Jonas

profeta do Antigo Testamento
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Jonas (desambiguação).
Jonas
Profeta Jonas, no teto da Capela Sistina, por Michelangelo
Nascimento século IX EC
Morte século VIII EC[1]
Progenitores Pai: Amitai
Veneração por Judaísmo
Cristianismo
Islamismo
Principal templo Tomba de Jonas (destruída), Mossul, Iraque
Festa litúrgica 21 de setembro (Catolicismo Romano)[2]
Gloriole.svg Portal dos Santos

Jonas[a], na Bíblia Hebraica, é um profeta do norte do reino de Israel que viveu por volta do século VIII a.C. Ele é a figura central do livro de Jonas, no qual ele é chamado por Deus para viajar até Nínive e alertar seus moradores do iminente castigo divino. Em vez disso, Jonas decide por embarcar em um navio com destino a Társis. Preso em uma tempestade, ele ordena que a tripulação do navio o jogue ao mar, e após isto, ele acaba sendo engolido por um peixe gigante. Três dias depois, Jonas concorda em ir a Nínive, e então o peixe o vomita na praia. Jonas convence com sucesso toda a cidade de Nínive a se arrepender, mas espera fora da cidade na expectativa de sua destruição. Deus protege Jonas do sol com uma planta, mas depois envia um verme para fazer com que ela murche. Quando Jonas reclama do calor amargo, Deus o repreende.

No judaísmo, a história de Jonas representa o ensino de teshuvá, que é a capacidade de se arrepender e ser perdoado por Deus. No Novo Testamento, Jesus se denomina "maior que Jonas" e promete aos fariseus "o sinal de Jonas", que é a sua ressurreição. Os primeiros intérpretes cristãos viram Jonas como uma tipologia para Jesus. Mais tarde, durante a Reforma Protestante, Jonas passou a ser visto como um arquétipo do "judeu invejoso". Jonas é considerado um profeta no Islã e a narrativa bíblica de Jonas é repetida, com algumas diferenças notáveis, no Alcorão. Em sua maioria, os principais estudiosos da Bíblia consideram o Livro de Jonas como fictício e frequentemente afirmam que ele é parcialmente satírico,[3] mas que o caráter de Jonas pode ter sido baseado no profeta histórico com o mesmo nome mencionado no Segundo Livro dos Reis.[4][5]

Embora a palavra "baleia" seja frequentemente utilizada nas versões em português da história de Jonas, o texto hebraico na verdade usa a frase dag gadol, que significa "peixe gigante". Nos séculos XVII e início do XVIII, as espécies de peixes que engoliram Jonas foram objeto de especulação para os naturalistas, que interpretaram a história como um relato de um incidente histórico. Alguns estudiosos modernos do folclore notaram semelhanças entre Jonas e outras figuras lendárias, especificamente Gilgamesh e o herói grego Jasão.

Livro de JonasEditar

 Ver artigo principal: Livro de Jonas
 
Jonas e a Baleia (1621) por Pieter Lastman

Jonas é o personagem central do livro de Jonas, no qual Deus ordena que ele vá à cidade de Nínive para profetizar contra ela "porque a sua maldade subiu até a minha presença",[6] mas Jonas, em vez disso, tenta fugir da "presença do Senhor" indo para Jafa (às vezes transliterado como Jopa ou Jope) e navegando para Társis.[7] Uma enorme tempestade surge e os marinheiros, percebendo que não é uma tempestade comum, lançam sorte e descobrem que Jonas é o culpado.[8] Jonas admite isso e afirma que se ele for jogado ao mar, a tempestade cessará.[9] Os marinheiros se recusam a fazer isso e continuam a remar, mas todos os seus esforços fracassam e acabam sendo forçados a jogar Jonas ao mar.[10] Como resultado, a tempestade se acalma e os marinheiros oferecem sacrifícios a Deus.[11] Jonas é milagrosamente salvo por ser engolido por um peixe grande, em cuja barriga ele passa três dias e três noites.[12] Enquanto estava no grande peixe, Jonas ora a Deus em sua aflição e se compromete a agradecer e a pagar o que prometeu.[13] Deus então ordena que o peixe vomite Jonas.[14]

Deus novamente ordena que Jonas viaje para Nínive e profetize a seus habitantes.[15] Desta vez, ele entra na cidade, gritando: "Daqui a quarenta dias Nínive será destruída".[16] Depois que Jonas atravessou Nínive, o povo de Nínive começou a acreditar em sua palavra e proclamar um jejum.[17] O rei de Nínive veste um pano de saco e senta-se sobre cinzas, fazendo uma proclamação que decreta o jejum, o uso de pano de saco, a oração e o arrependimento.[18] Deus vê seus corações arrependidos e poupa a cidade naquele momento.[19] A cidade inteira é humilhada e está submissa pelo povo (e até pelos animais), que são cobridos de saco e cinzas.[20]

Descontente e enfurecido por isso, Jonas se refere à sua viagem anterior para Társis, afirmando que, como Deus é misericordioso, era inevitável que Deus se afastasse das calamidades ameaçadas.[21] Ele então sai da cidade e construiu para si um abrigo, esperando para ver se a cidade será ou não destruída.[22] Deus faz com que uma planta (em hebraico: um kikayon) cresça sobre o abrigo de Jonas, para lhe dar alguma sombra do sol.[23] Mais tarde, Deus faz com que uma lagarta morda a raiz da planta e ela murcha.[24] Jonas, agora sendo exposto a toda a força do sol, quase desmaia e pede a Deus que o mate.[25]

Mas Deus disse a Jonas: "Você tem alguma razão para estar tão furioso por causa da planta? " Respondeu ele: "Sim, tenho! E estou furioso a ponto de querer morrer". Mas o SENHOR lhe disse: "Você tem pena dessa planta, embora não a tenha podado nem a tenha feito crescer. Ela nasceu numa noite e numa noite morreu. Contudo, Nínive tem mais de cento e vinte mil pessoas que não sabem nem distinguir a mão direita da esquerda, além de muitos rebanhos. Não deveria eu ter pena dessa grande cidade?"
— Jonas 4:9-11 (NVI) [26]

Visões religiosasEditar

No JudaísmoEditar

 
Ilustração de Jonas sendo engolido pelo peixe da Bíblia Kennicott, folha 305r (1476), na Biblioteca Bodleiana, Oxford.

