Friedrich Engels

Cientista social alemão , autor, teórico político e filósofo

Friedrich Engels (pronúncia em alemão: [ˈfʁiːdʁɪç ˈʔɛŋl̩s];[1][2] Barmen, 28 de novembro de 1820 — Londres, 5 de agosto de 1895) foi um empresário industrial[3][4] e teórico revolucionário prussiano, nascido na atual Alemanha, que junto com Karl Marx fundou o chamado socialismo científico ou marxismo. Seu pai era dono de uma grande indústria têxtil em Salford, Inglaterra.

Friedrich Engels
Nome completo Friedrich Engels
Nascimento 28 de novembro de 1820
Barmen, Renânia, Reino da Prússia (hoje Wuppertal, Renânia do Norte-Vestfália,  Alemanha)
Morte 5 de agosto de 1895 (74 anos)
Londres, Inglaterra, Reino Unido
Nacionalidade prussiano
Progenitores Mãe: Elisabeth Franziska Mauritia von Haar (1797-1873)
Pai: Friedrich Sr. (1796-1860)
Cônjuge Mary Burns (1861-1863)
Lizzie Burns (1867-1878)
Ocupação Filósofo
Escola/tradição Marxismo (cofundador, junto com Marx)
Principais interesses Filosofia política, Política, Economia, Luta de Classes, Evolucionismo
Ideias notáveis Dialética da natureza, materialismo histórico, mais-valia, ideologia, alienação, luta de classes
Assinatura
Friedrich Engels Signature.svg

Foi coautor de diversas obras com Marx, sendo que a mais conhecida é o Manifesto Comunista.[5] Também ajudou a publicar, após a morte de Marx, os dois últimos volumes de O Capital, principal obra de seu amigo e colaborador.[6] Engels também organizou as notas de Marx em Teorias sobre a Mais-Valia, que depois publicou como o "quarto volume" de O Capital.[7]

Grande companheiro de Karl Marx, escreveu livros de profunda análise social. Entre dezembro de 1847 a janeiro de 1848, junto com Marx, escreve o Manifesto do Partido Comunista, onde faz uma breve apresentação de uma nova concepção de história, afirmando que:

Engels morreu em Londres, em 5 de agosto de 1895, aos 74 anos de idade e após a cremação suas cinzas foram jogadas em Beachy Head, Eastbourne.

BiografiaEditar

Nasceu em 28 de novembro de 1820 e morreu em 5 de agosto de 1895. Era o mais velho de nove filhos de um rico industrial de Barmen (Alemanha).[5] Principal colaborador de Karl Marx, Engels desempenhou papel de destaque na elaboração da teoria comunista, a partir do materialismo histórico e dialético.

Em 1842, Engels de 22 anos de idade foi enviado por seus pais para Manchester, Inglaterra, para trabalhar para o Ermen e Engels Victoria Mill em Weaste que fazia linhas de costura.[8][9][10] Assume por alguns anos a direção de uma das fábricas e então, fica impressionado com a miséria em que vivem os trabalhadores das fábricas de sua família. Fruto dessa indignação, Engels desenvolve um detalhado estudo sobre a situação da classe operária na Inglaterra, que se torna a base de uma de suas obras principais: A Situação da Classe Trabalhadora na Inglaterra, publicada em 1845.[11]

Depois de uma estadia produtiva na Grã-Bretanha, Engels decidiu voltar para a Alemanha em 1844. No caminho, parou em Paris para atender Karl Marx, com quem teve uma correspondência anterior.[6] Marx estava morando em Paris desde o final de outubro 1843 na sequência da proibição da Gazeta Renana pelas autoridades prussianas governamentais em março de 1843.[12]

Muitos de seus trabalhos posteriores são produzidos em colaboração com Marx, o mais famoso deles é o Manifesto Comunista (1848). Escreveu sozinho, porém, algumas das obras mais importantes para o desenvolvimento do marxismo, como Ludwig Feuerbach e o Fim da Filosofia Clássica Alemã, Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico e A origem da família, da propriedade privada e do Estado.[6]

