Abrir menu principal

Campos de concentração nazistas

Soldados do Exército dos EUA mostram a civis alemães de Weimar a pilha de cadáveres encontrada no campo de Buchenwald.

A Alemanha nazista manteve campos de concentração (em alemão: Konzentrationslager, KZ ou KL) em todos os territórios que controlou antes e durante a Segunda Guerra Mundial. Os primeiros campos nazistas foram erguidos na Alemanha em março de 1933, imediatamente depois que Adolf Hitler se tornou Chanceler e seu Partido nazista recebeu o controle da polícia pelo Ministro do Interior do Reich, Wilhelm Frick, e pelo Ministro do Interior prussiano, Hermann Göring.[1] Usado para aprisionar e torturar adversários políticos e sindicalistas, os campos inicialmente reuniram cerca de 45 mil prisioneiros.[2]

As SS de Heinrich Himmler assumiram o controle total da polícia e dos campos de concentração em toda a Alemanha em 1934-35.[3] Himmler expandiu o papel dos campos para manter os chamados "elementos racialmente indesejáveis", como judeus, deficientes, homossexuais, criminosos e ciganos.[4] O número de pessoas nos campos, que caiu para 7.500, cresceu novamente para 21.000 no início da Segunda Guerra Mundial[5] e atingiu o pico em 715.000 em janeiro de 1945.[6]

Os campos de concentração foram administrados desde 1934 pela Inspetoria dos Campos de Concentração (CCI), que em 1942 foi fundida na SS-Wirtschafts-Verwaltungshauptamt e eram guardadas pela SS-Totenkopfverbände (SS-TV).

Os estudiosos do Holocausto estabelecem uma distinção entre os campos de concentração (descritos neste artigo) e os campos de extermínio, que foram estabelecidos pela Alemanha nazista para o assassinato em massa em escala industrial de judeus nos guetos por meio de câmaras de gás.

Índice

Campos pré-guerraEditar

 
O campo de concentração de Dachau foi criado com a finalidade de deter opositores políticos.

O uso da palavra "concentração" veio da ideia de confinar as pessoas em um só lugar porque pertencem a um grupo que é considerado indesejável de alguma forma. O próprio termo se originou em 1897, quando os "campos de reconcentração" foram criados em Cuba pelo general Valeriano Weyler. No passado, o governo dos Estados Unidos usou campos de concentração contra nativos americanos e os britânicos também os usaram durante a Segunda Guerra dos Bôeres. Entre 1904 e 1908, o Schutztruppe do Exército Imperial Alemão operou campos de concentração no Sudoeste Africano Alemão (atual Namíbia) como parte do genocídio dos hererós e namaquas.

Quando os nazistas chegaram ao poder na Alemanha, eles rapidamente se mudaram para suprimir toda a oposição real e potencial. O público em geral foi intimidado pelo terror psicológico arbitrário que era usado pelos tribunais especiais (Sondergerichte).[7] Especialmente durante os primeiros anos de existência, quando esses tribunais "tiveram um forte efeito dissuasivo" contra qualquer forma de protesto político.[8]

O primeiro campo na Alemanha, Dachau, foi fundado em março de 1933.[9] O anúncio da imprensa disse que "o primeiro campo de concentração deve ser aberto em Dachau com acomodação para 5.000 pessoas. Todos os comunistas e - quando necessário - Reichsbanner e social-democratas que põem em perigo a segurança do Estado devem se concentrar ali, visto que a longo prazo não é possível manter os presos nas prisões do governo sem sobrecarregá-las".[9] Dachau foi o primeiro campo de concentração regular estabelecido pelo governo de coalizão alemão do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Partido Nazista) e do Partido Popular Nacionalista (dissolvido em 6 de julho de 1933). Heinrich Himmler, então Chefe de Polícia de Munique, descreveu oficialmente o lugar como "o primeiro campo de concentração para prisioneiros políticos".[9]

 
Reichsführer-SS Heinrich Himmler inspecionando o campo de concentração de Dachau em 8 de maio de 1936.