O Livro de Jonas (Yonah יונה) é um dos doze profetas menores incluídos no Tanakh. De acordo com uma tradição, Jonas foi o menino trazido de volta à vida por Elias, o profeta, no capítulo 17 do Primeiro Livro dos Reis.[27] Outra tradição sustenta que ele era o filho da mulher de Suném, ressuscitada por Eliseu no capítulo 4 do Segundo Livro dos Reis[28] e que ele é chamado de "filho de Amitai" (Verdade) devido ao reconhecimento de sua mãe da identidade de Eliseu como um profeta em II Reis 17:24.[28] O Livro de Jonas é lido todos os anos, em seu hebraico original e em sua totalidade, no Yom Kipur - o Dia da Expiação, assim como o Haftorá na oração minchá da tarde. [29][30] Segundo o rabino Eliezer, o peixe que engoliu Jonas foi criado na era primordial e o interior de sua boca era como uma sinagoga; os olhos do peixe eram como janelas e uma pérola dentro de sua boca fornecia ainda mais iluminação. [31]

De acordo com o Midrash, enquanto Jonas estava dentro do peixe, ele disse que sua vida estava quase no fim, porque logo o Leviatã iria comer os dois.[31] Jonas prometeu ao peixe que os salvaria.[31] Seguindo as instruções de Jonas, o peixe nadou ao lado do Leviatã e Jonas ameaçou prender o Leviatã pela língua e deixar que os outros peixes o comessem.[31] O Leviatã ouviu as ameaças de Jonas, viu que ele era circuncidado e percebeu que estava protegido pelo Senhor, então fugiu aterrorizado, deixando Jonas e o peixe vivos.[31] O erudito e rabino judeu medieval Abraão ibn Ezra (1092 - 1167) argumentou contra qualquer interpretação literal do Livro de Jonas, afirmando que as "experiências de todos os profetas, exceto Moisés, eram visões, não realidades".[32] O estudo posterior feito por Isaac Abravanel (1437 - 1509), no entanto, argumentou que Jonas poderia facilmente sobreviver na barriga do peixe por três dias,[33] porque "afinal, os fetos vivem nove meses sem acesso a ar fresco".[34]

Teshuvá, a capacidade de se arrepender e ser perdoado por Deus, é uma ideia importante no pensamento judaico. Esse conceito é desenvolvido no livro de Jonas: Jonas, o filho da verdade (o nome de seu pai "Amitai" em hebraico significa verdade), se recusa a pedir ao povo de Nínive que se arrependa. Ele busca apenas a verdade, e não o perdão. Quando forçado a ir, sua chamado é ouvido alto e claro. O povo de Nínive se arrepende em êxtase, "jejuando, incluindo as ovelhas", e os escritos judaicos são críticos disso.[35] O Livro de Jonas também destaca o relacionamento às vezes instável entre duas necessidades religiosas: o conforto e a verdade.[36]

No CristianismoEditar

Em textos bíblicosEditar

 
Em seu fresco Juízo Final, Michelangelo descreveu Cristo abaixo de Jonas (IONAS) para qualificar o profeta como seu precursor.

Jonas é mencionado duas vezes no décimo quarto capítulo do livro deuterocanônico de Tobias,[37] cuja conclusão encontra o filho de Tobit, Tobias, na idade extrema de 127 anos, regozijando-se com as notícias da destruição de Nínive por Nabucodonosor e Assuero em aparente cumprimento da profecia de Jonas contra a capital assíria.[37]

No Novo Testamento, Jonas é mencionado em Mateus 12:38–41 e Mateus 16:4 e em Lucas (Lucas 11:29–32).[38] No evangelho segundo Mateus, Jesus faz uma referência a Jonas quando um dos escribas e fariseus pede um sinal para ele.[39][40] Jesus diz que o sinal será o sinal de Jonas: a restauração de Jonas depois de três dias dentro do grande peixe prefigura a sua própria ressurreição.[39][40]

Ele respondeu: "Uma geração perversa e adúltera pede um sinal miraculoso! Mas nenhum sinal lhe será dado, exceto o sinal do profeta Jonas.

Pois assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre de um grande peixe, assim o Filho do homem ficará três dias e três noites no coração da terra.

Os homens de Nínive se levantarão no juízo com esta geração e a condenarão; pois eles se arrependeram com a pregação de Jonas, e agora está aqui o que é maior do que Jonas.
— Mateus 12:39-41 [41]

Pós-bíblicoEditar

Jonas é considerado um santo por várias denominações cristãs. Seu dia de festa na Igreja Católica Romana é em 21 de setembro, de acordo com o Martirológio Romano.[2] No ano litúrgico ortodoxo, o dia da festa de Jonas é em 22 de setembro (para as igrejas que seguem o calendário juliano tradicional; 22 de setembro atualmente cai em outubro no calendário gregoriano moderno).[42] Na Igreja Apostólica Armênia, são realizadas festas móveis em comemoração a Jonas como um único profeta e como um dos doze profetas menores.[43][44][45] A missão de Jonas aos ninivitas é comemorada pelo jejum de Nínive nas igrejas siríacas e ortodoxas orientais.[46] Jonas é considerado como profeta e celebrado no Calendário dos Santos do Sínodo do Missouri da Igreja Luterana em 22 de setembro.[47]

Os teólogos cristãos tradicionalmente interpretam Jonas como um tipo para Jesus Cristo.[48] Jonas sendo engolido pelo peixe gigante era considerado um prenúncio da crucificação de Jesus e o peixe que vomitava Jonas na praia era visto como um paralelo para a ressurreição de Jesus.[49] São Jerônimo equipara Jonas ao lado mais nacionalista de Jesus,[50] e justifica as ações de Jonas argumentando que "Jonas age assim como um patriota, não tanto que odeie os ninivitas, mas que não deseja destruir seu próprio povo".[50]

