Abrir menu principal

Funk

Gênero musical dos Estados Unidos
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Funk (desambiguação).
Funk
James Brown, um dos grandes nomes do funk
Origens estilísticas
Contexto cultural metade da década de 1960,  Estados Unidos(especialmente em Memphis e Detroit)
Instrumentos típicos vocal, guitarra elétrica, baixo, bateria, teclados (órgão Hammond, clavinet, sintetizador), metais
Formas derivadas disco music, krautrock, post-punk, house music, hip hop, electro, drum and bass, rhythm and blues contemporâneo
Subgêneros
go-go, deep funk
Gêneros de fusão
acid jazz, punk funk, afrobeat, avant-funk, funky house, funk metal, funk psicodélico, funk rock, funkcore, jazz funk, go-go, g-funk, samba funk skweee,UK funky
Outros tópicos
groove

O funk [fânc][1] é um gênero musical que se originou em comunidades afro-americanas em meados da década de 1960, quando músicos afro-americanos criaram uma nova forma de música rítmica e dançante através da mistura de soul, jazz e rhythm and blues. O funk tira a ênfase da melodia e da harmonia e traz um groove rítmico forte de baixo elétrico e bateria no fundo. Como grande parte da música de inspiração africana, o funk normalmente consiste em um groove complexo com instrumentos rítmicos tocando grooves interligados. Funk usa os mesmos acordes estendidos ricamente coloridos encontrados no bebop, um subgênero do jazz.

Com seu conceito desenvolvido por James Brown na década de 1960, com o desenvolvimento de de um groove de assinatura que enfatiza o downbeat, Brown deu o nome de "The One" (ou seja, o apoio rítmico no primeiro tempo)[2] e foi considerado o padrinho do funk.[3] Outros grupos musicais, incluindo Sly & the Family Stone e Parliament-Funkadelic, logo começaram a adotar e desenvolver as inovações de Brown. Enquanto grande parte da história escrita do funk se concentra nos homens, houve notáveis mulheres de funk, incluindo Chaka Khan, Labelle, Lyn Collins, Brides of Funkenstein, Klymaxx, Mother's Finest e Betty Davis.

O funk pode ser melhor reconhecido por seu ritmo de batidas repetitivas sincopado, pelos vocais de alguns de seus cantores e grupos (como Cameo, ou The Bar-Kays). E ainda pela forte e rítmica seção de metais, pela percussão marcante e ritmo dançante. Nos anos 1970, o funk foi influência para músicos de jazz (como exemplos, as músicas de Miles Davis, Herbie Hancock, George Duke, Eddie Harris, entre outros).

Os músicos negros norte-americanos primeiramente chamavam de funk à música com um ritmo mais suave. Esta forma inicial de música estabeleceu o padrão para músicos posteriores: uma música com um ritmo mais lento, sexy, solto, orientado para frases musicais repetidas (riffs) e, principalmente, dançante. Funk era um adjetivo típico da língua inglesa para descrever estas qualidades. Nas jam sessions, os músicos costumavam encorajar outros a "apimentar" mais as músicas, dizendo: Now, put some stank (stink/funk) on it! (algo como "coloque mais funk nisso!").

Os derivados de Funk incluem o funk psicodélico de Sly Stone e Parliament-Funkadelic; o avant-funk de grupos como Talking Heads e Pop Group; boogie uma forma de dance music pós-disco; electro, um híbrido de música eletrônica e funk; funk metal (por exemplo, Living Colour, Faith No More); G-funk, uma mistura de gangsta rap e funk; Timba, uma forma de música funk cubana; e funk jam (por exemplo, Phish). Os samples de funk e os breakbeats foram utilizados extensivamente em gêneros, incluindo hip hop, e várias formas de electronic dance music, como house music, old-school rave, Breakbeat e drum and bass. É também a principal influência do go-go, um subgênero associado ao funk.[4]

