Exótica (filme)

filme de 1994 dirigido por Atom Egoyan
(Redirecionado de Exotica)

Exotica (bra/prt: Exótica)[4][5][6] é um filme canadense de 1994, dos gêneros drama e suspense, escrito e dirigido por Atom Egoyan e estrelado por Mia Kirshner, Elias Koteas, Sarah Polley, Bruce Greenwood e Don McKellar.[6]

Exótica
Exotica
Cartaz promocional
 Canadá
1994 •  cor •  104[1] min 
Direção Atom Egoyan
Produção Atom Egoyan
Camelia Frieberg
Roteiro Atom Egoyan
Elenco Bruce Greenwood
Mia Kirshner
Don McKellar
Arsinée Khanjian
Elias Koteas
Gênero drama
suspense erótico
Música Mychael Danna
Cinematografia Paul Sarossy
Distribuição Miramax Films
Lançamento França 16 de maio de 1994 (Festival de Cannes)
Idioma inglês
Orçamento CAD 2 milhões [2]
Receita US$5,13 milhões[3]

SinopseEditar

Homem frequenta a boate onde sua ex-namorada se apresenta, tentando fazê-la enciumar-se por dar atenção às outras dançarinas. Nessas noites, ele presencia eventos estranhos.[4]

ElencoEditar

ProduçãoEditar

DesenvolvimentoEditar

 
O diretor Atom Egoyan focou nos clubes de strip como saídas para as obsessões sexuais da sociedade, enquanto sua esposa grávida, Arsinée Khanjian, interpretava Zoe.

O diretor Atom Egoyan, que escreveu o roteiro, concebeu a história pela primeira vez no outono de 1992, intrigado com a natureza ritualística das dançarinas eróticas e a regra de que os clientes não podiam tocar nas dançarinas, imaginando a história de uma dançarina tendo um cliente principal.[7] Ele acreditava que um clube de strip poderia ser um cenário importante para um filme por causa das obsessões sexuais da sociedade, e os papéis de tais clubes como "uma saída sexual coletiva". Embora quisesse retratar os clubes com precisão, ele também acreditava que poderia trazer uma perspectiva cética.[8]

Ele começou a trabalhar no roteiro em fevereiro de 1993.[7] Ao escrevê-lo, ele "queria estruturar a história como um strip-tease, revelando gradualmente uma história carregada de emoção".[9] Ele também citou filmes de suspense como uma influência.[10] Embora a cidade no filme não seja nomeada, Egoyan afirmou que Exotica e seus outros filmes retratam "diferentes áreas de Toronto".[11]

O filme teve um orçamento de US$2 milhões,[2] com US$900,000 provenientes da Telefilm Canada e da Ontario Film Development Corporation prometendo US$700,000.[7] Para economizar dinheiro, a própria caminhonete Volvo 240 1990 de Egoyan foi usada como carro de Francis.[12]

ElencoEditar

Com o roteiro concluído em abril, Egoyan deu início ao casting do filme e à escolha de sua equipe, processo que durou dois meses.[7]

 
Bruce Greenwood estrelou como Francis, tendo conhecido Egoyan antes de o diretor se tornar internacionalmente conhecido.

A esposa de Egoyan, Arsinée Khanjian, interpretou a dona do clube Zoe, tendo aparecido em todos os seus filmes anteriores.[13] No filme, Zoe está grávida do filho de Eric e, na realidade, Khanjian estava grávida durante as filmagens, do filho de Egoyan, Arshile.[14] Egoyan mais tarde expressou pesar por cercar Khanjian com mulheres nuas quando ela não tinha certeza de como seu próprio corpo mudaria durante sua primeira gravidez.[15]

Bruce Greenwood foi escalado para o filme depois de conhecer Egoyan por meio de um amigo em comum em um bar, antes de o diretor aumentar seu perfil internacional. Greenwood já havia aparecido em St. Elsewhere e Knots Landing, e os dois se tornaram amigos.[16]

FilmagemEditar

Os diretores de arte Richard Paris e Linda Del Rosario construíram o clube de strip Exotica em uma sala não utilizada no Party Centre, um prédio de Toronto, com construção começando em maio de 1993. Durante a produção, várias pessoas chegaram ao set acreditando que era um clube de verdade.[7] Para o lado de fora do clube, os cineastas usaram uma loja na Mutual Street que já foi demolida, fora do Metropolitan United Church. Osgoode Hall é usado para a ópera.[17]

