Abrir menu principal

Universidade de Lisboa

universidade pública portuguesa com sede na cidade de Lisboa
Universidade de Lisboa
ULisboa
Lema Ad Lucem (Latim)
("Para a Luz")
Fundação 1290 (como Estudo Geral de Lisboa)
1911 (Universidade de Lisboa)
1930 (Universidade Técnica de Lisboa)
2013 (fusão da Universidade Técnica de Lisboa com a Universidade de Lisboa)
Tipo de instituição Pública
Localização Lisboa, Loures, Oeiras, Cascais
Funcionários técnico-administrativos 3.494[1]
Reitor(a) António Cruz Serra
Docentes 3.513[1]
Total de estudantes 47.884[1]
Campus Cidade Universitária, Pólo Universitário da Ajuda,
Cores da escola          Preto e Branco (Universidade; Reitoria)
Orçamento anual 334 milhões (66% do OE) [1]
Página oficial http://www.ulisboa.pt/

A Universidade de Lisboa (ULisboa) MHSE é uma universidade pública portuguesa, com sede na Alameda da Universidade, em Alvalade, Lisboa, detendo vários polos espalhados pela cidade e concelhos limítrofes. Sua história começa no ano de 1290, quando a bula papal reconhece sua existência sob o nome de Estudo Geral de Lisboa.

A atual Universidade de Lisboa, maior universidade do país no que se refere ao número de alunos[2] e orçamento,[3] resulta da fusão da antiga Universidade de Lisboa,[4] criada por decreto de 22 de março de 1911,[5] com a Universidade Técnica de Lisboa, criada por decreto de 2 de dezembro de 1930,[6] passando também a englobar o Estádio Universitário de Lisboa (até então uma estrutura na dependência directa do Ministério da Educação e Ciência).

A fusão foi aprovada pelo Decreto-Lei n.º 266-E/2012, de 31 de dezembro de 2012,[7] tendo sido concretizada com a tomada de posse do primeiro reitor, António Cruz Serra, em 25 de julho de 2013.[8]

Na edição de 2017 do Ranking de Xangai, a instituição ficou classificada no intervalo [151-200], sendo a universidade portuguesa mais bem colocada naquela classificação.[9]

HistóriaEditar

Antecedentes históricosEditar

Em 12 de novembro de 1288, um grupo de clérigos portugueses, entre os quais se contavam o Abade de Alcobaça, os Priores de Santa Cruz de Coimbra e de São Vicente de Lisboa, os reitores das colegiadas de Santa Maria de Guimarães e de Santa Maria da Alcáçova de Santarém, assim como os priores das igrejas de São Leonardo de Atouguia (da Baleia), São Julião, São Nicolau, Santa Iria e Santo Estêvão de Santarém, São Clemente de Loulé, Santa Maria de Faro, Santa Maria e São Miguel de Sintra, Santo Estêvão de Alenquer, Santa Maria, São Miguel e São Pedro de Torres Vedras, Santa Marinha de Gaia, Lourinhã, Vila Viçosa, Azambuja, Sacavém, Estremoz, Beja, Mafra e Mogadouro, solicitava ao Papa Nicolau IV a fundação de um Estudo Geral em Portugal.

A primeira universidade portuguesa viria a ser depois estabelecida em Lisboa, em data compreendida entre 1288 e 1290, quando D. Dinis promulga a carta Scientiae thesaurus mirabili (datada de 1 de Março desse ano), conferindo vários privilégios aos estudantes do Estudo Geral de Lisboa, o que prova que nessa data já estava fundado. Desde logo houve uma participação activa nesta acção educativa pela Coroa portuguesa e do seu rei, através do seu compromisso de parte do subsídio da mesma, como pelas rendas fixas da Igreja.[10]

O Papa Nicolau IV reconhece-a pouco depois, em 9 de Agosto de 1290[11] através da bula “De statu regni Portugaliae”, com as Faculdades de Artes, Direito Canónico (Cânones), Direito Civil (Leis) e Medicina.[12] Nesta primeira fase da sua existência, a universidade localizar-se-ia no Campo da Pedreira, uma zona no arrabalde ocidental da cidade, entre aquilo que é hoje a Rua Garrett e o Convento da Trindade.

