Diferenças entre edições de "Suspensão do juízo"

96 bytes adicionados ,  19h53min de 7 de setembro de 2019
Página marcada que carece de mais fontes
m (Foram revertidas as edições de 2804:D49:224B:BB00:5C6E:5196:38F6:3C7C por remover conteúdo sem justificar a razão (usando Huggle) (3.4.6))
Etiquetas: Huggle Reversão
(Página marcada que carece de mais fontes)
 
{{Mais fontes|data=setembro de 2019}}
 
'''Suspensão do juízo''', também conhecida pelo termo [[Língua grega antiga|grego]] '''''epoché''''' ou '''''epokhé''''' (''εποχη''), que significa 'colocar entre [[parêntese]]s', é a atitude de não aceitar nem negar uma determinada [[proposição]] ou [[juízo]]. Opõe-se ao [[dogmatismo]], em que se [[aceita]] uma proposição, suspendendo o termo.<ref name="abbagnano">{{citar livro
|autor= [[Nicola Abbagnano]]
|editora= Martins Fontes
|ano= [[1990]]
}} Verbete ''Epoché'', p. 339.</ref>
 
== ''Epoché'' cética ==
Na [[filosofia]] moderna, especialmente na obra de [[Edmund Husserl]] e outros [[fenomenologia|fenomenologista]]s, o termo ''epoché'' adquire um significado diferente. Ao invés de efetivamente chegar a negar a existência, como faziam alguns [[sofista]]s, a ''epoché'' fenomenológica implica a "contemplação desinteressada" de quaisquer interesses naturais ou psicológicos na existência. Em outras palavras, a suspensão de juízo fenomenológica não põe em dúvida a existência, como no caso dos céticos, mas se abstém de emitir juízos sobre ela.<ref name="abbagnano" />
 
{{referênciasReferências}}
 
{{esboço-filosofia}}
 
{{Portal3|Filosofia}}
 
{{Controle de autoridade}}
 
[[Categoria:Conceitos filosóficos]]