Jeanne Dielman, 23, quai du commerce, 1080 Bruxelles

filme de 1975 dirigido por Chantal Akerman

Jeanne Dielman, 23, Quai du Commerce, 1080 Bruxelles (Brasil: Jeanne Dielman ) [1] é uma coprodução franco-belga, obra dramática de Chantal Akerman (1975). [2]

Jeanne Dielman, 23, quai du commerce, 1080 Bruxelles
França • Bélgica
a cores • 201 minuto
Direção Chantal Akerman
Roteiro Chantal Akerman
Elenco Henri Storck
Jacques Doniol-Valcroze
Jan Decorte
Chantal Akerman
Delphine Seyrig
Gênero cinema de artedrama
Cinematografia Babette Mangolte
Distribuição The Criterion Collection, Netflix
Lançamento 14 de maio de 1975, 1975

SinopseEditar

As três horas e vinte e um minutos de duração do filme correspondem a três dias na vida de uma dona de casa chamada Jeanne Dielman (Delphine Seyrig), viúva solitária e alienada que cumpre a sua rotina diária, agindo sem pensar. Tem um filho adolescente, Sylvain, com quem vive. Supera dificuldades prostituindo-se para ganhar mais algum dinheiro. Degrada-se a sua vida pouco a pouco e às tantas Jeanne entra em crise.

O filme é considerado como um dos mais fiéis retratos da alienação social e do uso do tempo narrativo (em tempo real). A rotina é retratada em longas cenas, em que a protagonista se ocupa em afazeres banais, nova linguagem que influenciaria filmes futuros.

ElencoEditar

Referências

  1. «Jeanne Dielman». AdoroCinema. Consultado em 20 de junho de 2015 
  2. Lim, Dennis (16 de janeiro de 2009). «Then as Now, the Terrors of the Routine» (em inglês). NY Times. Consultado em 20 de junho de 2015