Abrir menu principal

Islamismo e outras religiões

trabalho de portugues
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

As relações entre Islamismo e outras religiões abordam as diferentes posições tomadas por governantes e teólogos muçulmanos face às outras religiões. Ao longo dos séculos essas atitudes oscilaram, de acordo com o tempo, lugar e circunstância, entre a tolerância e a perseguição.[1]

Índice

Perspectiva islâmica de outras religiõesEditar

Judaísmo e cristianismoEditar

De acordo com o Islão, todas as nações receberam o seu mensageiro e instruções de Alá.

No entanto, na interpretação dos muçulmanos, os seguidores de Moisés ganharam a ira de Alá por terem adorado um bezerro de ouro, episódio relatado no Êxodo e mais tarde no livro de Esdras e rejeitarem Jesus Cristo como o Messias, e os cristãos seguiram por caminhos desviados por adorarem Jesus Cristo e elevá-lo à posição de Deus por meio da doutrina da Santíssima Trindade. Maomé teria sido enviado durante um tempo de escuridão espiritual para restabelecer o monoteísmo que existia desde o primeiro homem, mas que foi corrompido ou esquecido pelos seres humanos.

Algumas partes do Alcorão atribuem diferenças entre muçulmanos e não-muçulmanos à tahref-ma'any, uma "corrupção do significado" das palavras. Nesta perspectiva, a Torá e o Novo Testamento cristão são verdadeiros mas os judeus e os cristãos equivocam-se quanto ao significado das suas próprias Escrituras, e necessitam assim do Alcorão para entenderem claramente a vontade de Deus. No entanto, outras partes do Alcorão afirmam que muitos judeus e cristãos usaram deliberadamente versões alteradas das suas escrituras, e tinham alterado a palavra de Deus. Esta crença foi desenvolvida durante a polémica medieval islâmica, e é hoje corrente quer no Islão Sunita quer no Islão Xiita. Esta doutrina é conhecida como tahref-lafzy, "a corrupção do texto".

Segundo a sura 98ː6 do Alcorão, "Na verdade, os incrédulos entre o Povo do Livro e os politeístas, estarão no fogo do inferno, e permanecerão nele para sempre. Eles são as piores das criaturas."[2]

Atualmente o Hamas, grupo fundamentalista islâmico, é uma organização que diz apoiar a coexistência entre muçulmanos, cristãos e judeus sob a égide do islã, desde que os não-muçulmanos aceitem o estatuto inferior de dhimmi ("protegidos").[3]

Para o xiita Ruhollah Khomeini, todos os não muçulmanos são considerados impuros, da mesma maneira que a urina e as fezes, o cão e o porco. [4]

Segundo Abul Ala Maududi, Judeus e Cristãos devem ser forçados a pagar a Jizya, para pôr fim à sua independência e supremacia, para que não permaneçam governantes e soberanos na terra. Esses poderes devem ser arrancados deles pelos seguidores da verdadeira fé, que devem assumir a soberania e conduzir os outros para o caminho correto. [5]

Religiões não-monoteístasEditar

Em contraste com a menor intolerância do islão pelo judaísmo e pelo cristianismo, em relação a outras religiões, como, por exemplo, o hinduísmo, o islão aparenta ser bem menos tolerante. Porém, em alguns períodos da história o islão conviveu pacificamente com outras religiões não-monoteístas. O imperador muçulmano Akbar, que viveu na Índia em meados do século XVI, promoveu uma instituição chamada "casa da religião" onde hindus, jainistas, zoroastrianos e padres jesuítas se deveriam reunir para falar de Deus e empregou muitos hindus como seus ministros.[carece de fontes?]

Para muitos muçulmanos, o ateísmo, o politeísmo e outras visões holísticas são perspectivas a ser erradicadas.

Referências

  1. Bat Ye'or (2002). Islam and Dhimmitude. Where Civilizations Collide. Madison/Teaneck, NJ: Fairleigh Dickinson University Press/Associated University Presses. ISBN 0-8386-3943-7 
  2. «Al Bayyina (Clear proof)». QuranX.com. Consultado em 26 de Maio de 2019 
  3. THE CHARTER OF ALLAH: THE PLATFORM OF THE ISLAMIC RESISTANCE MOVEMENT (HAMAS)FAS, Y. Alexander e H. Foxman, The 1988-1989 Annual on Terrorism. Netherlands, Kluwer Academic Publishers, 1990
  4. Khomeini, Ruhollah (1985). The Little Green Book -Sayings of the Ayatollah Khomeini (Capː On pure and impure things). [S.l.]: Bantam Books 
  5. Maududi, Abul Ala. The Meaning of the Qur'an, vol 2. [S.l.: s.n.] 183 páginas 

BibliografiaEditar

  • Ye'or (Bat) - Islam and Dhimmitude - Where Civilizations Collide
  • Lewis, Bernard (1984). The Jews of Islam.
  • Friedmann, Yohanan (2003). Tolerance and Coercion in Islam: Interfaith Relations in the Muslim Tradition
  • Esposito, John (2002). What Everyone Needs to Know about Islam
  • Waines, David (2003). An Introduction to Islam


  Este artigo sobre o Islamismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.