Etimologia

A palavra funk (pronuncia-se [fânc]) em inglês originalmente se referia de forma ofensiva, a um forte odor. Segundo o historiador Robert Farris Thompson e antropólogo em seu livro Flash Of The Spirit: African & Afro-American Art & Philosophy, a palavra funky tem sua raiz semântica da palavra "lu-fuki" na língua quicongo, que significa "odor corporal". De acordo com sua tese, "tanto músicos de jazz, como congos usavam funky e lu-fuki para elogiar as pessoas certas para a integridade de sua arte, tendo trabalhado para alcançar seus objetivos." Este sinal congo de esforço é identificado com a irradiação de energia positiva por essa pessoa. Por isso, "funk" no jargão do jazz americano poderia significar terreno, o retorno ao básico, autêntico.[5] "Músicos de jazz afro-americanos originalmente utilizavam o termo aplicada à música com um groove lento e melodioso, posteriormente, a um ritmo duro e insistente, relacionando qualidades corporais ou carnais na música. Esta forma de música antiga estabeleceu o padrão para músicos posteriores.[6]

É possível que o termo funk seja derivado de um cruzamento entre o termo quicongo lu-Fuki (usado na comunidade Afro-americana) e termos em inglês stinky (odor, mau cheiros). Em 1907 já existiam canções com títulos como "Funky Butt Ballroom" de Buddy Bolden.[7] Até o final dos anos 1950 e início dos anos 1960, quando "funk" e "funky" foram usados cada vez mais em contexto da soul music, os termos ainda eram considerados rudes e de uso inadequado. De acordo com uma fonte, Earl Palmer, baterista de New Orleans, foi o primeiro a usar a palavra funk para explicar aos outros músicos que sua música deve ser mais sincopados e dançante."[8][9][2]

Características

O funk cria um groove intenso através do uso de riffs poderosos e linhas de baixo. Como as gravações da Motown, as canções de linhas de baixo do funk eram usadas como o tema central das canções. Tocando o baixo mediante a técnica do slap, tocados com o polegar e outros notas altas tocadas com os outros dedos, permitindo assim que o baixista tenha um papel rítmico semelhante ao da bateria, o que se tornou um elemento central do funk. Alguns dos solistas mais conhecidos e qualificados no funk tinha uma influencia significativo do jazz. O trombonista Fred Wesley e o saxofonista Maceo Parker estão entre os músicos mais notáveis do funk, tendo ambos tocado com músicos como James Brown, George Clinton e Prince. Algumas das bandas de funk mais distintivas das décadas de 1960 e 1970 são Kool & The Gang, The Meters, Tower of Power, Earth, Wind & Fire, The Blackbyrds, The Ohio Players, The Brothers Johnson e Charles Wright & the Watts 103rd Street Rhythm Band.

Exemplo de linha de baixo funk usando a técnica do slap

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Os acordes utilizadas em canções do funk tipicamente envolver um modo dórico ou mixolídio, em oposição aos tons maiores ou menores usuais da música popular. O teor de melodia foi derivada a partir da mistura destes modos com a escala dos blues. Na década de 1970, o jazz fundido ao funk veio para criar um novo subgênero, jazz-funk, que pode ser ouvida em gravações por Miles Davis[10] e Herbie Hancock.[11]

Exemplo de gravação jazz-funk

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Nas bandas do funk, os guitarristas tipicamente tocam um estilo percussivo, muitas vezes usando o som de um pedal wah-wah e silenciam as notas em seus riffs para criar um som percussivo. O guitarrista Ernie Isley de The Isley Brothers e Eddie Hazel do Funkadelic foram fortemente influenciados pelos solos improvisados Jimi Hendrix. Eddie Hazel, que trabalhou com George Clinton, é um dos mais significativos guitarristas solo de funk. Ernie Isley aprendeu com o próprio Jimi Hendrix, que em seus primeiros anos, trabalhou com The Isley Brothers.[12] Jimmy Nolen e Phelps Collins são conhecidos como guitarristas rítmicos e ambos trabalharam com James Brown.

Década de 1960

Somente com as inovações de James Brown em meados dos anos 1960 é que o funk passou a ser considerado um gênero distinto. Na tradição do rhythm and blues, estas bandas bem ensaiadas criaram um estilo instantaneamente reconhecível, repleto de vocais e coros de acompanhamento cativantes. Brown mudou a ênfase rítmica 2:4 do soul tradicional para uma ênfase 1:3, anteriormente associada com a música dos brancos - porém com uma forte presença da seção de metais.[13] Com isto, a batida 1:3 virou marca registrada do funk tradicional. A gravação de Brown feita em 1965 de seu sucesso "Papa's Got a Brand New Bag" normalmente é considerada como a que lançou o gênero funk, porém a canção "Out of Sight", lançada um ano antes, foi claramente um modelo rítmico para "Papa's Got a Brand New Bag, contudo, para outros a canção "Cold Sweat" de 1967, composta por Brown em parceria com o saxofonista Alfred "Pee Wee" Ellis, foi o primeiro exemplo de um canção funk legítima.[14]

