Jó de Moscou

(russo: Иов; nome secular: Ivan; Staritsa (Oblast de Tver), 1525 - Staritsa, 19 (29) de junho de 1607), também conhecido como Jó de Moscou, foi o primeiro Patriarca de Moscou e Toda a Rússia (1589-1605) e é um santo da Igreja Ortodoxa Russa, canonizado em 09 de outubro de 1989.[1][2][3]

Jó de Moscou
Patriarca de Moscou e Toda Rus'
Nascimento 1525
Staritsa
Morte 19 de junho de 1607
Staritsa
Sepultamento Catedral da Dormição
Cidadania Czarado da Rússia
Ocupação sacerdote
Religião cristianismo ortodoxo

Em 1586 ele se tornou Metropolita de Moscou, substituindo o deposto Dioniso II. Sua elevação a Patriarca em 1589 marcou a conquista definitiva da autocefalia da Igreja Ortodoxa Russa e a entrada do novo Patriarcado de Moscou na Pentarquia, no lugar de Roma.[4]

BiografiaEditar

 
Jó se recusa a reconhecer o Falso Dimitri como filho de Ivan, o Terrível

O futuro Patriarca nasceu por volta de 1525 em Staritsa.[5] Estudou na escola do Mosteiro da Assunção de Staritsa, onde em 1556, sob a influência do Arquimandrita Germano, tomou tonsura monástica com o nome de Jó,[6][7] em homenagem a .[8]

Posteriormente, tornou-se Hegúmeno (de 6 de maio de 1569[9] a 1571) do Mosteiro da Assunção de Staritsa.[10] Como Staritsa era um dos centros da Oprichnina, atraiu a atenção de Ivan, o Terrível, o que resultou na eleição do abade do mosteiro na categoria de Arquimandrita.[6] Em 1571 foi transferido para Moscou para o mesmo posto no Mosteiro Simonov. Em 1575 tornou-se arquimandrita do Mosteiro real de Novospassky em Moscou.[6] 16 de abril de 1581, o Metropolita Dionísio de Moscou, em concelebração com outros bispos russos, ordenou o Arquimandrita Jó como Bispo de Kolomna e Kashira. Esteve em Kolomna até 1586, quando foi nomeado Arcebispo de Rostov.[7]

Desde meados de 1580 ele foi um associado próximo de Boris Godunov. Com a ajuda do Concílio dos Bispos em 1586, foi elevado à Metropolita de Moscou (1586) e em 5 de fevereiro de 1589 foi elevado à primeiro Patriarca de Moscou, pelo Patriarca Jeremias II de Constantinopla, que estava em Moscou.[2] Depois disso, ele apoiou a política de Boris. Dos importantes eventos religiosos de seu patriarcado, a canonização de Basílio, o Beato e José de Volotsk, a difusão do cristianismo na região do Volga, que foi conquistada sob Ivan, o Terrível, e na Sibéria que foi anexada apenas no reinado de Boris Godunov. A impressão de livros litúrgicos aumentou. A pedido do Rei georgiano Alexandre II de Caquécia, foram enviados à Geórgia "professores para corrigir a fé ortodoxa".[11]

A morte de Godunov em 1605 e a vitória do Falso Dimitri também significaram a queda de Jó. Ele recusou-se a reconhecer o impostor como filho de Ivan o Terrível e exigiu lealdade dos moscovitas a Teodoro, o Falso Dimitri e seus partidários, "que traíram o Czar e, portanto, são ladrões e apóstatas e o chamam de Príncipe Dimitri", foram anatematizados pelo Patriarca. Como o secretário de Jó por algum tempo foi Gregório Otrepiev, os pesquisadores que identificam este personagem com o Falso Dimitri, explicam o desejo deste de retirar Jó de Moscou o mais rápido possível por sua relutância em ser exposto. O próprio Patriarca Jó em suas cartas chamou o Falso Dimitri de "um desviado, um conhecido ladrão, no mundo seu nome era Yushko Bogdanov, filho de Otrepiev, ele viveu no quintal dos Romanovs e roubava. ...e eu, Jó, o Patriarca, o tive em minha corte como diácono para escrever livros. E depois disso, fugiu de Moscou para a Lituânia".[12] Jó foi destituído da cátedra e preso em um mosteiro em sua terra natal, Staritsa, mesmo antes da chegada do impostor na capital, que ordenou "levá-lo até lá pelos oficiais de justiça" e mantê-lo "em amargo pesar". Após o assassinato do Czar Teodoro Godunov, Jó foi preso durante um Serviço Divino na Catedral da Assunção do Kremlin, teve seus paramentos patriarcais retirados e foi enviado ao exílio como um simples monge. Após a expulsão de Jó, o Conselho da Igreja elegeu um novo Patriarca de Moscou, Inácio, um grego que havia se juntado aos partidários do Falso Dimitri. No entanto, a mudança de patriarcas não foi lícita: o prelado Jó não foi deposto, nem desprovido de sua dignidade.[13]

