João Carreiro & Capataz

João Carreiro e Capataz
Informação geral
Nome completo João Sérgio Batista Corrêa Filho (João Carreiro)
Hilton Cesar Serafim da Silva (Capataz)
Também conhecido(a) como João Carreiro & Capataz
Nascimento 24 de novembro de 1982 (37 anos) (João Carreiro)
14 de fevereiro de 1978 (42 anos) (Capataz)
Origem Cuiabá, Mato Grosso
País  Brasil
Gênero(s) Sertanejo universitário, sertanejo raiz
Instrumento(s) Viola e violão
Período em atividade 1999-2014
Gravadora(s) Som Livre (2009-2011)
Radar Records (2011-2014)
Afiliação(ões) Carreiro & Capataz
Página oficial www.joaocarreiroecapataz.com.br

João Carreiro & Capataz foi uma dupla de música sertaneja brasileira formada pelos cantores mato-grossenses João Sérgio Batista Corrêa Filho (Cuiabá, 24 de novembro de 1982), conhecido artisticamente como João Carreiro, e por Hilton Cesar Serafim da Silva (Cuiabá, 14 de fevereiro de 1978), conhecido artisticamente como Capataz.[1]

Foi com a música "Desatino" que a dupla se destacou em Mato Grosso. Depois, “Lágrimas de Crocodilo” deu força para que os dois jovens fossem conquistar novos fãs no Mato Grosso do Sul e no Paraná. Em seguida, “Bruto, Rústico e Sistemático”, “Xique Bacanizado” e “É Pra Cabá” consolidaram João Carreiro e Capataz no cenário nacional.

Em 2009, a canção "Bruto, Rústico e Sistemático", composta pela dupla, fez parte da trilha sonora da novela Paraíso, exibida pela Rede Globo.[2] Em 2011, a canção "Xique Bacanizado" fez parte da trilha sonora da novela Araguaia, da mesma emissora. O nome da dupla foi inspirado na antiga dupla de música caipira Tião Carreiro & Pardinho, da qual os dois cantores são fãs.

Em 2011, lançaram o CD Lado A / Lado B, onde do Lado A estavam músicas com um estilo mais antigo e o Lado B com músicas mais comerciais.

Em 2013, gravaram um DVD em Cuiabá, no qual foram lançadas 3 faixas, "Prefácio", "Desgramou o Goiás" e "Tudo em Nome do Poder".[3]

ParadaEditar

A notícia da separação ganhou força no final de 2013, e no início de 2014, quando eles anunciaram a separação.[4]

Na verdade não aconteceu a separação de fato. O que acontece é que João Carreiro estaria passando por problemas de saúde, e por esse motivo ele teria que se afastar dos palcos para seu tratamento, o que o levou a ir morar na cidade de Sidrolândia, a 70 quilômetros de Campo Grande, no interior do Mato Grosso do Sul, junto com sua família, para continuar esse tratamento de forma mais tranquila.

De acordo com o empresário da dupla. Léo dos Reis, João Carreiro estava passando por um tratamento psiquiátrico contra depressão e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), ambas doenças responsáveis pelos problemas enfrentados pela dupla durante o ano anterior.[5]

Devido aos problemas de saúde de João Carreiro, o último DVD da dupla, gravado no Parque de Exposições de Cuiabá, no dia 5 de julho de 2013, foi guardado e não chegou a ser lançado.

Fim da dupla e novos rumosEditar

Foi anunciado no dia 16 de julho de 2014 o fim da dupla João Carreiro & Capataz.[3] Em julho de 2015, João Carreiro retornou aos palcos com dois shows em Mato Grosso: Rondonópolis e Cuiabá. Neste meio tempo, ele fez shows pontuais, ainda como uma forma de testes para a sua volta definitiva após superar a depressão. Depois, em 2017, o cantor retornou à sua terra natal, onde se apresentou na Expoagro. Em 10 de agosto de 2018, foi lançado o seu álbum Brutos de Verdade, em parceria com a dupla Jads & Jadson (também amigos pessoais do cantor) e hoje realiza seus shows em todo o Brasil. Já Capataz formou outra dupla: Carreiro & Capataz (o nome de seu parceiro foi cedido por João após o fim da antiga dupla).[5]

