barr/laboratory-testing.html|website=CDC|acessodata=10 de agosto de 2016|data=7 de janeiro de 2014|urlmorta= não|arquivourl=https://web.archive.org/web/20160807092043/http://www.cdc.gov/epstein-barr/laboratory-testing.html|arquivodata=7 de agosto de 2016|df=}}</ref>
 
==<!-- DiagnósticoPrevenção e tratamento ==-->
O Epstein-Barr, além de causar a doença aguda da mononucleose, também é um vírus que provoca infecção assimptomática [[doença crónica|crónica]], e a presença de [[oncogene]]s no seu genoma significa que pode induzir a imortalização de alguns tipos de células, particularmente linfócitos B, e aumentar a probabilidade de alguns [[cancro (tumor)|tumores]] como o [[carcinoma]] nasofaringeal, o [[linfoma de Burkitt]], ou o [[linfoma de Hodgkin]] numa pequena minoria dos indivíduos que infecta.
Não existe [[vacina]]. A infeção pode ser prevenida evitando partilhar objetos de uso pessoal ou evitar o contacto com a saliva de uma pessoa infetada.<ref name=CDC2014Eb/> A doença geralmente melhora sem necessidade de tratamento específico.<ref name=CDC2014Eb/> Os sintomas podem ser aliviados com ingestão de líquidos em bastante quantidade, repouso e toma de [[analgésico]]s como o [[paracetamol]] ou o [[ibuprofeno]].<ref name=CDC2014Eb/><ref name=Eb2016>{{citar periódico|último1 =Ebell|primeiro1 =MH|título=JAMA PATIENT PAGE. Infectious Mononucleosis.|periódico=JAMA|data=12 de abril de 2016|volume=315|número=14|páginas=1532|pmid=27115282|doi=10.1001/jama.2016.2474}}</ref>
 
==<!-- Epidemiologia ==e história -->
A infecção aguda é eficazmente controlada pelo [[sistema imunitário]], com ação citotóxica dos linfócitos T contra os linfócitos B infectados, que são destruídos na sua grande maioria. Os poucos sobreviventes são linfócitos B cujo vírus foi forçado a tornar-se latente para evitar a destruição da sua célula-hospede pelos T. A reacção dos linfócitos T leva à geração de formas típicas desta célula incomuns noutras doenças, por isso os medicos recomendam ficar em casa de cama.
Em [[países desenvolvidos]], a mononucleose é mais comum entre os 15 e os 24 anos de idade.<ref name=JAMA2016/> Em [[países em vias de desenvolvimento]], as infeções são mais comuns no início da infância, quando os sintomas são menos pronunciados.<ref>{{citar livro|último1 =Marx|primeiro1 =John|último2 =Walls|primeiro2 =Ron|último3 =Hockberger|primeiro3 =Robert|título=Rosen's Emergency Medicine - Concepts and Clinical Practice|data=2013|publicado=Elsevier Health Sciences|isbn=978-1455749874|página=1731|edição=8|url=https://books.google.com/books?id=uggC0i_jXAsC&pg=PA1731|língua=en|urlmorta= não|arquivourl=https://web.archive.org/web/20170911003200/https://books.google.com/books?id=uggC0i_jXAsC&pg=PA1731|arquivodata=2017-09-11|df=}}</ref> Em pessoas entre os 16 e 20 anos, a doença é a causa de 8% dos casos de inflamações da garganta.<ref name=JAMA2016>{{citar periódico|último1 =Ebell|primeiro1 =MH|último2 =Call|primeiro2 =M|último3 =Shinholser|primeiro3 =J|último4 =Gardner|primeiro4 =J|título=Does This Patient Have Infectious Mononucleosis?: The Rational Clinical Examination Systematic Review.|periódico=JAMA|data=12 de abril de 2016|volume=315|número=14|páginas=1502–9|pmid=27115266|doi=10.1001/jama.2016.2111}}</ref> Nos Estados Unidos ocorrem 45 casos em cada {{formatnum:100000}} pessoas por ano.<ref name=Ty2016/> Quando chegam à idade adulta, cerca de 95% das pessoas já foi infetada pelo VEB.<ref name=Ty2016>{{citar livro|último1 =Tyring|primeiro1 =Stephen|último2 =Moore|primeiro2 =Angela Yen|último3 =Lupi|primeiro3 =Omar|título=Mucocutaneous Manifestations of Viral Diseases: An Illustrated Guide to Diagnosis and Management|data=2016|publicado=CRC Press|isbn=9781420073133|página=123|edição=2|url=https://books.google.com/books?id=uAjLBQAAQBAJ&pg=PA123|língua=en|urlmorta= não|arquivourl=https://web.archive.org/web/20170911003200/https://books.google.com/books?id=uAjLBQAAQBAJ&pg=PA123|arquivodata=2017-09-11|df=}}</ref> A doença ocorre com igual frequência em todas as épocas do ano.<ref name=JAMA2016/> A mononucleose foi descrita pela primeira vez na década de 1920. Por ser transmitida pela saliva, é conhecida popularmente como "doença do beijo".<ref name=Smart1998>{{citar livro|último1 =Smart|primeiro1 =Paul|título=Everything You Need to Know about Mononucleosis|data=1998|publicado=The Rosen Publishing Group|isbn=9780823925506|página=11|url=https://books.google.com/books?id=FgowlGfPVh0C&pg=PA11|língua=en}}</ref>
[[Ficheiro:Lautrec the kiss 1892.jpg|direita|thumb|250px|O Beijo é a principal forma de transmissão do vírus Epstein-Barr. Quadro de [[Henri Toulouse-Lautrec]], 1892]]
== Epidemiologia ==
O vírus é transmissível pela saliva e troca de outras secreções, principalmente pelo beijo. As populações afetadas dividem-se em dois grupos. As crianças pequenas são frequentemente infectadas pelos pais ou pelas outras crianças, já que têm pouco pudor em lamber objetos lambidos pelas outras crianças; os adolescentes são infectados quando beijam as namoradas ou namorados. As crianças pequenas geralmente não têm sintomas.<ref>{{citar web | url=http://drauziovarella.com.br/virus-e-bacterias/mononucleose/ | título= Título ainda não informado (favor adicionar) | publicado=drauziovarella.com.br }}</ref>
 
