Go-Komatsu

(Redirecionado de Imperador Go-Komatsu)

Go-Komatsu (後小松? 1 de agosto de 13771 de dezembro de 1433) foi o 100º imperador do Japão, na lista tradicional de sucessão, e o sexto e último imperador da Corte do Norte durante o período Nanboku-chō da história do Japão. Pertencia ao Ramo Jimyōin-tō da Família Imperial.[1]

Go-Komatsu
Imperador do Japão
Reinado 19 de novembro de 1392
a 5 de outubro de 1412
Predecessor Go-Kameyama
Sucessor Shōkō
Xogum Ashikaga Yoshimitsu (1392–94)
Ashikaga Yoshimochi (1394–1412)
Imperador do Norte
Reinado 24 de maio de 1382
a 19 de novembro de 1392
Entronamento 31 de janeiro de 1383
Predecessor Go-En'yū
 
Nascimento 1 de agosto de 1377
Morte 1 de dezembro de 1433 (56 anos)
Nome de nascimento Motohito (幹仁?)
Esposa Hinonishi Sukeko
Descendência Mihito, Imperador Shōkō
Ogawa
Riei
Ikkyū
Casa Casa Imperial Japonesa
Pai Go-En'yū
Mãe Sanjō Itsuko
Religião Xintoísmo

VidaEditar

Antes de ascender ao Trono do Crisântemo, seu nome pessoal era Motohito. Go-Komatsu foi o primeiro filho do Go-En'yū. Sua mãe era Sanjō Izuko, mais tarde conhecida pelo nome budista de Tsūyōmonin, filha do Naidaijin Kimitada.[1][2][3]

Go-Komatsu foi criado no turbulento período Nanboku-chō das Corte rivais do Norte e do Sul na mansão de Hino Sukenori. Se tornou Imperador do Norte aos 16 anos de idade após a abdicação de seu pai, o Go-En'yū. Com o apoio de Ashikaga Yoshimitsu, seu pai governou como imperador aposentado até sua morte em 1393. Em 1392, após a unificação das duas Cortes em disputa, o imperador do sul Go-Kameyama entregou os três tesouros sagrados, que oficialmente sinalizaram o fim das reivindicações da Corte do Sul à soberania. Assim, o Go-Komatsu tornou-se o reconhecido, indiscutivelmente como legítimo Imperador do Japão'em 21 de outubro de 1392.[4][5]

Go-Kameyama acreditava que teria conseguido um acordo com Go-Komatsu para alternar o controle do trono entre os Ramos Jimyōin-tō e Daikakuji-tō da Família Imperial, onde cada ano governaria por 10 anos após o qual cederia ao outro ramo. No entanto, Go-Komatsu renegou o acordo, não só governando por 20 anos até sua própria abdicação em 5 de outubro de 1412, mas foi sucedido por seu próprio filho, o imperador Shōkō que nessa época contava com 11 anos e passou dirigir o pais como Imperador Aposentado.[6][5]

Mas a saúde de Shōkō era precária, e não teve nenhum herdeiro, por essa razão Go-Komatsu o havia instado a adotar o príncipe Sadafusa, neto do terceiro soberano do norte imperador Sukō, e torná-lo seu herdeiro. Mas Shōkō teve um de seus ataques de fúria e não pôde ser persuadido a obedecer. Sadafusa, prudentemente, deixou a capital e tornou-se um sacerdote budista então Go-Komatsu adotou o filho deste Hikohito de dez anos de idade, seu sobrinho de terceiro grau. Que foi o sucessor de Shōkō após a morte deste em 30 de agosto de 1428, tornando-se o imperador Go-Hanazono.[7]

Go-Kameyama veio a falecer em 1 de dezembro de 1433, a Agência da Casa Imperial reconhece Fukakusa no kita no misasagi (深草北陵) em Fushimi-ku, Quioto como seu túmulo.[1]

Referências

  1. a b c Agência da Casa Imperial: Go-Komatsu-tennō (em japonês)
  2. Frederic, Louis; Hwang, Avaro David. O Japão,. Dicionário e Civilização. [S.l.]: GLOBO, p.342. ISBN 9788525046161 
  3. Conlan, Thomas (2011). From Sovereign to Symbol:. An Age of Ritual Determinism in Fourteenth Century Japan (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press, p. 175. ISBN 9780199778102 
  4. Klaproth, Julius von (1834). Annales des empereurs du Japon (em francês). [S.l.]: Oriental Translation Fund, p. 317 
  5. a b Martin, Peter (1997). The Chrysanthemum Throne:. A History of the Emperors of Japan (em inglês). [S.l.]: University of Hawaii Press, p. 94. ISBN 9780824820299 
  6. Sansom, George (1961). A History of Japan, 1334-1615. Stanford University Press. pp. 117–118. (em inglês) ISBN 0804705259.
  7. Martin, Peter (1997). The Chrysanthemum Throne:. A History of the Emperors of Japan (em inglês). [S.l.]: University of Hawaii Press, pp. 95-96. ISBN 9780824820299