Ilha das Cobras (Paraná)

Ilha das Cobras
Coordenadas: 48° 25' N 25° 29' O
Geografia física
País Brasil
Localização Oceano Atlântico
Área 52 hectares  km²

A Ilha das Cobras é uma ilha localizada na baía de Paranaguá, pertencente ao território marítimo do Estado do Paraná. Com 52 hectares de área remanescente de Mata Atlântica (floresta ombrófila densa)[1], é de propriedade da União mas cedida para o governo da estado do Paraná através de contrato de cessão de uso gratuito. Em dezembro de 2019, este contrato foi renovado por mais 20 anos.[2][1]

A ilha é constituída de dois morros[1], cujos cumes distam cerca de 500 metros, e entre estes acidentes geográficos estão localizados os edifícios que já abrigaram um lazareto, um reformatório e um presídio e foi residência oficial de veraneio.[3][4]

HistóriaEditar

LazaretoEditar

Em 10 de junho de 1855, o governo provincial do Paraná recebeu a ordem para a construção de um lazareto afim de conter uma possível epidemia no porto local, caso a moléstia de cólera que assolava a província do Pará chegasse ao litoral paranaense. Theófilo Ribeiro de Resende, então vice-presidente da província, e o delegado de Polícia de Paranaguá, além de um engenheiro civil e o provedor de saúde do porto, ficaram responsáveis por providenciar local e estrutura. A Ilha das Cobras foi o local escolhido para a construção (com dinheiro do governo imperial: 4.537.080 contos de réis, valor total da obra), pois ficava distante três léguas da cidade de Paranaguá. Deste modo, foi construído, na parte da ilha denominada "Ponta do Corvo", o "Lazareto da Ilha das Cobras" com 135,5 m², sendo finalizado em 22 de dezembro de 1855.[3][5]

A ilha era de propriedade de José Pereira Malheiros, que foi indenizado pela construção do hospital de isolamento. Desde 1857, o Império do Brasil interessou-se pela aquisição da ilha, mas somente em 1859 a transação foi efetivada.[5]

O local foi utilizado de forma epidêmica nos anos próximos a 1860, quando a varíola e a febre amarela assolou a cidade de Paranaguá (acontecendo o mesmo na cidade de Santos) e entre 1877/1878[6], num surto de cólera e febre amarela, procedentes de outros portos.[7]

EscolaEditar

Em 1936, o prédio foi reformado e passou a abrigar uma escola de pescadores para jovens infratores (na verdade um reformatório com o nome de "Escola de Pescadores Antonio Serafim Lopes"). Com capacidade para 100 alunos, a estadia era obrigatório e os "estudantes" apelidaram o local de “mansão do diabo”.[1]

PrisãoEditar

Durante o Estado Novo, o local virou um presídio para comunistas contrários a política de Getúlio Vargas.[3][8]

Casa de veraneio e apoio as portosEditar

As instalações da ilha também foram usadas como uma residência oficial de veraneio, principalmente durante os governos de Roberto Requião e Beto Richa (com mais frequência para o primeiro).[3]

Em 2006, na renovação do contrato de uso, o local também tornou-se uma base de apoio para os portos da APPA (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina).[3][4]

Unidade de conservação e escola profissionalizanteEditar

A ilha ficou abandonada por anos, pois a última vez que foi utilizada como residência oficial de veraneio foi no ano de 2011[9], no início da gestão de Beto Richa.[3] Por isso, em setembro de 2018, na gestão de Cida Borghetti, a ilha foi transformada no "Parque Estadual Ilha das Cobras", uma unidade de conservação de proteção integral. Este projeto incluía um centro para pesquisas e educação ambiental, principalmente para tartarugas marinhas, pois é local de parada e desova da espécie.[3][9][4]

Em julho de 2020, na gestão de Ratinho Junior, suas instalações tornaram-se a "Escola do Mar", um espaço para o ensino profissionalizante, com cursos de gastronomia, hotelaria, turismo, aquicultura (produção de ostras, mariscos e camarão) e educação ambiental, com a instalação de um restaurante-escola. Quem administra os cursos são o Sebrae e o Senac.[3][9][2]

Referências

  1. a b c d Estudo IAP - Ilha das Cobras (PDF), Correio do Litoral, consultado em 20 de agosto de 2020 
  2. a b Ilha das Cobras terá uma escola de culinária e hotelaria, Agencia de Noticias do Estado do Paraná, consultado em 20 de agosto de 2020 
  3. a b c d e f g h Após ser residência de governadores e campo de concentração, Granja do Canguiri deve virar escola, J. Tribuna do Paraná, consultado em 20 de agosto de 2020 
  4. a b c Ilha das Cobras terá uma escola de culinária e hotelaria, P. Bem Paraná, consultado em 20 de agosto de 2020 
  5. a b Espaços de cura, práticas médicas e epidemias: febre amarela e saúde pública na cidade de Paranaguá (1852-1878) (PDF), Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ, consultado em 20 de agosto de 2020 
  6. Estrutura Fundiária de Paranaguá: 1850-1900 (PDF), Acervo Digital da Universidade Federal do Paraná, consultado em 20 de agosto de 2020 
  7. Espaços de cura, práticas médicas e epidemias: febre amarela e saúde pública na cidade de Paranaguá (1852-1878), Fundação Oswaldo Cruz, consultado em 20 de agosto de 2020 
  8. Terror na Ilha das Cobras, J. Tribuna do Paraná, consultado em 20 de agosto de 2020 
  9. a b c Residência de luxo do governo em ilha no Paraná vai virar escola, J. Tribuna do Paraná, consultado em 20 de agosto de 2020