Em 26 de junho de 1933, Himmler nomeou Theodor Eicke comandante de Dachau, que em 1934 também foi nomeado o primeiro inspetor de campos de concentração (CCI). Além disso, os restantes campos geridos pela SA foram assumidos pela SS.[10][11][12] Dachau serviu de protótipo e modelo para os outros campos de concentração nazistas. Quase todas as comunidades na Alemanha tinham membros que foram levados para lá. Os jornais informaram continuamente sobre "a remoção dos inimigos do Reich para os campos de concentração" tornando a população em geral mais ciente de sua presença. Havia jingles advertindo já em 1935: "Querido Deus, me deixe mudo, para que eu não venha a Dachau".[13]

Entre 1933 e a queda da Alemanha nazista em 1945, mais de 3,5 milhões de alemães foram forçados a ir para campos de concentração e prisões por razões políticas[14][15][16] e aproximadamente 77 mil alemães foram executados por tribunais especiais, tribunais marciais e pelo sistema de justiça civil nazista. Muitos desses alemães haviam servido no governo, nos militares ou em cargos civis, o que lhes permitiu se envolver em subversão e conspiração contra os nazistas.[7]

Segunda Guerra MundialEditar

 Ver artigos principais: Holocausto e Campo de extermínio
 
Campos de concentração nazistas na Europa ocupada.

Depois de setembro de 1939, com o início da Segunda Guerra Mundial, os campos de concentração tornaram-se lugares onde milhões de pessoas comuns foram escravizadas como parte do esforço de guerra nazista, muitas vezes passando fome, torturas e, por fim, assassinatos.[17] Durante a guerra, novos campos de concentração nazistas para "indesejáveis" se espalharam por todo o continente. De acordo com as estatísticas do Ministério da Justiça Alemão, cerca de 1.200 campos e subcampos foram criados na Europa ocupada pela Alemanha Nazista,[18] enquanto a Jewish Virtual Library estima que o número de campos nazistas era mais próximo de 15.000 em toda a Europa ocupada e que muitos desses campos foram mantidos por um período de tempo limitado antes de serem fechados.[19][20] Foram criados campos perto dos centros populacionais densos, muitas vezes focados em áreas com grandes comunidades de judeus, poloneses intelligentsia, comunistas ou ciganos. Como milhões de judeus viviam na Polônia antes da guerra, a maioria dos campos estava localizada na área do Governo Geral na Polônia ocupada, por razões logísticas. A localização também permitiu que os nazistas eliminassem rapidamente os judeus alemães da própria Alemanha.

Em 1940, o CCI ficou sob o controle do Verwaltung und Wirtschaftshauptamt Hauptamt (VuWHA, Escritório de Administração e Negócios), que foi criado sob o comando de Oswald Pohl.[21] Então, em 1942, o CCI tornou-se o Amt D (Escritório D) do escritório principal consolidado conhecido como SS-Wirtschafts-Verwaltungshauptamt (SS Departamento Econômico e Administrativo, WVHA) sob Pohl.[21] Em 1942, as SS construíram uma rede de campos de extermínio para matar sistematicamente milhões de prisioneiros por gaseificação. Os campos de extermínio (Vernichtungslager) e os campos da morte (Todeslager) eram campos cuja principal função era o genocídio. Os próprios nazistas distinguiam os campos de concentração dos campos de extermínio.[22][23]

LibertaçãoEditar

 
Prisioneiros desnutridos do campo de Mauthausen, libertos em 5 de maio de 1945.

Os campos foram libertados pelas forças aliadas entre 1944 e 1945. O primeiro grande campo, Majdanek, foi descoberto pelo avanço dos soviéticos em 23 de julho de 1944. Auschwitz foi libertado, também pelos soviéticos, em 27 de janeiro de 1945; Buchenwald pelos estadunidenses em 11 de abril; Bergen-Belsen pelos britânicos em 15 de abril; Dachau pelos norte-americanos em 29 de abril; Ravensbrück pelos soviéticos no mesmo dia; Mauthausen também pelos estadunidenses em 5 de maio; e Theresienstadt pelos soviéticos em 8 de maio.[24] Treblinka, Sobibór e Bełżec nunca foram libertados, mas foram destruídos pelos nazistas em 1943. O coronel William W. Quinn, do Exército dos Estados Unidos, disse sobre Dachau: "Nossas tropas encontraram visões, sons e manchas horríveis além do imaginável, crueldades tão enormes que são incompreensíveis para a mente normal".[25][26]

