Abrir menu principal
Judeus ucranianos cavando suas próprias covas, vigiados por soldados da SS nazista.

O Holocausto na Ucrânia teve lugar no Reichskommissariat da Ucrânia durante a ocupação da Ucrânia soviética pela Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial com participação do movimento totalitário[1] Organização dos Nacionalistas Ucranianos.[2][3][4][5][6] Entre 1941 e 1944, cerca de 250.000 judeus, totalizando cerca de 17% da população pré-holocausto de 1.500.000 judeus, mulheres e crianças vivendo na província da Ucrânia(a maioria 80% foi evacuados pelos soviéticos nos primeiros meses da guerra), foram assassinados como parte das políticas de extermínio da Generalplan Ost e da Solução Final.[7][8][9][10]

Segundo o historiador de Yale, Timothy D. Snyder, "o Holocausto está integral e organicamente ligado ao Vernichtungskrieg, à guerra de 1941, e está organicamente e integralmente ligado à tentativa de conquistar a Ucrânia". Outros 3.000.000 habitantes da Ucrânia morreram como soldados do exército soviético ou indiretamente como consequência da Segunda Guerra Mundial.[11]

Índice

Generalplan OstEditar

Uma das ambições de Hitler no início da guerra era exterminar, expulsar e/ou escravizar a maioria ou todos os eslavos de suas terras nativas, de modo a tornar o espaço vital para os colonos alemães.[12] O plano de genocidio[13] deveria entrar em vigor gradualmente durante um período de 25 a 30 anos.[14]

Segundo o historiador William W. Hagen, "o Generalplan Ost ... previu a diminuição das populações dos povos do leste europeu pelas seguintes medidas: poloneses - 85%; bielorrussos - 75%; ucranianos - 65%; tchecos - 50%". O povo russo, uma vez subjugado na guerra, se uniria às quatro nações de língua eslava cujo destino predizia o Generalplan Ost.[15]

Esquadrões da morte (1941-1943)Editar

Presentes ao fundo são membros do Exército Alemão, do Serviço Trabalhista Alemão e da Juventude Hitlerista e as perdas civis totais durante a guerra e a ocupação alemã na Ucrânia são estimadas em quatro milhões, incluindo até um milhão de judeus que foram assassinados pelos Einsatzgruppen e por colaboradores locais nazistas. O Einsatzgruppe C (SS-Gruppenführer Dr. Otto Rasch) foi designado para o norte e o centro da Ucrânia, e Einsatzgruppe D (Gruppenführer Dr. Otto Ohlendorf) para a Moldávia, o sul da Ucrânia, a Crimeia e, durante 1942, o norte do Cáucaso. De acordo com Ohlendorf em seu julgamento, "os Einsatzgruppen tinham a missão de proteger a retaguarda das tropas matando os judeus, os ciganos, os funcionários comunistas, os comunistas ativos, os eslavos não cooperativos e todas as pessoas que pusessem em perigo a segurança". Na prática, suas vítimas eram quase todos civis judeus (nenhum membro Einsatzgruppen foi morto em ação durante estas operações [carece de fontes?])[16][16]

O Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos conta a história de um sobrevivente dos Einsatzgruppen em Piryatin, Ucrânia, quando mataram 1.600 judeus em 6 de abril de 1942, o segundo dia da Páscoa:

Eu os vi fazer o assassinato. Às 17:00 eles deram o comando "Preencha os poços". Gritos e gemidos vinham dos poços. De repente, vi meu vizinho Ruderman sair de debaixo do solo ... Seus olhos estavam ensanguentados e ele gritava: "Acabem comigo!" … Uma mulher assassinada jazia aos meus pés. Um menino de cinco anos saiu de debaixo do corpo dela e começou a gritar desesperadamente. "Mamãe!" Isso foi tudo que vi, desde que caí inconsciente.[17]

De 16 a 30 de setembro de 1941, o massacre de Nikolaev em torno da cidade de Mykolaiv resultou na morte de 35.782 cidadãos soviéticos, a maioria dos quais eram judeus, como foi relatado a Hitler.[18]

