Franz Mehring

Franz Erdmann Mehring (Schlawe, 27 de fevereiro de 1846 – Berlim, 28 de janeiro de 1919) foi um jornalista e historiador comunista alemão e revolucionário socialista. No início de sua atividade, simpatizou com posições democrático-burguesas, depois liberais, até voltar-se na década de 1880 para o marxismo e o partido que a ele se associava, o Partido Social-Democrata da Alemanha. No início do século XX, distancia-se desse partido e da social-democracia, que aderiram à Primeira Guerra Mundial e que cada vez mais tornava-se revisionista e, durante a Revolução Alemã de 1918-1919, torna-se um dos líderes da Liga Espartaquista revolucionária junto a Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo.

Franz Mehring

Mehring é também autor de uma biografia de Karl Marx considerada clássica, Karl Marx: A História da Sua Vida de 1918.

BiografiaEditar

Primeiros anosEditar

Mehring nasceu em 27 de fevereiro de 1846 em Sławno, Pomerânia, filho de uma família burguesa.[1]

Atividade políticaEditar

Mehring trabalhou para vários jornais diários e semanais e, ao longo de muitos anos, escreveu artigos importantes para a revista semanal Die Neue Zeit, que era a revista teórica oficial do Partido Social-Democrata da Alemanha, tendo recebido colaborações do próprio Marx e de Friedrich Engels na primeira geração.

 
Placa memorial em Beymestrasse 7, Berlin-Steglitz.

Em 1868, Mehring mudou-se para Berlim para estudar e trabalhar na redação do jornal Die Zukunft.

De 1871 a 1874, Mehring trabalhou para o Escritório de Correspondência em Oldenburg, escrevendo relatórios sobre as sessões do Reichstag e do parlamento local. Ele se tornou um repórter parlamentar conhecido, trabalhando para os jornais Frankfurter Zeitung e Die Waage, este último publicado por Leopold Sonnemann (1831–1909).

Mehring deixa o Die Waage após uma discussão com Sonnemann e em 1884 torna-se editor-chefe do jornal liberal Berlin Volks-Zeitung. Manifesta-se contra a lei de Otto von Bismarck que proíbia o socialismo, mesmo sendo filho da burguesia. Em 1891, Mehring ingressa no SPD (Partido Social-Democrata da Alemanha).

Em 1893, Mehring recebeu uma carta de Friedrich Engels em seus anos finais, na qual este escreveu pela primeira vez o termo falsa consciência.[2]

Entre 1902 e 1907, Mehring foi o editor-chefe do jornal social-democrata Leipziger Volkszeitung.[1]

De 1906 a 1911, Mehring ensinou na escola do partido do SPD e foi membro do parlamento prussiano de 1917 a 1918.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Mehring começou a se distanciar do SPD, junto com outros membros que acreditavam que o partido estava abandonando sua Agenda Socialista ao aprovar um projeto de lei para enviar mais tropas para a guerra. A luta pela paz contra a guerra imperialista e o revisionismo crescente do Partido Social-Democrata da Alemanha o fizeram se distanciar cada vez mais do partido. Em 1916, a Liga Spartaquista revolucionária marxista de esquerda foi fundada e Mehring torna-se um de seus principais líderes ao lado de Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo.[1]

Em 1917, simpatiza com a Revolução de Outubro e com a tomada do poder pelos bolcheviques.[1]

Mehring escreveu uma análise marxista das ações do rei guerreiro sueco Gustavus Adolphus, rejeitando a explicação oficial da Guerra dos Trinta Anos como tendo sido enraizada na religião, argumentando que os interesses econômicos e sociais de várias classes foram os verdadeiros incentivos para a ação.

Depois de "longos e irritantes atrasos devido à censura militar" (de acordo com o tradutor inglês Edward Fitzgerald, edição dos EUA de 1935[3]), Karl Marx: A História de Sua Vida foi publicado em 1918. Biografia clássica de Marx,[3] foi dedicado à camarada espartaquista Clara Zetkin. O livro foi posteriormente traduzido para vários idiomas, incluindo russo (1920), sueco (1921–1922), dinamarquês (1922), húngaro (1925), japonês (1930), espanhol (1932), inglês (1935)[4] e português brasileiro (2013).[5]

Últimos anos e morteEditar

 
Túmulo.

Já com a saúde debilitada, Mehring foi profundamente afetado pelo assassinato de seus camaradas Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht em janeiro de 1919.[1] Ele morreu pouco menos de duas semanas depois, em 28 de janeiro de 1919, em Berlim, aos 73 anos.

Os papéis de Mehring residem no Centro Russo para Preservação e Pesquisa de Documentos Históricos Modernos (RCChIDNI) em Moscou.[6] Este material também está disponível para uso por estudiosos em três rolos de microfilme, com permissão exigida pelo centro antes que extratos extensos possam ser publicados.

HomenagensEditar

 
Monumento a Franz Mehring por Heinrich Apel na Praça Franz Mehring em Berlim-Friedrichshain.

Mehringdamm, Mehringplatz e a Força Aérea e Defesa Aérea do Exército Popular Nacional, localizada em Kamenz, foram nomeados em sua homenagem.

Referências

  1. a b c d e Pierre Broué, The German Revolution, 1917–1923 (1971). John Archer, trad. (2006). Chicago: Haymarket Books. p. 977.
  2. Friedrich Engels, "Carta para F. Mehring". Karl Marx e Friedrich Engels: Obras selecionadas em dois volumes, Volume II, Moscou: Editora de Línguas Estrangeiras, 1949, p. 451. A ideologia é um processo realizado pelo dito pensador com consciência, é verdade, mas com falsa consciência. As verdadeiras forças motivadoras que o impelem permanecem desconhecidas para ele; caso contrário, simplesmente não seria um processo ideológico."
  3. a b David McLellan, Karl Marx: A Biography, London: Papermac, 1995, p. 444. ISBN 0-333-63947-2.
  4. WorldCat Search. Acesso: 21/02/2021.
  5. Anouch Neves de Oliveira Kurkdjian e Bruna Della Torre de Carvalho Lima, Karl Marx – A história de sua vida.
  6. Franz Mehring Papers no Instituto Internacional de História Social. Ver linha "Location of Originals" na aba "Content and Context".