Ao longo do século XIV, a universidade portuguesa conheceu uma grande instabilidade, tendo por motivos vários sido transferida, várias vezes, de Lisboa para Coimbra e vice-versa. Assim, em 1308 foi transferida para Coimbra. Em 1328 volta para Lisboa, sendo novamente transferida para Coimbra em 1354. Em 1377 regressa a Lisboa. Finalmente, em 1537, instala-se definitivamente em Coimbra.[13][14]

Durante os 160 anos em que a Universidade se manteve em Lisboa, entre os séculos XIV e XVI, distinguiram-se, entre os seus alunos e professores, importantes nomes da ciência , como Garcia de Orta ou Pedro Nunes vultos das letras, como André de Resende ou Baltasar Limpo, ou homens da administração, como João Fernandes da Silveira, o 1.º Barão de Alvito.

Um dos seus protectores foi o Infante D. Henrique que concedeu-lhe várias casas, em 1431.[15] Aparentemente, as fundações deste novo edifício da universidade encontram-se num local hoje denominado como Pátio dos Quintalinhos, fazendo-se a entrada pelo n.º 3 da Rua da Escolas Gerais, em Alfama, na antiga freguesia de São Tomé, hoje integrada na de São Vicente.[16][17]

Datam dessa época as mais antigas referências a estudos de Astronomia na universidade portuguesa, apoiados na Aritmética e Geometria como ferramentas imprescindíveis para os estudos náuticos.[18]

Na década de 1530, apesar da oposição generalizada dos seus membros, D. João III refundou a Universidade em Coimbra, onde ficaria instalada, durante perto de três séculos, a única universidade pública portuguesa (entre 1559 e 1759, quando os Jesuítas detiveram o monopólio do ensino igualmente na Universidade de Évora).

A refundação das escolas de ensino superior na capitalEditar

Foi a partir do final do século XVIII e, sobretudo, ao longo do século XIX que foram refundadas em Lisboa instituições de ensino superior, embora tivesse que passar um século para serem erigidas em universidade. Assim, em 1759 o Marquês de Pombal criava a Aula do Comércio, a mais antiga antecessora do atual Instituto Superior de Economia e Gestão e, em 1781 era criada a Aula Régia do Desenho e da Figura, primeira antecessora direta das Faculdades de Arquitetura e de Belas-Artes.

Já no século XIX, foram sucessivamente criadas, ainda sob o signo do vintismo a Régia Escola de Cirurgia (1825), instalada no Hospital de São José (a qual estará na origem da Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, criada em 1836 e finalmente da atual Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, fundada em 1911), e a Real Escola Veterinária, já durante o governo D. Miguel (1830), que estará na origem, sucessivamente, do Instituto de Agronomia e Veterinária (1886), da Escola Superior de Medicina Veterinária (1911) e do Instituto Superior de Agronomia (1911).

Após o triunfo definitivo do liberalismo, foram criadas, por decretos de Passos Manuel de 1836, para além da já citada Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa a Academia de Belas Artes de Lisboa, instalada no Convento de São Francisco da Cidade, donde nascerá, mais tarde, a Escola Superior de Belas Artes de Lisboa e as Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa e de Arquitetura. No ano seguinte, era a vez de nascer a Escola Politécnica, instalada no antigo Colégio dos Nobres, antecessora da atual Faculdade de Ciências. Em 1844, durante o governo de Costa Cabral, a Aula do Comércio dá lugar à Escola de Comércio de Lisboa.

Com o início do Fontismo, são fundados o Instituto Industrial de Lisboa (1852), que estará na base do Instituto Superior Técnico e, por carta de lei de D. Pedro V de 8 de Junho de 1859 era fundado o Curso Superior de Letras. Em 1869, por fusão com do Instituto Industrial de Lisboa com a Escola de Comércio, é criado o novo Instituto Industrial e Comercial de Lisboa, que estará na base do Instituto Superior Técnico e do Instituto Superior de Economia e Gestão.

Em 1906, viria ainda a ser fundada a Escola Colonial, que estaria na origem, sucessivamente, da Escola Superior Colonial (1927), do Instituto Superior de Estudos Ultramarinos (1954) e do Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina (1962), actual Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (desde 1975).

A criação da Universidade "Clássica" de Lisboa (1911)Editar

 Ver artigo principal: Universidade de Lisboa (1911-2013)
 
Brasão da Universidade "Clássica" de Lisboa

Através do decreto com força de lei de 19 de abril de 1911[19] foi fixada a orgânica da Universidade de Lisboa.