A cinematografia foi feita por Paul Sarossy, com Egoyan dizendo que o objetivo do trabalho de câmera era capturar a perspectiva de um personagem desaparecido, neste caso a filha morta de Francis.[18] A fotografia principal foi concluída em julho.[7] O compositor Mychael Danna gravou sua trilha sonora para o filme da Índia,[19] com influências da clássica música da Índia.[7]

LançamentoEditar

Exotica foi convidado a competir no Festival de Cinema de Cannes em maio de 1994, o primeiro convite para um filme canadense em vários anos.[20] Inicialmente lançado pela Miramax em seis cidades, os distribuidores ficaram impressionados quando Exotica arrecadou US$14,379 por cinema, permitindo um lançamento mais amplo para 433 telas.[3] Miramax comercializou o filme como um suspense erótico.[21] O filme foi exibido em Toronto por 25 semanas, em um ponto em um cinema IMAX. [22] Nos Estados Unidos, foi inicialmente lançado em 500 cinemas.[22]

Em home video, Exotica saiu de impressão no Canadá por anos, mas estava disponível em DVD na Inglaterra por meio da empresa Network. Em 2012, Alliance Films lançou o filme em DVD e Blu-ray no Canadá, com comentários de Egoyan e Danna.[19]

RecepçãoEditar

BilheteriaEditar

O desempenho inicial de bilheteria do filme em seu lançamento limitado foi considerado "enorme" pelos distribuidores.[21] Em março de 1995, o crítico de cinema americano Roger Ebert relatou que Exotica estava quebrando recordes de bilheteria no Canadá.[23]

Em 1995, Exotica arrecadou US$1,75 milhão no Canadá, uma soma substancial para o cinema anglo-canadiano.[22] O filme terminou sua exibição depois de arrecadar US$5,13 milhões na América do Norte.[3] Exotica foi o maior sucesso financeiro de Egoyan,[24] e foi considerado seu grande sucesso de bilheteria.[25]

Recepção críticaEditar

 
A atriz canadense Mia Kirshner recebeu críticas positivas por seu papel como Christina.

Exotica recebeu críticas positivas dos críticos. Rotten Tomatoes coletou retrospectivamente 32 avaliações e deu ao filme uma avaliação de aprovação de 97%, bem como uma avaliação média de 8,3/10. O consenso crítico do site diz: "Exotica fervilha de sexo e obsessão, ao mesmo tempo que funciona como um estudo extremo de personagens."[26] Roger Ebert deu ao filme quatro estrelas no lançamento inicial do filme, chamando-o de "um labirinto de filmes, envolvendo-se sedutoramente nos segredos mais sombrios de um grupo de pessoas que não deveriam ter nenhuma conexão entre si, mas sim". Ele o considerou o melhor filme de Egoyan até o momento e disse que Mia Kirshner "combina fascínio sexual com uma gentileza que a torna ainda mais atraente".[27] Em 2009, Ebert adicionou o filme à sua lista de Grandes Filmes, chamando-o de um "filme profundo e doloroso sobre aqueles mundos fechados de luxúria encenada".[28] Jonathan Rosenbaum chamou-o de "imperdível" e "exuberante e comovente", elogiando a trilha, o set e os movimentos da câmera.[29] Leonard Klady, escrevendo para Variety, chamou o filme de "uma experiência assustadora e arrepiante", embora com um final que foi "anticlimático, difuso e consideravelmente menos do que um nocaute emocional".[30] Entertainment Weekly deu ao filme um B +, concluindo "Como a dança de Christina, o filme é uma provocação linda, uma promessa artística de algo que nunca chega".[31] Desson Howe escrevendo para The Washington Post, disse que "começa de forma promissora, mas eventualmente afunda em seu próprio esquecimento complicado".[32] Peter Travers da Rolling Stone escreveu "Exotica é o filme mais realizado e sedutor de Egoyan até hoje", e menos chamativo do que Showgirls (1995) prometeu ser.[33] B. Ruby Rich, do The Advocate, escreveu que o filme é "um quebra-cabeça das emoções em que o sexo soletra toda a linguagem do comportamento humano", e disse que o elenco, incluindo Kirshner e Don McKellar, "prendem nossa atenção nesses personagens".[34] Os críticos elogiaram o uso da música "Everybody Knows", de Leonard Cohen.[31][32][35]

