Abrir menu principal

Intervenção militar na Gâmbia em 2017

Intervenção militar na Gâmbia
Parte da Crise constitucional na Gâmbia em 2016–2017 e do Conflito de Casamança
Operation Restore Democracy participants.svg
Data 19 de janeiro de 2017 – 20 de janeiro de 2017
Local Gâmbia
Desfecho Jammeh concordou em renunciar e as forças senegalesas, nigerianas e ganenses se retiraram. Barrow se torna presidente.
Status encerrado
Combatentes
 Gambia

Flag of Casamance.svg MFDC[4][5]
Mercenários estrangeiros[6]

CEDEAO

Gâmbia Forças Pró-Barrow

Líderes e comandantes
Gâmbia Yahya Jammeh Gâmbia Adama Barrow
Senegal Macky Sall
Nigéria Muhammadu Buhari
Gana Nana Akufo-Addo
Mali Ibrahim Boubacar Keïta[9]
Togo Faure Gnassingbé[10]
Forças
Gâmbia 2.500 tropas do Exército Nacional da Gâmbia[11]
Gâmbia Agência Nacional de Inteligência
Nigéria 200–800 soldados[12]

Gana 205 soldados[14]

26.000-45.000 pessoas deslocadas[15][16]

A intervenção militar na Gâmbia, denominada Operação Restaurar a Democracia (em inglês: Operation Restore Democracy),[17] foi um conflito militar entre vários países da África Ocidental e o governo da Gâmbia precipitado pela crise politica que ocorre no país.

InvasãoEditar

A Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) decidiu intervir militarmente na crise constitucional da Gâmbia, em 19 de janeiro de 2017, em consequência da recusa do presidente Yahya Jammeh em renunciar depois de perder as eleições presidenciais de dezembro de 2016.[18] A invasão recebeu o codinome 'Operação Restaurar a Democracia'.[17]

Em 19 de janeiro de 2017, as forças senegalesas entraram na Gâmbia para garantir que Adama Barrow assumisse o poder como novo presidente do país.[19][20] O Conselho de Segurança das Nações Unidas expressou unanimidade no apoio aos esforços da CEDEAO para garantir que Jammeh entregue o poder a Adama Barrow, mas pediu o uso de "meios políticos em primeiro lugar" sem endossar as ações militares.[21] A Gâmbia foi colocada sob um bloqueio naval.[8]

Nas primeiras horas da ofensiva, confrontos ocorreram perto da aldeia fronteiriça de Kanilai - a cidade natal de Yahya Jammeh - entre as forças do exército senegalês contra as forças pró-Jammeh e do Movimento das Forças Democráticas de Casamança, com o Senegal tomando o controle da aldeia.[22][23] Após os confrontos, o Senegal suspendeu sua ofensiva a fim de mediar a crise pela última vez, com a intenção de prosseguir a invasão ao meio-dia de 20 de janeiro caso Jammeh ainda se recusasse a abandonar o poder.[24]

Segundo as Nações Unidas, cerca de 45.000 pessoas foram deslocadas e fugiram para o Senegal. Outras 800 pessoas fugiram para a Guiné-Bissau[16]

Jammeh, no entanto, se recusou a renunciar mesmo após o prazo final. O prazo foi estendido para 16:00 GMT, que também expirou.[25] O presidente da Mauritânia, Mohamed Abdel Aziz, o presidente da Guiné Alpha Condé e o chefe regional das Nações Unidas, Mohammed Ibn Chambas, tentaram persuadi-lo a renunciar.[26] O chefe do Exército da Gâmbia, General Ousman Badjie, no entanto, prometeu fidelidade a Barrow e declarou que o exército gambiano não combateria a CEDEAO.[27] Barrow e um oficial senegalês afirmaram mais tarde que Jammeh concordou em deixar o cargo.[28][29][30] Diplomatas entretanto, afirmaram que as tropas senegalesas permanecerão implantadas na fronteira no caso ele renegue o acordo.[31] Um acordo foi anunciado no qual Jammeh deixaria o país[32] e pouco tempo depois ele anunciou na televisão estatal que ele estava deixando o cargo.[33] Depois que ele foi para o exílio, a CEDEAO anunciou que suas tropas permanecerão estacionadas no país para garantir a segurança.[34]


Forças participantesEditar

A força de intervenção foi composta por tropas senegalesas, ganesas e nigerianas. A Nigéria forneceu aeronaves e recursos navais.[35]

O chefe do exército gambiano declarou que o exército não se envolveria em uma disputa política, enquanto que a marinha preferiu declarar seu apoio a Barrow.[36][8] No entanto, alguns paramilitares e mercenários permaneceram leais a Jammeh.[37][8][38] O grupo rebelde senegalês Movimento das Forças Democráticas de Casamança juntou-se às forças pró-Jammeh e houve confrontos na fronteira com o Senegal.[4]

Resposta internacionalEditar

  •   Nações Unidas: O Conselho de Segurança das Nações Unidas votou unanimemente em 19 de janeiro a aprovação da Resolução 2337 que apoia a transição pacífica do poder.[40]


