Abrir menu principal

Jardim Botânico da Ajuda

área urbana em Lisboa, Portugal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Jardim Botânico da Ajuda
Vista do Jardim Botânico da Ajuda sobre o Tejo
Localização Ajuda, Lisboa
País Portugal Portugal
Tipo Jardim botânico
Área c. 35 000
Inauguração 1768
Administração Instituto Superior de Agronomia

O Jardim Botânico da Ajuda localiza-se na freguesia da Ajuda, na cidade de Lisboa. Encontra-se inscrito na BGCI e apresenta programas de conservação para a Agenda Internacional para a Conservação nos Jardins Botânicos, o seu código de identificação internacional é LISI.

HistóriaEditar

Em Portugal, o jardim botânico mais antigo é o da Ajuda. A sua história remonta a 1755, depois do Terramoto de Lisboa, em que o rei D. José I transferiu a sua corte, dos arredores da capital, para a Ajuda. Este local foi escolhido por esta zona não ter sido afetada aquando Terramoto. Em 1768, nasceu o Real Jardim Botânico. Domingos Vandelli foi o criador deste jardim, o qual transpôs para a capital portuguesa o jardim botânico da sua cidade natal, Pádua. No entanto, Vandelli não iniciou os trabalhos de construção do jardim sozinho, mas contou com a preciosa ajuda de Júlio Mattiazi, o primeiro jardineiro de Horto Botânico de Pádua.

A construção deste jardim, que tinha entre outros objetivos proporcionar lazer à família real e educar os príncipes e netos do monarca, contava já nos finais do século XVIII uma valiosa coleção com cerca de 5000 espécies.

A primeira invasão francesa, em 1808, arrasa a maior parte das coleções do Real Jardim Botânico, comprometendo o plano expansionista do jardim. A reativação do jardim só veio a acontecer com o regresso de D. João VI do Brasil e, com a proclamação da República, foi aberto ao público.

Em 1811, o professor da Universidade de Coimbra, Félix de Avelar Brotero, foi nomeado por D. João VI diretor do Real Museu e Jardim Botânico da Ajuda. A morte de Brotero, em 1828, trouxe à investigação botânica perdas irrecuperáveis. De tal modo que a investigação entrou em decadência. Assim os Jardins Botânicos de Coimbra e da Ajuda deixaram de ser devidamente cuidados, ficando num estado de degradação até meados do século XIX.

Em 1837, o Real Museu e o Jardim Botânico da Ajuda foram confiados à administração da Academia das Ciências de Lisboa. Em 1838, com a fundação da Escola Politécnica de Lisboa, o Jardim Botânico da Ajuda viria a deparar-se com novas perspetivas. A necessidade da Escola Politécnica ter um jardim botânico para o desenvolvimento do seu trabalho, levou a que neste ano o Jardim Botânico da Ajuda e o Real Museu fossem incorporados nesta instituição. Em Junho de 1839, o ministro dos Negócios do Reino concordou com a incorporação do Jardim Botânico na Escola Politécnica. No mês seguinte a direcção científica do Jardim Botânico era confiada ao lente da 9ª cadeira (Botânica e Princípios de Agricultura), ao Botanico e fundador do ensino da Agricultura em Portugal, Dr. José Maria Grande.

Após votação ordenada pela rainha, D. Maria II foi nomeado director efectivo do Jardim Botânico a partir de Julho de 1840 altura em que o Jardim estava muito danificado tendo um papel fundamental no ressurgimento do Jardim através da introduçāo de novas espécies.

O célebre botânico austríaco Friedrich Welwitsch encontrava-se em Portugal desde Julho de 1839, a fim de efectuar uma viagem de estudo aos Açores, Canárias e Cabo Verde subsidiada pela “Unio Itineraria”, associação com sede em Essligen, cujo objectivo era proporcionar a realização de expedições científicas. No entanto, devido às tempestades, as viagens entre Lisboa e as ilhas tornaram-se irregulares, o que teve como consequência Welwitsch não ter prosseguido além de Lisboa e ter apresentado uma pretensão na Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra para ser nomeado preparador de Botânica na Escola Politécnica. Não estando previsto o cargo de preparador ou demonstrador para a 9ª cadeira, e após o falecimento do mestre do Jardim da Ajuda, foi decidido pelo conselho escolar que se contratasse o Dr. Friedrich Welwitsch como conservador dos estabelecimentos botânicos da escola. Durante a curta permanência do distinto naturalista, muitas espécies novas, muitas delas exóticas, foram enriquecendo o jardim. No final de 1844 Welwitsch já exercia as funções de orientador do Jardim do Lumiar, anteriormente adquirido pelo duque de Palmela, bem como a superintendência de outros jardins que o duque possuía dispersos por diversos pontos do País.

Em 1848, o Prof. Dr. José Maria Grande procurou melhorar as colecções de vegetais em cultura e, tendo entregue o ensino durante alguns dias ao seu substituto, o Prof. Andrade Corvo, concluiu as determinações das plantas ainda não identificadas.


Em 1996, com apoios diversos, incluindo o do Turismo de Lisboa, a arquiteta Cristina Castel-Branco iniciou o processo de recuperação total do JBA.

Em 2002, com as obras principais de recuperação do JBA terminadas, assumiu a direção a Investigadora Dalila Espírito Santo. Desde aí que todos os esforços têm sido no sentido de aumentar o número de visitantes do jardim, criando uma agenda cultural com atividades lúdicas e educativas permanentes.

O jardimEditar

DescriçãoEditar

Este jardim do tipo italiano com dois níveis, é um oásis no meio da cidade de Lisboa. Possui cerca de 4 ha de área[1] e é de acesso pago.

O jardim inclui árvores tropicais e uma das sebes de buxo dentro das maiores da Europa, com cerca de 2 km de cumprimento, desenhando diversos desenhos geométricos em volta de canteiros de flores.

As principais atrações do jardim são:

  • o Dragoeiro - Dracaena draco - a árvore mais antiga do jardim, com cerca de 400 anos, original da Madeira;
  • a «Fonte das 40 bicas» - situada no centro do tabuleiro inferior do jardim, datada do século XVIII com serpentes, peixes alados, cavalos-marinhos, e figuras míticas;
  • a vista magnífica que se obtém no terraço superior do jardim para o terraço inferior, tendo como fundo a cidade de Lisboa com o rio Tejo, a ponte e o Cristo Rei;
  • o facto de passearem no jardim diversos pavões, entre os visitantes.

AtividadesEditar

  • No jardim funciona todo o ano:
  • Visitas guiadas para grupos de crianças e adultos, em português e inglês (outras línguas sob consulta)[1]
  • O Grupo de Teatro Infantil AnimArte tem aqui a sua sede, ensaiando durante todo o ano, com apresentação de temporadas de espetáculos;
  • Durante o ano existem cursos e workshops para adultos [2]
  • Durante as férias escolares existem cursos de ocupação de tempos livres de jardinagem e teatro para as crianças;
  • Festas já habituais: «Festa da Primavera», «Festa do Outono», «Festa dos Sabores» e «Noite de Halloween» (esta última dinamizada em parceria com o Grupo de Teatro Infantil AnimArte).

LocalizaçãoEditar

Cimo da Calçada da Ajuda, 1300-010 Lisboa.

BibliografiaEditar

  • Almaça, Carlos. A Natural History Museum of the 18th century: the Royal Museum and Botanical Garden of Ajuda. Lisboa: Museu Bocage, 1996;
  • Carvalho, Rómulo de. A história natural em Portugal no Século XVIII. Lisboa: ICLP, 1987;
  • Soares, Ana Luísa; Castel-Branco, Cristina. Jardim Botânico da Ajuda. Lisboa: Jardim Botânico d'Ajuda, 1999.

Referências

Ligações externasEditar