Idiota útil

Termo político

Um idiota útil é, no jargão político, um termo depreciativo para uma pessoa percebida como propagandista duma causa sem compreender completamente os objetivos da causa, e que é cinicamente usado pelos líderes da causa.[1][2] O termo foi originalmente usado durante a Guerra Fria para descrever não comunistas considerados suscetíveis à propaganda e manipulação comunista.[1] O termo tem sido frequentemente atribuído a Vladimir Lenin,[3] mas esta atribuição não tem fundamento.[4][5]

OrigemEditar

A expressão "idiota útil" tem sido muitas vezes atribuída a Lenin,[3] mas ele não está documentado como nunca tendo usado a frase. Em um artigo de 1987 para o New York Times, o jornalista americano William Safire investigou a origem do termo, observando que um bibliotecário sênior de referência na Biblioteca do Congresso não conseguiu encontrar a frase nas obras de Lenin e concluindo que, na ausência de novas evidências, o termo não poderia ser atribuído a Lenin.[4][5] Da mesma forma, o Oxford English Dictionary ao definir "idiota útil" diz: "A frase não parece refletir nenhuma expressão usada dentro da União Soviética".[1]

O termo apareceu num artigo do New York Times de junho de 1948 sobre política italiana contemporânea, citando o periódico italiano social-democrata centrista L'Umanità.[6][1] L'Umanità escreveu que os social-democratas de esquerda, que tinham entrado numa frente popular com o Partido Comunista Italiano durante as eleições de 1948, teriam a opção de se fundir com os comunistas ou deixar a aliança.[6] O termo foi mais tarde usado em um artigo de 1955 na American Federation of Labor News-Reporter para se referir aos italianos que apoiavam as causas comunistas.[7] A Time usou pela primeira vez a frase em janeiro de 1958, escrevendo que alguns democratas-cristãos italianos consideravam o ativista social Danilo Dolci um "idiota útil" para as causas comunistas. Desde então, o termo tem se repetido nos artigos da revista.[8][9][10][11][12][13]

Um termo semelhante, "inocentes úteis", aparece no livro do economista Ludwig von Mises, Planned Chaos (1947). Von Mises escreveu que o termo foi usado pelos comunistas para liberais, que von Mises descreve como "simpatizantes confusos e mal orientados".[14] O termo "inocentes úteis" também aparece num artigo da Reader's Digest de 1946 intitulado "A trágica lição iugoslava para o mundo", escrito por Bogdan Raditsa, que serviu ao governo iugoslavo no exílio durante a Segunda Guerra Mundial, apoiou os partidários de Josip Broz Tito (embora não o próprio comunista) e serviu brevemente no novo governo iugoslavo de Tito antes de partir para Nova Iorque.[15] "Na língua servo-croata", diz Raditsa, "os comunistas têm uma frase para verdadeiros democratas que consentem em colaborar com eles [em nome da] 'democracia'. É Korisne Budale, ou Inocentes Úteis".[16]

Utilização atualEditar

Em 1959, o congressista Ed Derwinski, de Illinois, entrou num editorial do Chicago Daily Calumet no registro do Congresso, referindo-se aos americanos que viajaram para a União Soviética para promover a paz como "o que Lenin chama de idiotas úteis no jogo comunista".[17] Em 1961, o jornalista americano Frank Gibney escreveu que Lenin tinha cunhado a expressão "idiota útil". Gibney escreveu que a frase era uma boa descrição dos "seguidores comunistas" de Jean-Paul Sartre a socialistas de esquerda no Japão a membros da Frente Popular Chilena.[18] Num discurso em 1965, Spruille Braden, um diplomata americano que esteve estacionado em vários países latino-americanos durante as décadas de 1930 e 1940 e mais tarde foi um lobista da United Fruit Company, disse que o termo foi usado por Stalin para se referir ao que Braden chamou de "incontáveis inocentes embora bem intencionados sentimentalistas ou idealistas" que ajudaram a agenda soviética.[19]

Escrevendo no The New York Times em 1987, William Safire discutiu o uso crescente do termo "idiota útil" contra "qualquer pessoa insuficientemente anticomunista na visão do usuário da expressão", incluindo os congressistas que apoiaram os anti-Contras Sandinistas na Nicarágua e os socialistas neerlandeses.[4] Depois que o presidente Ronald Reagan concluiu as negociações com o líder soviético Mikhail Gorbachev sobre o Tratado das Forças Nucleares Intermédias, o líder político conservador Howard Phillips declarou Reagan um "idiota útil para a propaganda soviética".[5][20]

Com a crise da Crimeia e a guerra na Ucrânia, numerosos exemplos do uso do termo podem ser encontrados nos principais jornais internacionais. Na sua maioria, descreve o contato entre o governo russo sob Putin e várias personalidades internacionais, incluindo Gérard Depardieu, Sepp Blatter, Aléxis Tsípras, Marine Le Pen, David Duchovny, Mickey Rourke e Donald Trump.[21]

Presidente dos EUA Donald TrumpEditar

Após a eleição de Donald Trump como presidente dos EUA, o antigo chefe da CIA Michael Hayden o chamou de "idiota útil de Putin".[22] O mesmo termo foi usado pela ex-secretária de Estado norte-americana Madeleine Albright[23] e pelo Washington Post.[24]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d «Useful idiot». Oxford English Dictionary. Oxford University Press. 2017.
  2. Holder, R. W. (2008), «Useful fool», Oxford Dictionary of Euphemisms, ISBN 978-0199235179, Oxford University Press, p. 394, Tolo útil — um idiota dos comunistas. A frase de Lenin para os pensadores rasos do Ocidente, a quem os comunistas manipularam. Também como idiota útil. 
  3. a b «As socialism shattered Venezuela, the useful idiots applauded - The Boston Globe». BostonGlobe.com (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  4. a b c Safire, William (12 de abril de 1987). «On Language». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  5. a b c Boller, Paul F. (1989). They never said it : a book of fake quotes, misquotes, and misleading attributions. New York: Barnes & Noble. ISBN 1-56619-105-X. OCLC 28550915 
  6. a b Times, Arnold Cortesispecial To the New York (21 de junho de 1948). «COMMUNIST SHIFT IS SEEN IN EUROPE; Tour of Two Italian Leaders Behind Iron Curtain Held to Doom Popular Fronts». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  7. Stogel, Syd (1955). «'Useful Idiots' Keep Italy Reds Strong». American Federation of Labor News-Reporter.
  8. «ITALY: From the Slums». Time (em inglês). 13 de janeiro de 1958. ISSN 0040-781X 
  9. «World: The City as a Battlefield: A Global Concern». Time (em inglês). 2 de novembro de 1970. ISSN 0040-781X 
  10. Jr, Jacob V. Lamar (14 de dezembro de 1987). «An Offer They Can Refuse». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  11. Poniewozik, James (3 de novembro de 2009). «TV Marks Obama Anniversary with Documentaries, Aliens». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  12. Klein, Joe (26 de novembro de 2010). «Israel First, Yet Again». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  13. Steinmetz, Katy (14 de março de 2012). «Wednesday Words: Useful Idiots, Don 'Draping' and More». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  14. kanopiadmin (18 de agosto de 2014). «Planned Chaos». Mises Institute (em inglês). p. 17. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  15. «Yugoslavia Run by Russia, says Ex-Aide of Tito». Chicago Daily Tribune. 24 de setembro de 1946. p. 6.
  16. Raditsa, Bogdan (1946). Yugoslavia's Tragic Lesson to the World (em inglês). 49. [S.l.]: Reader's Digest Association 
  17. «govinfo | U.S. Government Publishing Office». www.govinfo.gov (em inglês) 105 ed. p. A5653. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  18. Gibney, Frank (1961). The Khrushchev Pattern (em inglês). [S.l.]: Duell, Sloan and Pearce 
  19. Braden, Spruille (1971). Diplomats and demagogues: the memoirs of Spruille Braden (em inglês). [S.l.]: Arlington House Productions. ISBN 978-0-87000-125-3 
  20. Smith, Hedrick (17 de janeiro de 1988). «The Right Against Reagan». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  21. Hayden, Michael (3 de novembro de 2016). «Former CIA chief: Trump is Russia's useful fool». The Washington Post. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2018 
  22. «Former CIA chief calls Trump 'Moscow's useful idiot'». Public Radio International (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  23. Griffiths, Brent. «Albright: Trump fits the mold of Russia's 'useful idiot'». POLITICO (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  24. Rubin, Jennifer (17 de maio de 2017). «Putin has found his perfect 'useful idiots'». The Washington Post. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2017