Outros intérpretes cristãos, incluindo Santo Agostinho e Martinho Lutero, adotaram uma abordagem diretamente oposta,[51] em relação a Jonas como o epítome da inveja e do ciúme, que eles consideravam características inerentes ao povo judeu.[52] Lutero também conclui que o kikayon representa o judaísmo[53] e que o verme que o devora representa a Cristo.[54] Lutero também questionou a ideia de que o Livro de Jonas jamais foi concebido como história literal, comentando que ele achava difícil acreditar que alguém o interpretaria como um se nunca tivesse sido incluído na Bíblia.[55] A interpretação antissemita de Lutero sobre Jonas permaneceu a interpretação predominante entre os protestantes alemães ao longo da história moderna.[56] J.D. Michaelis comenta que "o significado da fábula atinge você bem entre os olhos", e conclui que o Livro de Jonas é uma polêmica contra "o ódio e a inveja do povo israelita por todas as outras nações da terra".[52] Albert Eichhorn era um forte defensor da interpretação de Michaelis.[57]

João Calvino e John Hooper consideravam o Livro de Jonas um aviso a todos aqueles que poderiam tentar fugir da ira de Deus.[58] Embora Lutero tenha tido o cuidado de sustentar que o Livro de Jonas não foi escrito por Jonas,[59] Calvino declarou que o Livro de Jonas era a confissão pessoal de culpa de Jonas.[59] Calvino vê o tempo de Jonas dentro da barriga do peixe como equivalente aos fogos do inferno, com o objetivo de corrigir Jonas e colocá-lo no caminho da justiça.[60] Também diferentemente de Lutero, Calvino encontra falhas em todos os personagens da história,[59] descrevendo os marinheiros no barco como "duros e de coração de ferro, como os de Ciclope", a penitência dos ninivitas como "destreinada", e o rei de Nínive como um "novato".[59] Hooper, por outro lado, vê Jonas como o dissidente arquetípico e o barco do qual ele é expulso como um símbolo do estado.[61] Hooper deplora tais dissidentes, censurando: "você pode viver em silêncio com tantos Jonas? Não, então jogue-os no mar!"[62] No século XVIII, os professores alemães eram proibidos de ensinar que o Livro de Jonas era qualquer coisa que não fosse um relato literal e histórico.[55]

No IslamismoEditar

 
Jonas e o peixe gigante no Jami' al-tawarikh (c. 1400), Museu Metropolitano de Arte
 
Jonas tentando esconder sua nudez no meio de arbustos; Jeremias no deserto (canto superior esquerdo). Miniatura turca otomana, século XVI.[63]

AlcorãoEditar

Jonas (em árabe: يُونُس, translit. Yūnus) é o título do décimo capítulo do Alcorão. Ele é tradicionalmente visto como muito importante no Islã, como um profeta que foi fiel a Alá e transmitiu suas mensagens. Jonas é o único dos Doze Profetas Menores a ser mencionado pelo nome no Alcorão.[64] Nas Suratas 21:87 e 68:48, Jonas é chamado Dhul-Nūn (em árabe: ذُو ٱلنُّوْن; significa "Aquele que é o Peixe").[65] Em 4:163 e 6:86, ele é referido como "um apóstolo de Alá".[65] A Surata 37:139-148 reconta a história completa de Jonas:[65]

E também Jonas foi um dos mensageiros.
O qual fugiu num navio carregado.
E se lançou à deriva, e foi desafortunado.
E uma baleia o engoliu, porque era repreensível.
E se não se tivesse contado entre os glorificadores de Deus,
Teria permanecido em seu ventre até ao dia da Ressurreição. E o arranjamos, enfermo, a uma praia deserta,
E fizemos crescer, ao lado dele, uma aboboreira.
E o enviamos a cem mil (indivíduos) ou mais.
E creram nele, e lhes permitimos deleitarem-se por algum tempo.
— Alcorão, capítulo 37 (As-Saaffat, versos 139-148)[66]

O Alcorão não menciona o pai de Jonas,[65] mas a tradição muçulmana ensina que Jonas era da tribo de Benjamim e que seu pai era Amitai.[64]

HádiceEditar

Jonas também é mencionado em alguns acontecimentos durante a vida de Maomé. Em alguns casos, o nome de Jonas é mencionado com louvor e reverência por Maomé. De acordo com narrativas históricas sobre a vida de Maomé, após dez anos recebendo revelações, este foi à cidade de Ta'if para ver se seus líderes lhe permitiam pregar sua mensagem ali em vez de ir em Meca, mas ele foi expulso desta cidade pela população. Ele se refugiou no jardim de Utbah e Shaybah, dois membros da tribo dos Coraixitas. Eles enviaram seu servo, Addas, para servir uvas como alimento. Maomé perguntou a Addas de onde ele era e o servo respondeu Nínive. "A cidade de Jonas, o justo, filho de Amitai!", Maomé exclamou. Addas ficou chocado porque sabia que os árabes pagãos não tinham conhecimento do profeta Jonas. Ele então perguntou como Maomé sabia desse homem, ao passo que ele lhe respondeu: "Somos irmãos, Jonas era um profeta de Deus e eu também sou um profeta de Deus." Addas imediatamente aceitou o Islã e beijou as mãos e os pés de Maomé.[67]

Uma das afirmações de Maomé, na coleção do Al-Bukhari, mostra que o mesmo destaca que "não se deve dizer que sou melhor que Jonas".[68][69][70] Uma declaração semelhante ocorre em um hádice escrito por Iázide I, o segundo califa da dinastia omíada.[70] Umayya ibn Abi al-Salt, um contemporâneo mais antigo de Maomé, ensinou que, se Jonas não tivesse rezado a Alá, ele teria ficado preso dentro do peixe até o Dia do Julgamento, mas, por causa de sua oração, Jonas "ficou apenas alguns dias dentro da barriga do peixe".[70]

O historiador persa do século IX Al-Tabari registra que, enquanto Jonas estava dentro do peixe, "nenhum de seus ossos ou membros foi ferido".[70] Al-Tabari também escreve que Alá tornou o corpo do peixe transparente, permitindo que Jonas visse as "maravilhas do abismo" e que Jonas ouviu todos os peixes do mar cantando louvores a Alá.[71] Kisai Marvazi, um poeta do século X, registra que o pai de Jonas tinha setenta anos quando ele nasceu e que veio a falecer logo depois, deixando a mãe de Jonas com nada além de uma colher de pau, que acabou sendo uma cornucópia.[70]