Muitos creditam a criação do gênero ao baterista Chuck Connors, que assim como Earl Palmer, fora baterista de Little Richard.[15][16] Após a saída temporária de Little Richard da música secular para se tornar um evangelista, alguns dos membros da banda de Richard se juntaram a Brown e à sua banda Famous Flames, começando uma sequência de sucessos, a partir de 1958.[2]

Brown costumava chamar sua banda com o comando "On the one!", Alterando a ênfase/acento da percussão do backbeat de um-dois-três-quatro da soul music tradicional para o down-beat de um-dois-três-quatro, mas com uma guitarra rítmica sincopada (nas semínimas duas e quatro), com um balanço brutal repetitivo e desafiador. Essa batida um-três lançou a mudança no estilo musical de Brown, começando com seu hit de 1964, "Out of Sight", e seus hits de 1965, "Papa's Got a Brand New Bag" e "I Got You (I Feel Good)".

O estilo de funk de Brown era baseado em partes interligadas e contrapontes: linhas de baixo sincopadas, padrões de bateria com 16 batidas e riffs de guitarra sincopados.[17] Os principais ostinatos de guitarra de "Ain't it Funky" (c. Final dos anos 60) são um exemplo do refinamento de Brown do funk de Nova Orleans - um riff irresistivelmente dançante, despojado de sua essência rítmica. Em "Ain't it Funky", a estrutura tonal é barebones. As inovações de Brown fizeram com que ele e sua banda se tornassem o ato seminal de funk; eles também colocaram o estilo do funk mais à frente com lançamentos como "Cold Sweat" (1967), "Mother Popcorn" (1969) e "Get Up (sinto-me ser um) Sex Machine" (1970), descartando até o blues de doze compassos apareceu em sua música anterior. Em vez disso, a música de Brown foi revestida com "vocais cativantes e hinos" baseados em "vamps extensos", nos quais ele também usava sua voz como "um instrumento percussivo com grunhidos rítmicos frequentes e com padrões de seção rítmica ... [assemelhando-se a polirritmos da África Ocidental] "- uma tradição evidente em canções e cânticos de trabalho afro-americanos. Ao longo de sua carreira, os vocais frenéticos de Brown, freqüentemente pontuados por gritos e grunhidos, canalizaram o "ambiente extático da igreja negra" em um contexto secular.[18]

Em meados da década de 1960, o grupo Sly and Family Stone promoveu uma mistura de soul, rock psicodélico e funk.[19][20] A banda The Isley Brothers com o então desconhecido Jimi Hendrix, havia feito uma fusão de rock e soul na canção Testify (1964).[21]

Depois de 1965, o líder e arranjador de Brown foi Alfred "Pee Wee" Ellis. Ellis credita a adoção das técnicas de bateria de Nova Orleans por Clyde Stubblefield, como base do funk moderno: "Se, em um estúdio, você dissesse 'toque funk', isso poderia implicar quase tudo. Mas 'me dê uma batida de Nova Orleans' - você conseguiu exatamente o que você queria. E Clyde Stubblefield era apenas o epítome dessa bateria funk."[22] Stewart afirma que a sensação popular foi passada de" New Orleans - através da música de James Brown, para a música popular da década de 1970 ". Com relação aos vários motivos do funk, Stewart afirma que esse modelo "... é diferente de uma linha do tempo (como clave e tresillo), pois não é um padrão exato, mas mais um princípio de organização frouxo".[23]

Década de 1970

 
George Clinton e Parliament Funkadelicem 2006 no Granada Theater in Dallas, Texas

Nos anos 1970, influenciado por Jimi Hendrix[24][25] e Sly and Family Stone,[26]

Um novo grupo de músicos começou a desenvolver ainda mais a abordagem do "funk rock". As inovações foram feitas com destaque por George Clinton, com suas bandas Parliament e, posteriormente, Funkadelic, juntos desenvolveram um tipo de funk mais pesado, influenciado pelo jazz e pelo rock psicodélico. As duas bandas tinham músicos em comum, o que as tornou conhecidas como Parliament-Funkadelic. O surgimento do Parliament-Funkadelic deu origem ao chamado P-funk, que se referia tanto à banda quanto ao subgênero que desenvolveu.[27]

