Furacão Beryl

furacão de categoria 5 no Atlântico em 2024
 Nota: Para o furacão de 2018, veja Furacão Beryl (2018). Para outros significados, veja Tempestade tropical Beryl.

Furacão Beryl é um ciclone tropical enfraquecido atualmente no interior do Texas. Beryl é a segunda tempestade nomeada, o primeiro furacão e o primeiro grande furacão da temporada de furacões no Atlântico de 2024. É também o furacão de categoria 5 no Atlântico mais precoce já registrado em qualquer ano civil.[1]

Furacão Beryl em 2 de julho de 2024 no Mar do Caribe

Depois de formar em 28 de junho na principal região de desenvolvimento, começou a intensificar-se rapidamente à medida que se deslocava para oeste através do Atlântico tropical central. Em 1.º de julho, Beryl chegou à ilha de Carriacou, em Granada, como um furacão de categoria 4, causando grandes danos. O furacão intensificou-se ainda mais ao entrar no Mar do Caribe, atingindo o máximo de categoria 5 na manhã seguinte, antes de enfraquecer lentamente para um furacão de categoria 2 de alta qualidade em 4 de julho. Em seguida, intensificou-se brevemente para uma categoria 3 antes de enfraquecer ligeiramente pouco antes de atingir o sudeste do México. Então, depois de cruzar a Península de Iucatã, onde enfraqueceu para uma tempestade tropical, o sistema deslocou-se para o Golfo do México, onde gradualmente reorganizou-se num furacão de categoria 1 em 8 de julho, pouco antes de atingir a costa final perto de Matagorda, Texas, com ventos sustentados de 130 quilômetros por hora.

Beryl causou danos catastróficos nas ilhas de Carriacou e Petite Martinique, no norte de Granada, e em várias ilhas do sul de São Vicente e Granadinas, como Union Island e Canouan, onde muitas estruturas foram danificadas ou destruídas. Na Venezuela, três pessoas foram mortas e várias estão desaparecidas. A partir de 8 de julho, um total de 14 mortes foram confirmadas e as estimativas preliminares de danos são superiores a 5 bilhões de dólares.[2][3][4]

Beryl é o furacão mais oriental a se formar no Atlântico tropical em junho – 49,3°W, superando a marca estabelecida pelo furacão Trinidad de 1933 – 58,9°W.[5][6] Além disso, tornou-se o primeiro furacão categoria 4 já registrado na bacia, superando o recorde anterior estabelecido em 8 de julho de 2005 pelo furacão Dennis,[5][7] além de ser o furacão mais forte formado em junho medido pela velocidade do vento, superando o furacão Audrey de 1957.[8][9] Mais tarde, tornou-se o primeiro furacão categoria 5 já registrado, superando o recorde estabelecido em 16 de julho de 2005 pelo furacão Emily, além de se tornar o furacão de julho mais forte já registrado pela velocidade do vento[7][10][11] e a maior tempestade de geração de energia ciclônica acumulada antes de agosto.[12] Beryl também se tornou o primeiro sistema tropical registado a sofrer uma rápida intensificação na Principal Região de Desenvolvimento do Atlântico durante o mês de junho.[5][7] Além disso, intensificou-se de tempestade tropical para furacão de categoria 5 em apenas 42 horas. Sabe-se que seis outras tempestades no Atlântico atingiram esta taxa de intensificação, sendo Beryl a única a fazê-lo antes de setembro.[5][13]

Referências

  1. Jeansonne, Eric; Williams, Wesley; Colby, Aaron; Graham, Taylor (25 de junho de 2024). «Category five Hurricane Beryl becomes strongest July hurricane on record» (em inglês). Biloxi, Mississippi: WLOX. Consultado em 2 de julho de 2024. Arquivado do original em 2 de julho de 2024 
  2. McLeod, Sheri-kae (5 de julho de 2024). «Hurricane Beryl's death toll in Jamaica climbs to three» (News article). CNW. Carribean National Weekly. Consultado em 6 de julho de 2024. Cópia arquivada em 6 de julho de 2024. These incidents bring Beryl’s total confirmed fatalities to at least 12. 
  3. Brinkmann, Heather (7 de julho de 2024). «At least 2 dead as Beryl pummels Texas with 90 mph gusts, leaving over 2 million without power». FOX Weather (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2024 
  4. «Beryl Rakes Mexico's Yucatan With High Winds and Heavy Rain». Bloomberg.com (em inglês). 5 de julho de 2024. Consultado em 5 de julho de 2024. Cópia arquivada em 5 de julho de 2024 
  5. a b c d Henson, Bob; Masters, Jeff (30 de junho de 2024). «Category 4 Beryl on collision course with Windward Islands». New Haven, Connecticut: Yale Climate Connections. Consultado em 30 de junho de 2024. Arquivado do original em 30 de junho de 2024 
  6. Coto, Dánica (29 de junho de 2024). «Beryl strengthens into a hurricane in the Atlantic, forecast to become a major storm». apnews.com. Associated Press. Consultado em 29 de junho de 2024. Arquivado do original em 29 de junho de 2024 
  7. a b c Thompson, Andrea (1 de julho de 2024). «Hurricane Beryl's Unprecedented Intensification Is an "Omen" for the Rest of the Season». Scientific American. Consultado em 1 de julho de 2024. Arquivado do original em 1 de julho de 2024 
  8. Wulfeck, Andrew (30 de junho de 2024). «Beryl makes history by becoming strongest hurricane to form in June». FOX Weather. Consultado em 30 de junho de 2024. Arquivado do original em 2 de julho de 2024 
  9. Roeloffs, Mary Whitfill (30 de junho de 2024). «Hurricane Beryl Rapidly Intensifies Into Category 4: Here's The Latest Forecast». Forbes (em inglês). Consultado em 30 de junho de 2024. Arquivado do original em 30 de junho de 2024 
  10. Keeges, Jonathan (1 de julho de 2024). «Hurricane Beryl strengthens into a category 5 storm, earliest on record». Orlando, Florida: WKMG-TV. Consultado em 1 de julho de 2024. Arquivado do original em 2 de julho de 2024 
  11. Jeansonne, Eric; Williams, Wesley; Colby, Aaron; Graham, Taylor (25 de junho de 2024). «Category five Hurricane Beryl becomes strongest July hurricane on record» (em inglês). Biloxi, Mississippi: WLOX. Consultado em 2 de julho de 2024. Arquivado do original em 2 de julho de 2024 
  12. Henson, Bob; Masters, Jeff (7 de julho de 2024). «Beryl regains steam en route to Texas coast». New Haven, Connecticut: Yale Climate Connections. Consultado em 7 de julho de 2024 
  13. Schleifstein, Mark (6 de julho de 2024). «Hurricane Beryl's rapid strengthening is 'rewriting the history books in all the wrong ways'». nola.com. Consultado em 7 de julho de 2024 
  Este artigo sobre ciclones tropicais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.