Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Eudóxia.
Eudóxia Ingerina
Imperatriz-consorte bizantina
Solidus-Basil I with Constantine and Eudoxia-sb1703.jpg
Soldo em ouro retratando no anverso o imperador Basílio I, o Macedônio, com barba. No reverso, o co-imperador Constantino e sua mãe, Eudóxia Ingerina.
Reinado c. 25 de maio de 866882
Consorte Basílio I, o Macedônio
Antecessor(a) Eudóxia Decapolitissa
Sucessor(a) Teófano
Dinastia Macedônica
Nascimento c. 840
Morte ca. 882 (42 anos)
  Constantinopla
Enterro Igreja dos Santos Apóstolos
Filho(s) Leão VI, o Sábio
Alexandre
Estêvão I de Constantinopla
Ana
Maria
Helena
Pai Inger

Eudóxia Ingerina (em grego: Ευδοκία Ιγγερίνα), também chamada de Eudócia, foi uma imperatriz-consorte bizantina, esposa do imperador bizantino Basílio I, o Macedônio, concubina de seu antecessor, Miguel III, o Ébrio, e a mãe dos futuros imperadores Leão VI, o Sábio e Alexandre, além do patriarca de Constantinopla Estêvão I.

BiografiaEditar

Eudóxia era filha do senador Inger.[1].

Sua família era iconoclasta e, por isso, a imperatriz-mãe Teodora a reprovava. Por volta de 855, Eudóxia se tornou amante do filho de Teodora, Miguel III, o que provocou a fúria de sua mãe e do poderoso ministro Teoctisto. Sem condições de encarar o escândalo de abandonar a sua esposa, Miguel casou Eudóxia com seu amigo Basílio, mas continuou mantendo relações com ela. O amigo foi recompensado com uma amante também, a irmã do imperador, Tecla, pelo inconveniente.

Eudóxia teve um filho, Leão, em setembro de 866, e outro, Estêvão, em novembro de 867. Eles eram oficialmente filhos de Basílio, mas a paternidade foi contestada, aparentemente até mesmo pelo suposto pai. A estranha promoção de Basílio a co-imperador em maio de 867 dá alguma credibilidade à teoria de que pelo menos Leão seria na verdade o filho ilegítimo de Miguel III. Já a paternidade dos filhos mais jovens de Eudóxia não é disputada, pois Miguel III foi assassinado em setembro de 867.

Uma década depois do início do reinado de Basílio, Eudóxia se envolveu com outro homem, que o imperador ordenou que fosse tonsurado e enviado a um mosteiro. Em 882, ela selecionou Teófano como esposa para seu filho Leão e morreu logo em seguida. Ela foi sepultada na Igreja dos Santos Apóstolos, em Constantinopla.

ProleEditar

Eudóxia e Basílio tiveram seis filhos oficialmente:

  • Leão VI, o Sábio (19 de setembro de 866 - 11 de maio de 912), que sucedeu Basílio como imperador e pode ter sido, na verdade, filho de Miguel III.
  • Estêvão I de Constantinopla (novembro de 867 - 18 de maio de 893), patriarca e que pode também ter sido filho de Miguel III.
  • Alexandre (ca. 870 - 6 de junho de 913), que sucedeu a Leão em 912.
  • Ana. Freira no Convento de Santa Eufêmia, em Petron.
  • Helena. Freira no Convento de Santa Eufêmia, em Petron.
  • Maria. Freira no Convento de Santa Eufêmia, em Petron.

Ver tambémEditar

Eudóxia Ingerina
Nascimento: 840 Morte: 882
Títulos reais
Precedido por:
Eudóxia Decapolitissa
Imperatriz-consorte bizantina
866–882
com Eudóxia Decapolitissa (866–867)
Sucedido por:
Teófano

Referências

  1. Cyril Mango (1973). «Eudocia Ingerina, the Normans, and the Macedonian Dynasty». Zbornik radova Vizantoloskog Instituta. XIV-XV: 17-27 

BibliografiaEditar

  • The Oxford Dictionary of Byzantium (em inglês). Oxford: Oxford University Press. 1991 

Ligações externasEditar