Através daquele diploma legal foram instituídas as novas faculdades de Medicina e de Farmácia, em substituição da Escola Médico-Cirúrgica. A Faculdade de Ciências ampliou e substituiu a Escola Politécnica de Lisboa preexistente. O Curso Superior de Letras (fundado pelo rei) deu lugar à Faculdade de Letras. Foi também criada a Faculdade de Ciências Económicas e Políticas de Lisboa, que, em 1913, seria transformada em Faculdade de Estudos Sociais e de Direito e, finalmente, em 1918, convertida na atual Faculdade de Direito, cujo primeiro diretor foi Afonso Costa, proeminente figura da Primeira República cuja posição na Universidade de Lisboa veio contrabalançar o facto de, até então, a esmagadora maioria dos governantes do país serem provenientes da Faculdade de Direito de Coimbra.

A estas faculdades se viriam a juntar, já no final do século XX, nas décadas de 1980 e 1990, a Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação (com raízes na Faculdade de Letras),[20] a Faculdade de Medicina Dentária (com a integração, em 1991, da Escola Superior de Medicina Dentária de Lisboa, criada em 1975)[21] e a Faculdade de Belas-Artes (com a integração, em 1991, da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa).

A 23 de Novembro de 2011 foi feita Membro-Honorário da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.[22]

A criação da Universidade Técnica de Lisboa (1930)Editar

 Ver artigo principal: Universidade Técnica de Lisboa
 
Brasão da Universidade Técnica de Lisboa.

A Universidade Técnica de Lisboa foi criada, em 1930, a partir de quatro escolas já existentes: a Escola Superior de Medicina Veterinária, atual Faculdade de Medicina Veterinária, o Instituto Superior de Agronomia, o Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, atual Instituto Superior de Economia e Gestão e o Instituto Superior Técnico.

Posteriormente, veio a ser integrada por mais três estabelecimentos de ensino superior: Em 1961 pelo Instituto Superior de Estudos Ultramarinos, atual Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas;[23] em 1976 pelo Instituto Nacional de Educação Física, redenominado Instituto Superior de Educação Física, atual Faculdade de Motricidade Humana;[24] em 1979, pela Faculdade de Arquitetura, sucedendo à secção de Arquitetura da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa.[25]

A fusão entre a UL e a UTLEditar

Após um processo negocial entre a Universidade de Lisboa e a Universidade Técnica de Lisboa e destas com o Governo, foi aprovada, pelo Decreto-Lei n.º 266-E/2012, de 31 de dezembro,[26] a fusão entre as duas universidades.

A universidade decorrente da fusão adotou a denominação de Universidade de Lisboa.

Os Estatutos da nova universidade foram homologados pelo despacho normativo n.º 5-A/2013 (2.ª série), de 19 de abril.[27]

Nos termos do artigo 16.º daquele Decreto-Lei, a fusão produziu efeitos em 25 de julho de 2013, data da tomada de posse do novo reitor da Universidade de Lisboa,[28] Prof. Doutor António da Cruz Serra, numa cerimónia realizada na Aula Magna da universidade.

A Universidade após a fusãoEditar

A fusão deu origem à maior universidade de Portugal, quarta maior da Península Ibérica e uma das maiores da Europa.[2]

LocalizaçãoEditar

Aquando da sua criação, a Universidade de Lisboa viu as faculdades que a constituíam dispersas pela cidade não apresentando um edifício próprio para o corpo administrativo da universidade. Assim, ainda que as várias faculdades tivessem passado a integrar uma só universidade, a Faculdade de Ciências permaneceu nas instalações da Escola Politécnica no Príncipe Real,[29] as Faculdades de Farmácia e Medicina permaneceram no edifício da Escola Médico-Cirúrgica no Campo dos Mártires da Pátria, a Faculdade de Letras permaneceu em anexos do edifício da Academia das Ciências de Lisboa,[30] e a Faculdade de Ciências Económicas e Políticas permaneceu no Palácio Valmor, no Campo dos Mártires da Pátria.[31]

Assim, foi apenas em 1920 que a localização da futura Cidade Universitária fica definida, com a assinatura da escritura de um terreno com aproximadamente 149 000  no lugar de Palma de Cima junto ao Campo Grande, por parte da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa [32] e a compra da Quinta da Torrinha, com cerca de 38 000 m², por parte da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.[33]