O Movimento Funk era inicialmente desconhecido para o público branco, ele finalmente consegue espaço, especialmente graças à música disco, na segunda metade da década de 1970.[28]

Outros grupos de funk surgiram nos anos 1970: Mandrill, B.T. Express, Average White Band, The Main Ingredient, The Commodores, Earth, Wind & Fire, War, Lakeside, Brass Construction, KC and the Sunshine Band, Kool & The Gang, Chic, Cameo, Fatback, The Gap Band, Instant Funk, The Brothers Johnson, Ohio Players, Wild Cherry, Skyy, e músicos/cantores como Jimmy "Bo" Horne, Rick James, Chaka Khan, Tom Browne, Kurtis Blow (um dos precursores do rap) e os popstars Michael Jackson e Prince, esse último formou o Time, originalmente concebido como um ato de abertura para ele e baseado em seu "som de Minneapolis", mistura híbrida de funk, R&B, rock, pop e new wave.[29]

A música disco dividia opiniões, enquanto James Brown se intitulou o The Original Disco Man no disco homônimo de 1979,[30] no Brasil, Tim Maia gravou o álbum Tim Maia Disco Club (1978), com a participação da Banda Black Rio e produção de Lincoln Olivetti,[31] George Clinton compôs "(Not Just) Knee Deep" (1979), um manifesto contra o estilo.[32]

O funk foi também exportado para a África, e se fundiu com canto e ritmos africanos para formar o afrobeat. O Músico nigeriano Fela Kuti, que foi fortemente influenciado pela música de James Brown, é considerado o criador do estilo.[33]

Década de 1980

Na década de 1980, em grande parte como uma reação contra o que foi visto como o excesso da música disco, muitos dos elementos principais que formam a base da fórmula P-Funk começou a ser usurpado por máquinas eletrônicas e sintetizadores.[28][34] Naipes de metais foram substituídos por teclados sintetizadores, e os metais que permaneceram receberam linhas simplificadas, e poucos solos. Os teclados clássicos do funk, como o órgão Hammond B3, o clavinete Hohner /ou o piano Fender Rhodes começaram a ser substituídos pelos novos sintetizadores digitais como o Yamaha DX7. Caixas de ritmos como a Roland TR-808 começaram a substituir os "bateristas funk" do passado, e o estilo slap e pop de tocar baixo eram muitas vezes substituídos por linhas de baixo do sintetizador . As letras das canções do funk começaram a mudar a partir de duplos sentidos sugestivos para o conteúdo mais gráfico e sexualmente explícito.

Nessa época, surgiram também algumas derivações do funk como o electro que fazia grande uso de samplers, e sintetizadores. Tais ritmos se tornaram combustível para os movimentos break e hip hop.

Rick James foi o primeiro músico de funk da década de 1980 a assumir o manto de funk dominado pelo P-Funk na década de 1970. Seu álbum de 1981, Street Songs, com os singles "Give It to Me Baby" e "Super Freak", fez com que James se tornasse uma estrela e abriu o caminho para a futura direção da explicitação no funk.

 
Prince foi um influente multi-instrumentista, band-leader, cantor e compositor.

Semelhante ao Prince, outras bandas surgiram durante a era do P-Funk e começaram a incorporar sexualidade desinibida, temas orientados para a dança, sintetizadores e outras tecnologias eletrônicas para continuar a criar hits de funk. Entre eles, Cameo, Zapp, Gap Band, Bar-Kays e Dazz Band, que encontraram seus maiores sucessos no início dos anos 80. Na segunda metade dos anos 80, o puro funk havia perdido seu impacto comercial; no entanto, artistas pop de Michael Jackson a Duran Duran costumavam usar batidas de funk.

O rap e o hip hop, porém, começaram a se espalhar, com bandas como Sugarhill Gang e Soulsonic Force (em parceria com Afrika Bambaataa). A partir do final dos anos 1980, com a disseminação dos samplers, partes de antigos sucessos de funk (principalmente dos vocais de James Brown, conhecidos como Woo! Yeah! e a bateria de seu single Funky Drummer, executada por Clyde Stubblefield)[35] começaram a ser copiados para outras músicas pelo novo fenômeno das pistas de dança, a house music.[36][37] Outra canção copiada foi "Amen, Brother" da banda The Winstons, o solo copiado passou a ser conhecido como Amen break.[38]


Os anos 1980 viram também surgir novos artistas fazendo as fusões funk rock, uma mistura entre guitarras distorcidas de rock ou heavy-metal e a batida do funk, em grupos como Red Hot Chili Peppers (rock)[28] e Primus (heavy metal), a banda Red Hot Chili Peppers inclusive teve o segundo álbum produzido por George Clinton.[32]

Década de 1990 - presente

Enquanto o funk foi praticamente expulso do rádio pelo elegante hip-hop comercial, R&B contemporâneo e new jack swing, sua influência continuou a se espalhar. Artistas como Steve Arrington e Cameo ainda receberam grandes apresentações aéreas e tiveram muitos seguidores globais.