TumbasEditar

 
Fotografia das ruínas da mesquita de Yunus, após sua destruição pelo ISIS

A localização atual de Nínive é marcada por escavações de cinco portões, partes de paredes em quatro lados e dois montes grandes: a colina de Kuyunjik e a colina de Nabi Yunus.[72] Uma mesquita no topo de Nabi Yunus foi dedicada ao profeta Jonas e continha um santuário, que foi reverenciado por muçulmanos e cristãos como o local da tumba de Jonas.[73] A tumba era um local de peregrinação popular e um símbolo de unidade para judeus, cristãos e muçulmanos em todo o Oriente Médio.[74]

Em 24 de julho de 2014, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS) destruiu a mesquita que contém a tumba como parte de uma campanha para destruir santuários religiosos considerados idólatras.[75][74][76] Depois que Mosul foi retirado do ISIS em janeiro de 2017, um antigo palácio assírio, datado de cerca de 600 a.C., foi descoberto sob a mesquita em ruínas.[74][77] O ISIS havia saqueado o palácio de itens para vender no mercado negro, mas alguns dos artefatos que eram mais difíceis de transportar ainda permaneciam no local.[74][77]

Outros locais de renome da tumba de Jonas incluem a vila árabe de Mexede, localizada no antigo local de Gate-Hefer, em Israel;[38] a cidade palestina de Halhul, na Cisjordânia, a 5 quilômetros ao norte de Hebrom;[78] e um santuário perto da cidade de Sarepta no Líbano.[79] Outra tradição coloca o túmulo em uma colina agora chamada Giv'at Yonah, "Montanha de Jonas", na extremidade norte da cidade israelense de Asdode, em um local coberto por um farol moderno.[79] Uma tumba de Jonas pode ser encontrada em Diyarbakir, na Turquia, localizada atrás do mirabe na mesquita de Fatih Pasha.[80][81] Evliya Çelebi afirma em seu Seyâhatname que ele visitou os túmulos do profeta Jonas e do profeta Jorge na cidade.[82][83]

Interpretações de estudiososEditar

A história de um homem que sobrevive após ser engolido por uma baleia ou um peixe gigante é classificada no catálogo de tipos de contos populares como "ATU 1889G".[84]

HistoricidadeEditar

O consenso entre os principais estudiosos da Bíblia sustenta que o conteúdo do Livro de Jonas é totalmente a-histórico.[85][86][3] Embora o profeta Jonas tenha vivido no oitavo século EC, [1] o Livro de Jonas foi escrito séculos mais tarde durante o tempo do Império Aquemênida.[1][87] O hebraico usado no livro de Jonas mostra fortes influências do aramaico e as práticas culturais descritas nele correspondem às dos persas aquemênidas.[1][88] Muitos estudiosos consideram o Livro de Jonas uma obra intencional de paródia ou sátira.[4][5][89][90][91][92] Se for esse o caso, provavelmente foi admitido no cânon da Bíblia Hebraica por sábios que não entenderam sua natureza satírica e a interpretaram erroneamente como uma obra profética séria.[93][91][92]

Enquanto o próprio livro de Jonas seja considerado ficção,[85][86][3] o próprio Jonas pode ter sido um profeta histórico;[94] ele é mencionado brevemente no Segundo Livro dos Reis:[95][3]

Também este restituiu os termos de Israel, desde a entrada de Hamate, até ao mar da planície; conforme a palavra do SENHOR Deus de Israel, a qual falara pelo ministério de seu servo Jonas, filho do profeta Amitai, o qual era de Gate-Hefer.

A maioria dos estudiosos acredita que o autor anônimo do Livro de Jonas pode ter tomado esse obscuro profeta de 2 Reis e o usado como base para o personagem fictício de Jonas,[96] mas alguns afirmaram que a figura do próprio Jonas é inteiramente lendária.[86]

Elementos paródicosEditar

 
Restauração moderna do portão de Adade em Nínive em uma fotografia tirada antes da destruição total do portão pelo ISIS em abril de 2016.[97] O Livro de Jonas exagera o tamanho de Nínive muito além do que realmente era historicamente.[1][88]

As opiniões expressas por Jonas no Livro de Jonas são uma paródia das opiniões dos membros da sociedade judaica no momento em que foram escritas.[5][98][90] O alvo principal da sátira pode ter sido uma facção a quem Morton Smith chama de "separacionistas",[90] que acreditavam que Deus destruiria aqueles que o desobedeceram,[99] que cidades pecaminosas seriam destruídas[99] e que a misericórdia de Deus não se estendeu àqueles fora da aliança abraâmica.[90] McKenzie e Graham comentam que "Jonas é, de certa forma, o mais 'ortodoxo' dos teólogos israelitas - para defender uma questão teológica".[99] As declarações de Jonas ao longo do livro são caracterizadas por sua militância, mas seu nome ironicamente significa "pomba",um pássaro que os antigos israelitas associaram à paz.[90][100]

A rejeição de Jonas aos mandamentos de Deus é uma paródia da obediência dos profetas descritos em outros escritos do Antigo Testamento.[101] O arrependimento instantâneo do rei de Nínive parodia os governantes dos outros escritos do Antigo Testamento que desconsideram as advertências proféticas, como Acabe e Zedequias.[92] A prontidão para adorar a Deus exibida pelos marinheiros no navio e pelo povo de Nínive contrasta ironicamente com a própria relutância de Jonas,[102] assim como o maior amor de Jonas por kikayon, que lhe proporcionava sombra, do que por todas as pessoas em Nínive.[102]

O Livro de Jonas também emprega elementos da literatura absurdista;[88] exagera o tamanho da cidade de Nínive a um grau implausível[1][88] e incorretamente se refere ao administrador da cidade como um "rei".[1][88] Segundo os estudiosos, nenhum ser humano poderia sobreviver realisticamente por três dias dentro de um peixe, e a descrição do gado em Nínive em jejum ao lado de seus donos é "boba".[88]

O motivo de um protagonista ser engolido por um peixe ou uma baleia gigante tornou-se um tropo comum de escritos satíricos posteriores. [103] Incidentes semelhantes são recontados em História Verdadeira, de Luciano de Samósata, que foi escrita no século II d.C.[104] e na narrativa do romance Narrativa das Maravilhosas Viagens e Campanhas na Rússia do Barão de Münchhausen, publicada por Rudolf Erich Raspe em 1785.[105]

