Jejum de Nínive

No cristianismo siríaco, o jejum de Nínive (em siríaco: ܒܥܘܬܐ ܕܢܝܢܘܝ̈ܐ Bā'ūṯā d-Nīnwāyē, literalmente "Petição dos Ninivitas") é um jejum de três dias, começando na terceira segunda-feira antes da segunda-feira limpa do domingo à meia-noite até quarta-feira ao meio-dia, durante a qual os participantes se abstêm de todos os tipos de laticínios e produtos à base de carne. No entanto, alguns paroquianos se abstêm de comer e beber de domingo à meia-noite até quarta-feira, depois do Santo Qurbono, que é comemorado antes do meio dia.[1]

Jonas pregando aos ninivitas

O jejum de três dias de Nínive comemora os três dias que o Profeta Jonas passou dentro da barriga do Grande Peixe e o subsequente jejum e arrependimento dos ninivitas na mensagem de aviso do profeta Jonas, de acordo com a Bíblia. (Livro de Jonas). Sabe-se que Marutha de Tikrit impôs o jejum de Nínive e serviu como mapriano da Igreja Ortodoxa Siríaca até sua morte em 2 de maio de 649.[2]

Referências

  1. «Three Day Fast of Nineveh». Syrian Orthodox Church (retrieved from the Internet Archive) 
  2. Barsoum, Ignatius Aphrem I (2003). Matti Moosa, ed. The Scattered Pearls: The History of Syriac Literature and Sciences/1.jpg
  Este artigo sobre cristianismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.