Na década de 1990, artistas surgem do movimento acid jazz que moldaram bandas como Brand New Heavies, Incognito, Galliano, Omar e Jamiroquai, que se inspiraram em elementos importantes do funk. No entanto, eles nunca chegaram perto de alcançar o sucesso comercial do funk em seu auge, com a exceção de Jamiroquai, cujo álbum Travelling without Moving vendeu cerca de 11,5 milhões copias.

Desde meados da década de 1990 emerge a cena nu-funk, centrada na cena dos colecionadores de "deep funk", produzindo um novo material influenciado pelo som de raridades do funk em 45 RPM. Os selos incluem Desco, Soul Fire, Daptone, Timmion, Napolitano, Bananarama, Kay-Dee e Tramp. Essas etiquetas geralmente são lançadas em discos de 45 RPM. Embora se especializei gravações raras de funk para DJs, houve alguma transição para a indústria musical mainstream, como a aparição de Sharon Jones em 2005 no programa Late Night com Conan O'Brien.

Derivados

A partir do início da década de 1970, o funk desenvolveu vários subgêneros. Enquanto George Clinton e o The Parlamenit faziam uma variação mais pesada do funk, bandas como Kool & the Gang, Ohio Players e Earth, Wind & Fire faziam um funk influenciada pela música disco.[39]

Funk psicodélico

 Ver artigo principal: Funk psicodélico

Após o trabalho de Jimi Hendrix no final da década de 1960, artistas negros de como Sly & the Family Stone foram pioneiros em um estilo conhecido como funk psicodélico, emprestando técnicas do rock psicodélico, incluindo pedais wah-wah, distorção fuzz, câmaras de eco e distorcedores vocais, bem como blues rock e jazz. Nos anos seguintes, grupos como o Parliament-Funkadelic de George Clinton continuaram essa sensibilidade, empregando sintetizadores e trabalhos de guitarra orientados para o rock.[40]

Funk rock

 Ver artigo principal: Funk rock

O funk rock (também escrito como funk-rock ou funk/rock) funde elementos de funk e rock.[41] Sua primeira encarnação foi ouvida no final dos anos 60 até meados dos anos 70 por músicos como Jimi Hendrix, Frank Zappa, Gary Wright, David Bowie, Mother's Finest e Funkadelic em seus álbuns anteriores.

Muitos instrumentos podem ser incorporados ao funk rock, mas o som geral é definido por um baixo ou batida definitiva e por guitarras elétricas. Os ritmos do baixo e da bateria são influenciados pelo funk, mas com mais intensidade, enquanto o a guitarra pode ser influenciado pelo funk ou rock, geralmente com distorção. Prince, Jesse Johnson, Red Hot Chili Peppers e Fishbone são grandes artistas do funk rock.

Jazz-funk

Jazz-funk é um subgênero do jazz caracterizada por um forte back beat (groove), sons eletrificados[42] e uma prevalência precoce de sintetizadores analógicos. A integração de estilos e músicas de funk, soul e R&B ao jazz resultou na criação de um gênero cujo espectro é bastante amplo e varia de forte improvisação de jazz a soul, funk ou disco com arranjos de jazz, riffs de jazz e solos de jazz, e às vezes vocais de soul.[43] O jazz-funk é principalmente um gênero americano, onde foi popular nos anos 70 e no início dos anos 80, mas também alcançou um apelo notável no circuito de clubes da Inglaterra em meados dos anos 70. Gêneros semelhantes incluem soul jazz e fusão de jazz, mas nenhum se sobrepõe inteiramente ao jazz-funk. Notavelmente, o jazz-funk é menos vocal, mais arranjado e apresenta mais improvisação do que o soul jazz, e mantém uma forte sensação de groove e R&B versus parte da produção de fusão de jazz.


