Frederica Carlota da Prússia

aristocrata alemã

Frederica Carlota Ulrica Catarina da Prússia (em alemão: Friederike Charlotte Ulrike Katharina; Berlim, 7 de maio de 1767 – Oatlands, 6 de agosto de 1820), foi a única filha do rei Frederico Guilherme II da Prússia e da sua primeira esposa e prima direita, a duquesa Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel. Tornou-se depois duquesa de Iorque e de Albany após o seu casamento com o príncipe Frederico, filho do rei Jorge III do Reino Unido.

Frederica
Princesa da Prússia
Duquesa de Iorque e Albany
Retrato por William Beechey, 1797.
Nascimento 7 de maio de 1767
  Palácio de Charlottenburg, Berlim, Prússia
Morte 6 de agosto de 1820 (53 anos)
  Oatlands, Surrey, Inglaterra
Sepultado em 13 de agosto de 1820
Igreja de St. James,
Weybridge, Inglaterra
Nome completo  
Frederica Carlota Ulrica Catarina
Marido Frederico, Duque de Iorque e Albany
Casa Hohenzollern (por nascimento)
Hanôver (por casamento)
Pai Frederico Guilherme II da Prússia
Mãe Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel

JuventudeEditar

Nascida em Charlottenburg em 7 de maio de 1767, Frederica Carlota era a filha mais velha do futuro Frederico Guilherme II da Prússia e a única filha de sua primeira esposa e prima, Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel.

Na época de seu nascimento, seu tio-avô Frederico, o Grande, que não tinha filhos, estava no trono da Prússia. Seu pai era sobrinho do rei e seu herdeiro presuntivo, sua mãe também era sobrinha do rei. O casamento de seus pais foi extremamente infeliz devido às infidelidades mútuas. Após vários casos com músicos e oficiais, a mãe de Frederica engravidou em 1769. Então ela planejou fugir da Prússia com seu amante, mas foi traída e capturada, causando um escândalo público. Depois que o divórcio foi concedido rapidamente, Isabel Cristina foi colocada em prisão domiciliar no castelo em Estetino, onde permaneceu pelos próximos setenta e um anos até sua morte em 1840.

Frederica Carlota tinha dois anos na época que sua mãe caiu em desgraça e nunca mais a viu. Frederico, o Grande, teria sentido compaixão por Frederica Carlota, e confiou a menina aos cuidados de sua esposa. Frederico declarou: "Resta apenas esta pobre criança, e ela não pode encontrar asilo salve com você; deixe a pequena ficar com os apartamentos recentemente ocupados por minha sobrinha da Holanda."[1] Frederica Carlota teve uma infância feliz com a rainha, que não tinha filhos. A rainha adorou sua sobrinha neta e filha adotiva, e ela manteve correspondência com sua mãe adotiva por toda a vida.

CasamentoEditar

 
O Casamento do Duque e da Duquesa de Iorque
Sir Henry Singleton, 1791. No Instituto de Artes de Minneapolis

No dia 29 de setembro de 1791, Frederica casou-se no Palácio de Charlottenburg com o príncipe Frederico, duque de Iorque e Albany, segundo filho do rei Jorge III do Reino Unido. Houve um segundo casamento no Palácio de Buckingham no dia 23 de novembro. A nova duquesa de Iorque foi muito bem recebida em Londres, mas o casamento não foi feliz. O casal não demorou a separar-se e a duquesa retirou-se para Oatlands Park, em Weybridge onde viveu de forma excêntrica e morreu em 1820. A relação entre o casal foi amigável depois da separação, mas nunca houve uma reconciliação. Não tiveram filhos.