Referências

  1. «Gambia's new president has been sworn in at an embassy in Senegal because the old one won't leave». Quartz. 19 de janeiro de 2017 
  2. «Gambia crisis: Senegal troops 'enter' to back new president». BBC. 19 de janeiro de 2017 
  3. «Jammeh's party petitions Supreme Court to halt Barrow's investiture». AfricaNews. 20 de janeiro de 2017 
  4. a b Kwanue, C. Y. (18 de janeiro de 2017). «Gambia: Jammeh 'Imports Rebels'» – via AllAfrica 
  5. Ewubare, Kess. «BREAKING: Gambian Navy desert Jammeh, declare allegiance to Barrow» 
  6. Kwanue, C. Y. (18 de janeiro de 2017). «Gambia: Jammeh 'Imports Rebels'» – via AllAfrica 
  7. Jones, Bryony; Westcott, Ben; Masters, James (20 de janeiro de 2017). «Gambia: Defeated leader Yahya Jammeh faces military showdown». CNN 
  8. a b c d Ewubare, Kess (19 de janeiro de 2017). «Breaking: Gambian Navy desert Jammeh, declare allegiance to Barrow». Naij 
  9. Haddad, Tareq (20 de janeiro de 2017). «Army operation to enter The Gambia suspended for last-ditch talks». International Business Times 
  10. Alike, Ejiofor (15 de janeiro de 2017). «Gambia: Use of Force Imminent As Ecowas Plans to Oust Jammeh». allAfrica 
  11. «Senegal troops move to Gambia border as Jammeh faces ultimatum». 18 de janeiro de 2017 – via www.bbc.com 
  12. «Nigeria sends troops, jets to Senegal for Gambia force» 
  13. «Nigerian troops, warship head for Gambia: Punch – News Agency of Nigeria (NAN)». 18 de janeiro de 2017 
  14. «Ghana to deploy troops to Gambia border» 
  15. «At least 26,000 people flee Gambia to Senegal as refugees -UN». Thomson Reuters Foundation 
  16. a b Baloch, Babar (20 de janeiro de 2017). «Senegal: Around 45,000 have fled political uncertainty in The Gambia» 
  17. a b «Senegal army says regional force has launched strikes in Gambia». The Jerusalem Post. 19 de janeiro de 2017 
  18. «ECOWAS okays military intervention in Gambia, joint troops stationed at border». AfricaNews. 19 de janeiro de 2017 
  19. «Gambia crisis: Senegal troops 'enter' to back new president». BBC. 19 de janeiro de 2017 
  20. «New Gambia President Adama Barrow takes oath in Senegal». Al Jazeera. 19 de janeiro de 2017 
  21. «UN Security Council unanimously backs ECOWAS action in The Gambia». Daily Mail. 19 de janeiro de 2017 
  22. okdakar2. «Video: Vidéo: Kanilai est tombé avec la base arrière de Yahya Jammeh. Les troupes sont en route pour Banjul.». OKDAKAR (em francês) [ligação inativa]
  23. http://www.20minutes.fr/monde/1999127-20170119-troupes-senegalaises-entrees-gambie (em francês)
  24. «West African nations halt Gambia operation to allow mediation». Mail Online. 19 de janeiro de 2017 
  25. «Gambia crisis: Jammeh misses second deadline to step down». BBC. 20 de janeiro de 2017 
  26. «The Gambia: Jammeh ignores two more deadlines to quit». The Guardian. 20 de janeiro de 2017 
  27. «Gambia army chief recognizes President Barrow as commander-in-chief». Reuters. 20 de janeiro de 2017 
  28. «Gambia's Yahya Jammeh 'agrees to step down'». Al Jazeera. 20 de janeiro de 2017 
  29. «Gambia's Jammeh 'to quit and leave', says Adama Barrow». BBC. 20 de janeiro de 2017. Consultado em 20 de janeiro de 2017 
  30. «Gambia's defeated leader agrees to cede power: Official». The Associated Press. New York Times 
  31. Colin Freeman. «Gambia's Yahya Jammeh 'agrees to step down' peacefully and red carpet is rolled out at the airport, amid last-ditch negotiations». The Telegraph 
  32. Ruth Maclean. «The Gambia: deal announced for defeated president to leave country». The Guardian. Consultado em 20 de janeiro de 2017 
  33. «Gambia's Yahya Jammeh confirms he will step down». Al Jazeera. Consultado em 20 de janeiro de 2017 
  34. «Gambia's former leader Jammeh flies into exile in Equatorial Guinea». Reuters. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
  35. «Senegal troops move to Gambia border as Jammeh faces ultimatum». BBC. 18 de janeiro de 2017 
  36. «We are not going to involve ourselves in any fight - Gambian army chief». AfricaNews. 19 de janeiro de 2017 
  37. «Military intervention looms as Jammeh clings to power». Al Jazeera. 19 de janeiro de 2017 
  38. Kwanue, C. Y. (18 de janeiro de 2017). «Gambia: Jammeh 'Imports Rebels'». AllAfrica 
  39. Holding, APA Information Agency, APA. «US supports Senegal military intervention in Gambia» (em inglês) 
  40. «ONU reconhece Adama Barrow como presidente-eleito da Gâmbia». Rádio das Nações Unidas. 19 de janeiro de 2017