Abrir menu principal

A Geração Z é a definição sociológica para a geração de pessoas nascida, em média, entre meados dos anos 1990 até o início do ano 2010. A teoria mais aceita por estudiosos é que surgiu como sucessória à Geração Y, do final de 1982 (começo do Echo Boom).[1][2] Portanto, é a geração que corresponde à idealização e nascimento da World Wide Web, criada em 1990 por Tim Berners-Lee, e no "boom" da criação de aparelhos tecnológicos modernos. A grande nuance dessa geração é zapear, tendo várias opções, entre canais de televisão, internet, vídeo game e smartphones.[1]

Descrição

As pessoas da Geração Z são conhecidas por serem nativas digitais, muito familiarizadas com a internet, compartilhamento de arquivos, telefones móveis, não apenas acessando a rede de suas casas, mas também pelo celular, estando assim extremamente conectadas.[2] Suas principais características são: compreensão da tecnologia e abertura social às tecnologias.[3]

 
Um Tablet PC, um grande lançamento das indústrias de informática e telefonia nos anos 2000.

Alguns especialistas sugerem que, por estarem passando pela Grande Recessão, a primeira grande crise econômica desde a Grande Depressão - porém não maior[4] - e que atinge sobretudo os jovens, as gerações Y e Z passaram a ser dominadas por um sentimento de insatisfação e insegurança quanto à realidade e ao futuro da economia e da política. Esta geração é confrontada com uma diferença de renda cada vez maior em todo o mundo[5] e uma classe média encolhendo, o que tem levado ao aumento dos níveis de estresse nas famílias.[6]

O habitat da Geração Z, assim como o da Geração Y, é o do desemprego e da precariedade.[7] A Geração Z presenciou o surgimento de indivíduos, grupos e movimentos políticos e sociais anti-establishment, resultado do aprofundamento da polarização ideológica na sociedade,[8][9][10][11] através da chamada Ciberpolítica e que atrai uma parcela - ainda que minoria - dessa geração, parcela essa constitutiva a uma "geração bloqueada",[12] segundo o sociólogo João Teixeira Lopes.[8]

Por outro lado, ao contrário de todas as outras gerações anteriores, esta geração é tida como a mais tolerante que já existiu,[13] a mais aberta à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo,[14] e inclusive sendo também a mais favorável à igualdade de gênero.

Ver também

Referências

Ligações externas