Abrir menu principal

I'll Do Anything

filme de 1994 dirigido por James L. Brooks
I'll Do Anything
Disponível para Tudo (PRT)
Disposto a Tudo (BRA)
Pôster promocional
 Estados Unidos
1994 •  cor •  115 min 
Direção James L. Brooks
Produção James L. Brooks
Polly Platt
Roteiro James L. Brooks
Elenco Nick Nolte
Albert Brooks
Julie Kavner
Whittni Wright
Joely Richardson
Tracey Ullman
Gênero comédia dramática
Música Hans Zimmer
Cinematografia Michael Ballhaus
Edição Richard Marks
Companhia(s) produtora(s) Gracie Films
Distribuição Columbia Pictures
Lançamento Estados Unidos 4 de fevereiro de 1994
Portugal 29 de julho de 1994
Idioma inglês
Orçamento US$40 milhões
Receita US$10,209,111 (EUA)
Página no IMDb (em inglês)

I'll Do Anything (pt: Disponível para Tudo / br: Disposto a Tudo) é um filme de drama estadunidense de 1994 escrito e dirigido por James L. Brooks. Seu enredo principal diz respeito a um ator de pouca sorte, que de repente se encontra sendo na situação de cuidar de sua filha de seis anos de idade.

ResumoEditar

Quando Beth Hobbs (Tracey Ullman), sua ex-mulher, é presa, um actor sem sucesso mas talentoso, Matt Hobbs (Nick Nolte), vê-se obrigado a cuidar repentinamente da sua inteligente e precoce filha de 6 anos, Jeannie Hobbs (Whittni Wright).

Como precisa sustentar Jeannie, Matt tem que trabalhar mais regularmente. Assim ele consegue um emprego como motorista com Burke Adler (Albert Brooks), um produtor de cinema. Paralelamente Matt envolve-se com a bela Cathy Breslow (Joely Richardson), uma assistente de produção.

ElencoEditar

Ficha técnicaEditar

Título Original: I'll Do Anything

ProduçãoEditar

Originally I'll Do Anything foi concebido e filmado por James L. Brooks como um antiquado musical e filme paródia de "estilo de vida de Hollywood e clichês de filmes", custando £40 milhões.[1] Ele apresentava músicas de Carole King, Prince, e Sinéad O'Connor, entre outros, com coreografia de Twyla Tharp.[1] Quando visualizar as reações da platéia foram esmagadoramente negativa, todos os números de produção do filme foram cortadas e Brooks escreveu várias novas cenas, filmando-os ao longo de três dias, e passou sete semanas editando o filme. Brooks observou: "Algo como isso não só tenta a alma - ela ameaça a alma."[1] Mais tarde, ele disse sobre o filme,

ReaçãoEditar

I'll Do Anything recebeu críticas mistas a positivas dos críticos. Ele detém actualmente uma classificação de 61% no Rotten Tomatoes com base em 18 comentários.

Em sua revisão de três estrelas em Chicago Sun-Times, Roger Ebert chamou-lhe "uma daquelas comédias descentralizadas que obtém seus melhores momentos simplesmente olhando para as pessoas e ver como engraçado, quão patético, o quão maravilhoso, às vezes, pode ser ... é uma, nervosa, história engraçada brilhante sobre as pessoas que têm todo o talento que eles precisam, mas não toda a sorte ... é útil, eu acho, para simplesmente esquecer as músicas que faltam, e reconhecer que I'll Do Anything é um filme completo sem eles - inteligente, original subversivo".[2] Janet Maslin do New York Times descreveu como "divertido" e "improvavelmente flutuante".[3]

BilheteriaEditar

O filme foi um fracasso de bilheteria. Produzido com um orçamento de $40 milhões, I'll Do Anything arrecadou apenas um pouco mais $10.2 milhões em vendas de ingressos.

MúsicaEditar

Uma das canções originais feitos para serem realizados no filme é ouvido durante os créditos finais, e está incluído no álbum de trilha sonora lançado pela Varèse Sarabande, juntamente com quatro faixas instrumentais do compositor do filme, Hans Zimmer.[4] Enquanto outras versões de músicas escritas por Prince ressurgiu em alguns de seus projetos posteriores, Girl 6 e The Vault: Old Friends 4 Sale, nenhuma das performances reais do filme foram já lançado oficialmente.

Apesar de James L. Brooks mencionou que gostaria de lançar uma versão cut do diretor restaurando os números musicais, incluindo um making-of documentário, esse projeto ainda tem de vir a ser concretizadas. Versão lançada comercialmente do filme está disponível em DVD.

Referências

  1. a b c d Robert W. Butler (3 de fevereiro de 1994). «Anything to save the movie James L. Brooks dumped the music, rewrote the scenes and did more filming for `I'll Do Anything'». The Kansas City Star. p. E1 
  2. Roger Ebert review in the Chicago Sun-Times, February 4, 1994
  3. Janet Maslin review in the New York Times, February 4, 1994
  4. I'll Do Anything soundtrack at SoundtrackCollector.com

Ligações externasEditar