Abrir menu principal
Os opríchniks. Pintura de Nikolái Névrev

A Opríchnina (опри́чнина) foi uma porção do território russo controlada diretamente pelo tsar Ivã, o terrível.
A palavra deriva do russo antigo oprich (опричь), e significa “aparte”, “a exceção de”. Por definição, Opríchnina designou o período de poder distópico do monarca Ivã IV da Rússia e da sua própria guarda pessoal, os oprichiniks, famosos por sua crueldade contra a população e que dizimaram consideravelmente a cidade de Novgorod.[1]

Atualmente, o termo Opríchnina é utilizado como sinônimo de tirania e de poder absoluto exercido com extremo rigor e crueldade.

HistóriaEditar

Em 1554, o príncipe Andréi Kurbski conduziu um exército lituano contra a Rússia, devastando a região de Velíkiye Luki. O tsar Ivã IV suspeitando que os outros aristocratas estavam se preparando para traí-lo, decidiu abandonar Moscou[2] em 3 de dezembro de 1564, levando todas as suas relíquias históricas e religiosas, sem designar um sucessor para chefe do estado, e se acomodou em Aleksándrov, a 120 km de Moscou, com sua segunda esposa María Temryúkovna, os tsarevichs e todos os membros da corte. Em 3 de janeiro de 1565 endereçou uma carta para o arcebispo metropolita de Moscou, Afanasio, descrevendo a traição dos boiardos e anuncia a sua intenção de abdicar.

Uma delegação composta por membros da igreja, o arcebispo metropolita, boiardos e comerciantes se dirigem a Aleksándrov para pedir que ele regresse a Moscou e recupere a coroa. Ivã pede apenas uma condição, que seja aceito dar a ele um poder ilimitado. O clero deve, portanto, renunciar o seu direito de interceder em favor de pessoas caídas em desgraça e os boiardos a garantia de uma justiça equitativa. A delegação aceita as condições e um mês mais tarde o tsar regressa a Moscou.

A criação da OpríchninaEditar

 
Maliuta Skurátov e o metropolita Felipe. Por Nikolái Névrev, 1898.

No mesmo mês, um decreto do tsar divide o Grão-Principado de Moscou em dois territórios, a Zémschina que conserva a antiga administração tsarista, e a Opríchnina (a noroeste) onde Ivã tinha um poder absoluto. No mesmo decreto, o tsar cria os opríchniki, uma tropa de elite que seguem cegamente Ivã. Estes homens, que o povo chama de A tropa satânica, usavam vestes pretas e um crânio de cachorro e uma vassoura como insignia, sendo seu lema: “Varrer a Rússia e morder a traição”. A Opríchnina se viu posteriormente debilitada com a morte dos três principais elegidos pelo tsar: Alekséi Basmánov, Afanasi Viázemski e Maliuta Skurátov.

O sistema da Opríchnina durou de 1565 a 1572, sete anos durante os quais Ivã se esforçou para aniquilar seus adversários e romper o antigo regime de governo, que não lhe era conveniente. A repressão faz que alguns boiardos peçam ajuda para a Lituânia intervir. A Opríchnina intercepta as mensagens e intensifica a repressão. O arcebispo metropolita, Felipe, tenta interceder em favor dos prisioneiros e é preso e assassinado. Ivã se encarrega igualmente da sua tia Eufrosinia e filho dela, Vladimir, que são obrigado a se envenenar. Em 1570, Ivã, preocupado com o valor estratégico de Novgorod na guerra contra a Ordem Teutónica e Suécia, descobre que o complô contra ele se estende nessa região. Seus opríchniki saqueiam, incendiam e destroem a cidade, assassinado 30.000 habitantes[3], ainda que alguns historiadores modernos situam ao redor de 2.000 a 3.000 mortos, considerando que depois do período de fome e de epidemias em 1560, a população de Novgorod não excedia 10.000 a 20.000 habitantes.[4]

Em seu regresso a Moscou, a tropa satânica ataca os nobres sem títulos e os massacra. No mesmo ano, Ivã cree que seus fiéis assistentes Alekséi Basmánov e Afanasi Viázemski tentam traí-lo e são executados sumariamente.

Este sistemado foi visto por alguns historiadores como uma ferramenta contra a poderosa nobreza hereditária russa dos boiardos que eram contra a centralização.[5]

A Opríchnina foi tratada de forma similar a igreja do seu tempo, gozando da mesma liberdade de impostos como a igreja, tendo a mesma organização monástica, incluindo Ivã se auto denominando como Abade da Opríchnina.[6] A única diferença entre os dois, é que a última foi criada como um meio exclusivo para cumprir a vontade de Ivã em seu território.[7]

O fim da OpríchninaEditar

História da Rússia
Eslavos orientais
Cazares
Rússia de Quieve
Principado de Vladimir-Susdália
Bulgária do Volga
Invasão Mongol
Canato da Horda Dourada
Grão-Principado de Moscou
Canato de Cazã
Czarado da Rússia
Opríchnina
Império Russo
Revolução de 1905
Revolução de 1917
Revolução de Fevereiro
Revolução de Outubro
Guerra Civil
União Soviética
Era Stalin
Era Khrushchov
Era da Estagnação
Corrida espacial
Perestroika e Glasnost
Federação da Rússia
edite esta caixa

