Forever Amber

filme de 1947 dirigido por Otto Preminger e John M. Stahl
Forever Amber
Amber Eterna[1] (PRT)
Entre o Amor e o Pecado[2] (BRA)
 Estados Unidos
1947 •  technicolor •  138 min 
Direção Otto Preminger
John M. Stahl (não creditado)
Produção William Perlberg
Roteiro Philip Dunne
Ring Lardner Jr.
Elenco Linda Darnell
Cornel Wilde
Richard Greene
George Sanders
Gênero drama
romance
Música David Raksin
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

Forever Amber (br Entre o Amor e o Pecado / pt Amber Eterna) é um filme de drama romântico e histórico estadunidense de 1947, dirigido por Otto Preminger e John M. Stahl (não creditado) para a 20th Century Fox.[3] O roteiro de Jerome Cady, Philip Dunne e Ring Lardner Jr. adapta o livro homônimo de Kathleen Winsor.

Otto Preminger substituiu como diretor a John M. Stahl após 39 dias de filmagens e 300.000,00 dólares gastos na produção. O orçamento original era de 4 e meio milhões de dólares.[4]

O Código Hays havia condenado o romance, mas a menos de um mês da publicação os direitos para cinema foram comprados pela 20th Century Fox.[5]

Em 1947, Linda Darnell ganhou o papel após a estrela original anunciada com bastante antecedência, a novata Peggy Cummins, ter se revelado muito inexperiente para aquele protagonismo. A personagem Amber no livro era assim chamada por causa da cor âmbar dos olhos mas no cinema os cabelos de Darnell foram pintados para ter essa cor. A publicidade da época comparou Forever Amber com Gone with the Wind. A pesquisa para encontrar a atriz que interpretasse Amber, uma beleza que fez fortuna na Inglaterra do século XVII usando os homens, seguiu o extensivo processo que havia culminado com a escolha de Vivien Leigh para o papel de Scarlett O'Hara.

A trilha sonora do filme, de autoria de David Raksin, foi indicada ao Óscar de "Melhor Trilha Sonora".[6]

ElencoEditar

SinopseEditar

A história começa em 1644, durante a Guerra Civil Inglesa, quando uma bebê, chamada Amber, é abandonada por nobres desconhecidos que fugiam de cavaleiros revoltosos e é encontrada por um casal de fazendeiros puritanos. A seguir, há um salto para 1660, quando Oliver Cromwell falecera e a monarquia é restabelecida com a subida ao trono do Rei Charles II. Amber já está crescida e se nega a se casar com um granjeiro como queriam seus pais adotivos e decide fugir para Londres quando conhece o garboso cavaleiro Bruce Carlton que estava de passagem. Ele se nega a levá-la mas Amber insiste e vai ao encontro dele numa hospedaria em Londres. Os dois iniciam um romance mas Carlton não gosta da Corte e consegue que o rei o mande para o mar como corsário, onde irá permanecer por bastante tempo. Amber fica sozinha e se descobre grávida, e inicia uma vida de dificuldades, sendo enganada e indo para a prisão de Newgate, onde consegue escapar com a ajuda do salteador Black Jack Mallet. Amber vai se envolvendo com vários homens inclusive com o próprio Rei, mas sempre anseia pelas voltas de Carlton, tentando a cada vez convencê-lo a ficar com ela e com o filho, também chamado Bruce.

  A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. Amber Eterna (em português) no CineCartaz (Portugal)
  2. Entre o Amor e o Pecado no CinePlayers (Brasil)
  3. Guttridge, Peter (29 de maio de 2003), «Obituary: Kathleen Winsor: Author of the racy bestseller 'Forever Amber'», The Independent (Londres, Inglaterra): 20 
  4. 'Forever Amber' or 'Crime Doesn't Pay': In the Hollywood version the moral lesson will be underscored; Amber will suffer for her sins. By Frank S. Nugent. New York Times (1923-Atual) [New York, N.Y] 04 de agosto de 1946: 93
  5. Bernstein, Adam (1 de junho de 2003), «Kathleen Winsor, 83, 'Forever Amber' author», The Seattle Times: A29 
  6. «The 20th Academy Awards (1948) Nominees and Winners». oscars.org. Consultado em 18 de agosto de 2011. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.