Avant-Funk

 Ver artigo principal: Avant-funk

O termo "avant-funk" tem sido usado para descrever artistas que combinavam o funk com as preocupações do art rock. Simon Frith descreveu o estilo como uma aplicação da mentalidade do rock progressivo ao ritmo, em vez de melodia e harmonia. Simon Reynolds caracterizou o avant-funk como uma espécie de psicodelia na qual "o esquecimento deveria ser alcançado não através da elevação acima do corpo, mas através da imersão no físico, a auto-perda pelo animalismo".[44]

 
O Talking Heads combinou funk com elementos do pós-punk e art rock.

Artistas nesse gênero incluem a banda alemã de krautrock Can,[45] artistas americanos de funk Sly Stone e George Clinton, e uma onda de artistas pós-punk do início dos anos 80 no Reino Unido e nos Estados Unidos (incluindo Public Image Ltd., Talking Heads, Pop Group, Cabaret Voltaire, DAF, A Certain Ratio e 23 Skidoo)[46] que adotaram estilos de dance music negra, como disco e funk.[47] Os artistas do final da década de 1970 em Nova York sem cenas de ondas também exploraram o avant-funk, influenciado por figuras como Ornette Coleman. Reynolds observou as preocupações desses artistas com questões como alienação, repressão e tecnocracia da modernidade ocidental.[44]

Go-go

 Ver artigo principal: Go-go

O go-go se originou na área de Washington, D.C. à qual permanece associado, juntamente com outros pontos no Meio do Atlântico. Inspirado por cantores como Chuck Brown, o "Padrinho do Go-go", é uma mistura de funk, rhythm and blues, e início do hip hop, com foco em instrumentos de percussão lo-fi e interferência pessoal no lugar de faixas de dança. Como tal, é principalmente uma dance music com ênfase na chamada e resposta da platéia ao vivo. Os ritmos go-go também são incorporados à percussão de rua.

Boogie

 Ver artigo principal: Boogie (gênero)

Boogie (ou electro-funk) é uma música eletrônica influenciada principalmente pelo funk e pós-disco. A abordagem minimalista do boogie, composta por sintetizadores e teclados, ajudou a estabelecer o electro e a house music. Boogie, ao contrário do electro, enfatiza as técnicas de slap do baixo, mas também os sintetizadores de baixo. Os artistas incluem Vicky "D", Komiko, Peech Boys, Kashif e mais tarde Evelyn King.

Electro-funk

 Ver artigo principal: Electro

Electro funk é um híbrido de música eletrônica e funk. Ele essencialmente segue a mesma forma que o funk e mantém as características do funk, mas é feito inteiramente (ou parcialmente) com o uso de instrumentos eletrônicos como o TR-808. Vocoders ou talkboxes foram comumente implementados para transformar os vocais. A pioneira banda de electro Zapp costumava usar esses instrumentos em sua música. Outros artistas incluem Herbie Hancock, Afrika Bambaataa, Egyptian Lover, Vaughan Mason & Crew, Midnight Star e Cybotron.

Funk metal

 Ver artigo principal: Funk metal

O funk metal (às vezes tipicamente diferenciado, como o funk-metal) é um gênero musical de fusão que surgiu na década de 1980, como parte do movimento metal alternativo. Ele normalmente incorpora elementos de funk e heavy metal (geralmente thrash metal) e, em alguns casos, outros estilos, como punk e música experimental. Apresenta riffs de guitarra de heavy metal, ritmos característicos do funk e, às vezes, rimas no estilo hip-hop em uma abordagem de rock alternativo à composição. Um exemplo principal é a banda de rock afro-americana Living Colour, que a Rolling Stone disse ser "pioneira do funk-metal". Durante o final da década de 1980[48] e o início da década de 1990, o estilo predominou na Califórnia - principalmente em Los Angeles e São Francisco.[49][50]

G-Funk

 Ver artigo principal: G-Funk

G-funk é um gênero de música de fusão que combina gangsta rap e funk. Considera-se geralmente que foi inventado pelos rappers da Costa Oeste e ficou famoso pelo Dr. Dre. Ele incorpora sintetizadores melódicos e multicamadas, sulcos hipnóticos lentos, um baixo profundo, vocais femininos de fundo, o amplo uso de samples de músicas do P-Funk e um sintetizador de onda de portamento agudo. Diferente de outros artistas anteriores de rap que também utilizavam samples de funk (como EPMD e o Bomb Squad), o G-funk costumava usar menos samples inalteradas por canção.

