Abrir menu principal

Forte de Santo António de Tavira

(Redirecionado de Forte do Rato)
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.


Forte de Santo António de Tavira
Forte de Santo António de Tavira, Portugal
Tipo Fortaleza
Início da construção Século XVI
Restauro (alterações significativas)
Proprietário inicial Reino de Portugal
Função inicial Militar
Proprietário atual Estado Português
Função atual Cultural
Património Nacional
Classificação  Monumento de Interesse Público
Data ?
DGPC ?
Geografia
País Portugal Portugal
Cidade Tavira


O Forte de Santo Antônio de Tavira, também conhecido como Forte do Rato ou Forte da Ilha das Lebres, localiza-se a Leste do sítio das Quatro Águas, na foz do rio Gilão, junto à barra da cidade de Tavira, no Distrito de Faro, em Portugal.

HistóriaEditar

Foi mandado edificar de raiz na segunda metade do século XVI, no reinado de D. Sebastião (1568-1578) de forma a proteger a entrada da barra e, simultaneamente, a cidade de Tavira. Esta construção não se veio a mostrar de grande utilidade uma vez que, ainda durante a sua construção, verificaram-se alterações na linha de costa e, consequentemente, na entrada da barra, a qual se desloca, progressivamente para Levante, retirando eficiência defensiva àquela infraestrutura.

Encontrava-se em construção quando da visita do rei D. Sebastião (1568-1578) aquela cidade, no ano de 1573. Foi colocado sob a invocação de Santo António.

Notícia de 1577 dá conta de que a barra natural do rio Gilão localizava-se defronte à Fortaleza de Santo António.

No contexto da Guerra da Restauração da Independência, a sua estrutura foi remodelada, passando a complementar a defesa da Forte de São João da Barra de Tavira, no sítio da Gomeira, iniciada em 1672. Uma notícia de 1717, dá conta de que a barra natural do rio já se encontrava defronte ao sítio da Gomeira e, portanto, da nova fortificação.

Em 1792, numa relação do armamento existente neste forte, aponta-se que ele estava guarnecido por nove homens e artilhado com duas peças, estando uma sem apetrechos.

Em 1821, esta edificação encontrava-se guarnecida apenas por três homens, sem artilharia, com a porta bastante danificada e o armanezamento de pólvora em estado de abandono.

A fortaleza esteve ativa até 1840, quando, perdida a sua função militar, foi abandonada por ordem do Governador da Província do Algarve, brigadeiro Francisco de Paula Vieira da Silva Tovar, 1º visconde de Molelos.

Encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto 8/83, publicado em 24 de Janeiro de 1983. Desde a década de 1980 foram-lhe promovidas intervenções de consolidação e recuperação, nomeadamente no Portão de Armas e nos panos de muralha, além de limpeza e sinalização do espaço interno.

CaracterísticasEditar

 
Forte de Santo António de Tavira, Portugal.

O forte apresenta planta poligonal abaluartada. Em seu interior erguem-se os Quartéis da Tropa e o Paiol, e abre-se o poço.

Ligações externasEditar