Abrir menu principal
Harold Prince
Harold Prince recebendo o Golden Plate Award de Toni Morrison
Nome completo Harold Smith Prince
Nascimento 30 de janeiro de 1928
Nova Iorque, Nova Iorque
Morte 31 de julho de 2019 (91 anos)
Reykjavík
Cônjuge Judith Chaplin (1962–presente; 2 filhos)
Ocupação Produtor teatral, diretor

Harold Smith "Hal" Prince (Nova Iorque, 30 de janeiro de 1928Reykjavík, 31 de julho de 2019[1]) foi um produtor teatral e diretor americano associado a muitos dos mais conhecidos musicais da Broadway da última metade do século passado, como O Fantasma da Ópera, Sweeney Todd, e Evita . Ele acumulou vinte e um Tony Awards, mais do que qualquer outra pessoa, incluindo oito por direção, oito pela produção dos melhores musicais do ano, dois como Melhor Produtor de um Musical, e três prêmios especiais. Ele foi laureado com a Medalha Nacional das Artes e o Prêmio Kennedy do governo dos Estados Unidos.

Vida e carreiraEditar

Primeiros anosEditar

Prince nasceu na Cidade de Nova York e foi adotado na infância por Milton A. Prince, um corretor da bolsa, e Blanche Stern.[2] Após sua formatura na Escola Dwight em Nova York, ele entrou para a Universidade da Pensilvânia, aos 19 anos, onde ele se formou em artes cênicas três anos depois. Mais tarde, serviu dois anos no Exército dos Estados Unidos na Alemanha após a Segunda Guerra Mundial.[3]

CarreiraEditar

Prince começou a trabalhar no teatro como assistente de gerente de palco para o produtor teatral e diretor, George Abbott. Juntamente com a Abbott, ele co-produziu The Pajama Game, que ganhou em 1955, o Prêmio Tony de Melhor Musical. Ele passou a dirigir as suas próprias produções em 1962, começando com A Family Affair e uma série de produções sem sucesso. 

Ele quase desistiu do teatro musical até ele conseguir ter sucesso com Cabaret, em 1966. Os anos 70 marcou o início de sua grande colaboração com o compositor/letrista Stephen Sondheim. Eles tinham trabalhado anteriormente em West Side Story e, nesse ponto, decidiu embarcar no seu próprio projeto. A parceria gerou uma longa seqüência de produções, incluindo Company (1970), Follies (1971), A Little Night Music (1973), Pacific Overtures (1976), e Sweeney Todd (1979). Seguido por Merrily We Roll Along (1981), que não foi um sucesso e eles se separaram até Bounce (2003).

Hal Prince dirigiu óperas, incluindo Ashmedai, Willie Stark, Madame Butterfly, e um revival de Candide. Em 1983, Prince encenou Turandot para a Ópera Estatal de Viena (condutor: Lorin Maazel; com José Carreras, Éva Marton). Ele dirigiu dois sucessos de Andrew Lloyd Webber, Evita e O Fantasma da Ópera. Ele foi oferecido o trabalho de dirigir Cats por Lloyd Webber, mas ele recusou.

Após seu fracasso com Stephen Sondheim em 1981, em Merrily We Roll Along, ele começou a trabalhar em um novo musical para se recuperar, A Doll's Life, com os letristas Betty Comden e Adolph Green, que continua a história do passado de Nora Helmer que Henrik Ibsen tinha escrito na Casa de bonecas. O show também foi mal recebido. Outros musicais sem êxito comercial inclui Roza e Moer. Prince parou de produzir e dirigir simultaneamente durante este período, pois o processo de financiamento de um show tornou-se difícil.

Prince foi a inspiração para o personagem de John Lithgow no filme de Bob Fosse,  All that Jazz. Ele também foi a base para um personagem em Say, Darling, livro de Richard Bissell, que mostrou a própria experiência dele em transforma seu romance, 7½ Cents em The Pajama Game.

Em 20 de maio de 2007, ele fez o discurso de formatura no Gettysburg College, em Gettysburg, na Pensilvânia. Em 2000, foi agraciado com a Medalha Nacional de Artes.[4]

Em 2006, Prince foi premiado com um Tony Award Especial pelo seu Conjunto de Obras no Teatro. O Harold Prince Theatre no Annenberg Center da Universidade da Pensilvânia, é nomeado em sua honra. Em 2008, Prince foi o orador principal na celebração de Convocação para Honra da Universidade Elon.

Prince co-dirigiu, com Susan StromanParadise Found, musical de 2010. O musical apresenta música de Johann Strauss II, adaptada por Jonathan Tunick , com letra de Ellen Fitzhugh. O libreto foi escrito por Richard Nelson, com base no romance O Conto da 1002 Noites de Joseph Roth. O musical estreou noMenier Chocolate Factory, em Londres, em 19 de maio de 2010 e fechou em 26 de junho, foi estrelado por Mandy Patinkin.[5][6]

Vida pessoalEditar

Prince casou com Judy Chaplin, filha de Saul Chaplin, em 26 de outubro de 1962. Eles são os pais de Margarida Prince, uma diretora, e Charles Prince, um condutor. O ator Alexander Chaplin, mais conhecido como "James Hobert" em Spin City, é genro de Prince.[3]

Referências

  1. «Hall Prince morre aos 91 anos». G1. 31 de julho de 2019. Consultado em 31 de julho de 2019 
  2. «Harold Prince Biography». filmreference. 2008. Consultado em 25 de novembro de 2008 
  3. a b Music Division (novembro de 2005). «Harold Prince Scores, JBP 06-2». The New York Public Library for the Performing Arts. Consultado em 22 de novembro de 2008 
  4. Lifetime Honors - National Medal of Arts Arquivado em 21 de julho de 2011, no Wayback Machine. nea.gov
  5. Fick, David."
  6. "Baldwin, Cullum, Hensley and Kaye Will Join Patinkin for London's 'Paradise Found'" playbill.com

Ligações externasEditar