ControvérsiasEditar

Em fevereiro de 2012, João Carreiro & Capataz foram acusados de homofobia pela militância LGBT pela letra de "Bruto, Rústico e Sistemático", cujo trecho diz: Sistema que fui criado, ver dois homem abraçado, pra mim era confusão/Mulher com mulher beijando/Dois homens se acariciando, meu Deus que decepção/Mas nesse mundo moderno, não tem errado e nem certo, achar ruim é preconceito/Mas não fujo à minha essência, pra mim isso é indecência/Ninguém vai mudar meu jeito” .[6] Na letra, também haveria um trecho machista, que diz: “Por me faltar o respeito, na muié eu dei um jeito, corretivo do meu modo/No quarto deixei trancada, quinze dia aprisionada, e com ela não me incomodo”. No dia 2 de fevereiro, o site MixBrasil se manifestou sobre o assunto: "A militância LGBT não tem gostado nem um pouco da letra do sucesso sertanejo 'Bruto, Rústico e Sistemático', da dupla João Carreiro e Capataz". Esse assunto foi levantado pela ONG ABCDS, de Santo André.[7] Porém, a assessoria de imprensa da dupla divulgou um comunicado negando que eles fossem homofóbicos e lamentou que houvesse tanta vontade de causar polêmica com algo que é tão claramente inocente e óbvio. O comunicado na íntegra diz o seguinte: "Saiu no Mix Brasil que a militância LGBT considera homofóbica a letra da música da dupla João Carreiro e Capataz, 'Bruto, Rústico e Sistemático'. O assunto foi levantado ontem (2), pela ONG ABCDS*, de Santo André. Quanto à questão, só podemos lamentar tanta vontade de causar polêmica com algo que é tão claramente inocente e óbvio. A música retrata um personagem, um caboclo simples, como diria João Carreiro, que é autor da canção, assim como da maioria das músicas que canta, que não aceita e não entende as coisas que questiona na letra. João Carreiro e Capataz não são homofóbicos, não querem ofender ninguém com suas canções. São só dois apaixonados por música sertaneja, suas histórias, seu palavreado e seus personagens e prova disso é que acabam de lançar um dos trabalhos mais magníficos do segmento, uma verdadeira obra de arte em homenagem à cultura caipira, o 'Lado A Lado B', que deveria ser ouvido por todo aquele que admira as tradições da música sertaneja".[8]

Em junho de 2017, Capataz entrou com ação judicial contra o ex-parceiro João Carreiro, o blogueiro que publicou o vídeo e contra o Google, para exigir a retirada da entrevista do YouTube e pedir R$ 100 mil de indenização por danos morais. O processo tramita na 4ª Vara Cível de Rio Preto e ainda está na fase de citações das partes.[9]

Em abril de 2018, Capataz registrou um boletim de ocorrência na Central de Flagrantes de Rio Preto, no dia 18, por injúria e difamação, pedindo a retirada de um vídeo da internet. Na gravação, seu antigo parceiro, João Carreiro, falou sobre o fim da parceria musical. Capataz exigiu na Justiça que o vídeo publicado em junho de 2014 fosse retirado do ar. Nos 30 minutos de entrevista, João Carreiro disse ter ficado incomodado com a postagem de Capataz nas redes socais, ao anunciar a nova dupla – a nova dupla é Carreiro e Capataz. "O Capataz postou um negócio que não fiquei muito contente. Ele está se passando por vítima da história. Ele poderia seguir uma carreira brilhante sem meter o pau em mim", disse o músico na época. João Carreiro falou ainda sobre as divergências da dupla e diz que tinha parado de cantar para se tratar de depressão.[10]

DiscografiaEditar

  • Bão Tamém (2003)
  • Diga Que Valeu (2005)
  • Acústico (2006)
  • João Carreiro & Capataz (2009)
  • Xique Bacanizado - Ao Vivo (2010)
  • Lado A / Lado B (2011)
  • Ao Vivo Em Cuiabá (2013)

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. «João Carreiro e Capataz». Consultado em 24 de abril de 2012 
  2. «João Carreiro & Capataz participam de "Paraíso"». ObaOba. Consultado em 24 de abril de 2012 
  3. a b «João Carreiro e Capataz retornam à Cuiabá para gravação de DVD». Olhar Direto. Consultado em 24 de janeiro de 2020 
  4. Record, MS (8 de janeiro de 2014). «Fim da dupla João Carreiro e Capataz é anunciado oficialmente por empresário; saiba por quê». Diário Digital. Consultado em 3 de maio de 2015 
  5. a b [http://www.agoranews.com.br/noticia/dupla-joao-carreiro-e-capataz-se-separam-de-vez/17232 «Cantor Jo�o Carreiro est� com problemas de sa�de»]. www.agoranews.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2020  replacement character character in |titulo= at position 10 (ajuda)
  6. Redação (2 de junho de 2012). «Dupla João Carreiro e Capataz é acusada novamente por homofobia». Raízes FM 98,7 | Notícias de Capivari e Região. Consultado em 24 de janeiro de 2020 
  7. Piunti, André (3 de fevereiro de 2012). «Dupla João Carreiro e Capataz é acusada de homofobia». Universo Sertanejo. Consultado em 3 de maio de 2019 
  8. «João Carreiro e Capataz defede-se da acusação de homofobia na TV». Movimento Country. 10 de fevereiro de 2012. Consultado em 24 de janeiro de 2020 
  9. Martins, Fernanda (23 de abril de 2018). «Fim de dupla João Carreiro e Capataz vai parar na polícia». Portal Onda Sul. Consultado em 3 de maio de 2019 
  10. Região, Diário da (19 de abril de 2018). «Fim de dupla sertaneja vai parar na polícia». Diário da Região - Polícia. Consultado em 24 de janeiro de 2020