O peixeEditar

TraduçãoEditar

 
Representação de Jonas e o "grande peixe" na entrada sul da Catedral de Worms, em Worms, Alemanha

Embora seja constantemente chamado de baleia nos dias atuais, o hebraico, assim como em todas as escrituras, não se refere a nenhuma espécie em particular, simplesmente afirmando este como um "peixe grande" ou "peixe gigante" (as baleias são hoje classificadas como mamíferos e não peixes, mas essa distinção não foi feita na antiguidade). Enquanto alguns estudiosos da Bíblia sugerem que o tamanho e os hábitos do tubarão-branco correspondem melhor às representações dadas por Jonas, normalmente um humano adulto é grande demais para ser engolido inteiro. O desenvolvimento da baleação a partir do século XVIII deixou claro que a maioria das espécies de baleias, se não todas, eram incapazes de engolir um homem, levando a muita controvérsia sobre a veracidade da história bíblica de Jonas.[106]

Em Jonas 2:1 (1:17 nas traduções para o português), o texto em hebraico diz dag gadol[107] (דג גדול) ou, no texto massorético hebraico, dāḡ gā·ḏō·wl (דָּ֣ג גָּד֔וֹל), que significa "grande peixe".[107][108] A Septuaginta traduz esta frase para o grego como kētei megalōi (κήτει μεγάλῳ), que significa" peixe enorme".[109] Na mitologia grega, a mesma palavra que significa "peixe" (kêtos) é usada para descrever o monstro marinho morto pelo herói Perseu, que quase devorou ​​a princesa Andrômeda.[110] Mais tarde, Jerônimo traduziu esta frase como piscis grandis em sua Vulgata Latina.[111] Ele traduziu kétos, no entanto, como ventre ceti em Mateus 12:40: este segundo caso ocorre apenas neste versículo do Novo Testamento.[112]

Em algum momento, o cetus tornou-se sinônimo de "baleia" (o estudo das baleias agora é chamado de cetologia). Na sua tradução de 1534, William Tyndale traduziu a frase em Jonas 2:1 como "greate fyshe" e a palavra kétos (grego) ou cetus (latim) em Mateus 12:40 como "baleia".[110] A tradução de Tyndale foi posteriormente incorporada à Versão Autorizada de 1611.[110] Desde então, o "grande peixe" em Jonas 2 foi mais frequentemente interpretado como uma baleia. Em inglês, algumas traduções usam a palavra "baleia" para Mateus 12:40, enquanto outras usam "criatura marinha" ou "peixe grande".[113] Em português, a Almeida Corrigida Fiel também traduz o termo como "grande peixe", fato que também ocorre com a Nova Versão Internacional.[114][115]

Especulação científicaEditar

 
Fotografia de um tubarão-baleia, a maior espécie conhecida entre os peixes[116]

Nos séculos XVII e XVIII, os naturalistas, interpretando a história de Jonas como um relato histórico, ficaram obcecados em tentar identificar as espécies exatas do peixe que engoliu a Jonas.[117] Em meados do século XIX, Edward Bouverie Pusey, professor de hebraico na Universidade de Oxford, afirmou que o Livro de Jonas deve ter sido de autoria do próprio Jonas e argumentou que a história do peixe deve ser historicamente verdadeira, caso contrário não seria incluída na Bíblia.[118] Pusey tentou catalogar cientificamente o peixe,[119] na esperança de "envergonhar aqueles que falam do milagre da preservação de Jonas no peixe como algo menos credível do que qualquer outra ação milagrosa de Deus".[120]

O debate sobre os peixes no Livro de Jonas teve um papel importante durante o interrogatório de Clarence Darrow sobre William Jennings Bryan no Julgamento de Scopes em 1925.[121][122][55] Darrow perguntou a Bryan "Quando você lê isso... a baleia engoliu Jonas... como você interpreta isso literalmente?"[121] Bryan respondeu que "um Deus que pode fazer uma baleia e pode fazer um homem, pode fazer com que ambos façam o que Ele quiser".[121][55] Bryan finalmente admitiu que era necessário interpretar a Bíblia e é geralmente considerado como tendo parecido um "bufão".[122]

As maiores baleias - mysticeti, um grupo que inclui a baleia azul - comem plâncton e "é comum dizer que essa espécie seria sufocada se tentasse engolir um arenque".[123] Quanto ao tubarão-baleia, Dr. E.W. Gudger, Associado Honorário de Ictiologia do Museu Americano de História Natural, observa que, enquanto o tubarão-baleia tem uma boca grande, sua garganta tem apenas 10 cm de largura, com um cotovelo afiado ou uma curva atrás da abertura, o que significa que nem mesmo um braço humano seria capaz de passar por ele.[124] Ele conclui que "o tubarão-baleia não é o peixe que engoliu Jonas".[124]

Influência culturalEditar

 
Representação de Jonas por Nicolas de Verdun (1181) em um altar na abadia de Klosterneuburg, na Áustria.

Na língua turca, "o peixe de Jonas" (em turco: yunus baligi) é o termo utilizado para se referir aos golfinhos.[125] Uma expressão estabelecida há muito tempo entre os marinheiros usa o termo "um Jonas", para significar um marinheiro ou um passageiro cuja presença a bordo traz má sorte e põe em perigo o navio.[126] Mais tarde, esse significado foi estendido para significar "uma pessoa que carrega azar, alguém que trará má sorte a qualquer empresa".[127]

Apesar de sua brevidade, o Livro de Jonas foi adaptado inúmeras vezes na literatura e na cultura popular.[128][129] Em Moby-Dick (1851), de Herman Melville, o padre Mapple faz um sermão sobre o livro de Jonas. Mapple pergunta por que Jonas não mostra remorso por desobedecer a Deus enquanto ele está dentro do peixe. Ele chega à conclusão de que Jonas admiravelmente admite que "seu terrível castigo é justo".[130] As Aventuras de Pinóquio (1883), de Carlo Collodi, apresenta o personagem-título e seu pai Geppetto sendo engolidos por uma baleia, uma alusão à história de Jonas.[131] A adaptação cinematográfica do romance de Walt Disney, em 1940 também retém essa alusão.[132] A história de Jonas foi adaptada no filme de animação de Phil Vischer e Mike Nawrocki, Jonah e os Vegetais (2002). No filme, Jonas é engolido por uma baleia gigantesca.[133] O filme foi o primeiro lançamento teatral da Big Idea Entertainment[134] e, em seu primeiro final de semana, arrecadou aproximadamente US$ 6,5 milhões.[135]

Conexões sugeridas com lendasEditar

 
Jonas sendo engolido por um grande monstro marinho. Capital da coluna esculpida do teto da igreja da abadia em Mozac, França, século XII.

