Nativo digital

O termo foi criado pelo norte-americano Marc Prensky,[1] trazendo a esse grupo definições de novas características, que consolida um abismo com relação aos imigrantes digitais (outro termo criado pelo autor e que define pessoas que desconhecem o funcionamento dos meios de comunicação e tornam-se consumidores passivos[2]). Um nativo digital é aquele que nasceu e cresceu com as tecnologias digitais presentes em sua vivência. Tecnologias como videogames, Internet, telefone celular, MP3, iPod, etc. Caracterizam-se principalmente por não necessitar do uso de papel nas tarefas com o computador. E contribui para o reconhecimento de outros tipos de aprendizagem e expressão cultural dessa nova geração.[3]

Criança utilizando um celular

No sentido mais amplo, refere-se a pessoas nascidas a partir da década de 1980 e mais tarde, na Era da Informação que teve início nesta década. Geralmente, o termo foca sobre aqueles que cresceram com a tecnologia do século XXI.

Uma característica habitual dos nativos digitais é trabalhar com gratificações imediatas e recompensas frequentes.

Este termo têm sido aplicado em contextos como a educação,[4] relacionado ao termo Aprendizes do Novo Milênio.[5]

Os nativos digitais em sua maioria são leitores das notícias em formatos diferentes do tradicional, jornais impressos. Não que esses sejam ultrapassados, mas para essas pessoas tornar-se estranho o seu uso, por estarem acostumadas com a internet.[6] E costumam estar sempre ligados/online.

ControvérsiaEditar

O autor do livro A Fábrica de Cretinos Digitais, o neurocientista francês Michel Desmurget, diretor de pesquisa do Instituto Nacional de Saúde da França apontou o uso de dispositivos digitais como um dos fatores responsáveis pela queda de QI nas novas gerações de jovens:

Simplesmente não há desculpa para o que estamos fazendo com nossos filhos e como estamos colocando em risco seu futuro e desenvolvimento (...) O QI é medido por um teste padrão. No entanto, não é um teste "estático", sendo frequentemente revisado. Meus pais não fizeram o mesmo teste que eu, por exemplo, mas um grupo de pessoas pode ser submetido a uma versão antiga do teste.
(...)
E, ao fazer isso, os pesquisadores observaram em muitas partes do mundo que o QI aumentou de geração em geração. Isso foi chamado de 'efeito Flynn', em referência ao psicólogo americano que descreveu esse fenômeno. Mas recentemente, essa tendência começou a se reverter em vários países. É verdade que o QI é fortemente afetado por fatores como o sistema de saúde, o sistema escolar, a nutrição, etc. Mas se considerarmos os países onde os fatores socioeconômicos têm sido bastante estáveis por décadas, o 'efeito Flynn' começa a diminuir. Nesses países, os "nativos digitais" são os primeiros filhos a ter QI inferior ao dos pais. É uma tendência que foi documentada na Noruega, Dinamarca, Finlândia, Holanda, França, etc.
(...)
As causas também são claramente identificadas: diminuição da qualidade e quantidade das interações intrafamiliares, essenciais para o desenvolvimento da linguagem e do emocional; diminuição do tempo dedicado a outras atividades mais enriquecedoras (lição de casa, música, arte, leitura, etc.); perturbação do sono, que é quantitativamente reduzida e qualitativamente degradada; superestimulação da atenção, levando a distúrbios de concentração, aprendizagem e impulsividade; subestimulação intelectual, que impede o cérebro de desenvolver todo o seu potencial; e o sedentarismo excessivo que, além do desenvolvimento corporal, influencia a maturação cerebral.[6]

BibliografiaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Palfrey, John (2011). Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed. ISBN 978-85-363-2483-8  Parâmetro desconhecido |Tradução= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |Revisão Técnica= ignorado (ajuda)
  2. Román-García, Sara; Almansa-Martínez, Ana; Cruz-Díaz, María-del-Rocío (2016). «Adults and Elders and their use of ICTs. Media Competence of Digital Immigrants». Comunicar (em espanhol). 24 (49): 101–110. ISSN 1134-3478. doi:10.3916/c49-2016-10 
  3. Jenkins, H. (2007). Reconsidering Digital Immigrants.... Confessions of an ACA-FAN.
  4. Bennett, S.; Maton, K.; Kervin, L. (2008). The ‘digital natives’ debate: A critical review of the evidence[ligação inativa]. British Journal of Educational Technology 39 (5): 775-786
  5. OECD (2008). New Millennium Learners. Initial findings on the effects of digital technologies on school-age learners, OECD/CERI International Conference “Learning in the 21st Century: Research, Innovation and Policy”, 15-16 Maio 2008 Paris
  6. a b «'Geração digital': por que, pela 1ª vez, filhos têm QI inferior ao dos pais». BBC. 30 de outubro de 2020. Consultado em 31 de outubro de 2020 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre sociologia ou um(a) sociólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.