Abrir menu principal

Expedições filosóficas portuguesas

"Viagem Philosophica" de Alexandre Rodrigues Ferreira

As expedições filosóficas portuguesas ou Viagens filosóficas de finais do século XVIII foram a primeira tentativa financiada pela coroa portuguesa de levar a cabo um estudo organizado e sistemático da história natural ultramarina.

As expediçõesEditar

As expedições tiveram lugar nas duas últimas décadas do século XVIII, através de viagens científicas ao Brasil, Angola, Moçambique, Goa e Cabo Verde, Cabo da boa esperança, Melinde e Calicute. Levadas a cabo por naturalistas formados no curso de Filosofia criado na Universidade de Coimbra em 1772. Estas expedições foram dirigidas e financiadas pela coroa, sob a directa supervisão do Secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar Martinho de Melo e Castro e contaram com o empenhamento da Universidade de Coimbra, da Academia das Ciências de Lisboa e do Jardim Botânico da Ajuda. O interesse pelo conhecimento dos recursos naturais do Império levou à redacção de vários guias para a recolha de espécimens naturais. O catedrático de Botânica da Universidade de Coimbra e director do Jardim da Ajuda, Domingos Vandelli orientou cientificamente as várias expedições, à frente das quais colocou antigos alunos seus:

Alexandre Rodrigues Ferreira foi o único que conseguiu exercer funções em exclusividade, todos os outros realizaram os seus trabalhos de naturalistas juntamente com funções na administração colonial.

Brasil - Alexandre Rodrigues FerreiraEditar

Cabo Verde - João da Silva FeijóEditar

Angola - Joaquim José da SilvaEditar

Moçambique - Manuel Galvão da SilvaEditar

BibliografiaEditar

  Este artigo sobre História da ciência é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
 Portal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.

Ligações externasEditar