Em Staritsa, Jó viveu mais dois anos e morreu em 1607. Antes de sua morte, reabilitado sob Basílio Shuisky, visitou Moscou, mas por causa da saúde (completamente cego) recusou-se a retornar ao trono patriarcal e retornou a Staritsa onde morreu em 19 (29) de junho e foi enterrado no Mosteiro da Assunção de Staritsa.[10]

Segundo relatos contemporâneos, ele era "excelente no canto e na leitura, como trombeta, entretendo e encantando a todos", e recitava de cor o Saltério, o Apóstolo e o Evangelho. Ele era um tradicionalista e um conservador. Seu "Testamento" e "O Conto do Czar Teodoro Ivanovich" (um elogio escrito após a morte do czar elogiando suas virtudes) foram deixados por ele.[14]

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Jó de Moscou

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. «Иов, Патриарх Московский и всея Руси / Персоналии / Патриархия.ru». Патриархия.ru (em russo). Consultado em 18 de outubro de 2021 
  2. a b «ИОВ». www.pravenc.ru. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  3. «Saint Job | Russian Orthodox patriarch | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 25 de março de 2022 
  4. «Патриарх Иов превратил Москву в Третий Рим». web.archive.org. 23 de setembro de 2010. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  5. Krylov IP Staritsa e seus pontos turísticos. - Staritsa, 1915. - S. 69.
  6. a b c Pisarev N. Job // Enciclopédia Teológica Ortodoxa / comp. ed. N.N. Glubokovsky . - São Petersburgo. , 1906. - T. VII. - S. 213.
  7. a b Dicionário Enciclopédico Teológico Ortodoxo Completo. - São Petersburgo.: PP Soikin Publishing House , 1912. - TI - S. 1105.
  8. Botsyanovsky BF Job, Patriarca de Toda a Russia // Dicionário Enciclopédico de Brockhaus e Efron : em 86 volumes (82 volumes e 4 adicionais). - São Petersburgo. , 1890-1907.
  9. Pravoslavnai︠a︡ ėnt︠s︡iklopedii︠a︡. Patriarch of Moscow and All Russia Aleksiĭ II, Patriarch of Moscow and All Russia Kirill, Patriarch of Moscow and all Russia Алексий II, Patriarch of Moscow and All Russia Кирилл, T︠S︡erkovno-nauchnyĭ t︠s︡entr "Pravoslavnai︠a︡ ėnt︠s︡iklopedii︠a︡", Церковно-научный центр "Православная энциклопедия". Moskva: [s.n.] 2000–2021. OCLC 46632361 
  10. a b «Просмотр документа - dlib.rsl.ru». dlib.rsl.ru. Consultado em 25 de março de 2022 
  11. Dicionário Enciclopédico Teológico Ortodoxo Completo. - São Petersburgo. : Editora P. P. Soikin, 1912. - T. I. - S. 1106.
  12. «Патриарх Третьего Рима / История / Независимая газета». nvo.ng.ru. Consultado em 25 de março de 2022 
  13. «Патриарх Смутного времени/Аналитика/ЖМПиЦВ». e-vestnik.ru (em russo). Consultado em 25 de março de 2022 
  14. Czerska, Danuta (1988). Borys Godunow. Wrocław: Zakład Narodowy im. Ossolińskich-Wydawn. OCLC 25538107 

Precedido por
Dionísio II
Metropolita de Moscou e Toda Rússia
1587-1589
Sucedido por
Precedido por
Ofício estabelecido
Patriarca de Moscou e Toda Rússia
1589-1605
Sucedido por
Inácio