A compra destes terrenos não foi, contudo, suficientemente impulsionadora da construção de novos edifícios para albergar a Universidade de Lisboa. A revolução de 28 de Maio de 1926 e consequente implantação da Ditadura Nacional constituíram mais um entrave à concretização deste projeto. Assim, no final dos anos 20, a construção de uma cidade universitária junto ao Campo Grande aparecia como uma hipótese menos económica e real, face à possibilidade de adquirir e remodelar edifícios no Campo dos Mártires da Pátria, onde já se localizavam as Faculdades de Medicina e Direito.[33] Apesar disso esta era uma possibilidade que, sendo mais apelativa ao governo, era contestada por várias personalidades da universidade de Lisboa.

Foi em 1935 que foi aprovada a hipótese de construção da cidade universitária junto ao Campo Grande e iniciaram finalmente os projetos arquitetónicos. Assim, Porfírio Pardal Monteiro é incumbido da tarefa de desenhar o a reitoria e as Faculdades de Direito e Letras e o hospital é encomendado a Hermann Diestel. Assim, o projeto de unificação da Universidade de Lisboa materializou-se finalmente.[33]

Após a fusão, a universidade passou a compreender vários campi espalhados pela cidade de Lisboa e fora dela (nos concelhos de Loures, Oeiras e Cascais).

 
Alameda da Cidade Universitária e Reitoria da Universidade de Lisboa.

Atualmente a ULisboa conta com os seguintes Campus Universitários:[34]

Organização e adminsitraçãoEditar

A Universidade de Lisboa é uma universidade descentralizada integrando um conjunto de Escolas, bem como integra ainda a Reitoria e os serviços centrais, os Colégios e as Unidades Especializadas.[36]

Administração centralEditar

São órgãos de governo da Universidade:

  • Conselho Geral que é o órgão de decisão estratégica e de supervisão da Universidade, e incumbido da eleição do Reitor da ULisboa
  • Reitor que é o órgão superior de governo, de direção e de representação externa da ULisboa
  • Conselho de Gestão que é o órgão de gestão administrativa, patrimonial e financeira da ULisboa, bem como de gestão dos recursos humanos

A Universidade dispõe ainda dos seguintes órgãos:

  • Senado que é o órgão consultivo de representação da comunidade académica e das Escolas que integram a ULisboa
  • Conselho de Coordenação Universitária que é o órgão que apoia o Reitor assegurando uma articulação permanente entre o governo central e o governo das Escolas
  • Provedor do Estudante que é um órgão independente da ULisboa que tem como função a defesa e a promoção dos direitos e interesses dos estudantes no âmbito da ULisboa

Presidentes do Conselho GeralEditar

Reitores da ULisboaEditar

Reitores honoráriosEditar
António Sampaio da Nóvoa (Instituto de Educação)

EscolasEditar

 Ver artigo principal: Escolas da Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa compreende dezoito unidades orgânicas, genericamente chamadas de Escolas (de acordo com os seus Estatutos), podendo revestir a designação de Faculdade ou Instituto. Cada uma das Escolas dispõe de órgãos de governo e de gestão próprios.

As 18 Escolas da ULisboa são:[38]

ColégiosEditar

De acordo com os Estatutos da Universidade de Lisboa os Colégios são espaços não orgânicos que incorporam programas de investigação científica, de inovação tecnológica e de ensino, que envolvem, obrigatoriamente, docentes e investigadores de várias Escolas.

Os Colégios podem assumir o caráter funcional de escolas doutorais, associando, nesse caso, unidades de investigação devidamente reconhecidas e avaliadas. Os Colégios podem ainda acolher e associar-se a iniciativas exteriores, mediante acordos de reconhecido mérito e interesse para a Universidade.

Os Colégios da ULisboa são uma das formas de promover as iniciativas transversais, juntando investigadores de distintas Escolas e unidades de investigação, que se associam no desenvolvimento de novas áreas transversais do conhecimento.

Perfil académicoEditar

Bibliotecas e Centros de DocumentaçãoEditar

As Bibliotecas da Universidade de Lisboa compreendem 35 Bibliotecas e Centros de Documentação, totalizam 198.876 leitores registados, ocupam uma área de cerca de 35.000 m2, distribuída geograficamente pela cidade de Lisboa, oferecendo um total de 3.350 lugares de leitura e consulta, bem como cerca de 500 postos informatizados, direcionados à comunidade académica e ao cidadão - nos quais se incluem postos destinados a alunos com necessidades educativas especiais, postos fixos para leitores, e postos universia, com acesso integral à rede wireless.