Timba funk

Timba é uma forma de dance music popular cubana. Em 1990, várias bandas cubanas incorporaram elementos de funk e hip-hop em seus arranjos e expandiram a instrumentação do conjunto tradicional com uma bateria americana, saxofones e um formato de dois teclados. Bandas de Timba como La Charanga Habanera ou Bamboleo costumam ter metais ou outros instrumentos tocando partes curtas de canções de Earth, Wind and Fire, Kool and the Gang ou outras bandas de funk dos Estados Unidos. Enquanto muitos motivos de funk exibem uma estrutura baseada em clave, eles são criados intuitivamente, sem a intenção consciente de alinhar as várias partes a um padrão de guia. A Timba incorpora motivos de funk em uma estrutura clave aberta e intencional.

Funk jam

O funk jam é um gênero musical de fusão que surgiu nos anos 90. Ele normalmente incorpora elementos de funk e uma guitarra frequentemente exploratória, além de improvisações estendidas de gênero cruzado; frequentemente incluindo elementos de jazz, ambiente, eletrônica, Americana e hip hop, incluindo letras improvisadas. Phish, Soul Rebels Brass Band, Galactic e Soulive são exemplos de bandas de funk que tocam funk jam.

Samba-funk

 Ver artigos principais: Samba-rock e Samba-funk

Criação atribuída ao pianista Dom Salvador na década de 1960, funde o compasso binário do samba com o quaternário do funk.[51] Artistas como Banda Black Rio, Tim Maia e Jorge Ben Jor, também promoveram a fusão.

