Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros

Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros é o álbum de estreia do cantor brasileiro Fausto Fawcett, acompanhado por sua atualmente inativa banda de apoio Os Robôs Efêmeros, composta por seu amigo e colaborador de longa data Carlos Laufer (guitarra), Pedro Leão (guitarra), e pelos irmãos Marcelo (bateria) e Marcos Lobato (contrabaixo), futuros membros d'O Rappa.[1] Também contando com uma participação especial de Fernanda Abreu, foi lançado em 1987 pela WEA (atual Warner Music Group) e produzido por Liminha em parceria com Vítor Farias and Adrian Hudson.

Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros
Álbum de estúdio de Fausto Fawcett
Lançamento 1987
Gravação 1987
Gênero(s) Rap rock, pós-punk, new wave, funk
Duração 41:27
Idioma(s) Português
Formato(s) LP e CD
Gravadora(s) WEA
Produção Liminha, Vítor Farias, Adrian Hudson, Iraí Campos
Cronologia de Fausto Fawcett
Império dos Sentidos
(1989)
Singles de Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros
  1. "Kátia Flávia, a Godiva do Irajá"
    Lançamento: 1987
  2. "Juliette"
    Lançamento: 1988

Descrito como uma "obra conceitual sobre uma Copacabana Blade Runner",[2] suas oito faixas sutilmente interligadas narram sobre as vidas dos sórdidos personagens que habitam uma versão futurista e tecnologicamente avançada da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de ter sido em grande parte ignorado à época de seu lançamento, Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros é agora considerado uma obra seminal da então nascente cena do rap rock/hip hop brasileiro, e amealhou um séquito cult com o passar dos anos;[3] também lançou os singles "Juliette" e "Kátia Flávia, a Godiva do Irajá" – uma das primeiras canções brasileiras de rap e a composição mais famosa de Fawcett.

A Warner Music relançou o álbum em CD em 2001; porém, tanto a versão em vinil quanto a em CD estão atualmente fora de catálogo.

A faixa "Gueixa Vadia" contém citações das canções "Born to Be Alive" (de Patrick Hernandez) e "Don't Let Me Be Misunderstood" (de Nina Simone).

Aparições em outras mídiasEditar

"Kátia Flávia, a Godiva do Irajá" foi incluída nas trilhas sonoras da telenovela O Outro e dos longas Lua de Fel e Tropa de Elite.

Fawcett e os Robôs Efêmeros apareceram como si mesmos, cantando "A Chinesa Videomaker", no filme de 1987 Um Trem para as Estrelas, dirigido pelo antigo colega de faculdade de Fawcett Cacá Diegues.

FaixasEditar

Todas as canções escritas e compostas por Fausto Fawcett e Laufer, com exceção de "Estrelas Vigiadas" por Fawcett e Marcelo de Alexandre. 

Título Duração
1. "Gueixa Vadia"   6:16
2. "Tânia Míriam"   3:54
3. "Drops de Istambul"   3:57
4. "O Rap d'Anne Stark"   6:35
5. "Kátia Flávia, a Godiva do Irajá"   4:06
6. "A Chinesa Videomaker"   7:02
7. "Estrelas Vigiadas"   5:00
8. "Juliette" (part. Fernanda Abreu) 4:12

Detalhes de FaixasEditar

As composições de Fawcett, retratam aleatóriaiamente histórias que se passam ou retratam o bairro carioca de Copacabana ou fazem referência ao mesmo.[4]

Gueixa Vadia

Conta a história de uma prostituta que pensa viver "no lado asiático de Copacabana" e persegue um turista americano durante uma visita ao bairro, durante o caos de um acidente de carro. Ela esprega em seu rosto uma gilete cor de rosa enquanto canta trechos de canções famosas da disco music, como “Born To Be Alive”, “Don’t Let Me Be Misunderstood”, “Bad Girl” e outras. Ela leva o turista para seu apartamento, que, de dia, é um depósito de taxímetros adulterados, mas a noite, é depósito de taxi girls.[4]

Ficha técnicaEditar

  • Fausto Fawcett – vocais
  • Laufer – guitarra, vocais adicionais
  • Pedro Leão – guitarra, vocais adicionais
  • Marcelo Lobato – bateria, vocais adicionais
  • Marcos Lobato – contrabaixo, vocais adicionais
  • Fernanda Abreu – vocais adicionais (faixa 8)
  • Soraya Jarlicht, Marília Van Boekel, Nelson Meirelles, Sérgio Mekler – vocais adicionais
  • Iuri de Alexandre, Marcelo de Alexandre – teclados
  • Liminha – produção, vocais adicionais, bateria eletrônica, guitarra
  • Adrian Hudson – coprodução
  • Vítor Farias – coprodução, masterização
  • Iraí Campos – produção (faixa 5), masterização
  • Jorge Barrão, Luiz Serbine, Bárbara Szaniecki – arte de capa


Referências

  1. Lucas Vieira (2 de setembro de 2009). «Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros (1987) – Dizconauta». Consultado em 25 de maio de 2017 
  2. Last.fm – Fausto Fawcett
  3. Carlos Eduardo Lima (4 de novembro de 2013). «Cadê: O primeiro disco de Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros, de 1987 – Monkeybuzz». Consultado em 25 de maio de 2017 
  4. a b «Fausto Fawcett E Os Robôs Efêmeros - Um Clássico». Célula POP. 9 de maio de 2019. Consultado em 20 de junho de 2019