Faríngula

A faríngula é uma etapa do desenvolvimento embrionário dos vertebrados.[1] Nesta fase, os embriões de todos os vertebrados são semelhantes, tendo desenvolvido características próprias dos vertebrados, como o início da medula espinhal. Denominado por William Ballard,[2] o estágio da faringe segue os estágios da blástula, gástrula e nêurula .

Semelhança morfológica em embriões de vertebradosEditar

Na fase faríngula, todos os embriões de vertebrados apresentam semelhanças notáveis, ou seja, ela é uma "fase filotípica" do sub-filo,[3] que contém as seguintes características:

Os sulcos branquiais são combinados internamente por uma série de bolsas de guelras emparelhadas. Nos peixes, as bolsas e sulcos eventualmente se encontram e formam as fendas branquiais, que permitem que a água passe da faringe para as brânquias e para fora do corpo.

Em outros vertebrados, as ranhuras e bolsas desaparecem. Em humanos, o principal traço de sua existência é a tuba auditiva e o canal auditivo que (interrompido apenas pelo tímpano) conectam a faringe com a parte externa da cabeça.

A existência de um estágio comum da faringe para vertebrados foi proposta pela primeira vez pelo biólogo alemão Ernst Haeckel (1834 – 1919) em 1874.[4]

Referências

  1. Gilbert SF (2000). Developmental mechanisms of evolutionary change. in: Developmental Biology 6th ed. [S.l.]: Sinauer Associates. ISBN 0-87893-243-7 
  2. Ballard WW (1981). «Morphogenetic Movements and Fate Maps of Vertebrates». American Zoologist. 21: 391–9. doi:10.1093/icb/21.2.391 
  3. Sprague, J.; et al. (2006). «ZFIN Pharyngula Period Description». Zebrafish Information Network. Consultado em 18 de julho de 2007 
  4. Harckel, Ernst (1874). Anthropogenie oder Entwickelungsgeschichte des Menschen (em alemão) 2.ª ed. Leipzig: Engelmann. OCLC 14858600. OL 20468127M