Haloquadratum walsbyi

Haloquadratum walsbyi é uma espécie de archaea halofílica fototrófica atualmente a única espécie do gênero Haloquadratum. É muito comum que tenha células em formato de quadrilhos perfeitos.[1]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaHaloquadratum walsbyi
Haloquadratum walsbyi00.jpg
Classificação científica
Domínio: Archaea
Filo: Euryarchaeota
Classe: Halobacteria
Ordem: Halobacteriales
Família: Halobacteriaceae
Gênero: Haloquadratum
Espécie: Hqr. walsbyi
Nome binomial
Haloquadratum walsbyi
Burns et al. 2007

Estes microrganismos foram observados pela primeira vez em 1980 por um britânico, Prof. Anthony E. Walsby, a partir de amostras colhidas no Sabkha Gavish, em um lago salmoura na Península do Sinai no Egito, e que tenham sido formalmente descritas em 2007 por Burns et al. Eles são geralmente abundantes na maioria dos ambientes salgados, como lagos salgados e areia de maré. As tentativas para o cultivo em laboratório não tiveram sucesso até 2004.[2]

As células são grandes em torno de 2 a 5 microns, mas muito finas com cerca de 150 nm e geralmente contêm grânulos de poli-hidroxialcanoatos, e um grande número de vacúolos refractáveis ​​cheios com gás que garantem a flutuação em um meio aquoso e contribui provavelmente para posicionar as células para maximizar a recepção de luz. Eles podem se reunir em folhetos de até 40 μm de largura, mas as conexões entre as células são frágeis e podem ser facilmente quebradas.[3]

Estes organismos podem ser encontrados em qualquer trecho de água muito salgada. Durante a evaporação da água do mar, carbonato de cálcio CaCO3 e sulfato de cálcio CaSO4 precipitam primeiro, levando a uma salmoura rica em cloreto de sódio NaCl. Se a evaporação continuar, o NaCl precipita-se como halita deixando uma salmoura rica em cloreto de magnésio MgCl2. Hqr. walsbyi prospera durante a fase final da precipitação de halita, antes de MgCl2 esterilizar a salmoura, e pode constituir 80% da biomassa deste meio.

O genoma do Hqr. walsbyi foi totalmente sequenciada, fornecendo acesso a uma melhor compreensão da classificação filogenética e taxonômica deste organismo, bem como seu papel no ecossistema. Uma comparação genómica de isolados espanhóis e australianos (estirpes HBSQ001 e C23T) sugere fortemente uma rápida dispersão a nível global, uma vez que são notavelmente semelhantes e mantiveram a ordem dos genes.

O fato do crescimento em laboratório que foi obtido em meio a concentrações muito elevadas de cloretos (mais do que 2 mol·L-1 de MgCl2 e, acima de três mol·L-1 de NaCl) classifica este organismo entre os mais halorresistentes conhecidos. Também deve ser notado que a temperatura ótima de crescimento é de 40°C.[4]

Referências

  1. «Walsby's Square Bacterium: Fine Structure of an Orthogonal» (PDF). Journal of bacteriology Procaryote (em inglês). Walther Stoeckenius. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  2. «Cultivation of Walsby's square haloarchaeon». FEMS Microbiology Letters (em inglês). Aharon Oren, Nuphar Pri-El, Orr Shapiro et Nachshon Siboni. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  3. «Buoyancy studies in natural communities of square gas-vacuolate archaea in saltern crystallizer ponds». Saline Systems (em inglês). David G. Burns, Helen M. Camakaris, Peter H. Janssen et Mike L. Dyall-Smith. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  4. «Haloquadratum walsbyi: Limited Diversity in a Global Pond». PLoS ONE (em inglês). Mike L. Dyall-Smith, Friedhelm Pfeiffer, Kathrin Klee, Peter Palm, Karin Gross, Stephan C. Schuster, Markus Rampp et Dieter Oesterhelt. Consultado em 1 de janeiro de 2019