Abrir menu principal


Forte de São João da Barra
Face sul do Forte de São João, visto da Ilha de Cabanas.jpg
Face sul do Forte de São João, visto da Ilha de Cabanas
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção várias personalidades, ver #História. (1672)
Estilo Fortaleza costeira com quatro baluartes em planta quadrada.
Conservação bom
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL 43.073 Série I, nº 162 de 1960-07-14)
Aberto ao público Não
Site IHRU, SIPA2910
Site IGESPAR72859

O Forte de São João da Barra, também designado por Forte de São João Baptista e Forte da Conceição, localiza-se para leste da localidade de Cabanas de Tavira, numa pequena colina subjacente à Ria Formosa.

Índice

HistóriaEditar

AntecedentesEditar

Os terrenos onde foi erigido o forte pertenciam às terras da Gomeira e o local onde mais tarde o forte foi erguido pensa-se que serviram de assento à Torre da Raposa, uma torre de menagem mourisca semelhante à Torre de Aires e que serviam de atalaia para vigia da costa, da qual apenas se conhece a sua existência por autores do século XVI[1][2].

Construção do forteEditar

Remonta ao contexto da Guerra da Restauração da Independência Portuguesa, erguido por iniciativa de Nuno de Mendonça, 2º conde de Vale de Reis, enquanto Governador das Armas do Reino do Algarve em 1656. Foi ampliado em 1670, estando esses trabalhos concluídos em 1672. Supõe-se que o engenheiro militar francês Pedro de Santa Colomba esteve envolvido nos seus planos de arquitectura, o que aconteceu com outros fortes próximos. O italiano João Vanicelli, mestre de campo dos exércitos do Algarve, também foi apontado entre os arquitectos.[3] Mateus do Couto é outro nome também referenciado[4].

Após a construçãoEditar

 
Planta do Forte de São João da Barra (1784), da autoria do engº militar José Sande de Vasconcelos

Danificado pelo terramoto de 1755, foi remodelado em 1793,[5] no reinado de Maria I de Portugal.

Durante a 1ª invasão francesa de 1808, o forte foi tomado[6] pelo capitão Sebastião Martins Mestre, com o auxílio de populares, tendo em vista o auxílio de uma rebelião que se adivinhava no Algarve contra o jugo francês, veio a rebentar em Olhão. Martins Mestre ficou depois como governador do forte até 1819, quando se reformou.

Após a Guerra Civil Portuguesa (1828-1834), foi parcialmente desactivado, conservando uma pequena guarnição até 1897.

A primeira Escola Oficial para rapazes da freguesia da Conceição[7] funcionou no forte desde 1857 até 1865, data da conclusão das obras do edifício da actual Escola do 1º Ciclo da Conceição.

Serviu de posto da Guarda fiscal de Cabanas até 1905, quando foi vendido a um particular, a troco do compromisso de construir um novo edifício para o dito posto mais próximo da povoação de Cabanas.[3]

Classificado como Imóvel de Interesse Público,[8] actualmente constitui-se num empreendimento turístico [9].

CaracterísticasEditar

 
Vista de Sul do Forte de São João da Barra

Apresenta planta quadrangular, em forma de estrela, com quatro baluartes em cada, com rampas de acesso a cada um. Possuía os aposentos do governador, capela dedicada a São João Baptista (os dois edifícios visíveis da face sul), aposentos da guarnição, estrebarias e armazém, para além de um poço.

ArtesEditar

O forte foi utilizado na rodagem do filme À Flor do Mar (1986) , realizado por João César Monteiro .

Lápides na entradaEditar

 
Frontaria superior da entrada do forte

A entrada apresenta duas lápides, uma referente à sua construção original, concluída em 1672 e a segunda referente à sua reedificação em 1793. A primeira inscrição diz:

SENDO REGENTE DOS REINOS E SENHORIOS DE PORTUGAL O SERENÍSSIMO PRÍNCIPE DOM PEDRO O CONDE DE VALE DE REIS DOS CONSELHOS DE ESTADO E GUERRA CAPITÃO GERAL DESTE REINO ACHANDO ESTE SÍTIO CAPAZ MANDOU FAZER ESTA FORTALEZA DE PEDRA E CAL ESTANDO DESENHADA JÁ DE TERRA E FAXINA REINANDO O SENHOR REI DOM JOÃO O IV DA GLORIOSA MEMÓRIA NO ANO DE 1656 O MESMO CONDE DE VALE DE REIS MANDOU FAZER A PONTE DA CIDADE DE TAVIRA E GOVERNANDO ESTA FORTALEZA O SARGENTO MAIOR DOMINGOS DE CARPIÃO CASTANHEDA SE LHE ENCARREGOU A ADMINISTRAÇÃO DESTA OBRA A QUAL FEZ DAR PRINCÍPIO EM 19 DE DEZEMBRO DO ANO DE 1670.