Joseph Campbell sugere que a história de Jonas se assemelhe a uma cena da Epopéia de Gilgamesh, na qual Gilgamesh obtém uma planta do fundo do mar.[136] No livro de Jonas, um verme (em hebraico tola'ath, "lagarta") morde a raiz da planta que dá sombra, secando-a;[136] enquanto que na Epopeia de Gilgamesh, Gilgamesh amarra pedras nos pés e puxa a raiz da planta do fundo do mar.[136][137] Uma vez que ele retorna à praia, a planta rejuvenescedora é comida por uma serpente.[136][138]

Campbell também observou várias semelhanças entre a história de Jonas e a de Jasão (Jason) na mitologia grega.[136] A tradução grega do nome Jonas também é Jonas, que difere de Jason apenas na ordem dos sons - os dois SOs são ômegas, sugerindo que Jasão pode ter sido confundido com Jonas.[136] Gildas Hamel, inspirado no livro de Jonas e em fontes greco-romanas - incluindo vasos gregos e os relatos de Apolônio de Rodes, Caio Valério Flaco e As Argonáuticas - identifica uma série de motivos compartilhados, incluindo os nomes dos heróis, a presença de uma pomba, a ideia de "fugir" como o vento e causar uma tempestade, a atitude dos marinheiros, a presença de um monstro do mar ou dragão ameaçando o herói a engolí-lo, e a forma e a palavra usadas para a "cabaça" (kikayon).[139] Hamel considera que foi o autor hebreu reagiu e adaptou esse material mitológico para comunicar sua própria mensagem de uma forma bastante diferente.[140]

Ver tambémEditar

NotasEditar

  1. em hebraico: יוֹנָה Yōnāh, "dove"; em grego: Ἰωνᾶς Iōnâs; em árabe: يونس Yūnus, Yūnis ou يونان Yūnān ; Latim: Ionas