Engels acreditava que o cristianismo seria a religião dos pobres e oprimidos e chegou a estabelecer um paralelo entre o cristianismo primitivo e o socialismo de sua época. No seu estudo sobre a guerra dos camponeses na Alemanha, identifica Thomas Munzer, teólogo e líder dos camponeses revolucionários heréticos do século XVI, como alguém que lutou pelo estabelecimento imediato e concreto do "Reino de Deus", o reino milenarista dos profetas. Segundo Engels, o "Reino de Deus" seria para Munzer uma sociedade sem diferenças de classe e sem propriedade privada. Desse modo, Engels revelou o potencial contestatário da religião e abriu o caminho para uma nova abordagem das relações entre religião e sociedade.[13]

Engels morreu de câncer na garganta em Londres, 1895.[14] Após a cremação no Crematório Woking, suas cinzas foram espalhadas em Beachy Head, perto de Eastbourne como tinha pedido.[14][15][16]

Obras principaisEditar

A Sagrada Família (1844)Editar

 
Capa da primeira edição de A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado de Engels, publicada pela primeira vez em 1884.

A Sagrada Família é um livro escrito por Marx e Engels em novembro de 1844. O livro é uma crítica sobre os jovens hegelianos e sua tendência de pensamento que era muito popular nos círculos acadêmicos da época. O título foi uma sugestão do editor e a intenção era ser uma referência sarcástica aos irmãos Bauer e seus apoiadores.[17]

O livro criou uma controvérsia com grande parte da imprensa e levou Bruno Bauer a tentar refutar o livro em um artigo publicado na revista Vierteljahrsschrift em 1845. Bauer afirmou que Marx e Engels entenderam mal o que ele estava tentando dizer. Marx também discutiu o argumento no capítulo 2 de A Ideologia Alemã.[17]

A Situação da Classe Trabalhadora na Inglaterra (1845)Editar

A Situação da Classe Trabalhadora na Inglaterra é uma descrição detalhada e uma análise das péssimas condições da classe trabalhadora na Grã-Bretanha durante a estada de Engels em Manchester e Salford. O trabalho também contém pensamentos importantes sobre a situação do socialismo e seu desenvolvimento. Foi considerado um clássico em sua época. O trabalho inicialmente causou pouco impacto na Inglaterra, pois não foi traduzido até o final do século XIX. No entanto, foi muito influente com os historiadores da industrialização britânica ao longo do século XX. [18] O livro foi publicado em inglês em 1887.

Revolução de Herr Eugen Dühring na Ciência (1878)Editar

É uma crítica detalhada das posições filosóficas de Eugen Dühring, um filósofo alemão e crítico do marxismo. Enquanto respondia a Dühring, Engels analisa os recentes avanços na ciência e na matemática, buscando demonstrar a maneira pela qual os conceitos de dialética se aplicam aos fenômenos naturais. Muitas dessas ideias foram desenvolvidas posteriormente no trabalho inacabado, Dialética da Natureza. Três capítulos do Anti-Dühring foram posteriormente editados e publicados sob o título separado de Socialismo: Utópico e Científico.

Socialismo: utópico e científico (1880)Editar

Foi um trabalho apresentado como uma peça extremamente popular.[19] Engels critica os socialistas utópicos, como Fourier e Owen, e fornece uma explicação do quadro socialista para compreender o capitalismo, e um esboço da progressão do desenvolvimento social e econômico da perspectiva do materialismo histórico.

Dialética da natureza (1883)Editar

Dialética da Natureza (em alemão: "Dialektik der Natur") é uma obra inacabada de Engels de 1883 que aplica as ideias marxistas - particularmente as do materialismo dialético - à ciência. Foi publicado pela primeira vez na URSS em 1925.[20]

A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado (1884)Editar

A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado é uma obra que conecta o capitalismo com o que Engels afirma ser uma instituição em constante mudança - a família. Foi escrita quando Engels tinha 64 anos de idade. Ela contém uma visão histórica da família em relação a questões de classe, subjugação feminina e propriedade privada.


