Abrir menu principal

Instituto de Educação Professor Ismael Coutinho

Primeira escola normal da América Latina.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde março de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.

O Instituto de Educação Professor Ismael Coutinho (IEPIC) é uma instituição de ensino público secundário estadual que tem como precursora a Escola Normal de Niterói, primeira instituição pública do gênero nas Américas, fundada em 1° de abril no ano de 1835, tornando-a assim a mais velha escola do Rio de Janeiro.

Índice

CriaçãoEditar

A história da Escola Normal de Niterói inicia-se com as reformas à Constituição do Império de 1824 que resultaram no Ato Adicional de 6 de agosto de 1834, cujas medidas confeririam maior autonomia às províncias e neutralizariam maiores pretensões do movimento liberal, de cunho claramente anti-monarquista, em ascendência por causa da abdicação ao trono do imperador Dom Pedro I. Outra conseqüência desta lei foi a transformação do Rio de Janeiro em Município Neutro, desmembrando-se este da Província do Rio de Janeiro. O povoado da Villa Real da Praia Grande (hoje Niterói) seria escolhido capital da província e grande aporte de melhoramentos em infra-estrutura seriam necessários para comportar as demandas de seu novo papel.

O deputado Paulino José Soares de Sousa, Visconde de Uruguai, apresenta à primeira Assembléia Provincial um projeto de instituir uma escola normal onde se formariam os professores da província. O poder coercitivo deste saquarema - como eram conhecidos os membros do Partido Conservador - não encontraria grandes resistências do já combalido grupo liberal. Assim, em 4 de abril de 1835, o novo presidente da província Joaquim José Rodrigues Torres, Visconde de Itaboraí, sancionou o Ato nº 10 da Assembléia Legislativa, de 1 de abril de 1835, que criou uma instituição de ensino que seria responsável de formar educadores para o magistério da instrução primária.

Primeiras turmasEditar

Em seu início de atividades, contou com a realização de 21 matrículas, sendo a de número um a do mineiro José de Souza Lima, que também seria o primeiro professor formado no Brasil. Mais tarde, já radicado em Angra dos Reis, lecionando no Colégio Abílio, José teria como alunos personalidades como Raul Pompéia, Lopes Trovão e o Padre Júlio Maria.

Enxertos e retalhos com o Liceu ProvincialEditar

Em 1847, a Escola Normal, juntamente com outros estabelecimentos, por força de uma nova reforma no ensino, fundem-se para constituir o Liceu Provincial de Niterói. Em 1851 este é extinto, e a Escola Normal seria reinaugurada pelo Imperador Dom Pedro II em 29 de junho de 1862. Não seria desta vez que o estabelecimento continuaria uma trajetória própria. Em 15 de abril de 1890 esta novamente é extinta para formar o Liceu de Humanidades de Niterói, subsistindo apenas como uma divisão pedagógica. Em 1900, novo ressurgimento - Liceu é extinto. Em 1931, junta-se ao seu recém criado Curso Ginasial e forma a Escola Normal de Niterói e Liceu Nilo Peçanha. Em 1938 o interventor do estado Amaral Peixoto renomeia o estabelecimento para Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro. Em 1954, o Curso Normal desliga-se do Liceu e passa-se chamar Instituto de Educação de Niterói. Em 1965 é realizada uma eleição interna para escolher qual nome o colégio adotaria e homenagearia. Os nomes escolhidos foram a dos professores Armando Gonçalves e Ismael de Lima Coutinho, sendo o último o vencedor. Ismael Coutinho foi professor do estabelecimento, onde lecionou as cadeiras de grego, latim e gramática histórica. Também exerceu cargos políticos e foi um filólogo de renome internacional.

Endereços onde funcionouEditar

Não há registros onde se deu seu primeiro funcionamento. Há quem afirme que foi numa casa alugada. A Escola Normal já ocupou vários endereços da cidade:

De 1954 até os dias atuais funciona junto com o Grupo Escolar Getúlio Vargas, situado na Travessa Manuel Continentino, no bairro de São Domingos.

FontesEditar

  • ALVES, Claudia Maria Costa; VILLELA, Heloísa. Niterói Educação - histórias a serem escritas. In: MARTINS, Ismênia de Lima; KNAUSS, Paulo (Organizadores). Cidade Múltipla - Temas de História de Niterói. Niterói: Niterói Livros, 1997.
  • BACKHEUSER, Everardo A. Minha Terra e Minha Vida: (Niterói há um século). 2. ed. Niterói: Niterói Livros, 1994.
  • PORTAL DA EDUCAÇÃO PÚBLICA: Primeiro no Brasil e na América Latina.
  • SOARES, Emmanuel de Macedo. As ruas contam seus nomes. v.1. Niterói: Niterói Livros, 1993.