Referências

  1. a b c d e f g Levine 2000, p. 71.
  2. a b The Roman Martyrology. Westminster, Maryland: Newman Bookshop. 1944. p. 327 
  3. a b c d Kripke 1980, p. 67.
  4. a b Band 2003, pp. 105–107.
  5. a b c Ben Zvi 2003, pp. 18–19.
  6. «"Vá depressa à grande cidade de Nínive e pregue contra ela, porque a sua maldade subiu até a minha presença".» (Jonas 1:2)
  7. «Mas Jonas fugiu da presença do Senhor, dirigindo-se para Társis. Desceu à cidade de Jope, onde encontrou um navio que se destinava àquele porto. Depois de pagar a passagem, embarcou para Társis, para fugir do Senhor.» (Jonas 1:3)
  8. «O Senhor, porém, fez soprar um forte vento sobre o mar, e caiu uma tempestade tão violenta que o barco ameaçava arrebentar-se. Todos os marinheiros ficaram com medo e cada um clamava ao seu próprio deus. E atiraram as cargas ao mar para tornar mais leve o navio. Enquanto isso, Jonas, que tinha descido para o porão e se deitado, dormia profundamente. O capitão dirigiu-se a ele e disse: "Como você pode ficar aí dormindo? Levante-se e clame ao seu deus! Talvez ele tenha piedade de nós e não morramos". Então os marinheiros combinaram entre si: "Vamos tirar sortes para descobrir quem é o responsável por esta desgraça que se abateu sobre nós". Tiraram sortes, e a sorte caiu sobre Jonas.» (Jonas 1:4-7)
  9. «Visto que o mar estava cada vez mais agitado, eles lhe perguntaram: "O que devemos fazer com você, para que o mar se acalme?" Respondeu ele: "Peguem-me e joguem-me ao mar, e ele se acalmará. Pois eu sei que é por minha causa que esta violenta tempestade caiu sobre vocês".» (Jonas 1:11-12)
  10. «Ao invés disso, os homens se esforçaram ao máximo para remar de volta à terra. Mas não conseguiram, porque o mar tinha ficado ainda mais violento. Então eles clamaram ao Senhor: "Senhor, nós suplicamos, não nos deixes morrer por tirarmos a vida deste homem. Não caia sobre nós a culpa de matar um inocente, porque tu, ó Senhor, fizeste o que desejavas".» (Jonas 1:13-14)
  11. «Então, pegaram Jonas e o lançaram ao mar enfurecido, e este se aquietou. Ao verem isso, os homens adoraram ao Senhor com temor, oferecendo-lhe sacrifício e fazendo-lhe votos.» (Jonas 1:15-16)
  12. «Então o Senhor fez com que um grande peixe engolisse Jonas, e ele ficou dentro do peixe três dias e três noites.» (Jonas 1:17)
  13. «Lá de dentro do peixe, Jonas orou ao Senhor, ao seu Deus. Ele disse: "Em meu desespero clamei ao Senhor, e ele me respondeu. Do ventre da morte gritei por socorro, e ouviste o meu clamor. Jogaste-me nas profundezas, no coração dos mares; correntezas formavam turbilhão ao meu redor; todas as tuas ondas e vagas passaram sobre mim. Eu disse: Fui expulso da tua presença; contudo, olharei de novo para o teu santo templo. As águas agitadas me envolveram, o abismo me cercou, as algas marinhas se enrolaram em minha cabeça. Afundei até os fundamentos dos montes; à terra cujas trancas estavam me aprisionando para sempre. Mas tu trouxeste a minha vida de volta da cova, ó Senhor meu Deus! "Quando a minha vida já se apagava, eu me lembrei de ti, Senhor, e a minha oração subiu a ti, ao teu santo templo. "Aqueles que acreditam em ídolos inúteis desprezam a misericórdia. Mas eu, com um cântico de gratidão, oferecerei sacrifício a ti. O que eu prometi cumprirei totalmente. A salvação vem do Senhor".» (Jonas 2:1-9)
  14. «E o Senhor deu ordens ao peixe, e ele vomitou Jonas em terra firme.» (Jonas 2:10)
  15. «A palavra do Senhor veio a Jonas pela segunda vez com esta ordem: "Vá à grande cidade de Nínive e pregue contra ela a mensagem que eu vou dar a você".» (Jonas 3:1-2)
  16. «E Jonas obedeceu à palavra do Senhor e foi para Nínive. Era uma cidade muito grande; demorava-se três dias para percorrê-la. Jonas entrou na cidade e a percorreu durante um dia, proclamando: "Daqui a quarenta dias Nínive será destruída".» (Jonas 3:3-4)
  17. «Os ninivitas creram em Deus. Proclamaram jejum, e todos eles, do maior ao menor, vestiram-se de pano de saco.» (Jonas 3:5)
  18. «Quando as notícias chegaram ao rei de Nínive, ele se levantou do trono, tirou o manto real, vestiu-se de pano de saco e sentou-se sobre cinza. Então fez uma proclamação em Nínive: "Por decreto do rei e de seus nobres: Não é permitido a nenhum homem ou animal, bois ou ovelhas provar coisa alguma; não comam nem bebam! Cubram-se de pano de saco, homens e animais. E todos clamem a Deus com todas as suas forças. Deixem os maus caminhos e a violência. Talvez Deus se arrependa e abandone a sua ira, e não sejamos destruídos".» (Jonas 3:6-9)
  19. «Deus viu o que eles fizeram e como abandonaram os seus maus caminhos. Então Deus se arrependeu e não os destruiu como tinha ameaçado.» (Jonas 3:10)
  20. «Não é permitido a nenhum homem ou animal, bois ou ovelhas provar coisa alguma; não comam nem bebam! Cubram-se de pano de saco, homens e animais.» (Jonas 3:8)
  21. «Mas Jonas ficou profundamente descontente com isso e enfureceu-se. Ele orou ao Senhor: "Senhor, não foi isso que eu disse quando ainda estava em casa? Foi por isso que me apressei em fugir para Társis. Eu sabia que tu és Deus misericordioso e compassivo, muito paciente, cheio de amor e que promete castigar mas depois se arrepende. Agora, Senhor, tira a minha vida, eu imploro, porque para mim é melhor morrer do que viver".» (Jonas 4:1-3)
  22. «Jonas saiu e sentou-se num lugar a leste da cidade. Ali, construiu para si um abrigo, sentou-se à sua sombra e esperou para ver o que aconteceria com a cidade.» (Jonas 4:5)
  23. «Então o Senhor Deus fez crescer uma planta sobre Jonas, para dar sombra à sua cabeça e livrá-lo do calor, e Jonas ficou muito alegre.» (Jonas 4:6)
  24. «Mas na madrugada do dia seguinte, Deus mandou uma lagarta atacar a planta de modo que ela secou.» (Jonas 4:7)
  25. «Ao nascer do sol, Deus trouxe um vento oriental muito quente, e o sol bateu na cabeça de Jonas, a ponto de ele quase desmaiar. Com isso ele desejou morrer, e disse: "Para mim seria melhor morrer do que viver".» (Jonas 4:8)
  26. Jonas 4:11
  27. Green 2005, pp. 126–127.
  28. a b Green 2005, p. 127.
  29. Mirsky 1990, p. 354.
  30. Isaacs 2006, p. 65.
  31. a b c d e Green 2005, p. 128.
  32. Gaines 2003, p. 20.
  33. Gaines 2003, p. 18.
  34. Gaines 2003, p. 18-19.
  35. «Sanhedrin», Babylonian Talmud, 61a .
  36. Bashevkin, Dovid. "Jonah and the Varieties of Religious Motivation." Arquivado em 12 de outubro de 2016 no Wayback Machine. Lehrhaus. 9 de outubro de 2016.
  37. a b Bredin 2006, pp. 47–50.
  38. a b Limburg 1993, p. 39.
  39. a b Stein 1994, p. 3.