{{Referências|col=2}}
Quase 90% dos adultos são soropositivos (ou seja têm [[anticorpo]]s específicos) para este vírus. Isto significa que em quase todos os adultos, um dos episódios de "gripe" que tiveram nas suas infâncias ou adolescências foi, certamente, antes mononucleose infecciosa.
[[Ficheiro:Mononucleosis.JPG|thumb|right|[[Faringite]] [[Exsudato|exsudativa]] originada de mononucleose.]]
== Progressão e sintomas ==
A infecção inicial é pela saliva alheia, pode se ocorrer uma ou mais vezes no mesmo indivíduo o aparecimento da doença e consequentemente dos sintomas que só aparecem entre 4 e 8 semanas após contraida a doença, o vírus pode ser contraido continuamente até que o indivíduo crie [[anticorpo]]s contra este. Infecta inicialmente as células da mucosa da [[faringe]], e depois invade os linfócitos B do tecido linfático adjacente, onde continua a multiplicar-se. A sua multiplicação é detectada pelo [[sistema imunitário]] que secreta [[citocina]]s defensivas que causam [[febre]] alta (39-40&nbsp;°C), mal estar, fadiga, [[dor]]es de garganta, (faringite) e por vezes hepatite moderada, aumento dos [[gânglio linfático|gânglios linfáticos]] do pescoço. A infecção é controlada ao fim de alguns dias, mas o vírus frequentemente permanece por toda a vida do indivíduo escondido de forma latente em alguns dos linfócitos B originalmente infectados. Estes linfócitos multiplicam-se mais rapidamente e autodestroem-se menos frequentemente, devido a proteínas pró-crescimento e anti[[apoptose]] produzidas do genoma viral. O resultado é a característica linfocitose (aumento do número de linfócitos) facilmente detectada nos episódios agudos da doença.
 
A doença em crianças é geralmente subclínica, mas em adultos pode raramente levar a meningo[[encefalite]] com disfunção neurológica ou comportamental, obstrução laringeal por edema e asfixia ou ruptura do [[baço]], com casos raros resultando em morte. Algumas pessoas podem ter doença crónica periodicamente sintomática (distinta dos portadores sempre assintomáticos mas com pequeno risco de cancro). Esta caracteriza-se por fadiga, mal-estar, dores de cabeça, febre de 38&nbsp;°C (por vezes menos), e dores de garganta leves, podendo cursar durante longos períodos.
 
Na [[África]], a presença concomitante de [[malária]] crónica complica a situação, pois esta doença estimula a multiplicação dos linfócitos B, o que junto com o estímulo do vírus, pode ser suficiente para que alguns linfócitos entrem em multiplicação descontrolada, originando um [[linfoma]] de Burkitt (uma forma de [[cancro (tumor)|cancro]]).
 
Na [[China]] e outros países dessa região, o carcinoma nasofaringeal devido ao Epstein-Barr é muito mais frequente por razões desconhecidas.
 
Nos doentes com [[síndrome da imuno-deficiência adquirida]], as complicações oncológicas são muito mais frequentes, e surge caracteristicamente uma mancha branca aveludada na boca, denominada [[leucoplaquia]] pilosa.
 
== Diagnóstico e tratamento ==
O diagnóstico é feito por detecção sorológica de [[anticorpo]]s específicos, contra as proteínas do [[capsídeo]] (que continuam a existir por toda a vida) ou contra determinados [[antígeno]]s do vírus que só existem na fase aguda.
 
Não há cura, mas foi descoberta uma vacina, e a doença aguda é quase sempre autolimitada pelo [[sistema imunitário]] (imunológico). As complicações oncológicas têm tratamentos químicos ou radioterapêuticos próprios, além de medicamentos anti-virais, como [[:en:Ganciclovir|ganciclovir]].
 
{{Referências}}
 
{{Doenças causadas por vírus}}