Em 2001, Girish Shambu, escrevendo para Senses of Cinema, disse "O triste e elegante Exotica de Atom Egoyan (1994) é ao mesmo tempo íntimo e remoto, concreto e abstrato", elogiando Bruce Greenwood pela "gravidade silenciosa" e Sarah Polley como "precocemente perfeita".[36] Em 2002, os leitores de Playback votaram nele como sétimo maior filme canadense já feito.[37] Em 2012, Jeff Heinrich do Montreal Gazette deu ao filme cinco estrelas, chamando-o de "Um filme de arte totalmente hipnótico", com uma "trilha sonora assustadora".[19] Mike D'Angelo do The A.V. Club declarou "Exotica—Muito parecido com o filme subsequente de Egoyan, The Sweet Hereafter— prova ser uma exploração devastadoramente catártica das consequências da tragédia e as maneiras como as pessoas tentam lidar com a dor inexprimível".[38] Em 2015, The Daily Telegraph nomeou Exotica como um dos "10 melhores (e piores) filmes de strip-tease", chamando Egoyan de "um prodígio do cinema canadense na época" e notando que o filme ganhou prêmios em Cannes e no AVN Awards,[39] que são para pornografia.

PremiaçõesEditar

No Festival de Cinema de Cannes de 1994, Exotica ganhou o Prêmio FIPRESCI,[40] a primeira vez que um filme anglo-canadiano ganhou o prêmio.[41] No Genie Awards de 1994, o filme ganhou oito prêmios, incluindo Melhor Filme e Melhor Diretor e Melhor Roteiro Original para Egoyan.


Prêmio Data da cerimônia Categoria Destinatários Resultado Ref.
AVN Awards 1996 Melhor filme adulto alternativo Atom Egoyan Venceu [42]
Associação Belga de Críticos de Cinema 1995 Grande Prêmio Venceu [43]
Canadian Society of Cinematographers 1994 Melhor Cinematografia em Longa-metragem Paul Sarossy Venceu [44]
Festival de Cannes 12–23 de maio de 1994 Prêmio FIPRESCI Atom Egoyan Venceu [40]
Associação de Críticos de Cinema de Chicago 1996 Melhor Filme Indicado [45]
Melhor Roteiro Indicado
Sindicato Francês de Críticos de Cinema 1995 Melhor Filme Estrangeiro Venceu [46]
Genie Awards 1994 Melhor Filme Atom Egoyan e Camelia Frieberg Venceu [46][47]
Melhor Direção Atom Egoyan Venceu
Melhor Ator Elias Koteas Indicado
Melhor Ator Coadjuvante Don McKellar Venceu
Melhor Roteiro Original Atom Egoyan Venceu
Melhor Direção de Arte Richard Paris e Linda Del Rosario Venceu
Melhor Cinematografia Paul Sarossy Venceu
Melhor Figurino Linda Muir Venceu
Melhor Edição Susan Shipton Indicado
Melhor Som Daniel Pellerin, Keith Elliott, Peter Kelly e Ross Redfern Indicado
Melhor Edição de Som Sue Conley, Andy Malcolm, Paul Shikata, Peter Winninger e Steve Munro Indicado
Melhor Trilha Sonora Original Mychael Danna Venceu
Prêmios Independent Spirit 23 de março de 1996 Melhor Filme Estrangeiro Atom Egoyan Indicado [48]
Festival Internacional de Cinema de Toronto 8–17 de setembro de 1994 Melhor longa metragem canadense Venceu [49]