Referências

  1. Dicionário escolar da língua portuguesa/Academia Brasileira de Letras. 2ª edição. São Paulo. Companhia Editora Nacional. 2008. p. 614.
  2. a b c Rj Smith (2012). James Brown : sua vida, sua música. [S.l.]: Leya Brasil. 632 páginas. ISBN 9788580445466 
  3. Diretor americano anuncia que vida de James Brown vai virar filme
  4. Vincent, Rickey (1996). Funk: The Music, the People, and the Rhythm of the One. New York: St. Martin's Press. pp. 293–297. ISBN 978-0-312-13499-0.
  5. What is the real meaning of funky
  6. Merriam-Webster, Inc, The Merriam-Webster New Book of Word Histories (Merriam-Webster, 1991), ISBN 0877796033, p. 175.
  7. Who Started Funk Music Arquivado em 9 de outubro de 2009, no Wayback Machine., Real Music Forum
  8. Obituario de Earl Palmer en The Guardian
  9. Rickey Vincent (2014). Funk: The Music, The People, and The Rhythm of The One. [S.l.]: St. Martin's Griffin. 69 páginas. 9781466884526 
  10. Miles Davis
  11. Os ensinamentos de Buda e Miles no jazz de Herbie Hancock
  12. Frank Hoffmann (2005). Rhythm and Blues, Rap, and Hip-hop. [S.l.]: Infobase Publishing. 134 páginas. 9780816069804 
  13. Medeiros, Janaína. Funk carioca: crime ou cultura?: o som dá medo e prazer. Coleção Repórter especial. Editora Terceiro Nome, 2006. ISBN 8587556746, 9788587556745
  14. Nelson George, The Death of Rhythm & Blues (New York: Pantheon Books, 1988), 101
  15. Little Richard Biography
  16. Jim Payne (2010). The Great Drummers of R and B Funk and Soul. [S.l.]: Mel Bay Publications. 9781609745820 
  17. Slutsky, Allan, Chuck Silverman (1997). The Funkmasters-the Great James Brown Rhythm Sections. ISBN 1-57623-443-6
  18. «James Brown». arquivo.pt (em inglês). 29 de janeiro de 2002. Consultado em 25 de outubro de 2019 
  19. André Barcinski (17 de agosto de 2015). «Sly and the Family Stone: a máquina do som». R7 
  20. Amauri Stamboroski Jr. e Lígia Nogueira (14 de agosto de 2009). «G1 lista 10 artistas essenciais para entender Woodstock». Portal G1 
  21. Zeca Azevedo (7 de Junho de 2006). «Isley Brothers, a primeira família do soul». Rock Press. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2016 
  22. Alfred "Pee Wee" Ellis citado por Stewart, Alexander, "Funky Drummer: New Orleans, James Brown and the Rhythmic Transformation of American Popular Music", Popular Music, v. 19, n. 3, outubro de 2000. p. 293, "Funky Drummer: New Orleans, James Brown and the Rhythmic Transformation of American Popular Music", Popular Music, v. 19, n. 3, outubro de 2000. p. 303.
  23. Stewart, Alexander. Funky Drummer: New Orleans, James Brown and the Rhythmic Transformation of American Popular Music", Popular Music, v. 19, n. 3, October 2000. p. 306
  24. Listas - Os 100 maiores guitarristas de todos os tempos - Jimi Hendrix Revista Rolling Stone
  25. Mark Anthony Neal (2013). What the Music Said: Black Popular Music and Black Public Culture. [S.l.]: Routledge. 113 páginas. 9781135204624 
  26. Sly & The Family Stone: confira os 40 Anos da Família
  27. George Clinton builds fun empire
  28. a b c «Ritmo Quente - Get Up! - Parte 2». Editora Escala. Raça Brasil (140). 2010 
  29. Campbell, Michael (2008). Popular Music in America: The Beat Goes On. Cengage Learning, 2008. p. 300. ISBN 0495505307.
  30. Craig Hansen Werner. University of Michigan Press, ed. A change is gonna come: music, race & the soul of America. 2006. [S.l.: s.n.] 210 páginas. ISBN 9780472031474 
  31. Motta, Nelson. Vale Tudo - O Som e a Fúria de Tim Maia Editora Objetiva, 2007. ISBN 9788539000807
  32. a b Brian Hiatt (28 de dezembro de 2014). «Entrevista: Dentro da nave-mãe com George Clinton». Rolling Stone 
  33. A origem do Afrobeat Revista Raça Brasil
  34. «O padrinho do hip-hop». Editora Escala. Raça Brasil (182). 2013 
  35. Ex-baterista de James Brown, um dos mais sampleados do mundo, busca reconhecimento
  36. João Gabriel de Lima (2 de Outubro de 1991). «A Volta do Papa do pop». Editora Abril. Revista Veja (1202): 94 e 95 
  37. Dana Ayres (2014). The Historical Seeds and Worldwide Dissemination of House Music. [S.l.]: Lulu.com. 28 páginas. 9781312537408 
  38. Conheça o solo de bateria que já foi usado 'em 1,5 mil músicas'
  39. Presence and pleasure: the funk grooves of James Brown and Parliament, p.4
  40. Scott, Derek B. (2009). The Ashgate Research Companion to Popular Musicology (em inglês). [S.l.]: Ashgate Publishing, Ltd. p. 275. ISBN 9780754664765 
  41. Vincent, Rickey (2004). "Hip-Hop and Black Noise:Raising Hell". That's the Joint!: The Hip-hop Studies Reader. pp. 489–490. ISBN 0-415-96919-0.
  42. «Top Jazz-Funk Artists, Albums, Tracks and Videos on Rhapsody Online». web.archive.org. 29 de setembro de 2007. Consultado em 25 de outubro de 2019 
  43. «Jazz Music Genre Overview». AllMusic (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2019 
  44. a b Reynolds, Simon. «ReynoldsRetro» (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2019 
  45. Reynolds, Simon. «ReynoldsRetro» (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2019 
  46. Reynolds, Simon (1 de março de 2012). Energy Flash: A Journey Through Rave Music and Dance Culture (em inglês). [S.l.]: Soft Skull Press. pp. 20, 202. ISBN 9781593764777 
  47. Reynolds, Simon (17 de fevereiro de 2006). Rip It Up and Start Again: Postpunk 1978-1984 (em inglês). [S.l.]: Penguin. ISBN 9781101201053 
  48. «Living Colour: Collideoscope : Music Reviews : Rolling Stone». web.archive.org. 12 de abril de 2009. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  49. Potter, Valerie (julgo de 1991). "Primus: Nice and Cheesy". Hot Metal. Sydney, Australia. 29.
  50. Darzin, Daina; Spencer, Lauren (janeiro de 1991). "The Thrash-Funk scene proudly presents Primus". Spin. 6 (10): 39.
  51. Medeiros, Janaína (2006). Funk carioca: crime ou cultura? : o som dá medo e prazer. [S.l.]: Editoras Albatroz, Loqüi e Terceiro Nome. ISBN 9788587556745 

Ligações externas

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Funk