Abrir menu principal

Isabel de Valois, Rainha de Espanha

Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde dezembro de 2012). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Isabel
Rainha Consorte da Espanha
Reinado 22 de junho de 1559
a 3 de outubro de 1568
Predecessora Maria I da Inglaterra
Sucessora Ana da Áustria
 
Marido Felipe II da Espanha
Descendência Isabel Clara Eugênia da Espanha
Catarina Micaela da Espanha
Casa Valois-Angoulême (nascimento)
Habsburgo (casamento)
Nascimento 2 de abril de 1545
  Palácio de Fontainebleau, Fontainebleau, França
Morte 3 de outubro de 1568 (23 anos)
  Espanha
Enterro Mosteiro e Sítio do Escorial, San Lorenzo de El Escorial, Espanha
Pai Henrique II da França
Mãe Catarina de Médici
Religião Catolicismo

Isabel de Valois (2 de abril de 15453 de julho de 1568), foi a terceira esposa do rei Felipe II de 1559 até sua morte em 1568. Era filha do rei Henrique II da França e sua esposa Catarina de Médici.

Índice

BiografiaEditar

InfânciaEditar

Isabel nasceu no Château de Fontainebleau. Ela foi criada sob a supervisão da governanta das crianças reais, Jean d'Humières e Françoise d'Humières. Sua infância foi passada na creche real francesa, onde seu pai insistiu em dividir seu quarto com sua futura cunhada, Maria da Escócia , que era cerca de três anos mais velha que Isabel. Mesmo que Isabel tivesse que dar precedência a Maria (já que Maria já era uma rainha coroada), as duas permaneceriam amigas íntimas pelo resto de suas vidas. Embora se reconheça que sua irmã Margarida e sua futura cunhada, Maria, era mais bonita do que ela, era uma das filhas atraentes de Catarina. Isabel também foi descrita como sendo tímida e muito admirada por sua mãe formidável; embora também haja evidências de que Catarina era carinhosa e amorosa com relação a Isabel. Isto foi certamente evidente em suas cartas para Isabel.

Casamento e MorteEditar

O primeiro pretendente de Isabel de Valois foi Eduardo VI da Inglaterra, mas ele faleceu em julho de 1553. Pensou-se então no seu casamento com o infante Carlos, mas as clausulas do Tratado de Cateau-Cambrésis estipularam o casamento com Filipe II de Espanha, que acabara de ficar viúvo. O rei Filipe se converteu no esposo da jovem Isabel, que tinha apenas quatorze anos. A cerimónia, por procuração, teve lugar em 22 de junho de 1559 em Paris. Isabel pisaria em território espanhol pela primeira vez em 6 de janeiro de 1560 ao chegar a Roncesvalles. Em 2 de fevereiro deste mesmo ano celebrou-se a missa de velações em Guadalajara com Isabel e Filipe presentes. Era a primeira vez que ambos os esposos se viam face a face. Se casaram no Palacio do Infantado, nesta mesma cidade.

Em maio de 1564 se anunciou a primeira gravidez da rainha. Os médicos prescreviam as costumeiras tisanas, orações, amuletos e sangria que, na verdade, enfraqueciam-na. Três meses depois, Isabel abortou gêmeas.

Antes do atraso de uma nova gravidez, a rainha mandou trazer a Madrid os restos de São Eugênio, primeiro bispo de Paris e mártir. Em 12 de agosto de 1566 veio ao mundo a primeira filha de Felipe e Isabel, que recebeu o nome de Isabel Clara Eugênia: Isabel pela sua mãe, Clara pelo modo que estava o dia de seu nascimento e Eugênia pelo santo ao qual sua mãe suplicou na hora do parto. Isabel desenvolveu febre puerperal após o parto, mas se recuperou totalmente.

Em outubro de 1567 nasceu a segunda filha que se chamou Catarina Micaela. Após o nascimento, Isabel teve febre. Filipe mostrou grande desapontamento com o nascimento de outra menina e não compareceu ao batismo da criança. Isabel amava muito suas duas filhas e passava o tempo que podia com elas.

Em maio de 1568 a rainha ficou grávida novamente. Ela passou a gravidez relaxando, jogando cartas, jogando dados, aproveitando piadas de seus tolos e assistindo peças até setembro de 1568, quando ficou doente, ganhou muito peso. Ela estava desmaiando com frequência, com ataques trêmulos e fraqueza e dormência no lado esquerdo. Ela não conseguia dormir e não conseguia comer. Em 3 de outubro os médicos a sangraram e aplicaram cistos enquanto o rei a consolava. Várias horas depois, ela sofreu o nascimento prematuro de uma menina de cinco meses de gestação, que viveu uma hora e meia. A bebê foi batizada e recebeu o nome de Joana.

Os médicos pensaram que com a expulsão do feto a saúde da rainha melhoraria, mas se equivocaram, já que poucas horas depois do aborto, Isabel faleceu.

Muitos afirmaram que seu enteado, Carlos, nutria um amor secreto por ela, uma das razões que o levou à loucura.

DescendênciaEditar

Isabel de Valois teve cinco filhas:

Referências

Isabel de Valois
Casa de Valois-Angoulême
Ramo da Casa de Capeto
2 de abril de 1545 – 3 de outubro de 1568
Precedida por
Maria I da Inglaterra
 
Rainha Consorte da Espanha
22 de julho de 1559 – 3 de outubro de 1568
Sucedida por
Ana da Áustria