Abrir menu principal
Espinalonga
GR Spinalonga.PNG
35° 16′ 20″ N, 25° 44′ 55″ L
Geografia física
País  Grécia
Localização Creta
Área 49  km²
Geografia humana
População 0 (2001)
Densidade 0  hab./km²
20090620 Spinalogka Elounta panoramic view from the mountain.jpg
Vista de Espinalonga (Calidão)

Espinalonga (em grego: Σπιναλόγκα) oficialmente conhecida como Calidão (em grego: Καλυδών), é uma ilha localizada próxima de Elunda, na baía de Mirabelo, no nordeste de Creta, na prefeitura de Lasíti. Fica próxima da península de Colocítia e seu nome significa spina (espinho) e lunga (longo), nome atribuído pelos venezianos com base no antigo nome da ilha de Giudecca.[1] Inicialmente fazia parte da península, no entanto, 1526 os venezianos a cortaram um canal entre ambas, formando a pequena ilha.[1]

Atualmente a ilha encontra-se desocupada e é uma atração turística popular em Creta. Fez parte da série televisiva britânica Quem paga o barqueiro? e o filme experimental de Werner Herzog, Last Words. O conto Espinalonga de John Ware, sobre um grupo de turista que visita a ilha, foi incluído no Décimo terceiro Livro Pan de Histórias de Horror.[2] É também o cenário para o romance de 2005 A Ilha de Victoria Hislop. O livro foi adotado para a televisão pelo Mega Canal Grécia.[3]

HistóriaEditar

A história da ilha está intimamente ligada à história da cidade de Elunda (antiga Olunte). Durante a antiguidade Olunte constantemente conflitou com a pólis de Lato por hegemonia territorial;[4] nos períodos romano e bizantino a cidade teve um próspero desenvolvimento.[5]

 
Vista da fortaleza de Espinalonga

Durante o século VII a cidade sofreu com o súbito aparecimento de corsários árabes no mediterrâneo. Elunda permaneceu desabitada até meados do século XV, quando os venezianos reconstruíram e melhoraram a cidade, especialmente seu porto, em decorrência do lucrativo comércio de sal da região. Esse fato, em combinação com a ameaça turca emergente, particularmente após a queda de Constantinopla em 1453, e os contínuos ataques piratas, forçou os venezianos a fortalecer a ilha. Em 1579, os venezianos construíram uma poderosa fortaleza na ilha de Calidão sobre as ruínas de uma antiga acrópole, para que tal protegesse o porto de Elunda de ataques de piratas e dos otomanos que estavam se infiltrando na região.[5]

Espinalonga, juntamente com Grambússa e Suda, permaneceram nas mãos de Veneza, mesmo depois de o resto da ilha ter caído sob poder dos otomanos na Guerra de Creta (1645-1669), até 1715, quando tais fortalezas caíram perante os otomanos durante a última Guerra otomano-veneziana.[6] Estas três fortalezas defenderam as rotas comerciais de Veneza e também foram bases úteis no caso de uma nova guerra com os turcos em Creta.[7] Muitos cristãos encontraram refúgio nestas fortalezas após a chegada turca.

Em 1715, os turcos capturaram Espinalonga terminando com o último refúgio veneziano, assim como o último traço do exército veneziano presente na ilha de Creta.[8] No final da ocupação turca a ilha, juntamente com o forte em Ierápetra, foi o refúgio de muitas famílias otomanas que temiam represálias cristãs.[9] Após a revolução de 1866 outras famílias otomanas chegaram à ilha de todas as regiões de Mirabelo. Durante a revolta cretense de 1878, apenas a fortaleza de Espinalonga e a fortaleza de Ierápetra não foram tomadas pelos insurgentes cristãos de Creta.[10] Em 1881 1112 otomanos formaram sua própria comunidade e, mais tarde, em 1903, os últimos turcos deixaram a ilha.

A ilha foi posteriormente usada como colônia de leprosos entre 1903-1957. É notável por ter sido uma das últimas colônias de leprosos ativa na Europa. O último habitante, um padre, deixou a ilha em 1962. A partir de 2002, poucos lazaretos permaneceram na Europa.[11]

Referências

  1. a b «Mega Takes on "The Island"» (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2011 
  2. «The Pan Books Of Horror Stories» (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2011 
  3. «Spinalonga» (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2011 
  4. C. Michael Hogan. «Lato (hillfort)». themodernantiquarian.com/ (em inglês). Consultado em 11 de dezembro de 2011 
  5. a b «History of Elounda - From Ancient Olous to Modern Elounda» (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2011 
  6. Maltezou 1988, p. 159.
  7. Detorakis 1988, p. 343.
  8. Detorakis 1988, p. 338.
  9. Detorakis 1988, p. 385.
  10. Detorakis 1988, p. 406.
  11. «Spinalonga» (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2011 

BibliografiaEditar

  • Maltezou, Chrysas (1988). Crete under Venetian rule. [S.l.: s.n.] 
  • Detorakis, Theocharis (1988). Turkish rule in Crete. [S.l.: s.n.]