Referências

  1. http://www.bbfc.co.uk/releases/exotica-1994
  2. a b McNeil, Colin (5 de junho de 2014). «Revisiting Atom Egoyan's Exotica: Sex and voyeurism». Metro News. Consultado em 11 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 3 de abril de 2018 
  3. a b c Wilson 2009, p. xi.
  4. a b «Exótica». Portugal: CineCartaz. Consultado em 1 de junho de 2021 
  5. «Exótica». Brasil: CinePlayers. Consultado em 1 de junho de 2021 
  6. a b Inácio Araújo (2 de dezembro de 1994). «Fascínio da perversão move "Exótica"». Ilustrada. Folha de S.Paulo. Consultado em 1 de junho de 2021 
  7. a b c d e f g Lee, Janice (12 de setembro de 1994). «Exotica». Playback. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  8. Bear, Liza (Primavera de 1995). «Look But Don't Touch». Filmmaker. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  9. Darke, p. 22.
  10. McKenna, Kristine (12 de março de 1995). «This Director's Got a Brand Noir Bag». Los Angeles Times. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  11. Howell, Peter (15 de setembro de 2009). «Toronto the ... sexy?». The Toronto Star. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  12. Wong 2000.
  13. Wilson 2003, p. 28.
  14. Wilson 2003, p. 32.
  15. Rea, Steven (19 de março de 1995). «'Exotica': Tough Film For Pregnant Actress-wife». Philadelphia Media Network. Consultado em 14 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2016 
  16. Crouse, Richard. «The Captive's Bruce Greenwood And Atom Egoyan Make A Dynamic Movie Duo». Metro in Focus. Consultado em 14 de agosto de 2016 
  17. Fleischer, David (16 de janeiro de 1998). «Reel Toronto: An Exotic Slice of Egoyan». Torontoist. Consultado em 15 de agosto de 2016 
  18. Darke, p. 23.
  19. a b c Heinrich, Jeff (18 de junho de 2012). «New on DVD, Blu-ray: Exotica among highlights of week's releases». Montreal Gazette. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  20. Tschofen 2002, p. 166.
  21. a b Naficy 2001, p. 57.
  22. a b c Wise, Wyndham (1995). «The True Meaning of Exotica». Take One. p. 56 
  23. Ebert, Roger (6 de março de 1995). «'Exotica' Pleases Filmmaker In US». Rogerebert.com. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  24. Beard 2007, p. 123.
  25. «The 20 Best Canadian Films of All Time». Take One. Primavera de 1998. p. 22 
  26. «Exotica (1994)». Rotten Tomatoes. Fandango Media. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  27. Ebert, Roger (3 de março de 1995). «Exotica». Rogerebert.com. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  28. Ebert, Roger (11 de março de 2009). «Great Movie: Exotica (1994)». Rogerebert.com. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  29. Rosenbaum, Jonathan (16 de março de 1995). «Emotional Striptease». Chicago Reader. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  30. Klady, Leonard (16 de maio de 1994). «Review: Exotica». Variety. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  31. a b Gleiberman, Owen (24 de março de 1995). «Exotica». Entertainment Weekly. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  32. a b Howe, Desson (10 de março de 1995). «Exotica». The Washington Post. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  33. Travers, Peter (3 de março de 1995). «Exotica». Rolling Stone. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  34. Rich, B. Ruby (7 de fevereiro de 1995). «Love for Sale». The Advocate 
  35. James, Caryn (24 de setembro de 1994). «Innocence Beyond The Erotic Glimmer». The New York Times. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  36. Shambu, Girish (abril de 2001). «The Pleasure and Pain of Watching: Atom Egoyan's Exotica». Senses of Cinema. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  37. «Egoyan tops Canada's all-time best movies list». Playback. 2 de setembro de 2002. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  38. D'Angelo, Mike (20 de agosto de 2014). «The devastating Exotica is a master class in withholding». The A.V. Club. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  39. «Revealed: the 10 best (and worst) stripper movies». The Daily Telegraph. 6 de julho de 2015. Consultado em 12 de agosto de 2016 
  40. a b «Festival de Cannes: Exotica». festival-cannes.com. Consultado em 26 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2011 
  41. Magder 2013, p. 164.
  42. Egoyan, Atom (verão de 2004). «Dr. Gonad». Granta #86 
  43. Burwell 2007, p. 368.
  44. «Cinematographer Paul Sarossy Returns to York to Mentor Students». York University. 23 de setembro de 2008. Consultado em 14 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2016 
  45. Gire, Dann (15 de janeiro de 1996). «Chicago critics stand own ground with film nominations». The Daily Herald. p. 36 
  46. a b Tschofen 2006, p. 368.
  47. Playback Staff (7 de novembro de 1994). «The 1994 Genie nominees». Playback. Consultado em 24 de março de 2017 
  48. Maslin, Janet (24 de março de 1996). «Oscar's Roster: A Mostly Motley Crew». The New York Times. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  49. «Awards». Toronto International Film Festival. Consultado em 11 de agosto de 2016 

BibliografiaEditar