Abrir menu principal
Henri Arnaud
Pastor e coronel dos valdenses.
Nascimento 20 de setembro de 1641
Embrun, Altos Alpes
Morte 8 de setembro de 1721 (79 anos)
Schönenberg
Nacionalidade Royal Standard of the King of France.svg Reino da França
Ocupação pastor, general
Principais trabalhos "La Glorieuse Rentrée de Vaudois dans leur Vallée" (O Glorioso Retorno dos Valdenses ao seu Vale)
Religião Valdenses

Henri Arnaud (Embrun, Altos Alpes, 20 de setembro de 1641 — Schönenberg, 8 de setembro de 1721) foi um pastor dos valdenses no Piemonte, que se tornou militar a fim de livrar seus correligionários da perseguição de Vítor Amadeu II, o duque de Savoia. Quando os valdenses foram exilados pela segunda vez, Arnaud os acompanhou no exílio para Schönenberg, e continuou a exercer a função de pastor deles até sua morte.

VidaEditar

Arnaud nasceu em Embrun, na França. Por volta de 1650 sua família retornou para o seu vale natal de Luserna San Giovanni, onde Arnaud foi educado em La Tour (a aldeia principal), posteriormente, frequentou o colégio em Basileia (1662 e 1668) e a faculdade em Genebra (1666). Retornou depois para a sua cidade natal, e parece ter sido pastor em várias aldeias dos vales valdenses antes de fixar-se em La Tour (1685).

Líder cristãoEditar

Ele era, portanto, o líder natural de seus correligionários depois que Vítor Amadeu II de Saboia os expulsou (1686) de seus vales, e muito provavelmente visitou a Holanda, onde seu governante, Guilherme de Orange, certamente forneceu-lhe ajuda e dinheiro. Arnaud ocupou-se de organizar seus três mil compatriotas que haviam se refugiado na Suíça, e que por duas vezes (1687-1688) tentaram recuperar suas casas.

A revolução inglesa de 1688, e a eleição de Guilherme para ocupar o trono, incentivaram os valdenses a fazerem mais uma tentativa. Com instruções detalhadas fornecidas pelo veterano Joshua Janavel (impedido devido à idade de tomar parte na expedição) Arnaud, juntamente com cerca de mil seguidores, deram início em 17 de agosto de 1689, próximo a Nyon, às margens do lago de Genebra ao seu regresso para a terra natal. No dia 27 de agosto, o grupo, depois de muitas dificuldades e perigos, chegou ao vale de São Martinho, tendo passado por Sallanches e atravessado o passo de Véry (6.506 pés), o enclave de la Fenêtre (7.425 pés), o passo do Bonhomme (8.147 pés), o passo do monte Iseran (9.085 pés), o Grand Mont Cenis (6.893 pés), o passo do Pequeno Monte Cenis (7.166 pés), os passos Clapier (8.173 pés), Coteplane (7.589 pés), e Piz (8.550 pés). Eles logo se refugiaram na alta e segura cidadela rochosa de Balsille, onde foram sitiados de 24 de outubro de 1689 a 14 de maio de 1690, por soldados (cerca de 4000 em número) do rei da França e do duque de Saboia.

Nesta fortaleza natural eles conseguiram resistir aos muitos ataques ferozes e durante todo o período de inverno. Em particular, em 2 de maio, um ataque foi derrotado sem a perda de um único homem do pequeno grupo de Arnaud. Porém, outro ataque em 14 de maio não foi possível resistir, e Arnaud retirou seu grupo da cidadela, aproveitando-se de uma espessa névoa, para guiá-los pelas colinas até o vale de Angrogna, acima de La Tour.

Um mês depois, os valdenses foram recebidos pelo duque de Saboia, por iniciativa deste, já que tinha abandonado sua aliança com a França e feito outra com a Grã-Bretanha e a Holanda. Deste modo, pelos seis anos que se seguiram, os valdenses apoiaram o duque contra a França, apesar de sofrerem muitos e repetidos ataques das tropas francesas.

Por uma cláusula no tratado de paz de 1696, tornado público em 1698, Vítor Amadeu voltou-se novamente contra os valdenses, e cerca de 3.000 deles, dentre os quais Arnaud, buscaram proteção nos países protestantes, principalmente em Württemberg, onde Arnaud tornou-se o pastor de Dürrmenz-Schönenberg, a noroeste de Stuttgart, em 1699. Mais uma vez (1704-1706) os valdenses apoiaram o duque contra a França. Arnaud, no entanto, não tomou parte nas operações militares, embora tenha visitado a Inglaterra (1707) a fim de obter ajuda financeira da Rainha Ana.

TeologiaEditar

Henri Arnaud está entre os últimos valdenses a se juntaram à Reforma Protestante, em Genebra.

Morte e legadoEditar

Arnaud morreu em Schönenberg, que era uma igreja de aldeia da paróquia de Dürrmenz, em 1721. Foi durante seus momentos de folga que compilou vários documentos, dentre eles a Histoire de la glorieuse rentrée des Vaudois dans leurs vallées, que foi publicada (provavelmente em Kassel) em 1710, com uma dedicatória à rainha Ana. Foi traduzida para o inglês em 1827, por Henry Acland, e também apareceu em versões em alemão e holandês. Uma parte do manuscrito original está preservada na Biblioteca Estatal de Berlim.

Referências

  • Este artigo incorpora texto (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.
  •   Vários autores (1911). «Arnaud, Henri». In: Chisholm, Hugh. Encyclopædia Britannica. A Dictionary of Arts, Sciences, Literature, and General information (em inglês) 11.ª ed. Encyclopædia Britannica, Inc. (atualmente em domínio público) 
  • K. H. Klaiber, Henri Arnaud, cin Lebensbild (Stuttgart, 1880);
  • A. de Rochas d'Aiglun, Les Vallees vaudoises (Paris, 1881);
  • vários capítulos no Bulletin du bicentenaire de la glorieuse rentree (Turim, 1889).
  • Este artigo incorpora o texto de uma publicação agora em domínio público: Wood, James, ed. (1907). The Nuttall Encyclopædia. Londres e Nova York: Frederick Warne.

Ligações externasEditar