Forte da Baguia

Forte da Baguia foi um forte Português construído na cidade de Baguia, Baucau,Timor-Leste, durante o governo de José Celestino da Silva (1894 – 1908).[1]

O forte após a renovação

O forte foi construído com um muro de duas camadas, sendo uma externa e a outra interna que o envolve no formato de um retângulo no qual existem três edifícios ao todo. Nos cantos da parede há duas torres e entre elas uma abertura.[2] Envolvendo a parede interna há mais um muro de defesa, que utiliza a encosta como proteção adicional e também uma ponte sobre um fosso na sua frente.

HistóriaEditar

Durante a rebelião de Viqueque, no início de junho de 1959, os insurgentes tentaram tomar o forte.eles contavam com pelo menos cem rebeldes, no entanto, foram repelidos por soldados profissionais, que contavam com um uso mais efetivo dos equipamentos bélicos e também tinham uma metralhadora como aliada.[3] Esta tentativa fracassada de tomar o forte resultou em destruição de grande parte do forte.

O forte foi reinaugurado em 2014, na sua cerimonia de reinauguração contou com a presença de políticos e cidadãos ilustres dentre eles Manuel Gonçalves de Jesus (Embaixador português) Dra. Maria Isabel de Jesus Ximenes (Ministra do turismo) e Dr. António Guterres (Presidente do Município de Baucau), Atualmente o forte funcionam como um albergue.

Links externosEditar

ReferênciasEditar

  1. «Presença do Embaixador de Portugal em Díli na Cerimónia de Inauguração do Forte de Baguia». Embaixada de Portugal em Timor-Leste. Consultado em 19 de julho de 2019 
  2. «Mark O'Shea - The Official Website». www.markoshea.info. Consultado em 19 de julho de 2019 
  3. Gunter, Janet (2007). «Communal Conflict in Viqueque and the 'Charged' History of '59». The Asia Pacific Journal of Anthropology (em inglês). 8 (1): 27–41. ISSN 1444-2213. doi:10.1080/14442210601177977 
  Este artigo sobre Timor-Leste é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre um hotel é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.