O mais notório massacre de judeus na Ucrânia foi na ravina de Babi Yar, perto de Kiev, onde 33.771 judeus foram mortos em uma única operação em 29-30 de setembro de 1941. (Uma fusão de 100.000 a 150.000 ucranianos e outros cidadãos soviéticos também foram mortos em nas semanas seguintes). O assassinato em massa de judeus em Kiev foi decidido pelo governador militar major-general Friedrich Eberhardt, pelo comandante da polícia do Grupo de Exércitos do Sul (SS-Obergruppenführer Friedrich Jeckeln) e pelo comandante da Einsatzgruppe C, Otto Rasch. Foi realizado por uma mistura de SS, SD e Polícia de Segurança, assistida pela Polícia Auxiliar Ucraniana. Na segunda-feira, os judeus de Kiev se reuniram no cemitério, esperando serem carregados nos trens. A multidão era grande o suficiente para que a maioria dos homens, mulheres e crianças não soubessem o que estava acontecendo até que fosse tarde demais: quando ouvissem o fogo da metralhadora, não haveria chance de escapar. Todos foram conduzidos por um corredor de soldados, em grupos de dez pessoas, e depois atirados. Um motorista de caminhão descreveu a cena:

Judeus da cidade de Kiev e arredores! Na segunda-feira, 29 de setembro, você deve comparecer às 8hrs com seus pertences, dinheiro, documentos, objetos de valor e roupas quentes na Rua Dorogozhitskaya, ao lado do cemitério judeu. A falta de comparência é punível com a morte.Berenbaum, Michael (2006).[19]

Depois do outro, tiveram de retirar as malas, depois os casacos, os sapatos, as bermudas e também as roupas íntimas ... Uma vez despidos, foram levados para o barranco com cerca de 150 metros de comprimento e 30 de largura e uns bons 15 metros. Quando chegaram ao fundo do desfiladeiro, foram presos por membros da Schutzmannschaft e obrigados a deitar-se sobre os judeus que já haviam sido fuzilados ... Os cadáveres estavam literalmente em camadas. Um atirador da polícia apareceu e atirou em cada judeu no pescoço com uma metralhadora ... Eu vi esses atiradores em cima de camadas de cadáveres e atirar um após o outro ... O atirador atravessava os corpos dos judeus executados até o próximo judeu, que Enquanto isso, deitou-se e atirou nele[20]

ColaboracionismoEditar

A National Geographic relatou: "Um número de ucranianos haviam colaborado: Segundo o historiador alemão Dieter Pohl (de), cerca de 100.000 se uniram a unidades policiais que prestaram assistência fundamental aos nazistas. Muitos outros cuidavam das burocracias locais ou ajudavam durante tiroteios em massa. Ucranianos, como o infame Ivan, o Terrível de Treblinka, também estavam entre os guardas que abrigavam os campos de concentração nazistas alemães."[21]

De acordo com o Centro Simon Wiesenthal (em janeiro de 2011) "A Ucrânia, até onde sabemos, nunca conduziu uma única investigação de um criminoso de guerra nazista local, muito menos processou um perpetrador do Holocausto".[22] Segundo o historiador israelense do Holocausto, Yitzhak Arad, "em janeiro de 1942, uma companhia de voluntários tártaros foi estabelecida em Simferopol, sob o comando do Einsatzgruppe 11. Essa companhia participou de caçadas anti-judaicas e assassinatos nas regiões rurais".[23] De acordo com Timothy Snyder, "algo que nunca é dito, porque é inconvencível para todos, é que mais comunistas ucranianos colaboraram com os alemães do que os nacionalistas ucranianos". Além disso, muitos dos que colaboraram com a ocupação alemã também colaboraram com as políticas soviéticas da década de 1930.[24]

PartisansEditar

A Ucrânia classifica em 4º o número de pessoas reconhecidas como "Justas entre as Nações" por salvar judeus durante o Holocausto, com o total de 2.515 pessoas reconhecidas a partir de 1 de janeiro de 2015.[25] Os shtundistas, uma denominação evangélica protestante que surgiu no final do século XIX na Ucrânia, ajudaram a esconder os judeus.[26]