Todas as obrasEditar

 
Friedrich Engels em selo da União Soviética, 1970

Ver tambémEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Citações no Wikiquote
  Textos originais no Wikisource
  Imagens e media no Commons

Referências

  1. "Engels". Random House Webster's Unabridged Dictionary.
  2. Merriam-Webster, Engels. 
  3. «Friedrich Engels - Biografia». Consultado em 16 de agosto de 2018 
  4. Theodore M. Brown. «Friedrich Engels: Businessman and Revolutionary» (em inglês). Consultado em 16 de agosto de 2018 
  5. a b c UOL Educação. «Friedrich Engels - Biografia». Consultado em 3 de setembro de 2012 
  6. a b c Eduardo de Freitas. «Friedrich Engels». R7. Brasil Escola. Consultado em 3 de setembro de 2012 
  7. Theories of Surplus Value, in Collected Works of Marx and Englels: Volumes 30, 31 and 32 (International Publishers: New York, 1988).
  8. Marxists.org. «Biography on Engels» (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2012 
  9. BBC Legacies. «Engels in Manchester - Article Page 1» (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2012 
  10. Salford Star issue 6 Winter 2007. «International people's superstar and woman of mystery» (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2012 
  11. GODOY, Paulo - UNESP (2008). «A SITUAÇÃO DA CLASSE TRABALHADORA NA INGLATERRA» (PDF). Consultado em 3 de setembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 24 de fevereiro de 2014 
  12. P. N. Fedoseyev, Karl Marx: A Biography (Progress Publishers: Moscow, 1973) pp. 41-42 & 49.
  13. Marxismo e religião: ópio do povo? Arquivado em 5 de maio de 2016, no Wayback Machine., acesso em 07 de abril de 2016
  14. a b Marxists.org. «Letters: Marx-Engels Correspondence 1895» (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2012 
  15. Who Lies Where - A guide to famous graves (em inglês). Londres: Fourth Estate Limited. 1998. 156 páginas. ISBN 1-85702-258-0 
  16. Friedrich Engels (em inglês) no Find a Grave
  17. a b «The Holy Family by Marx and Engels» 
  18. «The 'industrial revolution': interpretations from 1830 to the present» 
  19. Engels, Friedrich. «Introduction». Socialism: Utopian and Scientific. Col: Marx/Engels Selected Works. 3. [S.l.: s.n.]  Cited in Carver, Terrell. Engels: A Very Short Introduction. [S.l.: s.n.]  and Thomas, Paul (1991), «Critical Reception: Marx then and now», in: Carver, Terrell, The Cambridge Companion to Marx, Cambridge University Press 
  20. «1883-Dialectics of Nature-Index». marxists.anu.edu.au 
  21. O Papel do Trabalho na Transformação do Macaco em Homem
  22. Mundo do Socialismo. «A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado - 4a. Edição Revisada» (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2012. Arquivado do original em 10 de junho de 2012 

BibliografiaEditar

  • Engels, Friedrich (1888). Ludwig Feuerbach and the End of Classical German Philosophy (em inglês). Londres: [s.n.] 
  • Carlton, Grace (1965), Friedrich Engels: The Shadow Prophet. London: Pall Mall Press
  • Carver, Terrell. (1989). Friedrich Engels: His Life and Thought. London: Macmillan
  • Green, John (2008), Engels: A Revolutionary Life, London: Artery Publications. ISBN 0-9558228-0-7
  • Henderson, W. O. (1976), The life of Friedrich Engels, London : Cass, 1976. ISBN 0-7146-4002-6
  • Hunt, Tristram (2009), The Frock-Coated Communist: The Revolutionary Life of Friedrich Engels, London: Allen Lane. ISBN 978-0-7139-9852-8
  • Mayer, Gustav (1936), Friedrich Engels: A Biography (1934; trans. 1936)

Leitura complementarEditar