Em 1560, em um período conhecido como Pequena Idade do Gelo, em uma combinação de colheitas pobres, pragas, incursões polaca-lituanas, suecas, ataques dos tártaros e da Liga Hanseática, a Rússia foi devastada. O preço das grãos aumentou dez vezes, e o valor das terras outrora férteis havia caído em todo o país, causando nos que viviam na Opríchnina a se mudarem para outras regiões, desta maneira a existência destes sistemas políticos de autoridade (a Opríchnina e a Zémschina), levou a desorganização política e econômica do país.[8]

Ivã começou a duvidar da utilidade da Opríchnina depois das execuções de Basmánov e Viázemski. Vários membros da sua guarda de elite, encarregados de assegurar a sua segurança, foram acusados de traição. A morte de sua terceira esposa, Marfa Sobakina, quinze dias depois da sua boda, o convence que alguns dos seus guardas podiam a ter envenenado. A tropa compreende agora de uns 6.000 homens que saqueiam os territórios da Zémschina, sem que Ivã tivesse autorizado.

Na primavera de 1571, os tártaros da Crimeia invadem a Rússia e chegam a Moscou, e a incendiam parcialmente, sem que os opríchniks movessem um dedo para defender a cidade. Ivã suspeita que eles o traíram em nome do da Crimeia.

Decide então castigá-los severamente. Em julho de 1572, um novo decreto aboliu o sistema de Opríchnina e os opríchniks foram dissolvidos. Os territórios da antiga Opríchnina são fundidos aos da Zémschina e os antigos proprietários recuperam suas terras. Os impostos, como havia esperado Ivã, não aumentaram, e a Rússia perdeu suas ambições na guerra contra a Lituânia, de maneira que a Opríchnina não demonstrou uma melhora considerável, e sim prejudicou a economia e estabilidade da Rússia. A Opríchnina, entretanto, foi bem sucedida em instaurar um regime de obediência submissiva e temerosa em todo o reino.[9]

ConsequênciasEditar

Os historiadores russos creem que o terror da Opríchnina causou a morte de 10 000 pessoas. Os camponeses se viram obrigados a emigrar para regiões mais tranquilas, o comércio foi aniquilado, o país arruinado. A economia russa sofreu por anos.

Mais tarde, Pedro I da Rússia e Josef Stalin tomaram como exemplo o governo de Ivã, o Terrível para realizar suas formas de governar.

LegadoEditar

Ivã Lazhéchnikov escreveu a tragédia "O opríchnik" (Опричник), a qual Tchaikovsky se baseou para realizar sua ópera homônima. Esta obra por sua vez inspirou a pintura de 1911 de Apollinary Vasnetsov, descrevendo as pessoas correndo de pânico com a chegada dos opríchniks.

Anos depois do reinado de Ivã, o Terrível, o sistema Opríchnina continuou afetando a Rússia. O mesmo Stalin, se baseando muito nos esquemas depurativos da terrível e sangrenta Opríchnina, e o governo do tsar marcou para sempre como um sentido de poder terrível.

Serguei Eisenstein representou os opríchniks em seu filme Ivan, o Terrível como pessoas saudáveis e de aparência limpa na primeira parte. Já na segunda parte do filme os demonstrou com uma aparência menos favorecida.

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • Heller, Michel. Histoire de la Russie et de son empire. Plon. Paris. 1997.

Referências

  1. Walter Leitsch. "Russo-Polish Confrontation" in Taras Hunczak, ed. "Russian Imperialism". Rutgers University Press. 1974, p.140
  2. R.Skrynnikov, Ivan Grosny, M., Science, 1975, pp.93-96
  3. S. B. Veselovskii, Isledovaniia po istorii oprichniny (Moscow, 1963) pp. 133ff.
  4. Having investigated the report of Maliuta Skurátov and commemoration lists (sinodiki), R. Skrynnikov considers, that the number of victims was 2,000-3,000. (Skrynnikov R. G., Ivan Grosny, M., AST, 2001)
  5. R. Skrynnikow untersuchte den Bericht des Kommandeures den Opritschniki Maljuta Skuratow und Gedächtnisfeier-Listen (Sinodiki) und schätzte die Zahl der Opfer auf 2000-3000. (Skrynnikow R. G., "Iwan Grosny", M., AST, 2001)
  6. A. Dvorkin, Ivan the Terrible as a Religious Type (Erlangen, 1992), p. 105
  7. R. Skrynnikov, Ivan Groznyi (Moscow, 1980), pp. 233-43, pp. 172f., 168ff
  8. R.Skrynnikov, Ivan Grosny, M., Science, 1975, p.158
  9. Philip Longworth, Russia: The Once and Future Empire (New York, 2005), pp98-105