Fernando Garcia de Hita

Senhor de Hita, Uceda, Guadalajara, e Medinaceli e o ascendente da Casa de Castro

Fernão Garcia de Hita (c.1065 — antes de 1135). Foi senhor de Hita, Uceda, Guadalajara, e Medinaceli e o ascendente da Casa de Castro.[1]

Fernando Garcia de Hita
Senhor de Hita, Guadalajara, Medinaceli, e Uceda
Cônjuges ● Trigida Fernandes
● Estefânia Ermengol
Morte Antes de 1135
Pai Garcia Ordonhes
Mãe Urraca Garcês de Pamplona

Origens familiaresEditar

Sua filiação foi debatida entre os historiadores e genealogistas de todos os tempos. Alguns argumentam que era filho natural do rei Garcia da Galiza,[2] embora nunca ele se chama a si mesmo filius regis na documentação. De acordo com Jaime de Salazar y Acha, Fernando foi o filho do conde Garcia Ordonhez e a infanta Urraca Garcés, filha legítima do rei Garcia Sanchez III de Pamplona e a rainha Estefanía de Foix, o que confirmaria a ascendência da casa real pamplonesa que a maioria dos historiadores atribuem à Casa de Castro. O autor apresenta vários argumentos a favor desta filiação, incluindo uma citação do cronista muçulmano Ibn Abu Zar em seu Rawd al-Qirtas: "o emir Ibn al Zand Mazdali Garsis sabia que Ibn al Zand Garsis (filho do conde Garcia) senhor de Guadalajara cerco Medinaceli e foi dirigido contra ele" e evidência-se na documentaçao que Fernando Garcia era o senhor daquela cidade entre 1107 e 1110.[3]

Outro argumento que justifica esta filiação é o fato de que ele tinha um irmão que seria filho ilegítimo, Fernando Garcia chamado "o Menor" que aparece na documentação com o apelido de "Pellica", que parece significar "bastardo", derivado de "pellicatus", isto é, do adultério.[a] De acordo com Salazar e Acha, na dinastia pamplonesa era um hábito típico de colocar a dois irmãos, um bastardo e um legítimo, o mesmo nome, que ainda sustenta sua hipótese sobre a paternidade de Fernando Garcia de Hita[b]

Casamento e descendenciaEditar

 
Porta árabe em Medinaceli, uma das tenências de Fernando Garcia de Hita

Fernando García de Hita casou pela primeira vez com Trigida Fernandez[1] (morta depois de 1096), data em que ambos fizeram uma doação ao Mosteiro de Sahagún, filha do conde Fernão Gonçalves e Trigida Guterres, filha de Guterre Afonso, conde em Grajal de Campos. Desta união nasceram:

Fernando contraiu um segundo casamento cerca de 1110[6][c] com Estefânia Ermengol, também chamada Estefânia de Urgell, filha do conde Ermengol V de Urgell e a condessa Maria Peres, filha de Pedro Ansúrez.[7][d]

A medievalista Margarita Torres sugere que Fernando também poderia ser o pai de um Fernão Fernandes que foi alcaide de Hita.[13]

NotasEditar

[a] ^ Em 1121 no Mosteiro de Santo Domingo de Silos, Ferrant Garciet de Fita confirmou uma doação da rainhaUrraca e depois confirma Garciet Ferrant , frater eius.
[b] ^ Salazar y Acha menciona vários casos, por exemplo, dois filhos do rei Sancho Garcês III de Pamplona, Ramiro e o futuroRamiro I de Aragão, como età registrado em 1020 no Mosteiro de San Millán de la Cogolla, doc. 171, Garsea regulus confirmans, Ranimirus frater eius confirmans, Ranimirus alius frater eius confirmans; dois filhos de Garcia Sanchez III de Pamplona o legítimo Sancho Garcês IV de Pamplona e seu irmão, Sancho Garcês, senhor deUncastillo e Sangüesa; dois filhos de Sancho Garcês IV de Pamplona chamados Garcia; e, finalmente, dois filhos de Ramiro I de Aragão, seu filho legítimo Sancho I de Aragão e Sancho Ramirez.
[c] ^ A 12 novembro 1119, Fernando na carta de arras a sua esposa, declara tibi uxori mee Estefania Ermengoz, comitis Ermegodis filie.
[d] ^ Estafânia depois de enviuvar, casou-se novamente com o conde Rodrigo Gonçalez de Lara.
[e] ^ O Conde Rodrigo Martinez, filho do conde Martín Flaínez, a 21 de novembro de 1129 da carta de arras a sua esposa UrracaFernandi Garcie et infantisse domine Steppahnie filie.
[f] ^ Em 1139, seu irmão Pedro doou sua propriedade em Villamayor ao Mosteiro de San Vicente, exceto a parte que deixou a seu irmão Garci Fernandez.

Referências

BibliografiaEditar

  • Canal Sánchez-Pagín, José María (1984). «Don Pedro Fernández, primer maestre de la Orden Militar de Santiago: Su familia, su vida». Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, CSIC: Institución Milá y Fontanals. Departamento de Estudios Medievales. Anuario de Estudios Medievales (em espanhol). 14: 33-72. ISSN 0066-5061 
  • Salazar y Acha, Jaime de (1991). «El linaje castellano de Castro en el siglo XII: Consideraciones e hipótesis sobre su origen». Anales de la Real Academia Matritense de Heráldica (em espanhol) (1): 33-68. ISSN 1133-1240 
  • Torres Sevilla-Quiñones de León, Margarita Cecilia (1999). Linajes nobiliarios de León y Castilla: Siglos IX-XIII (em espanhol). Salamanca: Junta de Castilla y León, Consejería de educación y cultura. ISBN 84-7846-781-5 
  • Ubieto Arteta, Antonio (1976). Cartulario de San Millán de la Cogolla (759-1076) (em espanhol). Zaragoza: Anubar Ediciones. ISBN 84-7013-082-X