Abrir menu principal

Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra

(Redirecionado de GEFAC)
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra (GEFAC) foi fundado como Organismo Autónomo da Associação Académica de Coimbra em 1966. O GEFAC tem propósito de recolher, analisar e interpretar as manifestações culturais, individuais e colectivas, das populações rurais nas suas diversas vertentes: cantares, música instrumental, danças, teatro, usos e costumes.

Desde a sua fundação, actividade do grupo tem-se assim desdobrado em diversas vertentes, das quais se destacam a recolha e pesquisa, a formação e divulgação e a concepção de espectáculos originais.

Actualmente, o GEFAC conta com espectáculos de Tocata e Cantata, Danças e Teatro.

Índice

BiografiaEditar

O Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra foi fundado em 1966.[1]

O trabalho de recolha desenvolvido pelo GEFAC foi um das bases para a orientação tomada pela Brigada Victor Jara, em meados da década de 1970, valorizando e divulgando da música tradicional de proveniência rural.[2]

Em 2011, a peça Bicho Gente e Outros Quebrantos do GEFAC venceu o "Prémio FATAL do Público", patrocinado pelo Instituto Português da Juventude (IPJ), na 12.ª edição do Festival Anual de Teatro Académico de Lisboa (FATAL). Este prémio estava destinado a premiar o espetáculo que obteve a mais alta classificação dos espetadores do festival.[3]

Entre as personalidades que foram membros do GEFAC podemos encontrar nomes como Rui Pato (violista e compositor),[4] Raquel Freire (cineasta), Amadeu Magalhães (multi-instrumentista) [5] ou Nuno Camarneiro (Prémio LeYa de Literatura 2012),[6]

Em 2016, o GEFAC foi distinguido com a "Medalha a Universidade de Lisboa" sendo a forma encontrada pela Universidade de Lisboa para reconhecer o trabalho que o grupo tem desenvolvido nos seus 50 anos na promoção da cultura popular.[7]

Ao longo do meio século de existência do grupo, o GEFAC já apresentou mais de 800 espectáculos musicais e teatrais, quer no País, quer no estrangeiro.

DiscografiaEditar

ParticipaçõesEditar

Referências

  1. «Ficha de Companhia/Grupo : "GEFAC - Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra"». Centro de Estudos de Teatro & Tiago Certal. 16 de Abril de 2013. Consultado em 23 de maio de 2016 
  2. Maria João Lima. «Brigada Victor Jara». Centro Virtual Camões - Instituto Camões. Consultado em 23 de maio de 2016 
  3. Agência Lusa (7 de junho de 2011). «Teatro: Prémio FATAL 2011 para TEUC, da Universidade de Coimbra». SIC Notícias. Consultado em 23 de maio de 2016 
  4. Amparo Carvas. «Pato, Rui de Melo». Centro Virtual Camões - Instituto Camões. Consultado em 23 de maio de 2016 
  5. Nuno Morais (21 de setembro de 2015). «Amadeu Magalhães no "Viva a Música"». Antena 1. Consultado em 23 de maio de 2016 
  6. M.J.C. com agências (17 de dezembro de 2012). «Nuno Camarneiro venceu Prémio LeYa de Literatura». Diário de Notícias. Consultado em 23 de maio de 2016 
  7. Agência Lusa (22 de abril de 2016). «Universidade de Lisboa distingue 50 anos do GEFAC». Diário As Beiras. Consultado em 23 de maio de 2016 
  8. «Catálogo - Detalhes do registo de "Traz os Montes"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de maio de 2016 
  9. «Detalhes do registo de "Novas Vos Trago"». Discogs. Consultado em 23 de maio de 2016 

Ligações externasEditar