Algumas individualidades patentes nesta inscrição:

A segunda inscrição refere:

FOI REEDIFICADA ESTA FORTALEZA POR SEU TERCEIRO NETO NUNO JOSÉ FULGÊNCIO DE MENDONÇA E MOURA CONDE DE VALE DE REIS GOVERNADOR E CAPITÃO GERAL DO DITO REINO GENTIL HOMEM DA CÂMARA DO PRÍNCIPE NOSSO SENHOR E DEPUTADO DA JUNTA DESTE REINANDO DONA MARIA I SENDO INSPECTOR DELA O DOUTOR JOSÉ CAETANO DE ANDRADE CASTRO ANO DE 1793.

Governadores do ForteEditar

Foi possível apenas apurar por enquanto os seguintes nomes:

Galeria de representaçõesEditar


BibliografiaEditar

Notas

  1. Sarrão, Henrique Fernandes (1600). História do Reino do Algarve. [S.l.: s.n.] 
  2. Vaz, Adérito Fernandes (2006). O BRASÃO DOS VAZ E DOS VELHO E A LIGAÇÃO AOS CORTE REAIS NA HISTÓRIA DA CONCEIÇÃO DE TAVIRA. Tavira: próprio autor. 35 páginas 
  3. a b Anica, Arnaldo Casimiro (2011). Monografia da Freguesia de Cabanas de Tavira. Tavira: Junta de Freguesia das Cabanas de Tavira 
  4. Santana, Daniel; Maia, Manuel; Maia, Maria; Cavaco, Sandra (2005). Património Arquitectónico Militar de Tavira. Tavira: Câmara Municipal de Tavira. pp. 29–31 
  5. «Mappa da configuração de todas as praças fortalezas e baterias do reyno do Algarve, [1788] - Biblioteca Nacional Digital». purl.pt. Consultado em 29 de setembro de 2017 
  6. «Declaração dos feitos de Sebastião Martins Mestre pelo Conde de Castro Marim». www.olhaocubista.pt. 1808. Consultado em 27 de dezembro de 2018 
  7. Anica, Arnaldo Casimiro (2008). Monografia da Freguesia de Conceição de Tavira. Tavira: Junta de Freguesia de Conceição 
  8. Instituto Português do Património Arquitectónico
  9. Mestre, Victor; Aleixo, Sofia (2005). «Turismo de Natureza no Forte de S. João» 
  10. Consoante consta na inscrição na primeira lápide que encima a entrada do forte.
  11. Cabreira, António Tomás (1940). Cinco heróis da restauração / António Cabreira, Conde de Lagos. Lisboa: Tipografia Inglesa 
  12. «Ofício do tenente-coronel Caetano Pereira de Araújo e Sousa, governador da fortaleza de São João da Barra de Tavira, para Luís Pinto de Sousa Coutinho, secretário de Estado dos Negócios da Guerra, acerca da entrada no porto de Faro do encarregado dos Negócios de Espanha, vindo de Buenos Aires.». arqhist.exercito.pt. Consultado em 24 de agosto de 2018 
  13. Aparece um "governador" Caetano Pereira no registo de Baptismo da sua filha Maria Hipólita na Freguesia da Conceição a 13 de Agosto de 1794. Ficheiro da imagem aqui [1]
  14. Chagas, Ofir (2004). Tavira - Memórias de Uma cidade. Tavira: edição de autor 
  15. «Correspondência do tenente-general José António da Rosa, comandante geral da Artilharia, para o visconde de Juromenha, da Secretaria Militar, sobre justiça, abastecimentos, armamento e bestas muares, entre outros.». arqhist.exercito.pt. Consultado em 27 de dezembro de 2018 

Ligações externasEditar