  40. a b Sanders 1993, p. 167.
  41. Mateus 12:39-41
  42. «Lives of all saints commemorated on September 22». Orthodox Church in America. 22 de setembro de 2017. Consultado em 13 de março de 2018 
  43. «Commemoration of the Prophet Jonah». Diocese of the Armenian Apostolic Orthodox Holy Church in Georgia. Consultado em 13 de março de 2018 
  44. «Commemoration of the 12 Minor Prophets». Diocese of the Armenian Apostolic Orthodox Holy Church in Georgia. Consultado em 13 de março de 2018 
  45. «Commemoration Day of the 12 Minor Prophets. 24 July 2018». Saint Stepanos Armenian Apostolic Church of Elberon in New Jersey. Consultado em 13 de março de 2018 
  46. «Three day fast of Nineveh». Syriac Orthodox Resources. 8 de fevereiro de 1998. Consultado em 12 de março de 2018 
  47. «The Commemoration of Jonah, Prophet, 22 September». Concordia and Koinonia. Consultado em 13 de março de 2018 
  48. Sherwood 2000, pp. 11–20.
  49. Sherwood 2000, pp. 11–13.
  50. a b Sherwood 2000, p. 20.
  51. Sherwood 2000, pp. 23–25.
  52. a b Sherwood 2000, p. 25.
  53. Sherwood 2000, pp. 23–24.
  54. Sherwood 2000, p. 24.
  55. a b c d Gaines 2003, p. 19.
  56. Sherwood 2000, pp. 24–26.
  57. Sherwood 2000, pp. 25–26.
  58. Sherwood 2000, pp. 32–33.
  59. a b c d Sherwood 2000, p. 33.
  60. Sherwood 2000, pp. 34–36.
  61. Sherwood 2000, pp. 39–40.
  62. Sherwood 2000, p. 40.
  63. G’nsel Renda (1978). «The Miniatures of the Zubdat Al- Tawarikh». Turkish Treasures Culture /Art / Tourism Magazine. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2016 
  64. a b Enciclopédia do Islã, Yunus, pg. 348
  65. a b c d Vicchio 2008, p. 67.
  66. «As Safát: Os Enfileirados». Alcorão. Consultado em 24 de abril de 2020 
  67. Resumido de A Vida do Profeta por Ibn Hisham, Volume 1, pp. 419–421
  68. Wheeler 2002, p. 172.
  69. Graham 1977, p. 167.
  70. a b c d e Vicchio 2008, p. 73.
  71. Vicchio 2008, p. 74.
  72. «Link to Google map with Nineveh markers at gates, wall sections, hills and mosque». Goo.gl. 19 de março de 2013. Consultado em 29 de junho de 2014 
  73. «ISIS destroys 'Jonah's tomb' in Mosul». Al Arabiya. 25 de julho de 2014. Consultado em 28 de julho de 2014. Cópia arquivada em 27 de julho de 2014 
  74. a b c d Farhan, Lawandow & Samuel 2017.
  75. Ford & Tawfeeq 2014.
  76. ISIS militants blow up Prophet Jonas’ tomb in Iraq – video Arquivado em 9 de março de 2015 no Wayback Machine.
  77. a b Ensor 2017.
  78. Friedman 2006, p. 64.
  79. a b Costa 2013, p. 97.
  80. Talha Ugurluel, Dünyaya Hükmeden Sultan Kanuni: Gerçeklerin Anlatıldığı Bir Tarih Kitabı, Timas, 2013.
  81. Hz. Yunus ve Diyabakir WowTurkey. Acessado em 23 de abril de 2020.
  82. EVLİYA ÇELEBİ’NİN SEYAHATNAME’SİNDE DİYARBAKIR (Turkish)
  83. EVLİYA ÇELEBİ DİYARBAKIR’DA (Turkish) TigrisHaber. Acessado em 23 de abril de 2020.
  84. Ziolkowski 2007, p. 78.
  85. a b Ingram 2012, p. 140.
  86. a b c Levine 2000, pp. 71–72.
  87. Ben Zvi 2003, pp. 15–16.
  88. a b c d e f Gaines 2003, p. 25.
  89. Ingram 2012, pp. 140–142.
  90. a b c d e McKenzie & Graham 1998, p. 113.
  91. a b Person 1996, p. 155.
  92. a b c Gaines 2003, pp. 22–23.
  93. Band 2003, pp. 106–107.
  94. Kripke 1980, pp. 67–68.
  95. Doyle 2005, p. 124.
  96. Doyle 2005, pp. 124–125.
  97. Romey 2016.
  98. Band 2003, p. 106.
  99. a b c Band 2003, p. 105.
  100. Ingram 2012, p. 142.
  101. Gaines 2003, p. 22.
  102. a b Gaines 2003, p. 23.
  103. Ziolkowski 2007, pp. 74–81.
  104. Ziolkowski 2007, p. 76-77.
  105. Ziolkowski 2007, pp. 77–78.
  106. Kemp, Peter Kemp (1979). The Oxford Companion to Ships & the Sea. [S.l.]: Oxford University Press. p. 434. ISBN 978-0-586-08308-6. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2017 
  107. a b «Yonah - Strong's Hebrew Lexicon (LXX)». Blue Letter Bible. Consultado em 24 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2016 
  108. Interlinear Bible: Greek, Hebrew, Transliterated, English ... [S.l.]: Bible Hub. Consultado em 24 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2016 
  109. Robertson, A. T. (197x). Word Pictures in the New Testament – Matthew. [S.l.]: CCEL. p. 99. ISBN 978-1-610-25188-4. ISBN 1-61025188-1. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2016 
  110. a b c Bremmer 2014, p. 28.
  111. Ziolkowski 2007, p. 81.
  112. Parris, David Paul (2015). Reading the Bible with Giants. How 2000 Years of Biblical Interpretation Can Shed New Light on Old Texts. Second Edition 2 ed. Eugene, Oregon: Wipf and Stock Publishers. ISBN 978-1-625-64728-3. ISBN 1-62564728-X. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2016 
  113. Huber, Walt; Huber, Rose (2013). How Did God Do It? A Symphony of Science and Scripture. Vitória, Colúmbia Britânica: Friesen Press. ISBN 978-1-460-21127-4. ISBN 1-46021127-8 
  114. «Jonas 1:17 na ACF». Bíblia Online. Consultado em 22 de abril de 2020 
  115. «Jonas 1:17 na NVI». Bíblia Online. Consultado em 22 de abril de 2020 
  116. Wood, Gerald L. (1976). The Guinness Book of Animal Facts and Feats. [S.l.]: Guinness Superlatives. ISBN 978-0-900424-60-1 
  117. Sherwood 2000, pp. 42–45.
  118. Green 2011, p. 48.
  119. Sherwood 2000, pp. 47–48.
  120. Sherwood 2000, p. 48.
  121. a b c Smolla 1997.
  122. a b Lidz 2016.
  123. Lydekker's New Natural History, Vol, III, p. 6
  124. a b Gudger 1940, p. 227.
  125. Sevket Turet; Ali Bayram (1 de maio de 1996). Practical English-Turkish handbook. [S.l.]: Hippocrene Books. p. 361. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2018 
  126. «Afflicted with a Jonah; The Sea Captain's Fear of Parsons' Sons» (PDF). The New York Times. 6 de março de 1885 
  127. «Jonah». Collins English Dictionary Complete & Unabridged 11th ed. Consultado em 6 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 27 de junho de 2012 
  128. Green 2005, p. xv.
  129. Sherwood 2000, pp. 71–72.
  130. Lewis, John (21 de julho de 2017). «The Problem with Herman Melville's Reading of the Book of Jonah». Mosaic (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2018 
  131. Marrone 2007, p. 486.
  132. Pinsky 2004, p. 31.
  133. Deming, Mark. «Jonah: A VeggieTales Movie (2002)». AllMovie. Consultado em 9 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2017 
  134. Dunlap & Warren 2013, p. 238.
  135. Dunlap & Warren 2013, p. 240.
  136. a b c d e f Campbell 1988, pp. 90–95.
  137. Dalley 1989, pp. 118–119.
  138. Dalley 1989, p. 119.
  139. Hamel 2015, pp. 1–20.
  140. Hamel 2015, pp. 18–20.

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jonas