A fim de corresponder às necessidades dos utilizadores (estudantes, docentes, investigadores e pessoal técnico e administrativo), as bibliotecas da ULisboa especializam-se em diversos domínios temáticos, oferecendo variados serviços, tais como a consulta e leitura presencial de livros, publicações periódicas, monografias, documentos electrónicos e documentos cartográficos; o empréstimo domiciliário; o empréstimo interbibliotecas; o acesso a bases de dados e a oferta de ações de formação.

As Bibliotes e Centros de Documentação da ULisboa são:

  • Biblioteca da Faculdade de Arquitetura
  • Biblioteca da Faculdade de Belas-Artes
  • Biblioteca da Faculdade de Ciências
  • Biblioteca da Faculdade de Direito
  • Biblioteca da Faculdade de Farmácia
  • Biblioteca da Faculdade de Letras
  • Biblioteca da Faculdade de Medicina
  • Biblioteca da Faculdade de Medicina Dentária
  • Biblioteca da Faculdade de Medicina Veterinária
  • Biblioteca da Faculdade de Motricidade Humana
  • Biblioteca da Faculdade de Psicologia
  • Biblioteca e Arquivo do Observatório Astronómico de Lisboa
  • Biblioteca do Instituto de Ciências Sociais
  • Biblioteca do Instituto Dom Luiz
  • Biblioteca do Instituto de Educação
  • Biblioteca e Mapoteca do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território
  • Biblioteca do Instituto para a Investigação Interdisciplinar
  • Biblioteca do Instituto Superior de Agronomia
  • Biblioteca do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
  • Biblioteca do Instituto Superior de Economia e Gestão
  • Biblioteca do Instituto Superior Técnico
  • Biblioteca do Museu Nacional de Historia Natural e da Ciência
  • Centro de Documentação da Reitoria (Brevemente disponível)

Serviços de Ação SocialEditar

Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa (SASULisboa) têm como missão proporcionar apoios sociais de forma a favorecer a igualdade de oportunidades no acesso e na frequência bem sucedida da  ULisboa, contribuindo para a formação integral dos seus estudantes, em contexto académico de cidadania ativa.[39]

MuseusEditar

O Museus da Universidade de Lisboa tem como missão promover a curiosidade e a compreensão pública sobre a natureza e a ciência, aproximando a Universidade à Sociedade. Essa missão é atingida através da valorização das suas coleções e do património universitário, da investigação, da realização de exposições, conferências e outras ações de carácter científico, educativo, cultural e de lazer.[40]

Os Museus da ULisboa apoia a investigação e o ensino nas áreas da zoologia e antropologia, da botânica, da mineralogia e geologia, e das demais ciências naturais e estimula o estudo e a divulgação da história das ciências e das técnicas, contribuindo para a formação científica e cultural dos estudantes nestes domínios.

O Museus também assumem uma responsabilidade, alargada ao contexto nacional, na conservação e estudo das coleções biológicas e geológicas e do património cultural histórico-científico, estabelecendo parcerias para a valorização e utilização das coleções museológicas e do património da ULisboa e de outras instituições.

São Museus da ULisboa:

Estádio UniversitárioEditar

O Estádio Universitário de Lisboa (EULisboa), com instalações desportivas localizadas no Campus da Cidade Universitária e no Campus da Ajuda, é o serviço da Universidade de Lisboa que promove o desporto, a saúde e o lazer.[41]

Associações de EstudantesEditar

As Associações de Estudantes da ULisboa representam os estudantes de cada Escola, e o seu acolhimento e integração e interação no meio académico, e promovem atividades e eventos de âmbito pedagógico, académico, cultural e desportivo e disponibilizam serviços de reprografia, apoio na procura de emprego, entre outros.

As Associações de Estudantes da ULisboa são:[42]

InvestigaçãoEditar

A Universidade de Lisboa acolhe, através das suas Escolas, Unidades de Investigação, próprias ou associadas que definem, nos termos da lei, dos Estatutos e dos regulamentos aplicáveis, os seus fins e estruturação interna. No total são cerca de 106 centros e institutos de investigação, para além de dispor de 10 dos 26 laboratórios associados nacionais, que são unidades de investigação que contribuem ativamente para o desenvolvimento científico e tecnológico.

Cronologia da ULisboa[43]Editar

Ano Aconteciemnto
1290 O Rei D. Dinis cria o Estudo Geral em Lisboa
1537 A universidade é transferida para Coimbra
1759 Criação da Aula de Comércio
1781 Criação da Aula de Desenho de Figura e Arquitectura Civil (vulgarmente conhecida por Aula do Risco)
1825 Criação da Real Escola de Cirurgia de Lisboa
1830 Criação da Escola Veterinária
1836

Criação da Academia de Belas-Artes de Lisboa a partir da Aula de Desenho de Figura e Arquitectura Civil Criação do Conservatório de Artes e Ofícios de Lisboa Transformação da Real Escola de Cirurgia de Lisboa na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa Criação da Escola de Farmácia anexa à Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa

1837 Criação da Escola Politécnica de Lisboa
1844 Integração do Conservatório de Artes e Ofícios de Lisboa na Escola Politécnica de Lisboa
1852

Criação do Instituto Agrícola de Lisboa Criação do Instituto Industrial de Lisboa

1855 Integração da Escola Veterinária no Instituto Agrícola de Lisboa
1859 Criação do Curso Superior de Letras em Lisboa
1864 Transformação do Instituto Agrícola de Lisboa no Instituto Geral de Agricultura
1869 Integração da Escola de Comércio no Instituto Industrial de Lisboa, que passou a denominar-se Instituto Industrial e Comercial de Lisboa
1881 Criação da Escola de Belas-Artes de Lisboa a partir da Academia de Belas-Artes de Lisboa
1886 Transformação do Instituto Geral de Agricultura no Instituto de Agronomia e Veterinária
1906 Criação da Escola Colonial
1910 Criação da Escola de Medicina Veterinária e do Instituto Superior de Agronomia a partir do Instituto de Agronomia e Veterinária
1911

Criação da Universidade de Lisboa, englobando a Faculdade de Medicina (anterior Escola Médico-Cirúrgica), a Faculdade de Ciências (anterior Escola Politécnica) e a Faculdade de Letras (anterior Curso Superior de Letras) Criação do Instituto Superior de Comércio e do Instituto Superior Técnico a partir do Instituto Industrial e Comercial de Lisboa

1913 Criação da Faculdade de Direito e da Escola Normal Superior na Universidade de Lisboa
1918 Transformação da Escola de Medicina Veterinária na Escola Superior de Medicina Veterinária
1920 Criação da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa a partir da Escola de Farmácia anexa à Faculdade de Medicina de Lisboa
1930

Criação da Universidade Técnica de Lisboa, englobando a Escola Superior de Medicina Veterinária, o Instituto Superior de Agronomia, o Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras (anterior Instituto Superior de Comércio) e o Instituto Superior Técnico Extinção da Escola Normal Superior da Universidade de Lisboa e criação do Curso de Ciências Pedagógicas da Faculdade de Letras.

1940 Fundação do Instituto Nacional de Educação Física
1954 Transformação da Escola Superior Colonial no Instituto Superior de Estudos Ultramarinos
1957 Transformação da Escola de Belas-Artes de Lisboa na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa
1961 Integração do Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina (anterior Instituto Superior de Estudos Ultramarinos) na Universidade Técnica de Lisboa
1972 Transformação do Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras no Instituto Superior de Economia
1974 Transformação do Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
1975 Criação do Instituto Superior de Educação Física da Universidade Técnica de Lisboa, a partir do Instituto Nacional de Educação Física
1979 Criação da Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa
1980 Criação da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa
1982 Criação do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
1992 Integração na Universidade de Lisboa da Faculdade de Belas-Artes e da Faculdade de Medicina Dentária
2008 Criação do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa, a partir do Departamento de Geografia da Faculdade de Letras

Criação da Faculdade de Psicologia e do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, por separação da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa

2013 Fusão da Universidade de Lisboa e da Universidade Técnica de Lisboa na Universidade de Lisboa

Referências

  1. a b c d "Factos e Números'" Reitoria da Universidade de Lisboa (2013), acesso em 20/08/2013 Arquivado em 29 de junho de 2015, no Wayback Machine.
  2. a b «Fusão em Lisboa cria quarta maior universidade ibérica». Diário de Notícias. 28 de dezembro de 2011. Consultado em 6 de abril de 2014 
  3. «Universidade de Lisboa tem buraco de meio milhão de euros». Jornal i. 1 de março de 2016. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  4. Frequentemente identificada como «Universidade Clássica de Lisboa».
  5. Cf. Decreto de 22 de março de 1911, publicado no Diário do Governo de 24 de março de 1911. Ver também o Decreto de 19 de abril de 1911, publicado no Diário do Governo de 22 de abril de 1911, que cria as faculdades primitivas da nova universidade.
  6. Cf. Decreto n.º 19 081, de 2 de dezembro de 1930.
  7. Decreto-Lei n.º 266-E/2012, de 31 de dezembro de 2012
  8. http://www.ulisboa.pt/wp-content/uploads/Dossier-Tomada-de-Posse.pdf[ligação inativa]
  9. Silva, Samuel. «Ranking de Xangai: cinco universidades portuguesas nas 500 melhores do mundo». PÚBLICO. Consultado em 15 de agosto de 2017 
  10. Estudos Gerais, Revelar Lx
  11. BulaDe statu regni Portugaliae, de 9 de agosto.
  12. Marcos Históricos - Sécs. XIII a XVI, Universidade de Coimbra
  13. Serrão, Joaquim Veríssimo. História das Universidades. Porto: Lello & Irmão Editores, 1983, pp. 58 a 64.
  14. UNIVERSIDADE DE COIMBRA. História da Universidade. Consultado em 18 de janeiro de 2013.
  15. Monumenta Henricina, Volume IV (1431-1434), UC Biblioteca Geral, pág. 5 e 6, nota 4
  16. São Vicente, C. M. Lisboa
  17. Pátio dos Quintalinhos - detalhe, IGESPAR
  18. Lugares Colombianos em Portugal, por Carlos Fontes, Lusotupia
  19. Diário do Governo de 22 de abril de 1911.
  20. Cf. Decreto-Lei n.º 528/80, de 5 de novembro.
  21. Cf. o despacho n.º 169/ME/91, publicado no Diário da República, 2.ª série, de 23 de outubro de 1991.
  22. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado análise da busca de "Universidade de Lisboa". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 31 de dezembro de 2012 
  23. Cf. Decreto-Lei n.º 43858, de 14 de Agosto de 1961.
  24. Cf. Decreto-Lei n.º 675/75, de 3 de Dezembro.
  25. Cf. Decreto-Lei n.º 498-E/79,de 21 de Dezembro.
  26. Decreto-Lei n.º 266-E/2012, de 31 de dezembro.
  27. Despacho normativo n.º 5-A/2013 (2.ª série), de 19 de abril.
  28. Cf. artigos 11.º e 12.º do Decreto-Lei n.º 266-E/2012, de 31 de dezembro.
  29. História da FCUL
  30. História da FLUL
  31. História da FDUL
  32. Alves, Manuel Valente (2011). A Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa - Um olhar sobre a sua história. Lisboa: Gradiva. ISBN 978-989-616-442-3 
  33. a b c Cidade Universitária de Lisboa. Vazios e cheios urbanos ou as Géneses Alimentadoras de Equívocos
  34. «Campus da Universidade de Lisboa». Universidade de Lisboa. Consultado em 7 de fevereiro de 2019 
  35. «Laboratório Marítimo da Guia». Universidade de Lisboa. Consultado em 7 de fevereiro de 2019 
  36. «Organização da Universidade de Lisboa». Universidade de Lisboa. Consultado em 6 de fevereiro de 2019 
  37. Cf. Notícia, de 22 de julho de 2013, da Antena 1
  38. «Escolas da Universidade de Lisboa». Universidade de Lisboa. Consultado em 6 de fevereiro de 2019 
  39. «Portal dos Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa». Consultado em 6 de fevereiro de 2019 
  40. «Portal dos Museus da Universidade de Lisboa». Consultado em 6 de fevereiro de 2019 
  41. «Estádio Universitário de Lisboa». Consultado em 6 de fevereiro de 2019 
  42. «Associações de Estudantes da ULisboa». Universidade de Lisboa. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  43. «Cronologia da Universidade de Lisboa». Consultado em 6 de fevereiro de 2019 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar