George Lakoff

George Lakoff (24 de maio de 1941) é um linguista e cientista cognitivo estadunidense. É professor da Universidade da Califórnia em Berkeley. Foi um dos desenvolvedores da linguística gerativa nos anos 1960 e um dos fundadores da linguística cognitiva nos anos 1970.[1]

George Lakoff
Nascimento 24 de maio de 1941 (80 anos)
Bayonne
Residência Berkeley
Cidadania Estados Unidos
Cônjuge Robin Lakoff
Alma mater Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Universidade de Indiana
Ocupação linguista, professor universitário, escritor
Empregador Universidade da Califórnia em Berkeley
Página oficial
http://georgelakoff.com

CronologiaEditar

Entre 1965 e 1969 pertenceu ao corpo docente na Universidade de Harvard. Entre 1969 e 1971 foi docente da Universidade de Michigan. Durante 1971 e 1972, trabalhou no Center for Advanced Study in the Behavioral Sciences em Stanford. Desde 1972 é professor da Universidade da California, Berkeley.

Foi casado com a linguista Robin Lakoff.[2]

Teoria e investigaçõesEditar

Como linguista cognitivo, Lakoff pesquisou a natureza dos sistemas conceituais humanos, em temas como os conceitos de tempo, espaço, causalidade, emoções, moral, política etc., através da teoria sobre o pensamento metafórico que desenvolveu com Mark Johnson, no livro Metaphors We Live By (em português, Metáforas da Vida Cotidiana). A ideia central da teoria é de que as metáforas, mais além de representar um aspecto formal da linguagem, nos permitem estruturar conceitos a partir de outros conceitos mais básicos e concretos. A forma pela qual desenvolvemos este processo depende da experiência direta do mundo, que é proporcionada por nosso corpo. Assim, estruturamos o conceito de tempo, mais abstrato, em função de nossa experiência espacial; por isso nos referimos ao futuro como algo que está adiante de nós e ao passado como algo que ficou para trás.

Outra linha de investigação importante, também desenvolvida por Lakoff em conjunto com Johnson, lançou a ideia de uma filosofia encarnada ou corporificada. Lakoff e Johnson propõem, no livro Philosophy in the Flesh, the embodied mind and its challenge to Western Thought, que nossas metáforas mais fundamentais estão diretamente ligadas às nossas percepções do mundo, a começar pela relação com nosso próprio corpo. Ou seja, a mente e o corpo não são independentes, como preconiza a tradição metafísica do mundo ocidental, consagrada pelo cartesianismo. O começo de toda a atividade cognitiva seria a experiência humana de lidar com o mundo externo.

A partir destes conceitos, George Lakoff procurou aplicar os métodos e resultados da Linguística e Semântica Cognitivas a problemas das ciências sociais e da política, assim como à filosofia e à epistemologia. Partindo da concepção de um pensamento estruturado com base em metáforas, chegou a estudar, em colaboração con Rafael Núñez, no livro Where Mathematics Comes From: How the Embodied Mind Brings Mathematics Into Being, a conformação de um pensamento aparentemente tão distante do domínio metafórico como o da matemática.

Lakoff fez também incursões no campo das neurociências, em cooperação com Jerome Feldman, com quem estudou os modelos biológicos conexionistas que determinam a aprendizagem de sistemas conceituais e suas representações neuronais.

Bibliografia selecionadaEditar

  • Metaphors We Live By, com Mark Johnson. University of Chicago Press, 1980.
  • Women, Fire, and Dangerous Things, University of Chicago Press, 1987.
  • More than Cool Reason, com Mark Turner, University of Chicago Press, 1989.
  • Moral Politics, University of Chicago Press, 1996.
  • Philosophy in the Flesh, the embodied mind and its challenge to Western Thought, com Mark Johnson, Basic Books, New York, 1999.
  • Where Mathematics Comes From: How the Embodied Mind Brings Mathematics Into Being, com Rafael Núñez, Basic Books, New York, 2000.
  • Don't Think of an Elephant: Know Your Values, Frame the Debate, Chelsea Green Publishing, 2004.

Referências

  1. Abreu, Helen de Andrade (20 de outubro de 2016). «Entrevista - George P. Lakoff». Revista Linguíʃtica (em inglês). 12 (1). ISSN 2238-975X 
  2. Davies, Catherine Evans (dezembro de 2010). «Interview with Robin Tolmach Lakoff». Journal of English Linguistics (em inglês). 38 (4): 369–376. ISSN 0075-4242. doi:10.1177/0075424210384191