O casamento entre Frederica Carlota e o príncipe Frederico, Duque de Iorque e Albany, foi arranjado afim de fornecer herdeiros ao trono britânico, já que o Príncipe de Gales estava secretamente casado na época e seu casamento era complicado. Consta que o Príncipe de Gales, que na época, embora não legalmente, estava casado com Maria Fitzherbert, considerou desnecessário o irmão contrair um casamento dinástico, porque como o filho mais velho e casado com uma princesa poderia fornecer um herdeiro ao trono em seu lugar.[2] Frederica Carlota fora escolhida a pedido de Frederico, o Grande, que permitiu que Jorge III lesse uma carta de Frederica Carlota mostrando sua natureza gentil e afetuosa, antecipando com sucesso que isso tocaria Jorge III e o faria pedir para ela se casar com seu filho.[1]

Após o casamento, sua futura sogra, a rainha Carlota escreveu à rainha-consorte de Frederico: "Se alguma coisa pudesse aumentar minha satisfação com a escolha de meu filho, seria o vivo interesse que Vossa Majestade tem pelo destino desta princesa e asseguro-lhe que uma princesa criada sob sua vista, e a quem você presta tão alto testemunho, encontrará em mim não apenas uma mãe, mas uma amiga; e espero que, ao obter a amizade da princesa, eu também ganhará uma parte na sua, o que seria de grande valor para mim."[1] A rainha manteve sua palavra, enquanto Frederica Carlota escrevia para sua mãe adotiva sobre como foi bem tratada por sua sogra e como se sentiu bem-vinda na Inglaterra, onde uma vez permaneceu por horas na Câmara dos Comuns, tão interessada nos discursos políticos que as horas pareciam minutos.[1]

 
Os sapatinhos da Duquesa - caricatura de James Gillray. A gravura mostra os pés e tornozelos do Duque e da Duquesa de Iorque em uma posição obviamente copulatória.

O casamento, entretanto, não foi feliz e, depois de três anos, ficou claro que o duque e a duquesa de Iorque não teriam filho.[2] Junto com o fato de que o parlamento tornaria possível o pagamento de suas dívidas caso ele se casasse oficialmente, foi também o fato de que em 1794 já não se esperava que a duquesa de Iorque tivesse filhos que levou o príncipe de Gales a concordar para emitir suas próprias negociações de casamento.[2] Frederica Carlota e Frederico se separaram e a duquesa se retirou para Oatlands Park, Weybridge, onde ela viveu excentricamente até sua morte. O relacionamento deles após a separação parece ter sido amigável, mas nunca houve qualquer tentativa de reconciliação.

Foi descrita como sendo "inteligente e bem-informada; gosta da sociedade e detesta toda a formalidade e cerimónia, mas entre todas as suas conversas, mantém sempre uma certa dignidade na postura", e "provavelmente nunca houve nenhuma pessoa na sua situação que fosse tão adorada." [3] Em 1827 foi chamada de "uma mulherzinha inofensiva, mas excêntrica, que tem um gosto extraordinário por cães e gatos, alguns indícios da rigorosa etiqueta familiar alemã, que dão à sua casa um certo ar a Potsdam e apenas uma pequena parte daquelas características que poderiam interessar a um jovem marido, um soldado e um príncipe." [4] Diz-se que em Oatlands terão ocorrido sessões de jogo com grandes apostas. Frederica tinha muitos cães e gostava muito de macacos.[5] O seu sogro disse uma vez: "Deve existir afecto por alguma coisa e quando não se tem filhos, os animais são essa coisa." Diz-se que a sua morte afectou muito o seu marido que fez todos os possíveis para que o seu testamento fosse cumprido.[6]

MorteEditar

Frederica Carlota morreu, em 6 de agosto de 1820, em Oatlands Park, Weybridge, Surrey, Inglaterra e foi homenageada com um monumento, erguido pelo povo de Weybridge, que fica em Monument Green, Weybridge.

AncestraisEditar

Referências

  1. a b c d Atkinson, Emma Willsher: Memoirs of the queens of Prussia, London : W. Kent
  2. a b c Mary Beacock Fryer, Arthur Bousfield & Garry Toffoli: Lives of the Princesses of Wales (1984)
  3. Memoirs, ed. Reeve, vol. i, pp. 6 ,35
  4. Blackwood's Edinburgh Mag. for Feb. 1827
  5. Cf. Greville, op. cit., vol. i, p. 6.
  6. Hist. MSS. Com. Bathurst MSS., pp .485-6
  7. Frederic Guillaume Birnstiel, ed. (1768). Genealogie ascendante jusqu'au quatrieme degre inclusivement de tous les Rois et Princes de maisons souveraines de l'Europe actuellement vivans (em francês). Bourdeaux: [s.n.] p. 18 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Frederica Carlota da Prússia
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.