Na maioria dos campos descobertos pelos soviéticos, quase todos os prisioneiros já haviam sido removidos, sendo que apenas alguns milhares de pessoas foram deixadas vivas - 7.000 presos foram encontrados em Auschwitz, incluindo 180 crianças que passaram por experimentos médicos.[27] Cerca de 60 mil prisioneiros foram descobertos em Bergen-Belsen pela 11ª Divisão Blindada Britânica,[28] 13.000 cadáveres ao ar livre e outras 10.000 pessoas morreram de tifo ou desnutrição nas semanas seguintes.[29] Os britânicos obrigaram os guardas restantes da SS a reunir os cadáveres e colocá-los em valas comuns.[30]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Evans 2003, pp. 344–345.
  2. Evans 2005, p. 81.
  3. Evans 2005, p. 85.
  4. Evans 2005, pp. 87–90.
  5. Evans 2005, p. 90.
  6. Evans 2008, p. 367.
  7. a b Peter Hoffmann "The History of the German Resistance, 1933–1945"p.xiii
  8. Andrew Szanajda "The restoration of justice in postwar Hesse, 1945–1949" p.25
  9. a b c «Ein Konzentrationslager für politische Gefangene In der Nähe von Dachau». The Holocaust History Project. Münchner Neueste Nachrichten ("The Munich Latest News") (em alemão). 21 de março de 1933 
  10. McNab 2009, p. 137.
  11. Kershaw 2008, pp. 308–314.
  12. Evans 2005, pp. 31–35, 39.
  13. Janowitz, Morris (Setembro de 1946). «German Reactions to Nazi Atrocities». The University of Chicago Press. The American Journal of Sociology. 52 (2): 141–146. JSTOR 2770938. doi:10.1086/219961 
  14. Henry Maitles NEVER AGAIN!: A review of David Goldhagen, Hitlers Willing Executioners: Ordinary Germans and the Holocaust", further referenced to G Almond, "The German Resistance Movement", Current History 10 (1946), pp409–527. It's actually about Daniel Goldhagen.
  15. David Clay, "Contending with Hitler: Varieties of German Resistance in the Third Reich", p.122 (1994) ISBN 0-521-41459-8
  16. Otis C. Mitchell, "Hitler's Nazi state: the years of dictatorial rule, 1934–1945" (1988), p.217
  17. CNN – Army to honor soldiers enslaved by Nazis
  18. «List of concentration camps and their outposts» (em alemão). Federal Ministry of Justice and Consumer Protection 
  19. Concentration Camp Listing Sourced from Van Eck, Ludo Le livre des Camps. Belgium: Editions Kritak; and Gilbert, Martin Atlas of the Holocaust. New York: William Morrow 1993 ISBN 0-688-12364-3
  20. «List of national socialist camps and detention sites 1933 - 1945». Germany - A Memorial. Bettina Sarnes, Holger Sarnes 
  21. a b Weale 2012, p. 115.
  22. Diary of Johann Paul Kremer
  23. Overy, Richard. Interrogations, p. 356–7. Penguin 2002. ISBN 978-0-14-028454-6
  24. Stone, Dan G.; Wood, Angela (2007). Holocaust: The events and their impact on real people, in conjunction with the USC Shoah Foundation Institute for Visual History and Education. [S.l.: s.n.] p. 144. ISBN 0-7566-2535-1 
  25. Holocaust: The events and their impact on real people, DK Publishing in conjunction with the USC Shoah Foundation Institute for Visual History and Education, p. 146.
  26. Um filme com cenas da libertação de Dachau, Buchenwald, Belsen e outros campos de concentração nazistas, supervisionado pelo Ministério da Informação britânico e pelo Escritório Americano de Informação da Guerra, foi iniciado, mas nunca foi concluído ou exibido. Deixou-se em arquivos até o primeiro canal no Frontline da PBS em 7 de maio de 1985. O filme, parcialmente editado por Alfred Hitchcock, pode ser visto on-line em Memory of the Camps.
  27. Holocaust: The events and their impact on real people, DK Publishing in conjunction with the USC Shoah Foundation Institute for Visual History and Education, p. 145.
  28. "The 11th Armoured Division (Great Britain)", United States Holocaust Memorial Museum.
  29. "Bergen-Belsen", United States Holocaust Memorial Museum.
  30. Wiesel, Elie. After the Darkness: Reflections on the Holocaust, Schocken Books, p. 41.

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar