Angra dos Reis

Município de Angra dos Reis, Rio de Janeiro, Brasil
Disambig grey.svg Nota: Para outras cidades com este nome, veja Angra.
Disambig grey.svg Nota: Se procura a canção da banda Legião Urbana, veja Angra dos Reis (canção). Se procura o clube de futebol, veja Angra dos Reis Esporte Clube.

Angra dos Reis é um município brasileiro situado no sul do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a uma altitude média de seis metros e possui, em seu litoral, 365 ilhas.[7] Possui uma área de 816,3 km² e sua população, conforme estimativas do IBGE de 2020, era de 207 044[4] habitantes. Os municípios limítrofes são Parati, Rio Claro e Mangaratiba, no território fluminense e Bananal e São José do Barreiro, no lado paulista.

Angra dos Reis
  Município do Brasil  
Angra dos Reis ao atardecer.
Angra dos Reis ao atardecer.
Símbolos
Bandeira de Angra dos Reis
Bandeira
Brasão de armas de Angra dos Reis
[[Brasão|Brasão de armas]]
Hino
Apelido(s) "Angrinha"
Gentílico angrense
Localização
Localização de Angra dos Reis no Rio de Janeiro
Localização de Angra dos Reis no Rio de Janeiro
Mapa de Angra dos Reis
Coordenadas 23° 0' 25" S 44° 19' 04" O
País Brasil
Unidade federativa Rio de Janeiro
Região intermediária[1] Rio de Janeiro
Região imediata[1] Região Geográfica Imediata de Angra dos Reis
Municípios limítrofes Bananal (SP), Cunha (SP), Mangaratiba, Paraty, Rio Claro e São José do Barreiro (SP)
Distância até a capital 157 km
História
Fundação 6 de janeiro de 1556 (464 anos)
Aniversário 6 de janeiro[2]
Administração
Prefeito(a) Fernando Jordão (MDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [3] 800,430 km²
População total (estimativa IBGE/2020[4]) 207 044 hab.
Densidade 258,7 hab./km²
Clima Tropical com chuvas de verão (Aw)
Altitude 5,78 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [5]) 0,724 alto
 • Posição RJ: 31º
PIB (IBGE/2014[6]) R$ 6 116 002 mil
 • Posição BR: 139º
PIB per capita (IBGE/2013) R$ 33 699,58
Sítio www.angra.rj.gov.br (Prefeitura)

Antes da chegada dos europeus, era habitada por tribos indígenas tupinambás. Foi descoberta pelos portugueses em 6 de janeiro de 1502, sendo colonizada apenas a partir de 1556. Após 1872, entrou em decadência com a inauguração das estradas de ferro, que interligavam o Vale do Paraíba aos portos de Santos e do Rio de Janeiro. Voltou a ocupar posição de destaque, a partir de 1928, quando a Linha Tronco da Rede Mineira de Viação a ligou aos estados de Minas Gerais e de Goiás, por ele escoando sua produção agrícola. A ferrovia, em bitola métrica, ainda existe, sendo operado atualmente pela Ferrovia Centro-Atlântica, estando em recuperação devido aos deslizamentos de terra nos últimos anos. Em meados do século XX, tornou-se crucial na implantação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda, sendo o porto por onde a mesma era abastecida de carvão de coque proveniente de Santa Catarina. Atualmente, a empresa também utiliza o porto para exportar aço.[carece de fontes?]

Sua importância atual dá-se pelo fato de ter, como instalação subordinada, o terminal marítimo da Baía da Ilha Grande (TEBIG), da Petrobras, localizado no bairro da Monsuaba. Além disso, sedia atualmente as únicas usinas nucleares em funcionamento no Brasil. Atualmente, devido à beleza de suas praias e das regiões próximas, Angra virou ponto forte do turismo não só estadual, mas também nacional. Possui 97 ilhas, muitas delas tendo por donos celebridades nacionais e internacionais, sendo a maior de todas denominada de Ilha Grande.

A maior parte da mancha urbana é cercada por morros, o que contribuiu para que esta fosse afetada algumas vezes por desastres naturais como deslizamentos de terra. Segundo o Censo 2010, em Angra cerca de 36% de sua população vive em favelas, situados em morros ou áreas de mangues. Isto coloca o município em décimo lugar das cidades brasileiras, no que tange a proporção de domicílios nesse tipo de aglomeração urbana do país.[8]

HistóriaEditar

 
Casa do século XIX no centro histórico de Angra

Uma expedição portuguesa comandada por Gonçalo Coelho, chegou, em 6 de janeiro de 1502, a uma baía ou angra que a todos encantou. Batizaram-na, então, de Angra dos Reis, em homenagem à visita dos Três Reis Magos ao menino Jesus, que é comemorada nesse dia. A vila ali construída recebeu inicialmente o nome de Vila dos Três Santos Reis, depois Vila de Angra dos Reis e finalmente Angra dos Reis [9].

Cronologia de eventos HistóricosEditar

  • 1502 - Chegada da expedição portuguesa de Gonçalo Coelho
  • 1532 - A expedição colonizadora portuguesa de Martim Afonso de Sousa passou por Angra dos Reis.
  • 1552 - Hans Staden, aventureiro alemão, é feito prisioneiro dos tupinambá na aldeia situada à barra do rio Ariró, região onde se acredita ficavam os nativos chefiados por Cunhambebe.[10]
  • 1556 - Fundação do povoado pelos filhos do capitão-mor Antônio de Oliveira.
  • 1559 - Doação da Ilha Grande ao doutor Vicente da Fonseca por Martim Afonso em carta de 24 de janeiro.[11]
    • Tinha a carta o seguinte teor:
      “Martim Afonso de Sousa, do conselho de el-rei nosso senhor, capitão e governador da Capitania de S. Vicente, etc. Faço saber a vós meu capitão e ouvidor que ora sois na dita capitania, e aos que ao diante forem, que eu hei por bem fazer mercê ao Dr. Vicente da Fonseca, morador em Lisboa, de uma ilha que está na boca de Angra dos Reis, a qual se chama Ilha Grande, e assim das águas da dita ilha, para poder fazer engenho nela, para ele e todos os seus herdeiros que após dele vierem, fora de todo o tributo, e somente o dízimo a Deus, com condição de sesmaria, pagando-me equipagem a minha capitania da ilha de S. Vicente; pelo que vos mando que logo lhe demarqueis e os metais de posse dela, e lhe deixeis possuir; e da dita posse e demarcação fareis auto no livro da Câmara de S. Vicente, para a todo o tempo se saber como lhe fiz a dita mercê; pelo que lhe mandei passar esta minha provisão, por mim assinada, e selada com o selo de minhas armas. Feita em Lisboa a 24 de janeiro de 1559. – Miguel de... a fez. – Martim Afonso de Sousa. – Cumpra-se esta carta de data do Sr. Martim Afonso de Sousa, como se nela contém. – Jorge Ferreira”
  • 1560 - O governo da metrópole reconheceu o povoado
  • 1593 - Criação da paróquia dos Santos Reis Magos da Ilha Grande por Carta Régia de Filipe I de Portugal e II de Espanha
  • 1608 - Elevação da paróquia à categoria de vila, chamada vila da Ilha Grande
  • 1632 - Imagem de Nossa Senhora da Conceição chegou em Angra dos Reis e tornou-se a padroeira da cidade
  • 1835 - Em 28 de março, a vila da Ilha Grande foi elevada à categoria de cidade pela lei provincial número seis com a denominação de Angra dos Reis
  • 1871 - Construção do paço Municipal (atual prefeitura)
  • 1928 - Chegada da Linha Tronco da Estrada de Ferro Oeste de Minas (posteriormente Rede Mineira de Viação) à Angra dos Reis, tornando-se o ponto terminal da ferrovia. [12]
  • 1959 - Fundação da Verolme Estaleiros Reunidos pelo empresário neerlandês Cornelis Verolme.
  • 1972 - Construção da usina Angra I e abertura da rodovia Rio-Santos
  • 1977 - Inauguração do terminal petrolífero da Baía da Ilha Grande.
  • 1985 - Construção da usina Angra II
  • 1993 - Os índios guaranis procedentes do estado de Santa Catarina conseguem a regularização da Aldeia Bracuí, nos arredores de Angra dos Reis[13]
  • 2002 - Deslizamento de terra e inundações atingiram a cidade, deixando, aproximadamente, trinta mortos.
  • 2010 - Maior desastre natural registrado na cidade desde o descobrimento pelos portugueses deixou 75 mortos em desabamentos e desmoronamentos de terra devido às chuvas fortes e de longa duração.

GeografiaEditar

 
Lagoa Azul, na Ilha Grande

ClimaEditar

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1983, 1986 a 1992 e a partir de 1998, a temperatura mínima absoluta registrada em Angra dos Reis foi de 9,4 °C em 12 de agosto de 1988,[14] e a máxima absoluta de 39,3 °C em 12 de fevereiro de 1966.[15] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 195,3 milímetros (mm) em 3 de janeiro de 2013. Outros acumulados iguais ou superiores a 150 mm foram 191,4 mm em 22 de dezembro de 1965, 183,5 mm em 27 de janeiro de 1992, 164,5 mm em 17 de março de 1968, 164 mm em 19 de fevereiro de 1967, 151,2 mm em 5 de abril de 1987 e 150 mm em 2 de fevereiro de 1998.[16] Janeiro de 2013, com 831,6 mm, foi o mês de maior precipitação.[17]

Dados climatológicos para Angra dos Reis
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 38,5 39,3 37,4 37 35,1 33,8 33,8 36 37,2 35,8 37,2 38,1 39,3
Temperatura máxima média (°C) 29,8 30,1 29 28,2 25,7 24,7 24 24,3 24,5 25,4 26,9 28,3 26,7
Temperatura mínima média (°C) 23,3 23 22,5 21,4 19 17,7 16,6 17,3 18,3 19,4 20,7 22 20,1
Temperatura mínima recorde (°C) 16,2 17 16,3 12,8 12,8 9,8 9,7 9,4 11 12,1 13,7 14,4 9,4
Precipitação (mm) 235,6 188,5 206 166,9 114 71,5 90,1 54 120,9 141,6 148,9 258 1 796
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 14 11 12 10 9 7 8 7 12 13 12 15 130
Umidade relativa compensada (%) 81 80 81 82 82 82 81 81 82 83 82 82 81,6
Horas de sol 173,5 176,1 171,6 146,5 159,5 147,3 159,9 149 120,2 121,1 128,2 128,8 1 781,7
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[18] umidade relativa e horas de sol: normal 1961-1990;[18]
recordes de temperatura de 01/01/1961 a 31/12/1983, 01/01/1986 a 31/08/1992 e 01/06/1998-presente)[14][15]

EconomiaEditar

 
Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto

As usinas nucleares da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto situam-se em Angra dos Reis, no distrito de Mambucaba e são responsáveis pelo fornecimento de grande parte da energia elétrica consumida no estado do Rio de Janeiro.

As atividades econômicas giram em torno da pesca, de atividades portuárias, da geração de energia nas usinas Angra I e Angra II, de comércio e de serviços, da indústria naval — estaleiro Keppel Fels, antigo Verolme — e também do turismo, em suas praias, ilhas e locais de mergulho submarino, principalmente na Ilha Grande.

PolíticaEditar

 
Fernando Jordão, o atual prefeito do município.

CâmaraEditar

Hoje Angra dos Reis conta com 14 cadeiras no legislativo (Câmara Municipal) onde (a partir de 2013) dez cadeiras são da coligação Angra no Coração e apenas quatro da Juntos Para Cuidar de Angra. O presidente da casa é o vereador Zé Augusto (MDB).[19]

PrefeituraEditar

De 2017 a 2020, o prefeito da cidade é Fernando Jordão, do Movimento Democrático Brasileiro, eleito em Outubro de 2016. Este é o seu terceiro mandato na prefeitura, uma vez que Fernando também foi prefeito de 2000 a 2008, por dois mandatos.

SubdivisõesEditar

De acordo com a divisão territorial datada de 18 de dezembro de 1988, tendo assim permanecido na divisão de 2007, o município de Angra dos Reis é constituído de 6 distritos: Angra dos Reis (sede), Abraão, Cunhambebe, Jacuecanga, Mambucaba, e Praia de Araçatiba.

InfraestruturaEditar

EducaçãoEditar

 
Colégio Naval de Angra dos Reis.

No ensino médio, Angra dos Reis possui uma escola entre as melhores do Brasil. No ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2007, o Colégio Naval ficou em 12º lugar entre as escolas públicas.[20]

A cidade conta com um campus da Universidade Federal Fluminense(UFF), um pólo universitário Cederj e um campus da Estácio de Sá, todos situados no bairro Jacuecanga.

Segurança públicaEditar

O policiamento ostensivo da cidade está a cargo da 2ª Companhia do 33º Batalhão da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (33º BPM/2ª Cia), com sede no bairro do Balneário, contando o município com quatro destacamentos de policiamento ostensivo sendo um no bairro da Monsuaba, e os demais nos distritos de Jacuecanga, Frade (Cunhambebe) e Ilha Grande, cuja sede está na Vila do Abraão. A sede do 33º BPM, cuja área de responsabilidade cobre ainda os municípios de Mangaratiba, Paraty e Rio Claro, localiza-se no distrito de Mambucaba.

A responsabilidade pela polícia judiciária no município fica a cargo da 166ª Delegacia de Polícia Civil, localizada no Centro da cidade, onde também se situa a 8ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (8ª CRPI), à qual se subordinam, ainda, as delegacias dos municípios de Mangaratiba, Paraty e Rio Claro.

A BR-101 possui um posto da Polícia Rodoviária Federal, na entrada do distrito de Jacuecanga, subordinado à Delegacia da PRF em Itaguaí. A Polícia Federal possui uma delegacia no bairro Parque das Palmeiras.

As atividades de defesa civil, combates à incêndio e resgate desenvolvidas pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro em Angra dos Reis é de responsabilidade do 10º Grupamento de Bombeiros Militar, situado no bairro Parque das Palmeiras e que possui um destacamento no bairro do Frade e outro na Vila do Abraão, na Ilha Grande. Esse GBM é responsável, ainda, pelos municípios de Mangaratiba e de Itaguaí. A prefeitura também possui uma equipe de Defesa Civil, para monitoramento e auxílio da população em caso de desastres naturais que conta com postos avançados espalhados em alguns distritos.

TransportesEditar

O município conta com um importante porto. No século XIX, chegou a ser o segundo maior porto do país, responsável pelo escoamento de grande parte da produção de café do vale do Rio Paraíba do Sul.7

O Aeroporto de Angra dos Reis está situado no bairro homônimo (que faz parte da Grande Japuíba) e é de pequeno porte. Ele é administrado, através de uma Licitação Pública, pela parceria entre SOCICAM, Costa Sol Operadora Aeroportuária e Grapiúna. O aeroporto chega a receber 1500 pessoas no verão. A pista mede 950 metros de comprimento e 30 metros de largura. Ainda conta com um posto de abastecimento de aeronaves, dois pátios para o estacionamento das aeronaves (medindo 12.000 metros² o maior) e ainda uma estação de passageiros. Devido à topografia da região não é possível homologar um procedimento convencional de aproximação por instrumentos e o aeroporto opera em condições visuais no período diurno. As coordenadas geográficas são S22° 58 31 e W044° 18 26. A elevação do aeródromo é de 3 pés. As cabeceiras de pouso tem orientação 10 e 28, com piso de asfalto e resistência de piso PCN 10.[21]

A cidade conta com uma empresa de transporte público, a Viação Senhor do Bonfim. Ela atende a vários bairros da cidade, como os do Grande Frade, Grande Japuíba,Jacuecanga e Centro,tendo no total 28 linhas. Angra também conta com uma rodoviária com sete plataformas e duas empresas operantes que partem para as cidades da região do Vale do Paraíba Fluminense, para a Capital e para a região Metropolitana do Rio. Há também o serviço interestadual, onde duas empresas operam: a Reunidas Paulista e a Util.

Os táxis da cidade ficam espalhados em vários pontos, pois não podem ficar circulando pela cidade. Os pontos são na Rodoviária, no Largo da Igreja Matriz, na Praça do Chafariz (em frente ao Papão Lanches), no Cais de Santa Luzia, no Shopping Piratas entre outros.

Por ser cortada pela Linha Tronco da antiga Rede Mineira de Viação, a cidade já foi atendida por trens de passageiros de longa distância regulares, que saíam da Estação Ferroviária de Angra dos Reis, localizada na Praia do Anil e seguiam subindo a Serra da Bocaina rumo ao município de Barra Mansa, no Vale do Paraíba, de onde seguiam para os estados de Minas Gerais e Goiás. [22]

Com o fim da operação dos trens de passageiros na região no início dos anos 80, a ferrovia ficaria restrita ao transporte de cargas, já sob o comando da antiga Rede Ferroviária Federal. Somente em 1992, ocorreu a reativação do transporte ferroviário de passageiros em Angra, por meio do turístico Trem da Mata Atlântica, que ligava o município ao distrito de Lídice, na cidade de Rio Claro. [23][24]

Até o ano de 1996, o trem turístico da RFFSA operava aos finais de semana e feriados, sempre com uma grande demanda de passageiros e turistas, que eram presenteados com uma bela vista do litoral de Angra no alto dos morros e com belíssimas e exuberantes paisagens da Serra da Bocaina como cachoeiras e a abundante vegetação da Mata Atlântica na região. [25][26][27]

Após a privatização da ferrovia naquele mesmo ano e sua concessão entregue à Ferrovia Centro-Atlântica, o transporte ferroviário de passageiros em Angra acabou desativado. [28]

Somente circulavam pela ferrovia, os trens cargueiros da FCA na ligação com o Porto de Angra, quando estes foram impedidos após um deslizamento de terra que danificou parte dos trilhos na cidade nos anos 2010. Apesar do atual estado de abandono aparentado, as autoridades locais objetivam em breve retomar o transporte ferroviário de passageiros na cidade pela antiga ferrovia, devido ao seu grande potencial turístico e a sua importância histórica para a região.[29]

CulturalEditar

são mais conhecidas pela suas ilhas e pela beleza natural, Angra dos Reis possui um rico acervo patrimonial, com inúmeros prédios tombados pelo IPHAN. Seu conjunto arquitetônico é composto por grandes sobrados coloniais, como a Casa de Cultura Poeta Brasil dos Reis e edifícios religiosos, como a igreja de Santa Luzia e a igreja matriz de Nossa Senhora da Conceição, assim como as ruínas do convento de São Bernardino de Sena e o convento do Carmo de Angra dos Reis. Na igreja de Nossa Senhora da Lapa, de 1752, funciona um museu de arte sacra com rico acervo.

A origem do nome se explica por seus descobridores terem chegado àquela região no dia 6 de janeiro de 1502, ou seja, dia de reis. Na língua portuguesa, angra designa uma enseada largamente aberta, com costas próximas e altas. Desta forma, ficou designada com o nome de Angra dos Reis.

Festa do DivinoEditar

 Ver artigo principal: Festa do Divino Espírito Santo

A festa do Divino Espírito Santo é um culto ao Espírito Santo, sendo uma das mais antigas e difundidas práticas do catolicismo popular. A festa tem origem bíblica e caráter evangelizador e promotor da fraternidade entre os homens. É realizada em data móvel, na época de Pentecostes (cinquenta dias após a Páscoa). De origem portuguesa, a festa nasceu am Alenquer, no século XIV e chegou a Angra dos Reis no século XVII. Durante o apogeu do ciclo do ouro, no século XVIII, a festa recebeu novos elementos enriquecendo e oficializando a realeza do imperador do Divino Espírito Santo, representado por um menino escolhido entre as famílias da região. Hoje, o menino imperador é escolhido através de sorteio.[30]

EsportesEditar

O município tem uma agremiação esportiva de futebol com o seu nome, o Angra dos Reis Esporte Clube. O time foi Campeão Estadual da Terceira Divisão, em 1999 e Vice-Campeão Estadual da Segunda Divisão em 2003. A Taça Aniversário da Cidade é um evento tradicional que acontece todo mês de janeiro. Tem como finalidade estimular a prática desportiva, proporcionar momentos de lazer viabilizando o entretenimento da população e o intercâmbio esportivo com atletas de renome no cenário esportivo do Estado.[31]

