Hafez al-Assad

(Redirecionado de Hafez Assad)

Hafez al-Assad (Qardaha, 6 de Outubro de 1930Damasco, 10 de Junho de 2000) foi presidente da Síria, de 1971 até 2000, ano de sua morte. Seu filho, Bashar al-Assad, é o atual presidente do país.[1][2]

Hafez al-Assad
Presidente da Síria
Período 22 de fevereiro de 1971
a 10 de junho de 2000
Antecessor(a) Nureddin al-Atassi
Sucessor(a) Abdul Halim Khaddam
(interino)
Primeiro-ministro da Síria
Período 21 de novembro de 1970
a 3 de abril de 1971
Antecessor(a) Nureddin al-Atassi
Sucessor(a) Abdul Rahman Khleifawi
Ministro da Defesa da Síria
Período 23 de fevereiro de 1966
a 1972
Antecessor(a) Muhammad Umran
Sucessor(a) Mustafa Tlass
Dados pessoais
Nascimento 6 de outubro de 1930
Qardaha, Mandato Francês da Síria
Morte 10 de junho de 2000 (69 anos)
Damasco, Síria
Cônjuge Anisah Makhlouf (1957–2000)
Filhos 5 (Bushra, Bassel, Bashar, Majd e Maher)
Partido Partido Baath
Religião Islamismo (Alauísmo)
Profissão militar
Serviço militar
Lealdade  Síria
Serviço/ramo Força Aérea Síria
Anos de serviço 1952–2000
Graduação General
Conflitos Guerra dos Seis Dias (1967)
Guerra de Desgaste (1967–70)
Setembro Negro (1970–71)

De família humilde, após os estudos primários, foi formado na academia militar e, em seguida, enviado para completar sua formação com militares soviéticos. Ingressou no Partido Baath em 1946 e se opôs ativamente à unificação entre Síria e Egito. Ao fracassar a unificação em 1961, seu prestígio ascendeu, sendo nomeado chefe das Forças Aéreas em 1964. Enquanto ocupava este cargo, a Síria sofreu uma humilhante derrota com a perda de quase toda sua força aérea e parte de seu território na Guerra dos Seis Dias. Apesar desta derrota, aumentou a instauração do regime militar em 1963. Em 1970, aproveitou sua posição para dar um golpe de Estado.[3]

Pouco depois de tomar o poder, iniciou tímidas reformas e incrementou a capacidade militar de seu exército. Ele aliou-se com o Egito em 1973, provocando a Guerra do Yom Kippur contra Israel, com o objetivo de recuperar os Colinas de Golan. O fracasso na operação não lhe restou protagonismo e aproximou a política de seu governo à URSS como firme aliado.[3]

Dentro da estratégia política da região, ocupou militarmente o Líbano em 1976 sob o argumento de estabelecer uma força de interposição e pacificação.[4]

Faleceu de um ataque cardíaco em 2000 e foi sucedido na presidência pelo seu filho, Bashar al-Assad.[5]

Referências

  1. Kaplan, Robert (Fevereiro de 1993). «Syria: Identity Crisis». The Atlantic 
  2. The New Encyclopedia of Islam by Cyril Glasse, Altamira, 2001, p.36–7
  3. a b Olmert, Yosef (1986). In Shaked, Haim; Dishon, Daniel. Middle East Contemporary Survey 8. The Moshe Dayan Center. ISBN 9789652240064.
  4. Reich, Bernard (1990). Political Leaders of the Contemporary Middle East and North Africa: A Biographical Dictionary. Greenwood Publishing Group. ISBN 9780313262135.
  5. Seddon, David (2004). A Political and Economic Dictionary of the Middle East. Taylor & Francis. ISBN 9781857432121.

Ligações externasEditar

Precedido por
Nureddin al-Atassi
Presidente da Síria
1971 - 2000
Sucedido por
Abdul Halim Khaddam
(interino)
  Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.