Abrir menu principal

Inundações e deslizamentos de terra no Rio de Janeiro e São Paulo em janeiro de 2010

Inundações e deslizamentos de terra no Rio de Janeiro e São Paulo em janeiro de 2010
Morro da Carioca, no centro de Angra dos Reis. Uma das regiões afetadas pelos deslizamentos de terra.
Duração janeiro de 2010
Vítimas 75 mortes
Áreas afetadas Região Sudeste, estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, no Brasil
Ocupação das encostas em Angra dos Reis.
A região de Ilha Grande, onde houve o soterramento da Pousada Sankay e outras construções. Ao fundo, à direita, localiza-se a área do deslizamento na Enseada do Bananal
O Morro da Carioca dias após os deslizamentos.

As inundações e deslizamentos de terra no Rio de Janeiro e São Paulo em 2010 tiveram como causa imediata as chuvas intensas, que afectaram os estados do Rio de Janeiro e de São Paulo, no Sudeste do Brasil, durante os primeiros dias de Janeiro de 2010. Houve pelo menos 75 mortos, além de centenas de feridos.[1] Mais de quatro mil pessoas ficaram desalojadas.[2]

O município mais afectado foi Angra dos Reis, a cerca de 150 km da cidade do Rio de Janeiro. Pelo menos 35 pessoas morreram no distrito de Ilha Grande.[3] Cerca de quarenta pessoas estariam num hotel que ficou soterrado sob a lama e o número de mortos pode ser maior.[4]

O prefeito de Angra dos Reis, Tuca Jordão, pediu o desligamento da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto, situada no município, por precaução.[2] Porém, o presidente da Eletronuclear, operadora das usinas, informou que o complexo nuclear, formado pelas usinas nucleares Angra 1, Angra 2 e Angra 3, não seria desligado. Segundo Othon Luiz Pinheiro da Silva, o desligamento seria "um ato de gestão irresponsável", a menos que houvesse uma "real necessidade técnica". Angra 1 e Angra 2 garantem cerca de 40% do consumo de energia do Estado do Rio de Janeiro.[5]

Também no vizinho estado de São Paulo, pelo menos treze cidades, a maioria delas no Vale do Paraíba,[6] foram atingidas pelos efeitos das fortes chuvas. Pelo menos dez pessoas morreram. As cidades de Cunha e Guararema sofreram grandes danos, mas São Luiz do Paraitinga foi a mais atingida.[7] A região noroeste também foi atingida, a cidade de Araçatuba sofreu a maior enchente da década e estimou os prejuízos em trinta milhões de reais.[8]

Índice

CausasEditar

De acordo com o professor José Oswaldo de Araújo, do Instituto de Geociências da Universidade de Brasília, as chuvas não são a causa única do deslizamento de encostas. A falta de planejamento urbano, a remoção da vegetação, a ocupação de áreas de risco e a ausência de fiscalização e controle do Poder Público também estão na base do problema. Segundo Araújo, na Ilha Grande, a ocupação humana e o corte da vegetação deixam o solo mais suscetível à infiltração da água. Ultrapassado o limite de saturação do solo, acontecem os escorregamentos. “Desce como um rio de lama”.

O geólogo da UnB afirma que há conhecimento técnico consolidado sobre os riscos de ocupar as encostas. Mas, mesmo quando os mapeamentos geotécnicos e geológicos apontam riscos de deslizamentos e desabamentos, "as pessoas começam a habitar [as áreas de risco], não existe controle, e aí acontecem as tragédias”. Segundo o professor, é preciso que haja maior rigor no cumprimento e fiscalização do ordenamento territorial das cidades.[9]

Referências

  1. Público.pt. «Chuvas fazem pelo menos 75 mortos no Brasil». Consultado em 4 de janeiro de 2010 [ligação inativa]
  2. a b Brazil landslides 'may close nuclear plants', BBC News, 3 de janeiro de 2010 .
  3. Brazil death toll from floods, mudslides rises to 64, Reuters, 2 de janeiro de 2010 .
  4. Scores are killed in flooding and mudslides, France24, 2 de janeiro de 2010, arquivado do original em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda)  Parâmetro desconhecido |dataacceso= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |dataarquivo= ignorado (ajuda).
  5. Eletronuclear não vai desligar usinas em Angra dos Reis, G1, 6 de janeiro de 2010 .
  6. G1. «Vale do Paraíba é a região mais afetada pelas chuvas em SP, diz Defesa Civil». Consultado em 6 de janeiro de 2010 
  7. «Defesa Civil aponta 4.979 desabrigados, 7.295 desalojados e 10 mortos em SP» 
  8. Estadão, 4 de janeiro de 2010. «Araçatuba-SP estima R$ 30 mi de prejuízo com chuvas». Consultado em 6 de janeiro de 2010 
  9. Agência Brasil, 7 de Janeiro de 2010. Chuva não é única responsável por tragédias como a de Angra, diz geólogo, por Luana Lourenço. Página visitada em 08-01-2010.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Já são 42 o número de vítimas em Angra