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Driven Patriot: The Life and Times of James Forrestal
  2. Grzegorz,, Rossolinski, (2014). Stepan Bandera : the life and afterlife of a Ukrainian nationalist : Fascism, genocide, and cult. Stuttgart, Germany: Ibidem-Verlag. ISBN 9783838206868. OCLC 880566030 
  3. 1926-, Arad, Yitzhak, (2009). Holocaust in the Soviet Union. Lincoln: University of Nebraska Press. p. 89. ISBN 9780803222700. OCLC 466441935 
  4. «Nazikollaborateur als neuer Held der Ukraine - Jüdische Gemeinde zu Berlin». www.jg-berlin.org (em alemão). Consultado em 5 de janeiro de 2018 
  5. Himka, John-Paul. «The Lviv Pogrom of 1941: The Germans, Ukrainian Nationalists, and the Carnival Crowd» (em inglês) 
  6. Gregorovich, Andrew (1995). «World War II in Ukraine: Jewish Holocaust in Ukraine». Reprinted from FORUM Ukrainian Review (92) 
  7. [1]
  8. [2]
  9. Dawidowicz, Lucy S. (1986). The war against the Jews, 1933–1945. New York: Bantam Books. p. 403. ISBN 0-553-34302-5 
  10. Magocsi, Paul Robert (1996). A History of Ukraine. [S.l.]: University of Toronto Press. 633 páginas. ISBN 9780802078209 
  11. «Timothy Snyder: Germany must own up to past atrocities in Ukraine». Consultado em 5 de julho de 2017 
  12. Hagen WW (2012). German History in Modern Times: Four Lives of the Nation. Cambridge: Cambridge University Press. p. 313 
  13. DIETRICH EICHHOLTZ "»Generalplan Ost« zur Versklavung osteuropäischer Völker" [3] Arquivado em 24 de junho de 2008, no Wayback Machine.
  14. Madajczyk, Czesław. "Die Besatzungssysteme der Achsenmächte. Versuch einer komparatistischen Analyse." Studia Historiae Oeconomicae vol. 14 (1980): pp. 105-122 [4] in Hitler's War in the East, 1941-1945: A Critical Assessment by Gerd R. Ueberschär and Rolf-Dieter Müller [5]
  15. Hagen WW (2012). German History in Modern Times: Four Lives of the Nation. Cambridge: Cambridge University Press. p. 313.
  16. a b Berenbaum, Michael (2006). The World Must Know 2nd ed. [S.l.]: USHMM / Johns Hopkins Univ Press. ISBN 978-0801883583  P. 93.
  17. Berenbaum, Michael (2006). The World Must Know. Contributors: Arnold Kramer, USHMM (2nd ed.). USHMM / Johns Hopkins Univ Press. ISBN 978-0801883583. P. 93.
  18. Hemme, Amira Lapidot (2012). «Jewish History of Mykolayiv (Nikolayev), Kherson Gubernia». JewishGen. Consultado em 29 de dezembro de 2014 
  19. 'Order posted in Kiev in Russian and Ukrainian on or around September 26, 1941.
  20. The World Must Know. Contributors: Arnold Kramer, USHMM (2nd ed.). USHMM / Johns Hopkins Univ Press. ISBN 978-0801883583. p.97-88
  21. President Putin Has Called Ukraine a Hotbed of Anti-Semites. It's Not.". National Geographic. May 30, 2014
  22. Nazi-hunters give low grades to 13 countries, including Ukraine, Kyiv Post (January 12, 2011)
  23. Arad, Yitzhak (2009). The Holocaust in the Soviet Union. [S.l.]: U of Nebraska Press. p. 211. ISBN 0-8032-2270-X 
  24. Germans must remember the truth about Ukraine – for their own sake, Eurozine (7 July 2017)
  25. «Names and Numbers of Righteous Among the Nations - per Country & Ethnic Origin, as of January 1, 2015». Yad Vashem. Consultado em 12 de dezembro de 2015 
  26. Snyder, Timothy (2015). Black Earth: The Holocaust as History and Warning. [S.l.]: Crown/Archetype. p. 328. ISBN 978-1-101-90346-9