Abrir menu principal

Francisco Sousa Tavares

político português
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Francisco de Sousa Tavares
Francisco de Sousa Tavares
Ministro(a) de Portugal Portugal
Período IX Governo Constitucional
  • Ministro da Qualidade de Vida
Dados pessoais
Nascimento 12 de junho de 1920
Morte 25 de maio de 1993

Francisco José Carneiro de Sousa Tavares (Lisboa, 12 de junho de 1920 — Lisboa, 25 de maio de 1993) foi um reconhecido advogado, jornalista e político português.

BiografiaEditar

Francisco Sousa Tavares nasceu na freguesia da Lapa, em Lisboa no dia 12 de junho de 1920, sendo filho de Francisco de Sousa Tavares e de Maria Adelina Bello e Carneiro.

Foi afilhado de Berta de Castro e Maia, mulher do militar José Carlos da Maia[1].

Licenciou-se em Direito na Faculdade de Direito de Lisboa, onde conheceu aos 23 anos a futura esposa, a poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen. Casaram-se a 27 de novembro de 1946, na Igreja de Lordelo do Douro[2]. Foi pai do jornaleiro e escritor Miguel Sousa Tavares.

Devido à sua personalidade e escritos truculentos, no meio jornalístico tinha a alcunha de "Tareco".

Monárquico democrata, foi ativo resistente antissalazarista participando na Comissão Eleitoral de Unidade Democrática, e defendeu a causa real de D. Maria Pia de Saxe-Coburgo Gotha e Bragança[3].

A partir da revolução de 25 de Abril de 1974 foi também deputado pelo Partido Socialista e pelo Partido Social Democrata.

Em 1983, ocupou o cargo de ministro da Qualidade de Vida no IX Governo Constitucional (do Bloco Central), chefiado por Mário Soares. Em consequência de um escândalo relacionado com ilícitos cambiais, Sousa Tavares é acusado pelo Ministério Público no processo que ficou conhecido como caso DOPA (Dragagens e Obras Públicas), por tráfico de divisas através da empresa com o mesmo nome. A suspeita de exportação de capitais tinha surgido por ser advogado de um ex-rei da Roménia, que lhe pagou em cheque. A lei, posteriormente considerada errónea, acabaria por ser alterada em 1993 e o ex-ministro absolvido.

A 24 de setembro de 1983, foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem da Liberdade. A 10 de junho de 1990, foi elevado a Grã-Cruz da mesma Ordem.[4]

Funções governamentais exercidasEditar

Referências

  1. Esteves, João; Castro, Zília Osório de (2013). Feminae, Dicionário Contemporâneo. Lisboa: Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género. ISBN 978-972-597-372-1 
  2. Revista E N.º 2429 (18 de maio de 2019). O princípio de Sophia, pág. 30.
  3. TAVARES, Francisco de Sousa; O caso de Maria Pia de Bragança (13 de maio de 1983), in Escritos Políticos I, Porto, Mário Figuerinhas, 1996, pp. 246–251.
  4. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Francisco de Sousa Tavares". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 8 de julho de 2019 
Precedido por
António Capucho
Ministro da Qualidade de Vida
IX Governo Constitucional
1984 – 1985
Sucedido por
Cargo abolido
(último titular)
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.