Abrir menu principal

Wikipédia β

Francisca Lampel

Madre Francisca Lampel, nome de batismo Antônia Maria Lampel, (Fürstenfeld, Império Austríaco, 28 de agosto de 180727 de Maio de 1851) foi a fundadora da Congregação das Irmãs Franciscanas da Imaculada Conceição.[1]

Francisca Lampel
Nome completo Antônia Maria Lampel
Nascimento 28 de agosto de 1807
Fürstenfeld
Flag of the Habsburg Monarchy.svg Império Austríaco
Morte 27 de maio de 1851 (43 anos)
Nacionalidade austríaca
Ocupação madre

Índice

BiografiaEditar

Era a segunda filha do casal Antônio Lampel e Antônia Kellner. Ainda muito jovem, perdeu a mãe, por ocasião do nascimento de seu irmão José, em 1815. O pai se viu sozinho com oito filhos para cuidar. Após dois anos da morte de sua esposa, casou-se com a jovem Josefa Müllner, com quem teve mais três filhos.

Em 1821, seu pai veio a falecer, vítima de tuberculose, deixando Josefa e mais onze filhos. A jovem mãe resolveu permanecer em Fürstenfeld.

Todos os filhos de Antônio Lampel tiveram uma excelente educação. Além das matérias básicas de um bom ensino, aprenderam ainda línguas estrangeiras (francês e italiano), música, pintura, culinária e bordados (para as moças).

Passado alguns anos, Antônia e suas irmãs Amália e Philipina, juntamente com seu irmão Heriberto vão para Graz. As moças empregam-se na Escola Particular de Ana Engel, na rua Neuthorgasse. Heriberto, por sua vez, foi trabalhar numa tipografia, em Jungferngasse.

Com a morte de Ana Engel, Amália assume a direção da escola. Com a ajuda das demais professoras, as irmãs Lampel conseguiram levar a notável nível o ensino da escola. Mais tarde, todo o corpo docente passa a fazer parte da Ordem Terceira de São Francisco de Assis. Elas, embora provenientes de uma classe social mais privilegiada, põem-se a serviço das pessoas mais necessitadas. Com isso, puderam abrigar na escola, também, as meninas pobres. Muitas vezes o número de alunas que estudavam gratuitamente superava as demais.

Durante a Era Josefinista, todos os núcleos religiosos foram dissolvidos, com exceção de alguns grupos franciscanos.

Quando Dom Roman Sebastian Zängerle, assume a Diocese de Seckau, a encontra em má situação, pois o espírito josefinista fez com que a vida cristã do povo entrasse em decadência. Porém, não desanimou. Começou a reanimar o espírito religioso nas pequenas comunidades. Convidou vários religiosos para ajudá-lo neste empreendimento.

Pondo-se à procura de pessoas que quisessem ajudá-lo no revigoramento espiritual, social e material do povo, encontrou as professoras da Ordem Terceira de São Francisco. Amália, juntamente com todo o grupo, aceitou ajudar Dom Zängerle. Mas, para tanto, era necessário ir para Munique e lá se preparar para assumir um novo Instituto Religioso.

Em 1840, Amália e outra companheira seguem viagem para Munique, com a finalidade de ingressar no Instituto das Irmãs de Notre-Dame e ali se preparem na Vida Religiosa. Contudo, ambas adoecem, precisando regressar a Graz, onde falecem.

Com a morte da sua irmã carnal, Antônia assume a Direção da Escola. Ela era muito querida pelos pais e pelas crianças, gozando da confiança das autoridades escolares.

Em setembro de 1841, dirigiu-se ao referido bispo Dom Zängerle, com o pedido de fundar um Instituto Religioso. Em 29 de setembro de 1843, Roma aprovou o Estatuto da nova Comunidade, que passou a chamar-se "Instituto das Irmãs das Escolas da III Ordem de São Francisco em Graz".[2]

Antonia Maria Lampel recebeu o nome de Irmã Francisca, sendo então escolhida como madre-superiora da comunidade recém fundada.

Madre Francisca Lampel morreu, no dia 27 de Maio de 1851, com 43 anos.

AtitudeEditar

"A mola de toda a atividade foi para ela o Amor incondicional. Era o amor a Deus que a impulsionava a doar todas as suas energias às crianças e à juventude. O amor a impelia a buscar sempre maior união com Deus. Tal atitude ela ensinara às jovens companheiras, julgando-a indispensável para uma Irmã de sua Congregação. A pedagogia de Madre Francisca é simples: Tornar-se pequena e humilde para que Deus nos possa tomar em suas mãos onipotentes como instrumentos na educação das crianças."(Ir. Amábilis Solar)

Congregação no BrasilEditar

Em 19 de março de 1922, Madre Joana Batista Minks e suas companheiras, chegam da Áustria e fundam em Piracicaba a primeira casa das Irmãs das Escolas (hoje com o nome de Congregação das Irmãs Franciscanas da Imaculada Conceição), no Brasil.

Referências

Ligações externasEditar