Por ser uma cidade litorânea, Angra tem tradição na vela. Desde 1997, todo ano é realizada a Semana da Vela de Angra dos Reis. O evento tem organização e responsabilidade técnica do ICAR (Iate Clube de Angra dos Reis), apoio técnico da FARVO (Flotilha de Angra dos Reis de Veleiros de Oceano) e ABVO (Associação Brasileira de Veleiros de Oceano).[32] O velejador angrense Daniel Rabha Nunes Santiago conquistou uma medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos Rio-2007 junto a sua equipe formada também por Mauricio Santa Cruz, Carlos Jordão e Alexandre Silva. O ouro para o Brasil veio na classe J-24 na tarde de 8 de agosto. Daniel e seus companheiros de equipe conquistaram o primeiro Campeonato Mundial em 2006 na Austrália. O bicampeonato foi conquistado em março de 2007 na cidade Puerto Vallarta (México), da qual Angra dos Reis é irmanada desde 2002.[33]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. «Aniversário da Cidade». Consultado em 12 de abril de 2010. Arquivado do original em 23 de março de 2010 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. a b «Estimativa populacional 2020 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 29 de Julho de 2013 
  6. ftp://ftp.ibge.gov.br/Pib_Municipios/2010/pdf/tab01.pdf
  7. EcoViagem/UOL (ed.). «Angra dos Reis». Consultado em 21 de abril de 2016 
  8. Rafael Galdo (21 de dezembro de 2011). «Angra dos Reis é a 10ª do país em proporção de domicílios em favelas». Globo.com. G1. Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  9. Espinheira, Ariosto. Viagem Através do Brasil, Volume 5, 4a. Edição, Edições Melhoramentos.
  10. Victor José Mendes Cardoso. «As milhas, as distâncias e os lugares de Hans Staden, no Brasil» (PDF). Unesp. Consultado em 24 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2017 
  11. Pedro Taques de Almeida Pais Leme (2004). «História da Capitania de São Vicente». Senado Federal. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  12. «RMV - Tronco -- Estações Ferroviárias do Estado de Minas Gerais». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  13. http://www.baraoemfoco.com.br/historia/sapukai/sapukai.html
  14. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Angra dos Reis». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 25 de junho de 2015 
  15. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Angra dos Reis». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 25 de junho de 2015 
  16. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Angra dos Reis». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 25 de junho de 2015 
  17. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Angra dos Reis». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 25 de junho de 2015 
  18. a b «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de junho de 2018 
  19. «Zé Augusto». Câmara Municipal de Angra dos Reis. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  20. http://educacao.uol.com.br/enem/20-melhores-publicas-brasil.htm
  21. «Lista de Aeródromos Públicos». www.anac.gov.br. Consultado em 7 de setembro de 2015 
  22. «Angra dos Reis -- Estações Ferroviárias do Estado do Rio de Janeiro». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  23. «Estação ferroviária de Angra dos Reis | RFFSA - Rede Ferroviária Federal - 1991». www.vfco.vfco.com.br. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  24. «Trem da Mata Atlântica -- Trens de passageiros do Brasil». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  25. «Um passeio no trem turístico da Mata Atlântica - 1995». vfco.brazilia.jor.br. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  26. «Jussaral -- Estações Ferroviárias do Estado do Rio de Janeiro». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  27. «Alto da Serra -- Estações Ferroviárias do Estado do Rio de Janeiro». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  28. «Trem da Mata Atlântica (Angra dos Reis à Lídice) - RJ - AF Trilhos do Rio - Passado, presente e futuro: tudo na mesma linha !». www.trilhosdorio.com.br. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  29. «MTur analisa plano de desenvolvimento turístico em Angra dos Reis». A Voz da Cidade. 7 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  30. Prefeitura Municipal de Angra dos Reis. «Festa do Divino em Angra dos Reis». Consultado em 27 de maio de 2010. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  31. «Prefeitura Municipal de Angra dos Reis». Consultado em 27 de maio de 2010. Arquivado do original em 1 de setembro de 2010 
  32. Semana de Vela de Angra dos Reis[ligação inativa]
  33. «Prefeitura de Angra». Consultado em 26 de outubro de 2009. Arquivado do original em 6 de julho de 2011  Angra é ouro no Pan Rio 2007

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Angra dos Reis
 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Angra dos Reis